14 motivos para se render ao Panetone

19 de dezembro de 2016 por Cinthia Lopes

O panetone, esse pão doce em formato de touca de chef confeiteiro e perfume de passas, vinho, frutas e baunilha, teve sua origem no norte da Itália, mais precisamente na região de Milão. Veio para o Brasil com os imigrantes italianos e conquistou um lugar afetivo na mesa natalina, muitas vezes suplantando até a rabanada portuguesa. Mas na hierarquia do Natal, o panetone é uma guloseima que provoca reações extremas, tipo ame-o ou deixe-o.

Tem gente tão fissurada em panetone que chega a promover encontros para degustação – como já declarou o jornalista e apresentador Zeca Camargo – ou a abastecer a dispensa para comê-los até depois das festas, no meu caso. Por outro lado, há quem torça a boca só de lembrar das frutas cristalizadas, preferindo as versões de chocotone ou afins.

cover-panettone-desktop-1200x425

Mas saiba que a receita original não tem nem frutas cristalizadas nem chocolate. Ela é a base de manteiga, açúcar, ovos, uvas-passas banhadas em vinho licoroso no tempero, vinho e a fermentação tem processo natural conhecido como sourdough (levedura cultivada de forma natural) , onde descansa por umas 48 horas para crescer no ponto certo de assar. A cobertura geralmente é um glassê de amêndoas. Depois de assado, esfria de de cabeça para baixo, na temperatura. É assim lá na Itália e entre aqueles que seguem à risca.

Então quando a receita pede a tal essência de panetone, nada mais é do que a recriação desse aroma, mas é muito mais interessante utilizar vinho licoroso na massa.

Panettone à moda italiana

Panettone à moda italiana

De tão adaptado as festividades brasileiras, o panetone já virou uma alternativa interessante à mesa: Como sobremesa, cai bem com um porto ou um vinho moscato. Se aquecido levemente no forno ou micro-ondas, pode acompanhar com sorvete ou puro. Também é um bom parceiro de outro hábito brasileiro, o cafezinho de fim de tarde. E suas sobras servem de base para outras receitas como a própria rabanada. Mais versátil…

Nessa época do ano os panetones entopem as prateleiras de supermercados, delicatessens e padarias com suas adaptações que apostam nas tendências. Tem para todos os gostos e bolsos. Industrializados, caseiros ou a clássica receita temperada com vinho Moscato d’Asti. Luxo!

Tem panetones recheados com frutas nativas brasileiras, como o caso da Amendoá que apostou na semente de cumaru da Amazônia; e as versões lançadas pelas chocolaterias investem nos recheios caprichados, como a da Kopenhagen com chocolate 70% cacau, ou no sabor churros. Aqui em Natal, algumas marcas estão à venda. É o caso da Casa Suíça na Magazzino Vinhos e Comida. A marca lançou este ano o panetone com a receita à moda veneziana.

Listei algumas opções que podem agradar bastante os fãs da guloseima de época. Ainda dá tempo!

freddo

1.Panetone com doce de leite argentino Freddo
A sorveteria argentina Freddo possui lojas em várias capitais do Brasil (aqui em Natal, fica no Natal Shopping Center). Para marcar a data, trouxe sua versão premium do panetone recheado com o tradicional doce de leite argentino, ingrediente base dos sete sabores de sorvetes da marca. O produto, com 700g, é baseado na receita artesanal com processo de fermentação natural e o doce de leite utilizado é de fabricação própria.

mendoa
2. Mendoá lança panetones de Cumaru, a amêndoa que caiu nas graças do  chefs
As sementes e frutos nativos do Brasil recheiam os panetones da marca baiana Mendoá Chocolates, com sede na Fazenda Riachuelo (Ilhéus/BA). A empresa lançou durante o Salon Du Chocolat, prestigiada feira realizada anualmente em Paris, os sabores de panetone com doce de leite de cumaru, semente típica da Amazônia que caiu nas graças dos chefs por que tem o dobro da proteína que dá sabor à baunilha. Também foram disponibilizados panetones nos sabores brigadeiro e cupuaçu. Com massa levemente umedecida, as três opções apresentam um mix de aromas e sabores típicos da gastronomia brasileira.

A receita de cupuaçu mescla o cítrico da fruta com o doce da cobertura de caramelo com castanha-do-pará. Já o de brigadeiro retoma o sabor que é paixão nacional com um toque de leite condensado, chocolate com 70% de cacau e cobertura de chocolate ao leite. Por fim, o novo sabor mistura o adocicado do doce de leite ao aroma característico e amadeirado do cumaru, muito próximo à baunilha e amêndoa mais amarga.

Os panetones compõem a linha Brasilis da marca e selam mais uma parceria entre a Mendoá e a chocolatier Giuliana Cupini, que assina as receitas. Os produtos podem ser encontrados a R$ 99,00. Como a marca não é comercializada em Natal, pode-se adquirir na loja virtual http://loja.mendoachocolates.com.br ou www.mendoachocolates.com.br

Panetone-Nestle-Chandelle-500g-218526

3. Panetone Chandelle Nestlé
A indústria de chocolates, massas e iogurtes resolveu incluir no seu portfólio de produtos de fim de ano um panetone com sabor da popular sobremesa gelada Chandelle, a base de chocolate cremoso. Também manteve a linha de Panettones Gateau lançada ano passado, além dos sabores Alpino, Moça e Prestígio, que remetem aos chocolates mais vendidos da Nestlé. O preço do produto de 550g fica na faixa dos R$ 23,99. Sugestão: pode ser gelado ou levemente aquecido no forno ou micro-ondas para derreter o recheio e dar consistência mais marcante à sobremesa natalina.

linht

4.Marca suíça Lindt estreia panetone fabricado no Brasil
Comercializada em todo o Brasil, a marca de chocolates suíços estreia seu Panettone Lindt com gotas de chocolate e fermentação natural. Segundo divulgou a marca, o produto foi fabricado no Brasil para chegar mais fresco às mesas locais. A receita original italiana foi seguida à risca e para isso, foram dois anos de desenvolvimento com envolvimento direto da fábrica italiana. Os ingredientes que garantem o diferencial do produto vieram da Itália e o chocolate da fábrica da marca que fica na Suíça. “Nosso objetivo era preparar um Panettone que chegasse “quentinho” para as festas de final de ano no Brasil, assim como os italianos têm por lá”, afirma o Country Manager da Lindt Brasil, Patrick Diggelmann. O preço do panetone de 1kg custa R$ 99,90. Saiba mais no www.facebook.com.br/LindtChocolateBrasil

panetone zaeli

5.Marca paranaense Zaeli lança novos sabores com fermentação natural
Sem a utilização de produtos químicos, a Zaeli lançou três tipos de Panetones em seu portfólio, todos elaborados a partir de receitas exclusivas e originárias da Itália: o Panetone em caixa, o Panettone Pouch e o Paneshow (com gotas chocolate). Os pães ficam no molde de papel enquanto são assados no forno. Os panetones são preparados com farinha de trigo, ovos, mel, leite em pó, ­frutas cristalizadas, uvas passas e essência natural.As embalagens são de 500 gramas e os produtos podem ser encontrados em lojas de todo o Brasil. Para mais informações: www.zaeli.com.br

kopenhagen cacau
6.Para fãs de chocolate, Kopenhagen lança panetones Língua de Gato, 70% Cacau e Black & White
Os panetones da chocolateria são tradição no natal. Este ano apresenta quatro novos sabores de panetones: o ‘Lajotinha’, panetone recheado com creme de castanha-de-caju e canela e coberto com chocolate ao leite decorado com castanha-de-caju; o ‘70% Cacau’, panetone com gotas de chocolate amargo, recheio de chocolate meio amargo 70% cacau, coberto com chocolate amargo 70% cacau. Também ‘Mousse de Chocolate com Chumbinho’ (gotas), com recheio sabor mousse de chocolate, coberto com chocolate ao leite e decorado com chumbinho; e o ‘Black & White’, com gotas de chocolate, recheado com chocolate ao leite e chocolate branco, coberto com chocolate ao leite e decorado com chocolate branco. Lojas em Natal: Midway e Natal Shopping.

oanetone visconti

7.Visconti em lata charmosa e cheia de positividade
A marca popular de panetones lança sua versão para presente, em lata decorativa e um panetone com recheio de frutas no tamanho 500g. A lata custa em media R$ 21,99. A embalagem traz mensagens positivas que podem ser colocadas em prática no dia a dia, como “Espalhe sorrisos” e “Distribua abraços”. Muito fofo e ainda uma boa opção para aquele colega da firma. Nos supermercados.

cacau show
8.Cacau Show com panetones trufado e doce de leite e embalagens do artista Luciano Martins
A marca de chocolates com loja em Natal apresenta Panetone Belga, de 750g, com gotas de chocolate, recheio de trufa tradicional e coberto com chocolate ao leite belga. E com frutas e gotas de chocolate. Trufa zero Açúcar e versão La creme. E versão creme de castanha-de-caju com canela, muito na moda. Este ano, o Instituto Cacau Show lançou uma ação social em parceria com o artista Luciano Martins, para embalagens especiais dos panetones da marca. O resultado que beneficiam crianças assistidas pelo instituto, une a criatividade das crianças com o talento do artista, em elementos que representam a família e os sonhos que elas têm.

panetone aseiro tuperware

9.Tupperware ensina a fazer o panetone em casa
A marca de utensílios para cozinha Tupperware selecionou uma receita de panetone para preparar em casa, de preferência utilizando os recipientes Tupperware – mas se não tiver não tem problema.
Ingredientes: 01 quilo de farinha de trigo peneirada | 03 ovos | 1 xícara de açúcar refinado | 01 pitada de sal | 2 colheres (sopa) de manteiga sem sal amolecida | 1 xícara de leite morno | • 50 gramas de fermento biológico | 500 gramas de frutas cristalizadas ou gotas de chocolate | • 25 mililitros de essência de panetone | Raspas de ½ limão
Modo de Preparo: Bata a manteiga, os ovos, o açúcar, o leite, essência de panetone até virar um creme homogêneo; Na Mega Criativa 10 litros misture a farinha com o fermento, abra um furo no meio e coloque os ingredientes batidos. Misture até formar uma massa e sove até que solte das mãos. Adicione as frutas cristalizadas ou gotas de chocolate (chocotone), as raspas do limão e misture até que fiquem misturadas na massa de forma homogênea. Distribua a massa em 3 formas de panetone de 1 quilo e deixe crescer, em temperatura ambiente, até dobrar de tamanho. Com uma faca faça um corte em formato de X sobre os panetones e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC por 30 minutos ou até dourar. Dica: Caso deseje fazer mais panetones aumente proporcionalmente a quantidade de ingredientes da receita e utilize a Jumbo Criativa 14 Litros.

la veneziana

10. Panettone La Veneziana da Casa Suíça na Magazzino
A Casa Suíça lançou o Panettone La Veneziana tipo premium, com damasco, ameixa, uvas passas, coberto com amêndoas, crosta de castanha de caju e confeitos de açúcar. São 900g ao preço de R$ 105,00. Tem ainda a versão em lata clássica leva frutas cristalizadas e passas e o tradicional com frutas e gotas de chocolate, ao preço de R$ 45,00. Na avaliação dos principais cadernos de gastronomia, o panetone da marca Casa Suíça tem bom custo-benefício, mas nesse caso são os tradicionais de 500g. Em Natal, um dos locais que comercializam a marca é a Magazzino Vinhos e Comida, na rua Potengi, em frente ao Atheneu (Petrópolis).

panettone-2-coppo

11. Importadora Mistral vende Panetone com Moscato d’Asti, do italiano Paolo Coppo e Moncalvina
Panetone e vinho licoroso vão além das harmonizações. A bebida é um ingrediente da receita original, pelo menos para o produtor de vinhos piemontês Paolo Coppo, que incorpora-o à massa durante a fabricação. Estamos falando do produtor da Moscato d’Asti, ou seja, vinho procedente da mesma região onde nasceu o “panettone”.

Com a ajuda do também piemontês Albertengo, tradicional produtor de panetones, a parceria que que começou há pelo menos cinco anos chegou ao Brasil. Segundo reportagem da coluna Paladar do Estadão, os panetones são preparados com ingredientes de alta qualidade, descansam 48 horas e tem cuidados tão detalhistas como a safra de um vinho. Custam R$ 117,00 na Importadora Mistral, que também importa os vinhos de Coppo. Segundo o produtor italiano, o Moscato não deixa taços de álcool no panetone. Em compensação, ele disse à reportagem que “as frutas cristalizadas não combinam com o vinho”. Muito menos chocolate, doce de leite e até quinoa, presentes em algumas das versões produzidas no Brasil atualmente. (Com informações do Estadão). Onde achar: www.mistral.com.br

image002 (2)
12. Panetone sem glúten e sem lactose da Favoritta
Marca de cereais integrais de alta densidade nutricional, a Favoritta aproveita a época do ano para sugerir uma receita que utiliza a farinha Sorgo, uma alternativa importante para pessoas com restrições alimentares, celíacos ou veganos
Ingredientes: 100g Farinha de Sorgo Integral Farovitta | 150g Farinha de Grão-de-Bico | 50g fécula de batata | 3 ovos | 10g CMC | 1 tablete fermento biológico | 100g óleo de coco | 150g Açúcar de Coco Farovitta | 40g água morna | 15g essência de panetone | 130g suco de laranja | 100g nozes moídas | 100g damasco picado | 100g uvas-passas
Modo de Preparo: Misture os ingredientes secos, acrescente o óleo de coco, os ovos e a essência de panetone. Coloque em formas e deixe fermentar (descansar por 50 min) Assar em forno aquecido à temperatura média por 30min. Decore à gosto. Dependendo do tamanho da forma rende de 3 a 4 panetones

cheescake de panettone editado

13. Vencedor do Master Chef Júnior e marcas de panetones lançam receitas para adaptar o produto pronto
Se você não tem o menor saco para fazer panetone em casa ou ganhou a guloseima de presente de um amigo, pode incrementá-lo com uma receita nova. OGrupo Bimbos, fabricante dos panetones Pullman, PlusVita e Nutrella, em parceria com o chef Lorenzo Ravioli (vencedor do 1º MasterChef Brasil Junior) lançaram uma série de receitas para quem gosta de panetone, mas prefere personalizar a receita usando o pão doce como base. Abaixo, segue uma das receitas:

Cheesecake de panettone: 2 panettones fatiados em discos de 2 cm de largura por 12 cm de diâmetro | 450 g de cream cheese | 1 ½ xícara (chá) de açúcar | 1 lata de creme de leite sem soro | Suco de 1 limão • Raspas da casca de 1 limão • 1 colher (sopa) de gelatina em pó incolor | 4 colheres (sopa) de geleia de morango | • Frutas frescas a gosto • Manteiga para untar
MODO DE PREPARO: Corte os discos de panettone em tiras e coloque-os no fundo de uma forma untada com manteiga, de modo que o fundo fique totalmente coberto de panettone. Leve ao forno preaquecido (200 °C) por 10 minutos ou até dourar. deixe esfriar e reserve. Na batedeira, bata o cream cheese com o açúcar até formar um creme. Misture o creme de leite, o suco de limão, as raspas de limão e a gelatina preparada de acordo com as instruções da embalagem. Coloque a mistura sobre o panettone e leve à geladeira até firmar. Na hora de servir, espalhe a geleia por cima e cubra com as frutas de sua preferência.

chiquinho

14.Chiquinho Sorvetes lança gelado de panetone
A franquia Chiquinho Sorvetes, sorveteria que possui filial em Natal, aposta em produtos exclusivos confeccionados com panetone de chocolate: Tortilha Speciale com Nutella, Shake Mix Speciale Doce de Leite e Shake Mix Speciale Chocolate Trufado.A ação acontece entre os dias 17 de novembro e 05 de janeiro em todas as lojas da rede.

Com natureza de sobra e charme europeu, hotel-boutique se destaca em Tibau do Sul

9 de dezembro de 2016 por Cinthia Lopes
A piscina arrojada dá um efeito praia natural. A paisagem completa. Foto: Humberto Lopes

A psicina arrojada dá um efeito praia natural. A paisagem completa. Foto: Humberto Lopes

por Cinthia Lopes

Uma premissa de todo viajante experiente é a possibilidade de fazer diferentes viagens a um mesmo lugar, não importa quantas vezes retorne. Isso faz todo o sentido quando o destino escolhido é Tibau do Sul ou Pipa. A fama de seus atrativos naturais, culturais, baladeiros e gastronômicos perdura de verão a verão, por que sempre surgem novidades para instigar a pegar a estrada. Nesta temporada, um lugar que tem atraído novo olhares é o elegante hotel-boutique Beija-Flor Resort & Spa, construído no alto de um falésia e debruçado sobre uma paisagem de tirar o fôlego. O empreendimento turístico “esconde-se”, literalmente, em um refúgio ecológico de oito mil metros quadrados de área verde, entre a lagoa de Guaraíras e a Ponta do Pirambu.

Com ampla área verde e vários locais para curtir a paisagem

Com ampla área verde e vários locais para curtir a paisagem

Idealizado pelo casal de empresários italianos Emilio Morone e Raffaella, o Beija-Flor inaugurou no final de outubro com festa para convidados, e começou a operar em novembro em temporada promocional que se estende até 22 de dezembro. Após esta data, a tarifa passa a operar em pensão completa, incluindo no réveillon que está sendo planejado.

_MG_8512 []

O local equilibra sofisticação e descontração, conforto e contato com a natureza, seguindo a máxima dos empreendimentos de charme. Não é à toa, o hotel possui somente sete chalés, numa área que caberia o triplo.

Apesar dessa exclusividade na hospedagem, o resort oferece um elegante restaurante aberto ao público externo, para almoço e jantar mediante reservas. Aos sábados, tem apresentações no piano bar com músicos de jazz e bossa nova. Tudo muito chique, mas com a elegância despojada dos europeus.

Restaurante combina elementos rústicos e sofisticados

Restaurante combina elementos rústicos e sofisticados

A área do restaurante tem muitos atrativos. Integrado ao cenário verde, tem um salão amplo construído com materiais nobres e rústicos, muita madeira e palha, móveis étnicos e design italiano. O cardápio é assinado pelo chef francês Xavier Meric, um expert na cozinha de bistrô que já comandou restaurantes em Búzios, no RJ.

Cardápio de bistrô e releituras da cozinha italiana

Cardápio de bistrô e releituras da cozinha italiana

O menu à la carte segue a tendência da cozinha contemporânea e varia de acordo com a matéria-prima fresca disponível, respeitando a sazonalidade dos ingredientes. Os pratos tem a concepção visual e gastronômica de bistrô, destacando os sabores da Itália e Brasil. “O chef revisita os pratos brasileiros, mas dá uma interpretação célebre da cozinha italiana, fazendo do nosso restaurante um carro chefe”, comentou a gerente geral Flávia Golveia. Há variedade de frutos do mar, carnes, pescados e massas.

A cozinha de bistrô do chef Xavier Meric

A cozinha de bistrô do chef Xavier Meric

Outro detalhe que chama a atenção: a varanda com bar fica de frente para uma arrojada piscina que lembra um lajedo natural. Soube que para chegar a esse formato foi aplicada a tecnologia que usa areia compactada, para dar um efeito praia. No entorno da piscina, há um jardim com muitas flores, gazebos e mesas para drinques ou café da manhã.

O desjejum, aliás, é personalizado. Nos quartos, há um menu individual com mais de 100 opções de quitutes para escolher, podendo ser degustado na varanda do quarto ou no restaurante .

Pândano serve de passagem natural para a praia

Pândano serve de passagem natural para a praia

O CENÁRIO
Os proprietários Rafaella e Emílio Morone viajaram grande parte do mundo e trouxeram suas experiências e ideias para o Beija-Flor. Mas se a construção é nova, a ideia vem sendo maturada pelo casal há vários anos. Até a vegetação diferenciada conta um pouco dessa história.

Foi o próprio Emílio quem plantou um pândano há 15 anos. Hoje a exuberante árvore exótica, de raízes aparentes, não só chama a atenção na moldura do jardim,como serve de túnel natural para o acesso à praia.

Vários ambientes se integram à paisagem

Vários ambientes se integram à paisagem

“Chegamos no Brasil e nos envolvemos na magia que é sentir-se em casa desde a primeira vez. É por isso que, depois de convivermos muitos anos com este lugar mágico, decidimos compartilhar com outras pessoas a experiência única, irrepetível que se tornou para nós um novo modo de vida”, comenta o casal em sua página.

Conforto e charme nos detalhes

Conforto e charme nos detalhes

Nas áreas comuns, além da piscina, há um Acqua Spa de 122m2, que possui uma jacuzzi de 16 metros quadrados com vista panorâmica para o jardim. Sauna e banho turco podem ser adquiridos no pacote. Fora do ambiente do hotel, os hóspedes tem acesso à praia da Ponta do Pirambu, e passeios pra lagoa de Guaraíras, praia do Giz, Cacimbinha, Malembá, Madeiro – opções de barco, caiaque, cavalo. “É uma magia ter esse contato diário com a natureza”, comentou Flávia.

Piscina do Spa para relachamento e banho turco

Piscina do Spa para relachamento e banho turco

O RESORT
“Nós gostamos de contar a nossa história, muito embora nossa melhor maneira de fazê-lo seja através do nosso conceito pessoal de hospitalidade”, descrevem os proprietários. De fato, o lugar mescla o estilo pessoal dos donos e uma informalidade elegante. “Uma elegância sussurrada”, como dizem.

Fim de tarde no Beija-Flor

Fim de tarde no Beija-Flor

Os chalés tem considerável distância um do outro, dando um clima de residência pessoal. Na área interna, o piso de madeira natural deixa o local perfumado e a decoração tem peças de variados lugares. Tapetes da Ásia e de outras partes do mundo, fazem parte do cenário deste belo hotel.

O piano bar tem atrações aos sábados

O piano bar tem atrações aos sábados

PARA QUEM VAI SE HOSPEDAR

A elegância é visível, mas é nos detalhes que o hotel revela a qualidade investida. O quarto tem duas camas de casal com colchões e travesseiros (tecnologia memory); guarda-roupas estilo closet, cortina dupla, janelas e portas com vidros duplos oferecendo isolamento térmico e acústico. telefone, frigobar em estilo adega, smart TV, canais por assinatura, cofre, ar-condicionado, internet wi-fi, chaleira elétrica e chás variados, tomadas com entradas internacionais, banheiro com chuveiro e banheira particular, lavatório duplo, conjunto completo de amenities – chinelos, roupão de banho, etc.

Mais detalhes do chalé

Mais detalhes do chalé

 “É o único empreendimento da região que conseguiu reunir em um só lugar tamanho bom gosto, exclusividade de apenas 7 suítes, belíssimo Spa, serviço personalizado, culinária refinada e mais de 8 mil metros quadrados de área verde”, reforça Flávia Gouveia. A vida e a natureza, agradecem.

As imagens são de Humberto Lopes

Onde: Beija-Flor Resort & Spa
Rua Ponta do Pirambu, s/n. Tibau do Sul- RN
(84)3246-4360
www.beijaflorsparesort.com.br

(*) A visita foi a convite do Beija-Flor Resort & Spa

Festival da Ginga movimenta Mercado da Redinha próximo sábado

29 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes
Ginga em versões empanadas. Foto: Claudio Abdon

Ginga em versões empanadas. Foto: Claudio Abdon

Pouca coisa é tão a cara de Natal quanto atravessar a ponte para ir comer ginga com tapioca no Mercado da Redinha. Mesmo sem o reconhecimento oficial de Patrimônio Imaterial de Natal, o prato mais famoso daquela antiga vila de pescadores, mantém a fama e as frigideiras aquecidas de verão a verão. E neste fim de semana, mais fritadeiras estarão a postos com a realização do “I Festival Gastronômico da Ginga”. O evento culinário acontece no sábado 3, no Mercado da Redinha e largo João Alfredo, das 11h até o por do sol, como parte do projeto Nossa Orla.

11-04-201424JFSO festival promete despertar a criatividade da cozinha popular na combinação deste peixinho frito no óleo + dendê e tapioca, a preços bem em conta – R$ 6 a R$ 15. De fora do Mercado participam os bares do Redinha Praia Clube (Pastel de Ginga) e Bar Portal do Potengi (Empanado de Ginga). Já os boxes do Mercado Público servirão Picado com ginga e tapioca (Box 1), Ginga, tapioca e queijo (Box 3), Ginga, tapioca e salada (Box 8), Panqueca com Ginga (box  10) Ginga, tapioca e coco verde (11), Sanduiche de ginga (12) e Ginga com Carne de Sol (13).

Os quiosques da praia irão servir Crepioca de Ginga (quiosque 2), Ginga com batata-frita (6), Ginga  com cuscuz (8), Ginga à milanesa com tapioca(10), Ginga com batata doce (14), Ginga com macaxeira (15) , Ginga à moda da Cacau (Quiosque 16), Bolinho de arroz com ginga (17), Enroladinho de tapioca com ginga (22).

Só um detalhe que, a meu ver, foi esquecido nesta programação: Apesar da maioria dos boxes e quiosques terem nomes dos donos – Bar da Lourdes, Box do Jefferson, Bar da Ivone Filha, Box da Ivanize, entre outros – a programação impressa pela Secretaria Municipal de Turismo preferiu listar os espaços com os números! Então quem quiser degustar um prato específico terá de pesquisar.

A primeira Ginga

A foto que ilustra essa nota é do box onde trabalha a comerciante e cozinheira Ivanize Barbosa. Ela é personagem essencial desse ícone da cozinha da Redinha, pois foram seus pais, Seu Geraldo e dona Dalila, os primeiros a servir e disseminar a iguaria, há mais de 60 anos. A ginga é um tipo de sardinha, chamada de ‘azul’ ou ‘manteiga’, que antigamente eram descartadas pelos comerciantes e foi aí que Seu Geraldo teve a ideia de aproveitá-las em casa.

Ginga com cuscuz. Foto Claudio Abdon

Ginga com cuscuz. Foto Claudio Abdon

Simples, mas saborosa, a receita do pescador passou de geração em geração: temperar os peixinhos com sal, fritá-los numa mistura de óleo de soja com azeite de dendê, espetá-los num palitinho e rechear a tapioca (em goma de mandioca e coco) com eles.

Mercado terá exposição com fotos da praia da Redinha, de autoria de Claudio Abdon

Mercado terá exposição com fotos da praia da Redinha, de autoria de Claudio Abdon

O I Festival Gastronômico da Ginga  é promovido pela Prefeitura de Natal através da Secretaria de Turismo e parceiros como a SME, Semdes, Urbana, Secom, Semsur, Fundação Cultural Capitania das Artes, Semtas, Procom e UFRN.

Texto: Blog ao Ponto

Concurso da Sadia premia melhores receitas com carne suína [veja como votar]

29 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes

É fã de carne suína e está à procura de receitas? Aproveite para experimentar e ao mesmo tempo votar no concurso 4ª edição do Chef do Futuro Sadia.  Está aberta a votação para que o público em geral possa selecionar uma das 30 receitas preparadas pelos participantes. O concurso desafia estudantes de gastronomia de todo o País a criarem uma receita inovadora que traga a carne suína como estrela principal do cardápio. As sugestões estão adequadas a três categorias já definidas – Alta Gastronomia, Casual Dinning e Food Truck.

carne_de_porco_5Na primeira etapa, os participantes foram selecionados por uma comissão julgadora da BRF e até 29/11, na landing page do projeto (http://www.chefdofuturosadia.com.br/votacao ), é possível escolher a sua receita favorita. Na final (19/12), após serem submetidos a uma votação prévia e análise de desempenho presencial em uma cozinha profissional, será possível conhecer o Chef do Futuro 2016.

O grande vencedor participará de um curso na L’École de Cuisine Alain Ducasse, em Paris (FR), ganhará um mês de experiência com o renomado chef Rodrigo Oliveira, além de um estágio na BRF.

A escolha do ingrediente principal também segue uma premissa importante,  que é desmitificar o consumo da carne suína no País. “É uma proteína saudável que pode ser usada para todo tipo de receita, tanto do dia a dia quanto as mais refinadas”, disse Ana Carolina Furegatti, gerente de comunicação Sadia.

Pra votar clique aqui 

Largo da rua Chile ganhará casa nova: é o Alchemist Cocktail e Music Bar

28 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes
A simpática casa de janelões na esquina do largo será o novo Alchemist

A simpática casa de janelões na esquina do largo será o novo Alchmist

Quem frequentou a rua Chile nos anos 1990 e presenciou um lampejo de revitalização, a partir da chegada de empreendimentos culturais e fachadas recuperadas e coloridas, sabe o quanto é triste ver a decadência em parte dos prédios desativados, alguns parcialmente no chão – e outros nunca ocupados.

Então a notícia da inauguração de uma nova casa noturna na rua Chile é motivo de surpresa e faz nossos olhinhos brilharem. Cheiro de revitalização no ar? Não é para tanto, mas o largo da rua Chile resiste! principalmente com a chegada de um novo inquilino, o Alchemist Cocktail e Music bar, que funcionará no mesmo casarão do finado Bar das Bandeiras. A inauguração está confirmada para dia 9 de dezembro, uma sexta-feira.

O empreendimento pertence ao italiano residente em Natal, Matteo Dei Cas. Há nove anos por aqui, ele é barman e especializado em mixologia e já administrou outros negócios no ramo de bares. Em conversa rápida com o proprietário, fiquei sabendo que o Alchemist terá música ao vivo regularmente, mas ao estilo alternativo privilegiando bandas de rock, reggae e pitadas de música eletrônica. O bar será o ponto alto, claro: Drinques da moda, vários shots (drinques curtinhos), cervejas especiais. A comida de pub só terá hambúrgueres gourmet.

A casa vem somar forças com outras casas noturnas (bares e boates) que resistem naquele trecho da rua Chile, como o Galpão 29, o Armazém Hall – que está para ser vendido – a galeria Itajubá, O Ateliê Bar e Petiscaria e o espaço cultural DoSol. Há ainda o palacete onde funciona a Escola de Dança Edtam, que passará por reformas com recursos do RN Sustentável. O prédio, como todo mundo sabe, já foi cabaré Wander Bar, sede do Governo no século 19 e casa de  um comerciante abastardo.

Mas o largo também promete programação bombada no comecinho de 2017.  Trata-se do  Festival  Ribeira 360º que vai movimentar várias casas e o largo nos dias 7 e 8, com vários shows de bandas locais para comemorar os 20 anos da Revitalização da rua Chile. Soube também que a licitação para o Terminal Marítimo de Passageiros está para ser lançada. O local terá saguão com lanchonete, banheiros e o primeiro andar onde funcionarão um salão de eventos e restaurante de Natal/mirante. Vem coisa boa por aí!

Cultura, gastronomia, ecologia e aventura pelo RN integra série do canal OFF

28 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes

Nesta terça-feira, 29 de novembro, às 22h30, estreia no Canal OFF o programa “Filhos Deste Solo”. A atração apresenta quatro jornadas feitas em importantes regiões do Brasil com o objetivo de trazer particularidades do país e do povo brasileiro. Com quatro episódios de 25 minutos cada, o programa traz o olhar de quatro pessoas comuns, com personalidades e profissões diferentes, sobre a beleza de cada um dos locais selecionados. Trata-se de um projeto de branded content, idealizado pela Land Rover e produzido pela Bossa Nova Films em parceria com o Canal OFF.

Uma figurinista (Maihara Marjorie), um empresário (Ruy Carlos Tone), um cozinheiro (Felipe Gombossy) e uma etnóloga (Luciana Whitaker) passam por destinos como Palmas (TO), litoral do Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Chuí (RS), para mostrar através de diferentes percepções, a cultura, a gastronomia, a música e as paisagens surpreendentes do Brasil.

DJI_0024_menorJornadas: Temática acolhedora no litoral do RN
O paulista Ruy Carlos Tone, engenheiro, proprietário de uma agência de viagens e filantropo, parte em busca de desafios para conhecer o litoral do Rio Grande do Norte. Ele vai em busca de encontros, conversa com ambientalistas, conhece os mais antigos nativos e propõe ideias de parceria com a região.

A viagem começa em Natal em direção à Pipa. A primeira parada é o Santuário Ecológico de Pipa, uma reserva com 16 trilhas para serem exploradas e também o local de treinamento e soltura de animais silvestres para recompor a antiga fauna da região. Uma das pessoas que recebe Ruy é Valdemir Antonio de Andrade, 52 anos, que trabalha há mais de 25 anos no local e contribui para disseminar a conscientização ambiental.

Outro destino é o município de São Miguel do Gostoso, onde o visitante se hospeda na pousada Bangalô Kauli Seadi, da família de Kauli Seadi — campeão mundial de Kite Surf, que vem influenciando os jovens da região a praticar o esporte. De lá, Ruy também visita as labirinteiras, artesãs que fazem o labirinto na praia do Reduto.

A terceira parada é em Galinhos, onde Ruy conhecerá, com a ajuda de um barqueiro local, a Urca do Minhoto, um rochedo de pedra em alto mar de ondas bravas e cor azul claro. Lá fazem um mergulho com as tartarugas marinhas e compartilham de histórias do projeto Tamar. A última etapa da jornada é Ponta do Mel. Ruy irá constatar o curioso encontro que ocorre somente ali na região: o sertão desemboca no mar. A caatinga vai até o oceano.

Outras viagens

Temática criativa – Felipe Gombossy, fotógrafo, viajante, cozinheiro e dono de uma galeria explora os destinos Rio de Janeiro e Minas Gerais, em uma combinação entre encontros, sabores e natureza. Filho de pais de origem húngara com uma pitada do Nordeste, nasceu no sul do Brasil, cresceu em São Paulo e morou também em Belo Horizonte.

Temática artesã – A cearense Maihara Marjorie, estilista, figurinista e artesã, descobre em um trajeto de 800 km as riquezas artesanais existentes entre Barreiras (BA) e Palmas (TO): cachoeiras, fervedouros, dunas, uma comunidade de artesanato de capim dourado e uma manifestação cultural com bonecos de bloco.

Temática guerreira
A carioca Luciana Whitaker é fotógrafa, etnóloga e autora do livro “11 anos no Alaska”. Já foi a um extremo das Américas e agora conhece o outro: ela percorre o trajeto de Porto Alegre ao Chuí. Conhece pessoas e lugares em sua totalidade, procurando quebrar se reinventar e quebrar paradigmas.

“Filhos Deste Solo”
Estreia: 29 de novembro às 22h30
Exibição 2º episódio: 06 de dezembro às 22h30
Exibição 3º episódio: 13 de dezembro às 22h30
Exibição 4º episódio: 20 de dezembro às 22h30

Fontes: Canal Off e Revista Elite

Conheça os livros contemplados com o Prêmio Jabuti na categoria Gastronomia

28 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes

Os autores vencedores do Prêmio Jabuti de Literatura 2016 receberam na última quinta-feira (24), as estatuetas da  58ª edição em uma cerimônia em São Paulo. O prêmio é concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) a publicações de destaque em várias categorias editoriais, incluindo a Gastronomia. Este ano, o  1º Lugar ficou para a obra “O Frango Ensopado da Minha Mãe”, da chef-pesquisadora Nina Horta (Companhia das Letras); o  2º Lugar ficou com a obra “Cozinha e Indústria em São Paulo: do Rural ao Urbano”, de Maria Cecília Naclério Homem (Edusp) e em terceiro o título “Queijos Brasileiros à Mesa com Cachaça, Vinho e Cerveja”, de Bruno Cabral e Manoel Beato (Senac Editora).

frango“O Frango Ensopado de Minha Mãe” é o retorno de Nina Horta (“Não é Sopa”, de 1995) às lições de sabedoria acumuladas à beira do fogão. A dona do famoso buffet Ginger e também colunista do jornal Folha de S. Paulo reuniu neste novo livro uma série de crônicas que tratam de vida simples e experiências ligadas ao alimento. O livro contou com a colaboração da chef  Rita Lobo, uma fã discípula da autora premiada, e traz histórias sobre Bolo de noiva, sardinhas, torresmo e coca-cola, revista O Cruzeiro, cheiro do tomate pisado, família, amigos, cozinheiros, livros, filmes, lugares, nomes de pratos, modismos gastronômicos, dietas e cuidados alimentares contemporâneos – tudo serve para mobilizar a escrita afetuosa da autora.

360baeb57fa9_cozinha_naclerio

O segundo livro premiado é  um estudo antropológico que acompanha a transformação do ato de comer e da comensalidade, através do impacto das novas tecnologias e das mudanças socioeconômicas e políticas. Começa com o retrato das cozinhas rurais, que herda dos tempos coloniais a amplitude e autossuficiência, sua dinâmica de funcionamento envolve várias pessoas (e eventualmente animais) para produção dos alimentos. Em seguida, são apontadas as consequências da prosperidade trazida pelo cultivo de café e de cana de açúcar, o favorecimento à gênese da indústria e o desenvolvimento urbano, nos lares paulistas. No período entre guerras vão ganhando espaço os eletrodomésticos e instaura-se a mecanização da cozinha e, como efeito, inicia-se a lenta diminuição da dependência de empregados domésticos. A autora discute também a influência americana nessa época e, ao fim do livro, expõe a evolução das cozinhas agora “inteligentes” e introduz o recente “fenômeno gourmet” expresso na arquitetura dessas dependências.

22332_zoom

O terceiro lugar trata de harmonizações, mas não só. De autoria de Bruno Cabral, mestre queijeiro da Mercearia, e Manoel Beato, sommelier do Grupo Fasano, com colaboração de Cassio Piccolo – especialista em cerveja -, a publicação do Senac São Paulo traz informações sobre as oito famílias de queijos (frescos, massa filada, casca com mofo branco, casca lavada, meia-cura, entre outros) e a melhor maneira de servi-los, e relata como se comportam os queijos brasileiros, as cachaças, os vinhos e as cervejas em um encontro de harmonização. A obra traz um glossário e explica detalhes sobre os ingredientes. Ótima dica para quem quer sair do básico queijos e vinhos.

Fontes: Cia das Letras e Livraria Cultura

Abrasel promove festival em torno do camarão

22 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes

10-09-20108JFS editadaO camarão está no centro dos sabores durante festival promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). A 4ª edição da Festa do Camarão convocou 21 restaurantes a criar pratos com a mais famosa iguaria potiguar. Até 30 de dezembro, a ação movimentan os restaurantes da Grande Natal, associados à entidade.

Participam desta edição os restaurantes Between, Chopp e Camarão, Blackitchen, Conxinchina, Famiglia Reis Magos, Massa Fina, Nemo Sushi, Only pizza, Paçoca do Pilão, Parmegianno’s, Petit Poti, Piazzale Italia, Pittsburg, Pizzaria da Vila, Barramares, Sabores Bistrô, Salus, Tabuleiro, Tábua de Carne, Trio Bar e Wesley’s Bar
Cada estabelecimento criou um prato exclusivo para o evento. As criações gastronômicas serão comercializadas a preços promocionais, segundo informou a organização.

O ponto alto da 4ª Festa do Camarão será a “Arena Festa do Camarão”, que ocorrerá nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, na área interna da Arena das Dunas. O local contará com pavilhão de restaurantes, praça de alimentação onde os pratos exclusivos da Festa estarão sendo vendidos a R$ 15, na versão menu de degustação, cozinha, três atrações musicais por noite, Feira de Artesanato Potiguar e os Bares da Abrasel.

Haverá uma uma palestra sobre alimentação infantil que contempla frutos do mar, promovida pela Petit Poti, que produz comidas saudáveis para este público.
Confira a lista de pratos e restaurantes no site da Abrasel (www.rn.abrasel.com.br).

Seis inaugurações para movimentar sua semana gastronômica

17 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes

O feriado no início da semana não atrapalhou a onda de inaugurações de restaurantes e espaços gastronômicos em Natal. Pelo menos seis casas ou novas unidades abriram as portas. Confira:

A loja de alimentos gourmet e produtos saudáveis Kouzina está de endereço novo desde segunda-feira, e vai marcar a ocasião com uma degustação para clientes no

Alimentos saudáveis são o foco do empório e loja Kouzina

Alimentos saudáveis são o foco do empório e loja Kouzina

próximo sábado (18), a partir das 10h. A empresa ampliou seu espaço para atender à crescente demanda por itens não tão comuns no mercado local e oferecer mais conforto à clientela. Há ainda mais espaço para utensílios de cozinha, frutas, verduras e outros itens frescos. A casa segue na Rua São João, em Lagoa Seca, agora no prédio número 1274.

Doces Carpe Diem

Doces Carpe Diem

A Carpe Diem Doceria, especializada em doces e salgados,  inaugura sua primeira loja física nesta quinta-feira, às 10h, em Lagoa Nova. Além dos tradicionais naked cake, bolo da vovó, salgadinhos especiais e tortas de ‘chantininho’, particularidade da casa, passa a oferecer também salgados de fabricação própria, tapiocas recheadas, smoothies, frappuccinos, sorvetes, açaí e até um cardápio executivo para o almoço. Onde: Avenida Antônio Basílio, 3579 (em frente ao Hospital da Unimed).

Também de portas abertas uma nova filial da franquia Pizza Hut, em Capim Macio, caminho de Ponta Negra.  Após um ano de operações em Natal, já são duas lojas de rua e uma unidade no shopping.. Aberta ao público a partir desta quinta 17, a loja tem operação  dos empresários João Montenegro, Júnior Bezerra, José Bezerra e Márcio Bezerra .

A loja está instalada na avenida Roberto Freire, em Capim Macio (ao lado do SeaWay) e tem o formato Super Delco – com mesas, vendas para viagem e delivery (esse

Pizza Hut ganha mais uma filial

Pizza Hut ganha mais uma filial

serviço com previsão de começar em dezembro).A Pizza Hut zona Sul funcionará todos os dias, das 12h às 23h. Na nova unidade, o público terá à disposição o cardápio completo com 18 sabores de pizzas, entradas e sobremesas.

A Massa Finna abriu sua nova unidade em Mirassol na última segunda-feira. O cardápio – antes com 30 opções – passa a oferecer 58 sabores de pizzas, sendo 17 doces. O destaque da nova fase é o refinamento nas receitas; entre os recheios estão salmão, filé, shitake/shimeji, frutas vermelhas e cheesecake, além das novas massas de macaxeira, banana com canela e beterraba com cenoura e queijos sem lactose e vegano. Onde: Rua dos Myosotis, 331 (marginal da BR 101), antigo Restaurante Taboleiro.

Já o restô Ymbu, de comida regional, abriu as portas ontem. O restaurante funciona em Ponta Negra e apresenta cardápio de iguarias tipicamente nordestinas. De propriedade dos empresários Josi e Valter Schad o local abriga 140 pessoas. O nome é inspirado no umbuzeiro também conhecido como imbuzeiro, batizado por Euclides da Cunha de “árvore sagrada do sertão”, palavra que vem do tupi-guarani, “ymbu”, que significa “árvore que dá de beber”, uma referência a sua característica de armazenamento de água, especialmente da raiz. O restaurante funciona de terça a domingo das 11h30 às 15h30 (sistema self-service) e das 18h30 às 23h (serviço a La carte e gastronomia internacional) com pratos desenvolvidos pelos experientes chefes Lima, Valdir e Ricardo.

No espaço onde funcionou o café e restaurante Labiata, na R. Pedro Fonseca Filho, 8989, agora  funciona o gastrobar Antonieta. O cardápio tem perfil de bistrô, com variedade de pratos de  frutos do mar e massas.  A parte do bar é dedicada às cervejas  gourmet. Nossa equipe do caderno FDS em breve fará uma visita.

Série Na Boca do Povo, sobre comida de rua, estreia domingo na Tv Brasil/TVU

10 de novembro de 2016 por Cinthia Lopes
Acarajé da Tânia está no primeiro episódio

Acarajé da Tânia está no primeiro episódio

Antes de qualquer mesa, a culinária típica de um lugar está nas ruas. Para mostrar o que se anda comendo em várias cidades brasileiras, a TV Brasil apresenta, a partir deste domingo (13), às 19h, a série Na Boca do Povo, produção que descobre as delícias da gastronomia popular brasileira no seu local de excelência, ou seja, as ruas.

Gravado em Salvador, Recife, Manaus, São Paulo e Rio, o programa acompanha o trabalho de cozinheiros que preparam e vendem alimentos típicos de suas regiões em espaços públicos das suas próprias cidades. A ideia é investigar a relação desses pequenos empresários com os alimentos que comercializam bem como com a história e a cultura regional.

Dirigida pelo produtor e diretor audiovisual Sérgio Bloch, Na Boca do Povo tem oito episódios de 26 minutos. Cada edição da série trata de um aspecto do tema, abordando a trajetória de vida desses chefs ambulantes, a origem dos ingredientes, sua forma de preparo e as estratégias que esses empreendedores lançam mão para vender seus quitutes.

Dona Edna e sua famosa feijoada é tema de Na Boca do Povo

Dona Edna e sua famosa feijoada é tema de Na Boca do Povo

Em 2010, Sérgio Bloch criou o projeto Gastronomia de Rua, que rendeu dois livros: “Guia Carioca da Gastronomia de Rua 1 e 2”. Além da série, a iniciativa ainda contempla um site – www.gastronomiaderua.com.br – e um aplicativo para smarthphone.

O episódio de estreia vai a Salvador onde entrevista Tânia Nery, conhecida pelo seu Acarajé da Tania, e Edna Sant’Ana, que apresenta a feijoada baiana da Edna. A produção também saboreia o angu da Lucinha, na Pedra do Sal, onde os escravos que chegavam ao Rio eram expostos à venda. Lá, Marilúcia Luzia conta a receita do seu prato. Já em Manaus, o seriado vai até o Quilombo do Barranco conferir o salgado “Só come quem pode” de Joselene Souza, devota de São Benedito.