72911807_2472941222951295_8134488546170896384_n(1)

POR AUGUSTO BEZERRIL

@augustobezerril
augustobezerril@tribunadonorte.com.br

A SPFW avança sobre acessibilidade. Com apoio da Secretaria Municipal da Pesssoa com Deficiência (SIMPED), os desfiles do Projeto Estufa ganharam recursos de acessibilidade comunicacional, libras e audiodescrição.  A estudante Luise Guerra, portadora de deficiência visual, assistiu, hoje (15/04) ao desfile das Korshi e Ão, sentada ao lado da apresentadora Lilian Pacce e pôde acompanhar a narração dos looks apresentados na passarela. “”Foi incrível”, comemorou Luise após os desfiles. É a primeira vez que um evento como esse receberá tradução em Libras e audiodescrição. Temos certeza de que a repercussão da ação no Projeto Estufa fará com que, no futuro, todos os desfiles tenham os recursos de acessibilidade necessários”, declara Cid Torquato, Secretário Municipal da Pessoa com Deficiência. Para tornar o evento acessível foram escolhidos comentaristas ligados à moda, Lilian Pacce, Érika Palomino e Dario Caldas.

O objetivo é fazer com que o maior evento de moda do Brasil e mais importante da América Latina, na cidade mais cultural do país, seja acessível às pessoas com deficiência auditiva e visual, além da acessibilidade arquitetônica. A Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) já leva acessibilidade ao Carnaval da cidade de São Paulo, com o Projeto “Samba com as mãos”, também fez com que a última edição da Virada Cultural fosse a mais inclusiva da história da cidade, com mais de 70 palcos com tradução para Libras, e recentemente fez a primeira edição do “Sem Barreiras – Festival de Acessibilidade e Artistas com Deficiência”, onde disponibilizou recursos de Libras e audiodescrição em várias atrações culturais espalhadas pela cidade. Agora, chegou a vez da moda.

Foto ABZ Tribuna do Norte

 

Comentários do Facebook

Deixe um comentário