Com solução para carros autônomos, OSRAM eleva a inédita geração de lasers infravermelhos a um outro patamar

19 19Etc/GMT+3 fevereiro 19Etc/GMT+3 2021 por fernandosiqueira

 

O design especial do novo chip oferece estabilidade do comprimento de onda em temperaturas operacionais de até 125°C

A LiDAR, abreviação de Light Detection and Ranging (Detecção de Luz e Alcance), é uma tecnologia chave no desenvolvimento de carros autônomos. Ela funciona da seguinte forma: em intervalos muito curtos, um laser infravermelho envia pulsos de luz para o ambiente do carro. Quando a luminosidade atinge um objeto, ela é refletida e registrada por um sensor. O sistema pode, então, calcular a distância da luz ao objeto e vice-versa para iniciar as ações apropriadas, como, por exemplo, a frenagem. Portanto, é uma solução indispensável para a mobilidade futura.

Dependendo da distância dos objetos a serem identificados, existem diferentes graus das fontes de luminosidade para o sistema LiDAR, a tecnologia EEL (lasers emissores de borda) e a VCSEL (laser emissor de superfície de cavidade vertical) e somente quando a EEL e VCSEL funcionam de forma complementar é que o potencial do LiDAR pode oferecer de forma abrangente toda a segurança no trânsito. É aí que entra mais um diferencial: a OSRAM é o único player no mercado que oferece essas soluções.

Na combinação de sistemas de radar e câmeras, o sistema LiDAR atua como a visão do carro que captura os arredores através da luz infravermelha e cria um mapa tridimensional preciso do ambiente. Quanto melhor essa informação visual for, mais fácil será para o sistema processar a imagem.

Mas, até agora, os lasers infravermelhos utilizados para essa finalidade apresentavam desvios no comprimento da onda de estabilidade de até 40 nanômetros, conforme a temperatura no componente aumentava e, com isso, a “visão” do sistema LiDAR ficava um pouco turva. No entanto, com o novo design de chip da OSRAM, o comprimento de onda agora é de apenas 10 nanômetros, o que permite muito mais clareza e imagens mais nítidas dos arredores.

Para que se tenha ideia da importância dessa nova geração, graças ao design do chip recém-desenvolvido, os lasers de emissão de borda podem combinar e até mesmo exceder a estabilidade do comprimento de onda dos VCSELs em temperaturas operacionais de até 125°C, típico para aplicações automotivas. Esse marco tecnológico no desenvolvimento de lasers infravermelhos permite o uso de um filtro de comprimento de onda muito menor no detector, que melhora significativamente a relação sinal-ruído. No futuro, ele será usado em todos os lasers infravermelhos da OSRAM e poderão oferecer enormes vantagens aos fabricantes de sistemas LiDAR.

Os comentários estão desativados.