100540355_2644627429198535_3295940585642262528_nPOR AUGUSTO BEZERRIL

@augustobezerril

augustobezerril@tribunadonorte.com.br

A Covid-19 e as incertezas do ambiente político têm alterado os relacionamentos e o dia-a-dia dos casais. Ao invés do sonhado instante espontâneo juntos, a convivência diária, horas e dias seguidos, é uma condição imposta desde  à recomendação do isolamento como forma de evitar perdas de vidas para doença. Lembrando que o Dia dos Namorados se aproxima,  ABZ Tribuna do Norte conversou com Fábio Freitas – psicologo potiguar radicado em São Paulo (epicentro da pandemia no Brasil) – sobre casamento, convivência e Dia dos Namorados. E, claro, sobre como a moda e beleza podem ser instrumentos em favor do amor. Feliz Dia dos Namorados #emcasa.

FÓRMULA DO AMOR

Não há equação, mágica, capaz de responder à perguntar sobre  “como salvar o casamento” em tempo de pandemia e,  podemos dizer que a máxima vale em qualquer tempo, posto que home office deve se converter em tendência. O psicólogo reflete: “Uma formula dá uma ideia algo que tomou, resolveu. Os seres humanos são únicos. O que funciona para um não necessariamente funciona para outro“.  Mas é possível, através da análise,  descobrir respostas, diz o psicólogo, já que a convivência tal como meio à quarentena é imposta. “A convivência opcional é seguramente muito melhor”, aponta. Um ponto importante é atentar que, assim como guerras, pandemias e momentos de perdas, acarretam problemas psíquicos que alteram apetite, sono e, um ponto importante para os casais, a libido. Estabelecer e compreender limites são cruciais para o relacionamento saudável. “Querer ficar sozinho, ouvir uma música, ficar lendo é legítimo“, diz Freitas, lembrando a importância da delimitação de espaços. O que não implica em um não gostar da companhia do outro. Pode-se aproveitar o momento de  pausa para pensar brincadeiras e surpresas felizes. Por que não?

DIA DOS NAMORADOS

A data mais romântica do calendário passa por uma nova ordem estabelecida pela Covid-19.  A impossibilidade de não ficar junto é real. Segundo Fábio Freitas, o  namorado ou namorada  que não aparece no Dia dos Namorados pode, sim, ser perdoado.  Há namorados que tem relacionamentos e não vivem sob o mesmo teto às vezes convivem pais, avós e pessoas de grupos de risco. A falta do presencial deve ser ponderada sob ótica da civilidade.

BELEZA ALIADA 

Você aproveita o momento e investe em cuidados pessoais? Fazer looks mesmo estando dentro casa? Da aquele plus no visual? Além de ficar belo ou bela, favorece o equilíbrio nesses dias de convivência aproximada da quarentena. “Manter-se ativo, manter-se saudável, manter-se limpo, manter-se cuidado, manter-se no zelo é uma forma manter saúde mental”,  diz Fábio. Então aproveite o momento para fazer giro naqueles instas beleza e moda que você sempre curtiu, faça a look: a mente e o amor agradecem.

 

Comentários do Facebook

Deixe um comentário