Arquivos da categoria ‘Economia’

Petrobras analisa abertura de capital da Petrobras Distribuidora

23 de junho de 2017

A Diretoria Executiva da Petrobras autorizou a elaboração de estudos para abertura de capital de sua subsidiaria integral Petrobras Distribuidora S.A.. Agora, será submetida à apreciação do Conselho de Administração.

Se aprovada, será conduzida por meio de oferta pública secundaria de ações, e terá como um de seus objetivos promover a dispersão acionária da BR.

“Nós já vimos um grande número de IPOs este ano e achamos então que temos condições de mercado extremamente favoráveis para que a empresa considere essa medida”, destacou o presidente Pedro Parente. “Essa deve ser uma alternativa que venha a ser aprofundada”, disse, durante o19º Encontro Internacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais, em São Paulo, onde fez o anúncio.

Depois de breve respiro, empresariado volta ao ceticismo

22 de junho de 2017

Após quatro meses de estabilidade, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu para 51,9 pontos em junho, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Redução de 1,8 ponto na comparação com maio. Na análise, o país ainda enfrenta dificuldades para superar a crise. “Como ainda mantém-se acima da linha divisória de 50 pontos, o ICEI revela que os empresários permanecem confiantes, mas a confiança se reduziu entre maio e junho”, trecho do estudo, divulgado hoje (22).

Os indicadores da pesquisa variam em uma escala que vai de zero a 100 pontos. De acordo com o estudo, quando o índice fica acima de 50 pontos, os empresários estão confiantes. A CNI observa, no entanto, que o índice de junho é insuficiente para estimular o investimento industrial. Embora esteja 6,2 pontos acima do registrado em junho do ano passado, a confiança do empresário continua abaixo da média histórica de 54 pontos, informa a Agência Brasil

A pesquisa foi feita entre 1º e 12 de junho, com 2.958 empresas. Dessas, 1.173 são pequenas, 1.112 são médias e 673 são de grande porte. O ICEI antecipa tendências de produção e de investimento.

Produção da Petrobras em maio foi de 2,8 milhões de barris por dia

19 de junho de 2017

A Petrobras informou que a produção total de petróleo e gás natural no mês de maio foi de 2,80 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), sendo 2,68 milhões boed produzidos no Brasil e 120 mil boed no exterior.

A produção média de petróleo no país foi de 2,18 milhões de barris por dia (bpd), volume 3,9% superior ao de abril.

Para a companhia, o “resultado se deve, principalmente, ao início de produção de mais um projeto, no sul do campo de Lula, na Bacia de Santos, através da plataforma P-66, no dia 17 de maio; ao retorno à produção após parada para manutenção das plataformas P-37 (campo de Marlim na Bacia de Campos) e FPSO Cidade de Angra dos Reis (campo de Lula), assim como a entrada de um novo poço produtor no campo de Marlim Sul, na Bacia de Campos”.

A produção de gás natural no Brasil, excluído o volume liquefeito, foi de 78,9 milhões de m³/d, 0,5% acima do mês anterior.

Produção do pré-sal

Em maio, a produção de petróleo e gás natural operada pela Petrobras (parcela própria e dos parceiros), na camada pré-sal, foi de 1,57 milhão de boed, volume 5,1% acima do realizado no mês anterior. Esse resultado decorreu, principalmente, do início da produção do projeto Lula Sul, através da P-66, e do retorno à produção após parada para manutenção da plataforma FPSO Cidade de Angra dos Reis.

Importante ressaltar que na comparação com maio de 2016, houve um aumento de 37% da produção da camada pré-sal.

Produção de petróleo e gás no exterior

A produção de petróleo nos campos do exterior foi de 65 mil bpd, volume 1% acima do mês anterior. Esse desempenho resultou, principalmente, da entrada em produção de um novo poço no campo de Saint Malo, nos EUA.

A produção de gás natural foi de 9,3 milhões de m³/d, 3% abaixo do volume produzido em abril de 2017. Essa redução foi consequência, principalmente, da menor demanda da produção de gás na Bolívia.

Apesar da crise, brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos

16 de junho de 2017

Enquanto se alardeia a crise econômica nunca vista antes na história do Brasil, a cifra de R$ 1 trilhão em tributos do pobre-rico-dinheiro dos contribuintes chega 19 dias de antecedência em relação ao ano passado.

A marca está registrada a partir de hoje (16) no Impostômetro. Representa somatório de impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros este ano.

Em 2016, a calculadora de tributos alcançou a cifra apenas no dia 5 de julho. Os números são do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), responsável pela metodologia de cálculo.

O painel do Impostômetro em Natal está instalado na frente da Faculdade Uninassau, na Av. Engenheiro Roberto Freire.

“Um dos fatores que tem contribuído para este aumento na arrecadação é a liberação das contas inativas do FGTS. Os recursos aqueceram as vendas no varejo que registraram uma alta significativa, representada principalmente pela arrecadação dos tributos incidentes sobre o consumo”, explica a professora Edna Medeiros, do curso de Ciências Contábeis e especialista em Análise Tributária.

Em 2017, o brasileiro trabalhou 153 dias apenas para pagar impostos e o cenário é de insatisfação, segundo a especialista. “Podemos traduzir em uma população que anseia por desenvolvimento econômico, social e uma reforma tributária”, analisa.

Além do impacto, os números trazem um alerta: uma pesquisa do próprio instituto mostra que o Brasil é um dos piores países do mundo em reverter a arrecadação em bem estar para a população.

Esses são os números do Índice de Retorno e Bem Estar Social (IRBES) que colocam o nosso país em 30º lugar, bem atrás de outras nações como Austrália (1º colocado), Coreia do Sul (2º) e Estados Unidos (3º).

Para se ter ideia, os mais de R$ 990 bilhões registrados essa semana renderiam mais de R$ 191 milhões se aplicados na poupança. O valor corresponde também a mais de 2,2 bilhões de cestas básicas. Em nível estadual, os potiguares terão pago até sexta-feira mais de R$ 6,5 bilhões. Todos os dados estão disponíveis no site do Impostômetro <http://www.impostometro.com.br>.

O valor exibido no contador considera todos os montantes arrecadados pelas três esferas de governo a título de tributos: impostos, taxas e contribuições, incluindo as multas, juros e correção monetária. O Impostômetro é uma iniciativa da Associação Comercial de São Paulo. Em parceria com o Grupo Ser Educacional, o equipamento está instalado em diversas unidades das faculdades espalhadas pelo Brasil.

RN arrecada R$ 1,2 bilhão de ICMS no 1º trimestre

9 de junho de 2017

Mesmo com a forte crise econômica, a arrecadação do ICMS ( Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) no RN cresceu +0,7% no primeiro trimestre de 2017, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Com o crescimento, o Estado arrecadou R$ 1,29 bilhão até março, segundo levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), do Banco do Nordeste, com dados do Banco Central e Ministério da Fazenda.

No Nordeste, foram arrecadados R$ 17,7 bilhões no trimestre, incremento real de 1,4%. O aumento também foi verificado em outros seis Estados nordestinos: Sergipe (+5,3%), Paraíba (+5,1%), Pernambuco (+4,5%), Alagoas (+2,5%), Ceará (+1,5%) e Piauí (+0,5%).

De acordo com os dados, o setor terciário, que congrega atividades de comércio de bens e prestação de serviços, respondeu por quase metade da arrecadação nordestina (44,4%), com crescimento de 6,7%.

Quanto à perda verificada no Maranhão (-4,4%) e Bahia (-0,5%), a explicação reside na queda da arrecadação dos setores de petróleo, combustíveis e lubrificantes, bem como no setor de energia.

O setor petrolífero teve a maior variação negativa do Nordeste (-11,8%), com principal queda registrada no Maranhão (-80,4%). E o setor energético vem em seguida (-10,0%), com maior impacto verificado na Bahia (-19,8%).

Maaasss…os principais picos no setor primário foram obtidos pelos estados de Pernambuco (+72,9%) e Maranhão (+70,9%). No setor secundário, Sergipe registrou o melhor desempenho (+16,0%), seguido por Alagoas (+13,0%). E o setor terciário, que liderou o crescimento regional, se destacou em Alagoas (+10,1%) e Maranhão (8,0%).

A arrecadação de ICMS no Brasil alcançou R$ 107,7 bilhões no primeiro trimestre, que corresponde a incremento real de 0,2% no período.

Caixa abre R$ 1 bilhão para micro, pequenas e médias indústrias

8 de junho de 2017

A Caixa Econômica Federal vai disponibilizar mais de R$ 1 bilhão para micro, pequenas e médias empresas do segmento industrial, para que empresas associadas à CNI encontrem soluções financeiras e serviços bancários adequados às suas necessidades.

As linhas de Crédito Especial Empresa e GiroCaixa oferecem prazo de até 36 meses para pagamento e taxas a partir de 1,52%. No BNDES Progeren, o prazo chega a 60 meses, com até 12 meses de carência. As empresas associadas à CNI ainda contarão com isenção de três meses na cesta de serviços.

Nas linhas de crédito para financiamento e investimentos, o prazo chega a 120 meses, com até 24 meses de carência, no BNDES Finame.

A taxa de juros é composta de TJLP, 1,7% a.a. (taxa BNDES), 0,4% a.a. (Intermediação Financeira) e taxa Caixa (a partir de 2,95% a.a.). No Proger, o empresário conta com taxa de juros a partir de 5% a.a. + TJLP, com prazo de até 48 meses e até 6 meses de carência.

Grupo da Cosern será a maior empresa elétrica no Brasil e na AL

8 de junho de 2017

Os acionistas da Neoenergia, controlada pelo Iberdrola, conglomerado que tem a Cosern no seu leque de investimentos, incorporou os negócios da Elektro para criar a maior empresa elétrica no Brasil e na América Latina.

A Elektro é uma empresa de distribuição, geração e comercialização de energia elétrica, com 99,99% de participação da Iberdrola. Opera nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, em uma área de concessão de mais de seis milhões de pessoas.

Com a aquisição, cria-se a maior empresa elétrica do Brasil e a primeira da América Latina por número de clientes, com 13,4 milhões de unidades consumidoras e com grande representatividade no setor regulado.

Presidente da Iberdrola, Ignacio Galán explica que “graças ao acordo com os nossos sócios Previ e Banco do Brasil, cria-se a maior empresa elétrica do Brasil e da América Latina, o que reforça o nosso compromisso de contribuir para o desenvolvimento energético brasileiro”.

“A integração da Elektro à Neoenergia corresponde, do mesmo modo, aos objetivos estipulados nas Perspectivas Estratégicas 2016-2020 da Iberdrola: apostar nos negócios regulados e estáveis, assim como consolidar e controlar a gestão da nossa atividade no Brasil”, acrescenta.

A empresa resultante (que reunirá os ativos de distribuição, transmissão, geração e comercialização de eletricidade da Neoenergia e da Elektro) terá aproximadamente a seguinte repartição acionária: 52,45% será controlado pela Iberdrola, 38,21% corresponderá à Previ e 9,35% ao Banco do Brasil.

O acordo alcançado entre os sócios inclui o compromisso da Iberdrola de que a companhia entre na Bolsa (abertura de capital da empresa) quando a Previ e o Banco do Brasil considerarem oportuno.

A companhia atuará em um território com uma população superior a 43 milhões de pessoas (em comparação com os 18 milhões da Iberdrola na Espanha) e terá 13,4 milhões de unidades consumidoras

A área de concessão da empresa terá uma abrangência 836.000 km2 e sua rede de distribuição se estenderá por 585.000 km, em comparação com os 190.000 km2 e 268.000 km, respectivamente, da Iberdrola na Espanha

Possuirá uma base de ativos regulados de aproximadamente 3,657 bilhões de euros

A cifra agregada de receitas da Neoenergia e da Elektro para o exercício 2016 gira em torno de 7,935 bilhões de euros, com um EBITDA de cerca de 934 milhões de euros.

Banco do Brasil empresta R$ 7 bilhões à Petrobras

2 de junho de 2017

A Petrobras obteve financiamento de R$ 7 bilhões do Banco do Brasil, na modalidade de Nota de Crédito a Exportação (NCE), com vencimento em 2022.

Assim, liquidou antecipadamente NCEs no valor de R$ 6 bilhões, que venceriam em 2019, com o banco. “A Petrobras continuará avaliando novas oportunidades de financiamento de acordo com a sua estratégia de gerenciamento de passivos, que visa à melhora do perfil de amortização e à redução do custo da dívida, levando em consideração as metas de desalavancagem previstas em seu Plano de Negócios e Gestão 2017-2021”, destacou a  direção da companhia.

TRF mantém válida venda da Liquigás

31 de maio de 2017

Por unanimidade, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), no Recife (PE), manteve a decisão anterior da Justiça Federal de Sergipe em favor da Petrobras para o prosseguimento do processo de alienação da participação acionária na Liquigás Distribuidora S.A. (“Liquigás”), subsidiária integral da companhia.

A transação de venda foi aprovada pela Assembleia Geral Extraordinária da Petrobras, divulgada em no dia 31 de janeiro de 2017. “A companhia prosseguirá com o cumprimento das condições precedentes negociadas, com vistas à conclusão da operação”.

Palestra do ex-ministro Maílson da Nóbrega em Natal

24 de maio de 2017

Ministro da Fazenda no governo de José Sarney, o economista Maílson da Nóbrega fará rasante por Natal, amanhã (25), Dia da Indústria, para ministra palestra sobre a obre a “Perspectiva da Economia Brasileira”, às 19h, no espaço de evento do Hotel Holiday Inn.

Vem como participaram da programação em comemoração à Semana da Indústria, promovida pela Fiern. Coube a Maílson da Nobrega, como ministro da Fazenda, as iniciativas para restabelecer as relações com a comunidade financeira internacional, depois da moratória da divida externa de 1987.

Também consolidou as reformas que atualizaram institucionalmente as finanças públicas, que haviam começado em 1986, com base nos estudos que liderou. Na gestão dele foram dados os passos para a abertura da economia, as privatizações e a modernização das finanças nacionais.

Petrobras resgata R$ 1,8 milhão de títulos com vencimento em 2018

24 de maio de 2017

Subsidiária integral da Petrobras, a Global Finance B.V. (PGF) informa que “enviou notificações de resgate antecipado aos investidores dos títulos 2,750% Global Notes, 5,875% Global Notes e 4,875% Global Notes, todos com vencimento em 2018”.

Resgate que será financiado com os recursos captados pela companhia na emissão de títulos concluída ontem (22). O valor total equivale a cerca de US$ 1,8 bilhão, excluindo juros capitalizados e não pagos e considerando para os títulos em Euros a taxa de câmbio de US$ 1,1181/€. A liquidação financeira da recompra será dia 22 de junho, revela a companhia.

Lucro da Caixa sobe mais de 81% em 12 meses

24 de maio de 2017

O lucro líquido da Caixa Econômica Federal (CEF) aumenta 81,8% em 12 meses e alcança R$ 1,5 bilhão no primeiro trimestre de 2017. E o líquido recorrente aumenta 49,6%, maior que o verificado no primeiro trimestre de 2016, chegando a R$ 1,7 milhão. Já o resultado operacional alcançou R$ 1,9 bilhão no trimestre, avanço de 420,0% em 12 meses.

Segundo a CEF, o “aumento do lucro líquido foi gerado pelo crescimento das receitas com operações de crédito, diminuição nas despesas com captação de recursos, avanço nas receitas com prestação de serviços e controle das despesas com pessoal, administrativas e operacionais”.

As operações comerciais com pessoas físicas e pessoas jurídicas totalizaram R$ 189,6 bilhões, redução de 4,1% em 12 meses, impactadas, principalmente, pelo segmento pessoa jurídica, que apresentou queda de 7,8%.

O índice de inadimplência encerrou o trimestre com redução de 0,7 p.p em 12 meses, alcançando 2,83%, permanecendo abaixo da média de mercado de 3,84%.

Salário comercial no RN é definido em R$ 961,00

19 de maio de 2017

Após muitas discussões, o fim da noite de ontem terminou com a definição do novo salário comercial no Rio Grande do Norte.

Será de R$ 961, válido a partir de 1º de abril de 2017. ou seja, com efeito retroativo. Diferença que será paga nos contracheques do mês de maio.

O martelo foi batido com o acordo firmado entre representantes do Sindicato do Comércio Varejista do RN (Sindvarejo) e do Sindicato dos Empregados do Comércio potiguar.

O reajuste foi de 5%.

Petrobras inicia venda do Campo de Azulão

16 de maio de 2017

A Petrobras iniciou a etapa de divulgação da oportunidade de desinvestimento (Teaser) para a cessão no Campo de Azulão, na Bacia do Amazonas.

A Petrobras oferece 100% de participação no Campo de Azulão (Concessão BA-3), localizado no estado do Amazonas. Segundo a estatal, é uma “oportunidade para desenvolver uma descoberta de gás natural, perto de infraestrutura já existente, bem como de linha de transmissão de energia”.

Desempenho bilionário da Petrobras

12 de maio de 2017

Em coletiva de imprensa, a Petrobras informou que o lucro líquido da empresa no primeiro trimestre deste ano chegou a R$ 4,4 bilhões.

Assim, afirma, reverteu o prejuízo registrado no mesmo período do ano anterior. Desempenho “alcançado por meio de menores gastos com importação de petróleo e derivados, em função da maior participação do óleo nacional na carga processada e da maior oferta de gás natural nacional, assim como menores despesas com vendas, gerais e administrativas”, destacou.

Também, a redução das despesas financeiras líquidas e dos menores gastos com baixas de poços secos/subcomerciais.

De operação, a petrolífera produziu 2.805 mil barris de óleo equivalente por dia (boed). Foram 2.248 mil barris por dia (bpd) de petróleo, sendo 2.182 mil bpd no Brasil, 10% acima do primeiro trimestre de 2016.

O efetivo de pessoal da companhia em 31 de março foi de 65.220 empregados, uma redução de 17% em comparação ao 1T16, em função do Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV).

Resultados do primeiro trimestre de 2017 da Petrobras

11 de maio de 2017

A diretoria da Petrobras apresenta hoje (11), após o fechamento do mercado, o detalhamento dos resultados operacionais e financeiros do primeiro trimestre de 2017.

Os dados serão apresentados em coletiva de imprensa, no edifício-sede da companhia, no Centro do Rio de Janeiro.

Sai nova pesquisa Sinduscon sobre o mercado imobiliário

10 de maio de 2017

O Sinduscon (Sindicato da Indústria da Construção Civil do RN) divulga amanhã (11), às 8h30, em sua sede, no bairro de Candelária, pesquisa realizada pela Consult sobre o mercado imobiliário da Grande Natal.

Os dados são referentes ao primeiro trimestre de 2017. Na ocasião, a diretoria abordará também as perspectivas do setor para este ano.

Petrobras emite nota sobre a Operação Asfixia

4 de maio de 2017

Diante da Operação Asfixia, deflagrada hoje (4) pela Polícia Federal com alvo em três ex-gerentes da petrolífera e dois representantes, apontados por manterem esquema fraudulento mesmo após iniciada a Operação Lava Jato, há dois anos e meio, a companhia emitiu nota de esclarecimento.

Eis a nota:

A Petrobras trabalha em estreita parceria com as autoridades que conduzem a Operação Lava-Jato e é reconhecida pelo próprio Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal como vítima da corrupção investigada. É a maior interessada, portanto, em ver todos os fatos esclarecidos.

Queremos continuar esse esforço e nos colocamos inteiramente à disposição dessas instituições para aprofundar esta colaboração de tal forma que, baseados nas evidências de que disponham, possamos identificar e afastar imediatamente eventuais infratores ainda existentes nos nossos quadros. É do interesse da direção da empresa e da imensa maioria dos trabalhadores da Petrobras, que são dedicados e comprometidos com a empresa e com a ética, que isso aconteça o mais rapidamente possível.

A empresa usa todos os mecanismos que estão ao seu alcance para assegurar o funcionamento de um sistema robusto de conformidade que evite qualquer desvio de natureza legal ou ética. O trabalho da Lava-Jato é essencial no aprofundamento deste processo de investigação. Por dispor de ferramentas exclusivas de autoridades judiciárias, a força tarefa pode realizar investigações que não estão ao alcance da empresa. Com este objetivo, a Petrobras remete rotineiramente às autoridades resultados de suas apurações internas, além de ser assistente de acusação em todas as ações impetradas pelo MPF.

A Petrobras já adotou uma série de providências para aperfeiçoar sua governança e está comprometida em avançar ainda mais nesta direção.

Alguns exemplos destes avanços são citados a seguir:

– criação de Comitê Especial de Investigação liderado pela ex-ministra do Supremo, Ellen Gracie;
– criação de Canal Denúncia independente;
– revogação de instâncias individuais de decisões. Todas as decisões são coletivas;
– criação de comitês com responsabilidades estatutárias para as decisões mais relevantes, trazendo a possibilidade de responsabilização pessoal de seus integrantes;
– realização de verificação da vida pregressa de todos os gestores, para avaliação de sua integridade;
– criação de comitês de assessoramento ao Conselho de Administração que acompanham todas as decisões relevantes adotadas pela companhia;
– treinamento de 66 mil empregados em curso desenvolvido pela ONU para ética e combate à corrupção;
– redução dos limites máximos para aprovação de projetos pela diretoria
– treinamentos específicos para setores envolvidos em ações de contratação, fiscalização, trading e finanças;
– treinamento do Conselho de Administração e Diretoria Executiva sobre temas relativos à ética, leis anti-corrupção e conformidade;
– melhoria de controles internos com reforço da segregação de funções;
– ampliação no estatuto da companhia dos critérios estabelecidos legalmente para ocupar cargos de diretoria, incluindo a necessidade de ilibada reputação.

RN entre os estados com o m² mais barato do Brasil

3 de maio de 2017

Nove estados nordestinos estão entre os 11 com menor custo da construção civil no país. Em média, o metro quadrado na região custa R$ 960,27.

No RN, o custo é ainda mais barato: R$ 918,82. O menor e o maior custo acontecem, respectivamente, em Sergipe (R$ 910,04) e Maranhão (R$ 1.000,12). Os números compõem a análise do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), com dados do IBGE.

Espírito Santo e Minas Gerais, que também possuem municípios na área de atuação do Banco do Nordeste, completam a lista dos 11 estados mais baratos em construção civil e ocupam o quinto e o oitavo lugares, respectivamente.

Segundo os autores da pesquisa, as perspectivas para o setor da construção revelam expectativas ainda desanimadoras. Em março, houve queda nos indicadores que medem as expectativas em relação ao nível de atividade, aos novos empreendimentos e serviços, às compras de insumos e matérias-primas e ao número de empregados, apontando para uma perspectiva pessimista de redução nestas variáveis para os próximos seis meses.

A pesquisa também identificou que os empresários da indústria da construção continuam pouco propensos a investir. O indicador de intenção de investimento em compras de máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento e inovação de produto ou processo permaneceu praticamente estável em março, em patamar muito baixo, se comparado à média histórica do indicador mensal, iniciado em 2013.

Nos EUA, Pedro Parente destaca avanços da Petrobras

3 de maio de 2017

Presidente da Petrobras, Pedro Parente foi palestrante, ontem (4), do Offshore Technology Conference (OTC) em Houston (EUA), maior evento mundial dedicado às atividades de exploração e produção no mar. Falou sobre “Oportunidades da Petrobras em um novo cenário de petróleo e gás”.

Destacou a progressiva recuperação financeira da companhia após a implementação do Plano Estratégico e de Negócios 2017-2021. “Saímos de um endividamento extremamente elevado, de mais de cinco vezes a nossa geração de caixa, para 3,5x em 2016. Ainda é uma dívida alta, por isso nosso esforço em alcançar a meta de 2,5 para 2018 de acordo com o nosso PNG”, disse.

Apresentou também a redução da Taxa de Acidentados Registráveis (TAR), que caiu de 2,2 em 2015 para 1,6 em 2016. E abordou as perspectivas da petrolífera. “Estamos adotando uma nova estratégia, criando oportunidades tanto para operadores da indústria como fornecedores, além de ampliar as parcerias com universidades e instituições de pesquisa”.

E informou que a companhia deve apresentar uma nova carteira de desinvestimentos em breve. Reafirmou a meta de US$ 21 bilhões em desinvestimentos e parcerias em 2017 e 2018.