Anfavea: o “momento da virada” da indústria chegou, mas depende das reformas

6 06Etc/GMT+3 setembro 06Etc/GMT+3 2016 por fernandosiqueira

Fábrica Jeep - Goiana

A indústria automotiva brasileira segue caminhando em passos lentos. No mês de agosto, de acordo com os dados divulgados nesta terça-feira (6) pela ANFAVEA (Associação Nacional de Fabricante de Veículos Automotores), foram produzidos 177,7 mil veículos, número 6,4% menor do que o de julho (189,9 mil). Em relação ao mesmo mês do ano passado, a redução é mais acentuada: -18,4%.

Para o presidente da Anfavea, Antonio Megale, essa queda foi um reflexo direto da interrupção temporária da produção de algumas montadoras. Segundo o executivo, se não houvesse essa paralisação, a produção passaria das 200 mil unidades.

Fábrica Honda HR-V - produção

Por outro lado, fato positivo foi o aumento do número de licenciamentos em agosto, com 207,3 mil unidades, número que representa crescimento de 1,4% na comparação com o mês anterior, mas queda 11,3% comparado ao mesmo mês de 2015. No acumulado do ano, não há refresco: queda de 23,1% em relação a 2015 com o total de 1,348 milhão. Para se ter uma ideia do tombo, o melhor resultado foi obtido nos oito primeiros meses de 2012, ocasião em que houve 2,501 milhões de emplacamentos.

Megale destacou o crescimento e acrescentou que o resultado poderia ter sido melhor. A observação fica por conta dos Jogos Olímpicos, que trouxe uma grande visibilidade para o país e ânimo para os brasileiros, mas que acabou derrubando os emplacamentos em pouco mais de 14% no Rio de Janeiro durante a realização do evento.

Em relação ao emprego, houve uma redução de 0,7% nos postos de trabalho, com o total de 126.900 reduzido para 1126.000 trabalhadores na indústria. Atualmente, existem 20.300 profissionais no regime especial do PPE (Programa de Proteção ao Emprego). No entanto, o executivo indica que a previsão industrial é de que não haverá necessidade de reajustar para menos a produção de veículos.

Fábrica Jaguar Land Rover

Na primeira coletiva após o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Roussef concluído, o presidente da Anfavea falou sobre o tema e que considera que este é o momento da virada para a indústria automotiva. Entende que a recuperação total do setor somente ocorrerá quando o país como um todo volte a crescer, com a retomada do crescimento da economia, PIB e a confiança do consumidor. Para o executivo, é imprescindível que as reformas propostas pelo novo governo aconteçam (em especial reformas econômicas, equação dos gastos públicos com limites estabelecidos, questões trabalhistas e regulamento do serviços de terceirização).

Nas questões trabalhistas, a Anfavea espera que mudanças e ajustes sejam feitos para que a indústria nacional tenha mais competitividade frente aos mercados internacionais. Em relação à questão previdenciária, Megale também destacou ser um fator crucial para que o país tenha um horizonte melhor definido, e assim, tenha capacidade de atrair mais investimentos para retomar o crescimento.

Fotos: divulgação

FONTE: Carsale


Curitiba terá novos biarticulados Volvo

23 23Etc/GMT+3 janeiro 23Etc/GMT+3 2018 por fernandosiqueira

Resultado de imagem para fotos dos biarticulados volvo que vão ser usados em curitiba

Serão 25 ônibus Volvo B340M Gran Artic, da mais moderna geração de veículos da marca. A previsão de entrega dos veículos à cidade é em março.

Depois de alguns anos sem ônibus novos, Curitiba, no Paraná, dá inicio à renovação da frota da cidade em 2018. A a primeira grande entrega será de 25 biarticulados Volvo, marca escolhida pelas empresas operadoras do transporte coletivo da capital paranaense.“A Volvo é especialista em sistemas organizados de transporte público em massa. Temos o orgulho de ter a melhor tecnologia, que traz mais conforto para passageiros e motoristas, menor custo de operação e maior confiabilidade. Estamos trabalhando nesta área nos últimos 30 anos. Isso não se constrói da noite para o dia”, afirma Fabiano Todeschini, presidente da Volvo Buses Latin America. Os novos ônibus começarão a ser produzidos no início do ano. 100% do financiamento às empresas que fizeram a aquisição foi viabilizado por meio da Volvo Financial Services, braço financeiro da marca.

 Os ônibus Volvo têm presença destacada no sistema de transporte de Curitiba. O biarticulado foi inventado pela montadora especialmente para atender uma demanda da cidade, nos anos 90. Desde então, a Volvo se especializou neste tipo de veículo, conquistando liderança absoluta neste mercado com uma tecnologia única de motor central, que traz capacidade e conforto superiores. Na América Latina, a frota circulante de biarticulados da marca é de cerca de 700 veículos, o que representa cerca de 99,9% de participação no segmento. Em Curitiba há 155 biarticulados Volvo em operação atualmente.

Nova geração de veículos

 Os novos biarticulados de Curitiba são do modelo B340M Gran Artic, última geração de veículos da marca, com avançadas tecnologias de segurança e conforto. “O motor, o comportamento dinâmico no rodar e a eletrônica embarcada estão muito melhores nesta nova versão. Os passageiros e motoristas vão sentir a diferença.”, afirma Gilberto Vardânega, diretor comercial de ônibus da Volvo no Brasil. Com 28 metros de comprimento, os novos ônibus de Curitiba transportam 270 passageiros. A montadora ainda tem uma versão com 30 metros e capacidade de 300 passageiros.

Os biarticulados Volvo têm motor central, posicionado abaixo do piso. É a melhor solução para associar alta capacidade de passageiros, conforto acústico e térmico. “Nossos veículos permitem aproveitamento total do espaço interno para transportar mais pessoas. Além disso, com o motor central o motorista não fica exposto diretamente a ruído e calor, que são um problema em veículos com motor grande como os biarticulados. O motor central é uma configuração que só a Volvo tem e que nos permitiu conquistar a confiança de todos os mercados que operam biarticulados na América Latina e em outros continentes”, assegura Todeschini. Atualmente os biarticulados da marca circulam em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Bogotá, Cidade da Guatemala, Quito, além da própria Curitiba. Este tipo de veículo roda também em vários países fora da América Latina.

Com ônibus articulados e biarticulados Volvo, o sistema de transporte de Curitiba passou a ser uma referência mundial. Batizado internacionalmente de BRT – Bus Rapid Transit – o modelo serviu de inspiração a muitas outras metrópoles como alternativa viável para a mobilidade urbana, especialmente em países em desenvolvimento. Atualmente, destacam-se na América Latina os BRTs de Bogotá, Cali, Rio de Janeiro, Curitiba e Goiânia. Todos operam veículos da marca Volvo.

Novas Carrocerias

 Além dos benefícios dos chassis Volvo, os biarticulados de Curitiba terão carrocerias com novo design externo e melhorias no espaço interno, iluminação, portas entre outras.

BMW M8 GTE estreia neste fim de semana em Daytona (EUA)

22 22Etc/GMT+3 janeiro 22Etc/GMT+3 2018 por fernandosiqueira

A espera chegou ao fim. Após meses de desenvolvimento intenso, o novo BMW M8 GTE fará sua estreia nas pistas neste próximo fim de semana, durante a 56ª edição das 24 Horas de Daytona, nos Estados Unidos, a etapa de abertura do Campeonato Mundial de Endurance e uma das corridas mais icônicas dos esportes a motor. O novo BMW M8 GTE estampará em sua carroceria as cores da equipe BMW Team RLL, liderada pelo americano Bobby Rahal e cuja parceria com a marca bávara chega à sua 10ª temporada neste ano. Fruto dos mais recentes avanços da BMW no desenvolvimento de carros de Gran Turismo (GT), o BMW M8 GTE também foi projetado para correr as 24 Horas de Le Mans, na França. E, ao contrário dos modelos BMW Z4 GTLM e BMW M6 GTLM, que disputaram as quatro temporadas anteriores do Mundial de Endurance, e que derivavam de versões GT3, o BMW M8 GTE foi desenvolvido e construído como um carro de corrida de classe GTE, em conjunto com a versão de produção do BMW Série 8, garantindo um número mínimo de restrições e desempenho máximo. O piloto americano Bill Auberlen, novo Embaixador da BMW na América do Norte compartilhará o volante do BMW M8 GTE de número 25, com os companheiros de equipe Alexander Sims (Reino Unido), Connor De Phillippi (EUA) e Philipp Eng (Áustria). Enquanto isso,  o M8 GTE, de número 24, será pilotado por John Ewards (EUA) e Jesse Krohn (Finlândia). O holandês Nick Catsburg e o brasileiro Augusto Farfus atuarão como pilotos de apoio em Daytona.

Chrysler terá 5 novos modelos entre 2019 e 2022

por fernandosiqueira

Resultado de imagem para fotos da Chrysler Pacifica

Chrysler Pacifica

O Grupo FCA (Fiat Chrysler Automobiles), divisão Chrysler,  programa a chegada de cinco novos modelos entre os anos 2019 e 2022. Este blog teve, recentemente, acesso ao “Chrysler Plan”, o qual prevê o lançamento de 3 novos sedãs de 2 crossovers.

Crossover

O programa começará a se materializar com a chegada ao mercado em 2019 de um novo “crossover” médio grande (E-Full-Size Crossover). O modelo será produzido sobre a plataforma da Pacifica. À semelhança da minivan, o carro terá versão híbrida PHEV. Tudo indica que o inédito crossover substituirá a Pacifica.

Em 2020, a Chrysler fará o lançamento de um crossover médio (D-Mid-Size Crossover).

100 Sedã

Em 2021, a Chrysler lançará um novo sedã de entrada. No plano estratégico, o modelo é chamado de 100 Sedã (C-Compact).

200 Sedã

No ano seguinte, 2022, teremos a nova geração do 200 Sedã (D-Mid-Size). A antiga geração teve sua produção encerrada no fim de 2016.

Resultado de imagem para fotos da nova geração do chrysler 300 c

Nova geração do Chrysler 300 C terá versão híbrida PHEV

300 C

A nova geração do sedã 300 C (E-Full-Size), foto acima, será lançada em 2021. Pela primeira vez, o sedã médio grande da marca americana terá versão PHEV.

 

Mitsubishi Lancer 2018: carro parte de R$ 75.000,00

por fernandosiqueira

Resultado de imagem para fotos do mitsubishi lancer

Mitsubishi sedã “Lancer” volta ao mercado brasileiro

O confiável automóvel sedã Mitsubishi Lancer, modelo 2018, nacional, chega ao nosso mercado simplificado, em duas versões: “HL”, ao preço de R$ 75.000,00, e “HL-T” por R$ 80.000,00.

As duas versões entregam motor de 2,0 litros, 160 cavalos de potência e torque de 20 m.kgf, além de câmbio automático CVT. de variação contínua.

Imagem relacionada

 O Lancer “HL” sai da linha de montagem com faróis, limpadores e ar-condicionado automáticos e controlador de velocidade. O “HL-T” acrescenta rodas de liga leve de 18 polegadas, volante forrado com couro e sistema de áudio  com conexões Apple Car Play e Android Auto. Nenhum oferece controle de estabilidade. As versões “GT” e “HLE”, assim como a “HL” com caixa de câmbio manual, não são mais disponibilizadas em catálogo.

O “Lancer” é um automóvel muito elegante, requintado, robusto, confortável, que se caracteriza por ter desempenho superior e excelente dirigibilidade.

Em Natal, ele é comercializado pela TOP CAR, concessionária autorizada Mitsubishi, instalada ao longo da Av. Salgado Filho.  

Qual o modelo “ideal” para o primeiro carro?

por fernandosiqueira

Saber até onde vai o seu bolso e entender as suas necessidades com o carro ajuda muito na hora de fazer a primeira compra

Resultado de imagem para foto do carro ideal para a primeira compra

Comprar o primeiro carro nunca é fácil. Escolher um modelo entre tantos disponíveis no mercado, dentro de tantos segmentos, pode transtornar qualquer comprador, principalmente aquele o faz pela primeira vez.

Portanto, seguir algumas dicas básicas deixam a pessoa mais tranquila na hora de fazer sua escolha, evitando dores de cabeça desnecessárias. Confira!

1 . Tenha um orçamento definido

Isso pode ser óbvio, mas saber o quanto você está disposto a pagar por seu primeiro carro é fundamental. Além disso, reflita bem sobre a maneira como você pretende fazer o negócio: à vista, com uma entrada mais financiamento ou com um financiamento completo.

No caso do pagamento à vista, se você comprometer mais de um terço das suas economias, é melhor pensar duas vezes! Se for financiar, fique de olho nas melhores opções de juros, e tenha certeza de que as prestações não ficarão acima de 20% da sua renda mensal.

2 . Descubra o segmento ideal

Com o orçamento definido, é hora de se perguntar: vou usar meu carro para quê? É só para ir de casa ao trabalho ou à faculdade? É para pegar a estrada todo fim de semana? Ou meu negócio é curtir roteiros de aventura?

Ou seja, para escolher seu primeiro carro, a funcionalidade é tudo. É melhor deixar a beleza e o design em segundo plano. Assim, tendo a ideia do que fazer com o veículo, fica mais fácil escolher entre um supercompacto, compacto, hatch, sedã, ou pick-up…

3 . Pense no valor além do preço

Escolher o primeiro carro envolve muitas coisas além de simplesmente comprar um modelo que caiba no seu orçamento imediato e nas suas necessidades. Você sabe quanto vai custar o seguro desse automóvel? E o IPVA, você vai conseguir bancá-lo?

Além disso, é bom saber, com o máximo de informações possível, se o veículo que você escolheu exige uma manutenção cara ou muito frequente. Outra dica: tenha certeza sobre o consumo de combustível do modelo escolhido.

Finalmente, é importante pesquisar o quanto o modelo que está na sua mira se desvaloriza com o tempo. Isso vai poupar muita dor de cabeça na hora em que você tentar revendê-lo.

4 . Faça todos os testes possíveis

Quase todas as concessionárias fazem “test drives” dos modelos à disposição. Sendo assim, aproveite! Explore ao máximo o carro que lhe interessou: rode com ele o quanto for possível, de preferência fazendo rotas parecidas com as que você vai percorrer normalmente.

Cheque o conforto dos assentos e a visibilidade, e verifique se o desempenho e a potência estão dentro do que você deseja. Em suma, sinta ao máximo o modelo antes de fechar o negócio. O mesmo vale para os carros usados e seminovos. Seguindo esses passos, comprar seu primeiro carro tem tudo para ser um sucesso!

Matra Simca Bagheera, um esportivo para passear

21 21Etc/GMT+3 janeiro 21Etc/GMT+3 2018 por fernandosiqueira

Matra-Simca Bagheera 1974

 

Projetado pelos franceses em conjunto com a Chrysler, esse três-lugares de motor central obteve êxito com soluções ousadas

Por Francis Castaings e Fabrício Samahá

A Sociedade Engins Matra, conhecida por sua especialidade em armamentos, sobretudo os aeronáuticos, comprava em 1964 a pequena empresa de René Bonnet de carros esporte. Eram automóveis pequenos com motores de produção em série de grandes fabricantes franceses. O primeiro modelo foi o Djet, com motor Renault, mas a produção só tomou impulso com o interessante 530 de 1965, que usava um V4 da Ford alemã.

Em abril de 1969 a Matra assinava um acordo com a Chrysler França, que detinha a marca Simca. Um dos objetivos era usar a ampla rede de concessionárias da empresa para a venda dos esportivos, o que permitiria alcançar um público bem maior; outro, usar a mecânica dos Simcas em novos projetos, mesmo porque não parecia interessante para a Chrysler representar um carro com motor Ford. Para o gigante norte-americano, aquela era a oportunidade de ter um concorrente francês para a série Alpine da Renault, que em 1971 ganharia o modelo “A310”.

O Matra Simca Bagheera era apresentado em abril de 1973 com uma carroceria moderna, feita em poliéster sobre chassi de aço, e soluções originais. A frente baixa e inclinada escondia faróis escamoteáveis, adiante de discretas saídas de ar. O motor não estava ali: para ter acesso a ele abria-se a tampa do porta-malas traseiro, toda de vidro, que dava acesso a outra de madeira envolvida em carpete — recurso comum ao Alpine A310 e que não permitia boa acessibilidade. As lanternas traseiras, que cobriam toda a largura do carro, tinham a inscrição Bagheera, nome da pantera negra da série de ficção Mogli de Rudyard Kipling.

 

Recall: Renault Kwid é convocado para troca do berço do motor

por fernandosiqueira

A Renault convoca proprietários do subcompacto “Kwid”  para “recall”. A marca francesa fará a verificação e, se necessário, substituição do “berço do motor”.

Resultado de imagem para fotos do renault kwid

Chassis

Ao todo são 1.918 unidades do Renault Kwid envolvidas na “falha”. Segundo a Renault, as unidades afetadas foram produzidas entre 9 e 16 de setembro de 2017, com os chassis, não sequenciais, de JJ003408 a JJ998344.

 Falha

A marca francesa diz que por uma não conformidade de execução por fornecedor da Renault, a solda do berço do motor pode se romper, causando perda da dirigibilidade com risco de acidente.

Informações

Resultado de imagem para fotos do renault kwid

Para mais informações, os clientes devem ligar para o telefone 0800-0555615 ou acessar o site www.renault.com.br/servicos/recall. A marca informa que o tempo reparo é de aproximadamente 3 horas e 30 minutos.

Recall anterior

Em novembro de 2017, o Renault Kwid foi convocado para “recall” para verificação do tubo de combustível e sistema de freios.

Honda renova a “Super Cub”, e mantém cestinha na frente

por fernandosiqueira

Modelo continua com visual clássico dos anos 1950. Consumo de combustível pode ser de até 69,4 km/l. Fantástico

Honda Super Cub 50 Pro (Foto: Honda/Divulgação)

Honda Super Cub 50 Pro (Foto: Honda/Divulgação)

Enquanto no Brasil BIZ e POP são as “descendentes” modernas da linha “Honda Cub”, no Japão ainda são vendidos modelos que remetem à original Super Cub 100, lançada em 1958. Mantendo o visual clássico, Super Cub 110 e Super Cub 50 receberam novidades, mas a versão Pro continua com a tradicional cestinha na dianteira.

Segundo a empresa, a produção desses modelos mudou da China para a fábrica de Kunamoto, no Japão. Entre as novidades, estão a aplicação de tecnologias de baixa fricção no motor e novo filtro de óleo.

 Os motores também foram adequados às novas regras de controles de poluentes no Japão. Também foram dados leves retoques no visual e luzes de LED foram adicionadas.

As carenagens laterais são destacáveis, melhorando assim o acesso na hora de reparos. De acordo com a empresa a Super Cub 50 pode fazer consumo de até 69,4 km/l, enquanto a Super Cub 110 chega a 67 km/litro.

Volare desenvolve modelo “V8L” para a Guatemala

por fernandosiqueira

Veículo tem inédito compartimento para bagagens com capacidade para 5 m³

A Volare desenvolveu uma versão exclusiva do modelo V8L para a Sistragua S.A., operadora da Guatemala. O novo miniônibus tem um inédito compartimento traseiro para bagagens com capacidade para 5 m³ e será utilizado em turismo naquele país.

Segundo Rodrigo Bisi, gerente comercial para o mercado externo da Volare, o desenvolvimento do projeto foi realizado ao longo de três meses. “A Sistragua tinha a necessidade de um veículo diferenciado para atender seus clientes e nosso departamento de engenharia projetou o primeiro Volare com um compartimento traseiro separado e maior para bagagens”, comenta Rodrigo Bisi.

Com desenho e concepção exclusivos, o bagageiro tem porta em duas folhas, prateleiras horizontais de fácil acesso e armazenagem. “O fornecimento desta nova versão marca também a nossa primeira venda para esse operador e estamos felizes em poder atender as suas expectativas”, acrescenta o executivo.

 O Volare V8L tem motorização Cummins ISF 3.8 com 152 cv de potência e capacidade para transportar 18 passageiros sentados em poltronas do tipo Executiva com 1.060 mm de largura e cinto de segurança de três pontos. O veículo conta com amplo corredor, sistema audiovisual com microfone, monitores e DVD, ar-condicionado e faróis e lanternas traseiras em LED. 

 Crédito da imagem: Gélson Mello da Costa

Ford ultrapassa o marco de 10.000 contratos de manutenção planejada “Ford Protect”

por fernandosiqueira

Resultado de imagem para fotos do plano de manutenção ford protect

A Ford ultrapassou o marco de 10.000 contratos do Ford Protect, plano de manutenção pré-adquirida que permite incluir o valor das revisões no financiamento de veículos zero quilômetro, gerando economia e tranquilidade para o cliente. O programa dispõe de planos com três, quatro ou cinco revisões anuais e tem a vantagem de ampliar, nestas duas últimas opções, em um ou dois anos a garantia original de fábrica, respectivamente.

A Ford é a única a oferecer um contrato de revisões com esse formato no Brasil, operado pela própria marca em parceria com a sua rede. Além de garantir um valor fixo para as revisões do automóvel, pago com um pequeno acréscimo no financiamento, o Ford Protect traz a tranquilidade da manutenção feita com peças originais e técnicos especializados nos distribuidores da marca em todo o País. Ele também pode ser transferido em caso de venda do carro, o que contribui para a sua valorização, e cancelado com o ressarcimento dos valores não utilizados.

“O crescimento no número de contratos mostra que cada vez mais clientes estão reconhecendo as vantagens do Ford Protect”, diz Jorge Cavalcanti, supervisor de Planejamento de Pós-Vendas e Ford Protect. “Os produtos de aquisição antecipada de manutenção e serviços são de ampla aceitação no mercado norte-americano e nenhuma outra montadora avançou tanto quanto a Ford no Brasil.”

O Ford Protect foi lançado como piloto no País em junho de 2015 e começou a ganhar corpo no final de 2016. Em 2017 foi quando ele realmente deslanchou: iniciou o ano com uma penetração de 4% nas vendas no varejo da Ford e chegou ao seu final com 11% de participação, fechando até 1.300 contratos por mês.

“Na linha EcoSport, por exemplo, o Ford Protect já está presente em 12% das vendas e, no Fusion, chega a 14%, com predominância de contratos da modalidade Premium, com cinco revisões e cinco anos de garantia”, diz Cavalcanti. “Vamos continuar a crescer este ano, com a perspectiva de lançar novos produtos e ter uma participação ainda mais relevante.”

Opções de planos

Disponível para todos os veículos da linha Ford – Ka, Ka Sedã, New Fiesta, Focus, Fusion, EcoSport, Edge e Ranger –, o Ford Protect conta com três opções de contrato: Basic, Advanced e Premium. O plano Basic cobre as três revisões previstas no período de 36 meses de garantia, a cada 12 meses ou 10.000 km.

O plano Advanced inclui uma quarta revisão, aos 48 meses ou 40.000 km, e dá um ano a mais de garantia. Enquanto isso, o plano Premium adiciona uma quinta revisão, aos 60 meses ou 50.000 quilômetros.