Arquivos da categoria ‘Lançamentos’

Canequinhas do Instituto Histórico para colecionar. Confira as séries ‘Patrimônio histórico’ e ‘Newton Navarro’

19 de setembro de 2018
Coleção com imagens da obra de Newton Navarro. Foto Cedida

Coleção com imagens da obra de Newton Navarro. Foto Cedida

O Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte não para de inovar. A casa da memória potiguar lançou recentemente sua coleção de canecas com ilustrações do artista potiguar Carlos José. São 20 modelos ao todo, com imagens de Luís da Câmara Cascudo, de prédios e monumentos do Centro Histórico, como o Palácio Potengi, a coluna Capitolina e outros. Custa R$ 30 e a tiragem é limitada.

Caneca com xilogravura da Pinacoteca do Palácio Potengi

Caneca com xilogravura da Pinacoteca do Palácio Potengi

A primeira coleção de canecas é produto de uma garimpagem diária da equipe atual do IHGRN no acervo da instituição. Recentemente foi encontrado um álbum de xilogravuras de Carlos André, com o registro de vários prédios históricos da cidade. O conteúdo gerou uma exposição “Roteiro Histórico do Rio Grande do Norte” e parte das imagens reproduzidas nos souvenirs.

A nova coleção tem como tema a obra do artista plástico Newton Navarro (1928-1992), reproduzindo cenários  e personagens característicos de sua obra, como pescadores e vaqueiros. Para a coleção Navarro foram fabricadas 30 modelos.

Coluna Capitolina também ganha um lugar na canequinha do IHGRN

Coluna Capitolina também ganha um lugar na canequinha do IHGRN

ONDE

Para adquirir, basta visitar o Instituto Histórico, localizado na rua da Conceição, Cidade Alta, próximo à Assembleia Legislativa do RN. Mais no LINK

Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande é a mais antiga instituição cultural do Rio Grande do Norte. Encerra em seu acervo, documentos, biblioteca e museu, e atende a estudantes e pesquisadores, franqueando o acesso ao seu acervo. Aberto à visitação, também promove exposições, palestras e outras atividades voltadas à promoção da cultura norte-rio-grandense.

Temporariamente, não está aberto para pesquisa, tendo em vista que o seu acervo passa por processo de reorganização, manutenção, digitalização e catalogação a fim de, futuramente, dinamizar a consulta e permitir, de forma adequada, a utilização do material para consulta e pesquisa.

 

Setur disponibiliza edital de credenciamento para Feira de Gastronomia e Arte de Mirassol

13 de março de 2017
Foto: TN

Foto: TN

Já está disponível para consulta pública o edital de seleção de empreendedores gastronômicos para compor a programação da Feira de Gastronomia e Arte de Mirassol, que ocorrerá mensalmente a partir do mês de abril. O acesso é via Diário Oficial do Município (data de 8 de março).

Os interessados devem protocolizar a documentação requerida na sede da Secretaria de Turismo de Natal, no período de 13 a 22 de março. Para fins do credenciamento, serão observados critérios de habilitação e classificação conforme diretrizes constantes no instrumento editalício. Podem ser disponibilizado até 37 espaços para comercialização, divididos da seguinte forma: 25 espaços para empreendedores gastronômicos e 12 para food trucks.

Para a secretária de Turismo de Natal, Christiane Alecrim, a “Feira de Gastronomia e Arte” é um canal democrático para a participação de novos empreendedores gastronômicos através de chamada pública, além de movimentar a economia da cidade e oferecer mais uma opção de lazer e entretenimento para o natalense e o turista.

Além da gastronomia, a feira promove também a diversidade do artesanato potiguar, assim como apresentações musicais com o foco na valorização do artista potiguar.

Vale destacar que o edital de seleção é de fato mais transparente e democrático, e isso deveria ser replicado nas demais feirinhas patrocinadas pelas leis de cultura. Interessante que a curadoria seja formada por profissionais ligados ao segmento da gastronomia, como chefs, críticos e professores, a exemplo de como funcionam as curadorias para editais culturais de cinema, teatro, arte, dança.  

Abrasel e Fecomércio lançam aplicativo gastronômico para delivery

1 de fevereiro de 2017
Aplicativo é exclusivo para delivery de restaurantes que operam em Natal

Aplicativo é exclusivo para delivery de restaurantes que operam em Natal

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) seccional RN e a Fecomercio acabam de apresentar ao público consumidor um aplicativo  de  delivery de comida.  O “Abrafood” é similar aos já existentes no mercado, como o “Ifood”, mas este é exclusivo para restaurantes do Rio Grande do Norte, credenciados à entidade Abrasel. A ideia é acompanhar a demanda crescente do segmento de entrega de refeições, que representa um incremento no setor de alimentos e bebidas.

Em Natal, 18 restaurantes de segmentos variados já participam do app, oferecendo ao menos um item com 50% de desconto aos clientes. A partir desta quarta-feira (1º), o aplicativo já estará disponível para novos clientes, que poderão baixá-lo gratuitamente no celular ou tablet e fazer seus pedidos, desfrutando de benefícios, como a comodidade e a segurança, e também dos descontos. O App da Abrasel nacional já  está disponível em Curitiba-PR, Florianópolis-SC, Manaus-AM e João Pessoa-PB.

Como usar o Abrafood
Para utilizar o aplicativo, o usuário deve acessar a loja de aplicativo no celular e fazer download gratuito da ferramenta, procurando por “Abrafood”. Depois, basta fazer um cadastro do perfil e acessá-lo, informar o CEP e o número da residência que deseja receber o pedido. O cliente pode então escolher o restaurante desejado e tem a opção de buscar por promoções, além de filtrar o pedido a partir das suas preferências de pagamento, por exemplo.

Para acessar o abrafood clique aqui

 

Companhia das Letras lança selo exclusivo para livros de gastronomia

3 de agosto de 2016

Pioneira na publicação de livros de culinária, apresentando ao leitor brasileiro autores clássicos do gênero no final da década de 1990 — como Jeffrey Steingarten, Marcella Hazan, Elizabeth Davis e Anthony Bourdain — a editora Cia das Letras retoma a tradição com a criação do selo Companhia de Mesa, que irá reunir livros de receitas e gastronomia (com projetos gráficos e fotografias inéditas) e crônicas literárias sobre o universo da cozinha. Além disso, pretendem reeditar livros com edições esgotadas.

Comida de Verdade apresenta os vegetais como protagonistas da refeição

Comida de Verdade apresenta os vegetais como protagonistas da refeição

Para este ano de 2016 serão lançadas quatro publicações: Comida de verdade, de Yotam Ottolenghi, onde o autor foca em maneiras de se cozinhar vegetais para que fiquem perfeitos e ganhem status de prato principal. O livro traz uma variedade gigante de dicas para utilização de vegetais, de brotos, flores comestíveis e outros.

Em seguida, virão duas reedições de clássicos do catálogo editora, o Cozinha confidencial, de Anthony Bourdain, e O homem que comeu de tudo, de Jeffrey Steingarten (a primeira trazia um design diferentão, com uma mordida em um dos cantos do livro). Ambos devem chegar às livrarias a partir de setembro.

E em outubro (a tempo do Natal!) chegará Brownies, cookies, tortas e afins, com receitas e fotografias dos clássicos quitutes americanos, compilado pelas criadoras do site Food52. De acordo com a assessoria, o plano é lançar cerca de seis livros por ano entre autores estrangeiros e nacionais, incluindo receitas, crônicas e ensaios. Em breve mais notícias!

Natal ganhará um L’Entrecôte de Paris, restaurante de um prato só

24 de setembro de 2014
O entrecôte de Paris e seu molho herbal secreto. Foto Divulgação

O entrecôte de Paris e seu molho herbal secreto. Foto Divulgação

O L’Entrecôte de Paris é um restaurante famoso que tem apenas um prato em seu cardápio, o noix d’entrecôte (corte francês da parte nobre do contrafilé), servido com batatas fritas à vontade e acompanhado do famoso molho herbal secreto, guardado a sete chaves, que segundo a grife leva 21 ingredientes e 36 horas de preparação. O restaurante tem unidades no Rio, São Paulo, Brasília e Salvador, além de um em Miami-EUA.

A rede aproveita o sucesso para expandir a marca e captalizar franqueados nas principais capitais brasileiras. Segundo a assessoria de imprensa do  L’Entrecôte de Paris, em breve a unidade em Natal será inaugurada e a franquia quer investir dentro de shoppings centers. A empresa ainda não anunciou em qual shopping foi fechado o negócio, mas é certo que estará no Rio Grande do Norte até 2015.

A operação da marca em centros comerciais teve início este ano com a inauguração de 2 unidades, a primeira no CasaShopping, no Rio de Janeiro. Recentemente foi inaugurada a segunda franquia da marca em shopping, a primeira em um shopping de São Paulo, o Market Place que em poucos dias já recebeu um público muito maior do que o esperado.

O cardápio é curto, mas há complementos. Além do  prato principal, a entrada fica por conta de uma salada de folhas com tomatinhos e nozes, regada ao molho de iogurte e dijon. O restaurante ainda oferece uma  salada saison, renovada a cada estação, assim como uma tábua de queijos e charcuteries. A lista de sobremesa é generosa. São mille-feuilles, Eiffel de doce de leite ou o profiteroles com sorvete de creme e calda de Nutella, mais carta de cervejas e vinhos.

Entrecôte francês

L’Entrecôte de Paris não é a única casa a servir exclusivamente o prato no Brasil. O chef Olivier Anquier inaugurou há alguns anos o seu  L´Entrecôte de Ma Tante, no Itaim, em São Paulo. O bistrô  eterno chef-padeiro traz o entrecôte com molho secreto de sua tia francesa, Nicole.

Atualizado em 25/09/2014

Divino Fogão lança livro de receitas

27 de agosto de 2014

unnamedO Divino Fogão, rede de restaurantes self service especializado em culinária brasileira, lançou um livro comemorativo “Divino Fogão 30 anos: uma história de sucesso”, para celebrar as três décadas de atividade da empresa. A obra traz uma parte institucional com depoimentos de gerentes, chefs de cozinha e sinhás que contribuíram para a construção da rede, além de fotografias das peças artesanais que inspiram a ambientação da casa.
Mas a parte que os clientes vão curtir mesmo  é a seção de receitas. Seis de cada região do país, todas elaboradas pelo chef Olivan Pego, que é o responsável pelo cardápio da rede. O Divino Fogão possui duas lojas em Natal, uma no Midway e outra no Natal Shopping.

Região sudeste: Arroz BiroBiro, Bolinho de Arroz, Maminha Recheada ao Forno com Molho de Ervas, Pepino com Manga, Pernil/Paleta Suína à Pururuca e Talharim com Almôndegas de Calabresa

Região Nordeste: Bolinho de Feijão com Recheio de Costelinha de Porco Desfiada, Camarão à Moda Chicletes, Carne-de-sol com Mandioca Cremosa, Madalena de Polenta, Peixe Ensopado à Brasileira e Pudim de Tapioca.

Região Sul: Canjiquinha com Lombo Suíno, Costelinha Suína Coberta com Molho de Goiaba, Iscas de Frango Empanado com Gergelim, Macarrão com Maionese ao Forno, Sagu ao Vinho com Creme de Baunilha e Salada Tropical.

Região Centro-Oeste: Carne de Panela com Banana da Terra, Farofa à Brasileira, Feijão Branco com Calabresa, Feijão da Roça, Frango com Quiabo e Milho Verde e Geladinho de Coco com Calda de Vinho Tinto.

Região Norte: Arroz de Forno, Farofa de Pilão, Coxa e Sobrecoxa de Frango Crocantes, Peixe Inteiro ao Forno, Salada de Berinjela com Abobrinha e Torta de Banana da Terra.

Título: Divino Fogão 30 anos: uma história de sucesso
Editora: Lamonica Comunicação Integrada
Páginas: 108/  Capa dura com acabamento em verniz e caixa decorativa
Preço: R$ 60,00. O livro pode ser adquirido nas lojas do Divino Fogão

Restaurante Mina D’Água abrirá filial em Ponta Negra durante a Copa

17 de abril de 2014
Mina D'Água ganhará uma versão maior em Ponta Negra. Foto: Adriano Abreu/TN

Mina D’Água ganhará uma versão maior em Ponta Negra. Foto: Adriano Abreu/TN

Mais restaurantes começam a abrir suas portas aproveitando os bons ventos turísticos da Copa do Mundo. Um deles é o Restaurante Mina D’Água. Destaque no roteiro gastronômico natalense por empunhar a bandeira da tradicional culinária mineira, a casa comandada por Geraldo e Ana Cristina Rezende, depois de oito anos de atividades no bairro de Petrópolis,  terá sua primeira filial em Ponta Negra – próximo ao Camarões Potiguar e ao Sesc. A inauguração está prevista para a primeira semana de junho.

As mineirices estarão por toda parte e não só no sotaque e simpatia dos anfitriões. Nos pratos tradicionais da casa, preparados em forno de pedra, e no empório de iguarias das gerais que são o forte do lugar, com muitos doces, queijos, geleias e molhos; tudo sem concessões a outras cozinhas.

A parte visual incorpora ao já caprichado cenário de objetos, um clima de fazenda mineira. Segundo adiantou o proprietário Geraldinho, a casa vai contar também com outras novidades, como uma horta orgânica e até um galinheiro. “Mas isso são planos pro futuro. Agora vamos abrir com uma estrutura para atender um bom público e estacionamento para 45 carros”.

 

Livro Os Banquetes do Imperador traz coleção de cardápios de D. Pedro II

10 de janeiro de 2014

 

Autores selecionaram  130 peças do acervo de mais de mil cardápios da Coleção Thereza Christina

Autores selecionaram 130 peças do acervo de mais de mil cardápios da Coleção Thereza Christina

Guardada por mais de um século pela Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, parte da coleção de menus de D. Pedro II será divulgada agora no livro Os Banquetes de Imperador – Receitas e historiografia da gastronomia no Brasil do século XIX, obra literária de autoria dos chefs Francisco Lellis e André Boccato.

Durante três anos, os dois pesquisadores analisaram a Coleção Thereza Christina, composta por mais de mil cardápios coletados pelo último imperador do Brasil. Destes, os autores selecionaram 130 peças, escolhidas devido à beleza gráfica, à importância gastronômica dos pratos ou, ainda, pelo registro de viagens. Como resultado, a publicação resgata a raiz da formação da gastronomia no Brasil, contextualizando o leitor sobre a existência da culinária sofisticada no século 19, tanto na França como em outras partes do mundo.
Destaca, ainda, o mérito das artes gráficas e do design na Belle Èpoque no embelezamento dos menus e na divulgação de produtos brasileiros no exterior. O livro foi escolhido como Melhor Livro de História e Gastronomia no Prêmio Gourmand Brasil e concorrerá na mesma categoria no Mundial que acontece esse ano em Pequim.

Capítulos
No capítulo introdutório, os autores traçam o cenário histórico do Brasil na época de D.Pedro II, no qual descrevem os hábitos do imperador e das pessoas próximas a ele. Comentam também sobre os cardápios impressos que eram usados como propaganda oficial do governo brasileiro na Europa para incentivar o consumo de mate e café.

Escritos em sua grande maioria em francês – língua oficial da gastronomia do século 19 – os cardápios organizados pelos autores dão uma visão mais ampla do nascimento da gastronomia nacional, por tratar-se das primeiras referências históricas de alguns pratos como, por exemplo, o Churrasco do Rio Grande, ou o vatapá, como prato comum da época.
Algumas receitas também são apresentadas em sua redação original aplicadas em louças da família real, fotografadas no Museu Mariano Procópio, em Minas Gerais.

A obra lista alguns cardápios que foram além das festividades sociais, como o Baile da Ilha Fiscal, que selou o fim da monarquia no Brasil

A obra lista alguns cardápios que foram além das festividades sociais, como o Baile da Ilha Fiscal, que selou o fim da monarquia no Brasil

A obra reúne ainda alguns ícones históricos, como o cardápio mais antigo do Brasil, datado de 1858, que trazia os peixes bijupirá e a garoupa, o abacaxi, os fios de ovos, o queijo de minas; o Menu Abolicionista, com pratos batizados em homenagem aos principais abolicionistas; e o Menu do Baille da Ilha Fiscal – o emblemático evento realizado no Rio do Janeiro, que encerrou o Império.
Para finalizar, Boccato e Lellis comentam sobre a influência europeia na gastronomia nacional e apresentam uma linha do tempo, que vai de 1450 a 1894, traçando, por meio dos livros de culinária disponíveis no período, a história gastronômica de Portugal e do Brasil.

Os Banquetes de Imperador – Receitas e historiografia da gastronomia no Brasil do século XIX
Autores: André Boccato e Francisco Lellis
Editora: Editora Senac São Paulo e Editora Boccato
Preço: R$ 199,90
Número de páginas: 448 (em edição de luxo)

Fonte: Release/Editora Senac

Fio de Azeite e Panela do Chef são novidades no segmento de restaurantes

20 de dezembro de 2013

Novidades à vista no segmento de restaurantes. Antes da virada de 2014, devem entrar em atividade duas novas casas: a primeira é Fio de Azeite, na av Rodrigues Alves, Tirol (em frente ao clube América, no mesmo local onde funcionou a Très Chic Nail Bar & Delicatessen — uma casa muito legal mas infelizmente moderna demais para Natal).Mas enfim, voltando ao Fio de Azeite, a casa pertence aos jovens empresários Militão Chaves e Marísio Neto e tem como foco a cozinha saudável — healthy food. A casa ainda está em fase de testes do menu.

O outro estabelecimento na reta final para abrir as portas é o Panela do Chef, ao lado da P&C na av. Praia de Ponta Negra.

Expedição Brasil Gastronômico será lançado em agosto, e RN ganhou um capítulo com mapeamento e receitas

11 de julho de 2013

O mapeamento empreendido pela jornalista e pesquisadora mineira Guta Chaves, em parceria com Rodrigo Ferraz e Dolores Freixa, que conta com colaboradores do Rio Grande do Norte, já está perto de sair do forno. O lançamento do “Expedição Brasil Gastronômico” será em 23 agosto, no 16º Festival de Gastronomia de Tiradentes-MG.

O capítulo do Rio Grande do Norte contou com o trabalhos das chefs Adriana Lucena (Taiá Bistrô), Gabriela Sales (Senac) e Ângelo Madeiros (Prato Perfeito/UnP), e receitas testadas pelos chefs Nívea Pedrosa (Cook & Luxo), Tadeu Lubambo (Camamo) e também dos colaboradores. Além do livro, foi produzido um documentário em longa-metragem, realizado pelo gastrônomo Rusty Marcellini — jornalista que também colaborou com  a pesquisa do longa “O Mineiro e o queijo”, de Helvécio Ratton.

Ao todo, a expedição passou pelos estados do Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais, Bahia, Distrito Federal, Paraná, Ceará, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Amazonas.

Produção de Flor de Sal da Cimsal-Mossoró está no livro da expedição

Produção de Flor de Sal da Cimsal-Mossoró está no livro da expedição

 

No RN, os pesquisadores mapearam potencialidades culinárias do litoral, Costa Branca, Seridó e oeste potiguar.  A expedição do Rio Grande do Norte aconteceu em julho-agosto de 2012 e procurou documentar, na matriz, esses alimentos diferenciados. Lá onde cada um vive e produz as suas relíquias. O objetivo era justamente esse:  difundir para fortalecer a produção e evitar os atravessadores ou a extinção dessas riquezas.

Bem que o festival Agosto da Alegria, do Governo do Estado, poderia incluir o material desse projeto. Fica a dica.

Gravação do documentário

Gravação do documentário

Enquanto isso não acontece, confira como foi feita a expedição em 2012, registrada pelo nosso caderno FDS daqui da TRIBUNA DO NORTE.Aqui você visita o site do projeto:

http://www.culturaegastronomia.com.br

Jandaíra – A expedição conheceu os jovens agroecologistas e protetores das abelhas jandaíra, que produzem mel de alta qualidade no RN

Diogo Lopes – Lá foi documentada a pesca artesanal de vôngoles, também conhecidos como búzios. O vôngole é muito usado na cozinha portuguesa (culinária alentejana principalmente), espanhola e brasileira.

Serra do Mel – O produto destacado foi a castanha de caju orgânica da Coopercaju, castanha local tem alto padrão de qualidade e é exportada para todo o mundo.

Mossoró – A expedição documentou a produção da flor de sal pela Cinsal. É a única flor de sal produzida na América.

Felipe Guerra – O arroz vermelho, conhecido aqui como “arroz da terra”, foi o produto escolhido. Quase extinto, deixou de ser produzido quando os consumidores passaram a querer apenas arroz branco.
(hoje em dia, alguns restaurantes locais de cozinha regional e, sobretudo, os bistrôs como por exemplo o Dolce Vita, já utilizam o arroz vermelho).

Caicó – Documentado o queijo de manteiga e a carne de sol. Mas foi a ova de curimatã o principal ingrediente registrado.

Currais Novos e São João do Sabugi – Lá a expedição aproveitou para preparar os pratos com ingredientes tipicamente sertanejos

São Miguel do Gostoso – Foi preparado o prato com os vôngoles. A receita também está no livro.

Natal – Na capital a equipe documentou a elaboração de um prato-ícone que representa o povo potiguar. A receita usa jerimum, camarão e castanha de caju.

Tibau do Sul e Pipa –O destaque ficou para a ostra orgânica da Primar. Na ocasião,  Tadeu Lubambo preparou um prato com  a ostra orgânica e o mel de abelha jandaíra.