General Motors confirma Onix Plus Midnight com visual todo preto

18 18Etc/GMT+3 setembro 18Etc/GMT+3 2020 por fernandosiqueira


Chevrolet Onix Plus Midnight — Foto: Divulgação/Chevrolet

Onix Plus Midnight. FOTO: divulgação/GM

A General Motors confirmou, HOJE, di 18 de setembro,  o lançamento da série “Midnight” para o ONIX PLUS, que terá como diferencial uma aparência mais esportiva pelos acabamentos em preto. O modelo deverá ser apresentado oficialmente até o início de outubro.

Mesmo com apenas uma imagem revelada, é possível prever o visual do Onix Plus Midnight, que repetirá a receita vista na pick-up “S10” e no SUV “Equinox”.

Todos os detalhes e acabamentos serão pretos, como a gravata da General Motors, as rodas e a grade, além da pintura da carroceria. Os faróis deverão ser os mesmos do ONIX RS, com máscara negra. De acordo com a marca, a série dá um “toque extra de ousadia incomum em sedãs”.

A GM ainda não confirma em qual versão a série será baseada, mas ela deverá ser equipada com o motor 1.0 turbo de 3 cilindros, com 116 cavalos de potência e 16,8 kgfm de torque, e câmbio automático de 6 marchas.

Onix RS chega antes

Chevrolet Onix RS — Foto: Divulgação

Onix RS. FOTO: divulgação

A General Motors também confirmou a chegada do ONIX RS ao mercado brasileiro, o que acontecerá na próxima semana. Por enquanto, a montadora afirmou apenas que ele será equipado com o motor 1.0 turbo, presente nas demais configurações.

É a primeira vez que um veículo da GM no Brasil recebe essa configuração. “O conceito RS na linha Chevrolet foca no aspiracional e agrega um visual bem esportivo ao veículo”, disse, em nota, Hermann Mahnke, diretor de marketing da General Motors América do Sul.

A perseverança que corre na família Senna

por fernandosiqueira

*Daniel Schnaider

Talvez o grande herói para os brasileiros seja, ainda hoje, o maior piloto de todos os tempos, Ayrton Senna. Mas para mim, com toda a licença, confesso que ele divide este posto com outra pessoa. Estou falando de ninguém menos que meu pai, Matheus Schnaider, um grande homem cuja existência acredito que todos deveriam conhecer. Curiosamente, a história dos dois se cruza de uma forma inusitada. Me lembrei deste caso pois, recentemente, li uma reportagem sobre a preparação de Bruno Senna, sobrinho de nosso grande ídolo, e também piloto, para as 24 horas virtuais do Le Mans em junho deste ano.

Sim, até mesmo uma das provas automobilísticas mais importantes do mundo teve que se adaptar aos tempos de pandemia. E apesar do bom resultado para a sua equipe, a WEC, na competição, Bruno Senna passou por uma verdadeira odisseia durante a preparação para a corrida. Desde treinos no celular por falta de simuladores até a impressão de uma peça 3D que faltava em seu equipamento. É fascinante como ele resistiu à ideia de ficar de fora, mas não é surpresa alguma para mim. Afinal, eu bem sei que este tipo de determinação deve correr no sangue da família.

Meu pai já nos deixou há muitos anos, mas compartilhou comigo uma admiração eterna por Ayrton Senna e me contou a história de como os dois se conheceram. Eu guardo com um imenso carinho a foto deste encontro até hoje. Deve ter sido por volta de 1980, quando o jovem Senna, em início de carreira, devia ter lá seus 20 anos recém completados. Meu pai atuava como vice-presidente executivo do Banco do Estado do Rio de Janeiro (BANERJ), onde tinha muito prestígio à época. Quando assumiu o cargo, encontrou a instituição com o maior déficit de sua história. Ao fim do exercício, o banco obteve seu maior resultado financeiro.

Eis que um belo dia, a secretária de meu pai avisou que havia um jovem piloto entrando em contato e que não vai falar com ninguém menos que o vice-presidente do banco. Meu pai, intrigado e sempre receptivo, topou encontrá-lo pessoalmente e, em apenas uma reunião, o patrocínio foi fechado. A conexão foi instantânea. Naquela mesma hora, meu pai entendeu que, se aquele jovem prometia ser um campeão mundial, assim o seria. Eles ainda não sabiam, mas este foi o primeiro grande passo da carreira de Senna rumo à eternidade na memória dos brasileiros.

Mas em nenhum momento achem que foi sorte ou destino, foi sabedoria de um homem visionário como meu pai. Eu não meço palavras em dizer, apesar de clichê, o quanto ele era um homem à frente de seu tempo. De uma infância pobre no Brasil, história esta que se iniciou com meus avós fugindo dos horrores da perseguição contra os judeus na Europa, meu pai se tornou um grande executivo de sucesso. É graças a ele que uma tecnologia existe hoje na casa da maioria das pessoas: a geladeira frost free. Ele também passou por outras grandes empreitadas na indústria farmacêutica e até no projeto que deu origem ao microondas, até ser finalmente convidado para tomar o maior posto executivo no BANERJ.

Eu fico orgulhoso de saber que ele acreditou em Senna logo de cara. Meu interesse por corridas começou desde criança. Creio que ele dirigia aquele Lotus preto. E comecei a ficar fascinado. Meu pai que, entre outras coisas era engenheiro mecânico, me ensinava sobre como os veículos funcionavam e aquele entusiasmo das corridas era incrível. Meu primeiro ídolo, meu pai, infelizmente, perdeu a batalha para o câncer em agosto de 1993, pouco menos de um ano antes do trágico acidente que nos tiraria meu segundo ídolo, Senna. Mas fico feliz que tenhamos juntos acompanhado tantas vitórias, que me deixaram fascinado por este universo toda a minha vida.

E é por isso que ainda acompanho seu legado, tendo profunda admiração por seu sobrinho, Bruno Senna. É claro que eu não sou um executivo de um banco tão importante como meu pai à época. Mas sou CEO no Brasil da empresa que é líder mundial em soluções telemétricas. E espero que um dia a mesma conexão que meu pai teve com Ayrton Senna possa surgir entre o Bruno e mim. Afinal, acredito fortemente que nossa tecnologia pode ajudá-lo a conquistar o posto mais alto pódio, que é o lugar natural dos Senna, essa família que leva no sangue o talentoso e a perseverança.

Do meu ponto de vista, no final dos anos 80 e início da década de 90, quando o Brasil vivia um de seus momentos mais turbulentos, Ayrton Senna conseguiu levantar a moral da nação. Suas vitórias eram doses de otimismo e orgulho para todos os brasileiros. E especialmente agora, em que vivemos novos momentos obscuros, quem sabe seja a vez de mais um Senna fazer isso por todos nós.

*Daniel Schnaider é CEO da Pointer By PowerFleet Brasil, líder mundial em soluções de IoT p

A perseverança que corre na família Senna

por fernandosiqueira

 

Por Daniel Schnaider,

 

Talvez o grande herói para os brasileiros seja, ainda hoje, o maior piloto de todos os tempos, Ayrton Senna. Mas para mim, com toda a licença, confesso que ele divide este posto com outra pessoa. Estou falando de ninguém menos que meu pai, Matheus Schnaider, um grande homem cuja existência acredito que todos deveriam conhecer. Curiosamente, a história dos dois se cruza de uma forma inusitada. Me lembrei deste caso pois, recentemente, li uma reportagem sobre a preparação de Bruno Senna, sobrinho de nosso grande ídolo, e também piloto, para as 24 horas virtuais do Le Mans em junho deste ano.

Sim, até mesmo uma das provas automobilísticas mais importantes do mundo teve que se adaptar aos tempos de pandemia. E apesar do bom resultado para a sua equipe, a WEC, na competição, Bruno Senna passou por uma verdadeira odisseia durante a preparação para a corrida. Desde treinos no celular por falta de simuladores até a impressão de uma peça 3D que faltava em seu equipamento. É fascinante como ele resistiu à ideia de ficar de fora, mas não é surpresa alguma para mim. Afinal, eu bem sei que este tipo de determinação deve correr no sangue da família.

Meu pai já nos deixou há muitos anos, mas compartilhou comigo uma admiração eterna por Ayrton Senna e me contou a história de como os dois se conheceram. Eu guardo com um imenso carinho a foto deste encontro até hoje. Deve ter sido por volta de 1980, quando o jovem Senna, em início de carreira, devia ter lá seus 20 anos recém completados. Meu pai atuava como vice-presidente executivo do Banco do Estado do Rio de Janeiro (BANERJ), onde tinha muito prestígio à época. Quando assumiu o cargo, encontrou a instituição com o maior déficit de sua história. Ao fim do exercício, o banco obteve seu maior resultado financeiro.

Eis que um belo dia, a secretária de meu pai avisou que havia um jovem piloto entrando em contato e que não vai falar com ninguém menos que o vice-presidente do banco. Meu pai, intrigado e sempre receptivo, topou encontrá-lo pessoalmente e, em apenas uma reunião, o patrocínio foi fechado. A conexão foi instantânea. Naquela mesma hora, meu pai entendeu que, se aquele jovem prometia ser um campeão mundial, assim o seria. Eles ainda não sabiam, mas este foi o primeiro grande passo da carreira de Senna rumo à eternidade na memória dos brasileiros.

Mas em nenhum momento achem que foi sorte ou destino, foi sabedoria de um homem visionário como meu pai. Eu não meço palavras em dizer, apesar de clichê, o quanto ele era um homem à frente de seu tempo. De uma infância pobre no Brasil, história esta que se iniciou com meus avós fugindo dos horrores da perseguição contra os judeus na Europa, meu pai se tornou um grande executivo de sucesso. É graças a ele que uma tecnologia existe hoje na casa da maioria das pessoas: a geladeira frost free. Ele também passou por outras grandes empreitadas na indústria farmacêutica e até no projeto que deu origem ao microondas, até ser finalmente convidado para tomar o maior posto executivo no BANERJ.

Eu fico orgulhoso de saber que ele acreditou em Senna logo de cara. Meu interesse por corridas começou desde criança. Creio que ele dirigia aquele Lotus preto. E comecei a ficar fascinado. Meu pai que, entre outras coisas era engenheiro mecânico, me ensinava sobre como os veículos funcionavam e aquele entusiasmo das corridas era incrível. Meu primeiro ídolo, meu pai, infelizmente, perdeu a batalha para o câncer em agosto de 1993, pouco menos de um ano antes do trágico acidente que nos tiraria meu segundo ídolo, Senna. Mas fico feliz que tenhamos juntos acompanhado tantas vitórias, que me deixaram fascinado por este universo toda a minha vida.

E é por isso que ainda acompanho seu legado, tendo profunda admiração por seu sobrinho, Bruno Senna. É claro que eu não sou um executivo de um banco tão importante como meu pai à época. Mas sou CEO no Brasil da empresa que é líder mundial em soluções telemétricas. E espero que um dia a mesma conexão que meu pai teve com Ayrton Senna possa surgir entre o Bruno e mim. Afinal, acredito fortemente que nossa tecnologia pode ajudá-lo a conquistar o posto mais alto pódio, que é o lugar natural dos Senna, essa família que leva no sangue o talentoso e a perseverança.

Do meu ponto de vista, no final dos anos 80 e início da década de 90, quando o Brasil vivia um de seus momentos mais turbulentos, Ayrton Senna conseguiu levantar a moral da nação. Suas vitórias eram doses de otimismo e orgulho para todos os brasileiros. E especialmente agora, em que vivemos novos momentos obscuros, quem sabe seja a vez de mais um Senna fazer isso por todos nós.

*Daniel Schnaider é CEO da Pointer By PowerFleet Brasil, líder mundial em soluções de IoT para redução de custo, prevenção de acidentes e roubos em frotas.

Vem aí mais novidades no “ONIX”, líder de vendas do mercado automotivo brasileiro

17 17Etc/GMT+3 setembro 17Etc/GMT+3 2020 por fernandosiqueira

 

ONIX (1)

ONIX versão esportiva ganhará grade dianteira com treliça em forma de colmeia. FOTO: divulgação/GM

A GM confirmou que, ainda este mês, estará lançando no mercado automotivo brasileiro a versão esportiva do seu campeão de vendas, o “ONIX”, agora com a configuração “RS”. Sua motorização será 1.0 TURBO FLEX, que vai harmonizar com um câmbio manual de 6 velocidades.

O “ONIX” RS recebeu detalhes escurecidos, grade frontal em forma de colmeia, saias laterais, aplique no para-choque traseiro, e aerofólio, novas rodas de liga leve e teto pintado na cor preta para destacar ainda mais.

 

 

ONIX-RS-TRASEIRA

ONIX RS, modelo 2021, um esportivo de personalidade. FOTO: divulgação

 

Essa agradável surpresa chega aos brasileiros um ano após o lançamento do “ONIX” em nosso mercado. A General Motors vai, mais uma vez, surpreender a todos nós.

É MAIS DESIGN

É ATITUDE EM DOSE DUPLA

É ESPERAR PARA CONFERIR !

 

ONIX-RS

ONIX RS tem interior requintado e aconchegante. FOTO: divulgação

Novo Hyundai Tucson apresenta design ousado e variedade de motores híbridos

16 16Etc/GMT+3 setembro 16Etc/GMT+3 2020 por fernandosiqueira

 


Hyundai Tucson — Foto: Divulgação/Hyundai

Novo Hyundai Tucson. FOTO: divulgação/Hyundai

A Hyundai Motors acaba de revelar a quarta geração do SUV “TUCSON”, com design mais polêmico e revolucionário desde seu lançamento, em 2004. Além do visual, o SUV também aposta em uma variada gama de motores híbridos.

Inspirado no concept-car“Vision T” apresentado em 2019, o novo “TUCSON” inaugura a linguagem de design da marca, batizada de “Sensuous Sportiness” (“Esportividade Sensual”).

A parte frontal do modelo adota o conhecido artifício dos faróis em posição mais baixa, mas usa a grade para “camuflar” as luzes diurnas em LED (foto acima). A traseira é recortada pelas lanternas, com dois elementos diagonais unidos por uma barra horizontal. O limpador do vidro fica escondido sob o aerofólio (foto abaixo).

Hyundai Tucson — Foto: Divulgação/Hyundai

Traseira do novo modelo do Hyundai Tucson. FOTO: divulgação/Hyundai

A lateral do SUV, como podemos conferir na foto abaixo, é marcada por fortes vincos, com destaque para um horizontal vindo da dianteira, um horizontal vindo da traseira e dois verticais, um em cada porta.

Os para-lamas também são destacados, bem como a barra cromada que surge na base do para-brisa e vai até o vidro traseiro. As rodas, de design muito sugestivo, podem ser de 17, 18 ou 19 polegadas.

Hyundai Tucson — Foto: Divulgação/Hyundai

Hyundai Tucson modelo novo. FOTO: divulgação/Hyundai

Novo Hyundai TUCSON, medidas

  • Comprimento: 4,5 m (+ 20 mm)
  • Largura: 1,86 m (+ 15 mm)
  • Altura: 1,65 m (+ 5 mm)
  • Entre-eixos: 2,68 m (+ 10 mm)

Internamente (foto abaixo), o modelo vai no sentido contrário do exterior, com linhas sóbrias e elegantes. O painel tem botões com acionamento sensível ao toque, o quadro de instrumentos é digital e fica exposto, e o câmbio tem comandos por botões.

Hyundai Tucson — Foto: Divulgação/Hyundai

Interior do Hyundai Tucson modelo 2021. FOTO: divulgação/Hyundai

Gama de motores

O novo TUCSON estará disponível na Europa com diversas opções de motorizações, variando entre combustão comum, híbridas, híbridas-leve e híbridas plug-in. Em todas elas o motor é um 1.6 turbo. Quando equipado com tração 4×4, há modos de condução: lama, areia e neve.

Quando apenas à combustão, o Utilitário Esportivo terá as opções à gasolina, com 150 cavalos de potência, câmbio manual de 6 velocidades e tração em duas ou quatro rodas, ou a diesel, com câmbio manual de 6 velocidades e tração em duas rodas.

A versão híbrida combina o motor a gasolina com um elétrico, câmbio automático de 6 velocidades e tração em duas ou quatro rodas, entregando 230 cavalos de potência. O híbrido plug-in, que necessitará de recarga pela tomada, chegará depois com potência maior: de 265 cavalos.

Entre as híbridas-leve serão três opções: com 136, 150 e 180 cavalos de potência. Elas combinam o motor 1.6 turbo com um sistema elétrico de 48 volts.

Hyundai Tucson — Foto: Divulgação/Hyundai

Detalhes da traseira do Novo Hyundai Tucson. FOTO: divulgação/Hyundai

Equipamentos

Entre os equipamentos, o Novo Tucson foca em itens de tecnologia voltados à segurança e conveniência. Há alerta de risco de acidente com frenagem automática, assistente de saídas involuntárias de faixa com alerta e correção, alerta de fadiga do motorista e alerta de pontos cegos.

A lista segue com piloto automático adaptativo baseado no sistema de navegação, que ajusta a velocidade automaticamente em curvas, por exemplo, leitura de velocidade das vias e ajuste do veículo, alerta de tráfego cruzado traseiro, câmera 360°, faróis altos automáticos e aviso de esquecimento de passageiro no banco traseiro.

Também integram o “pacote”, o sistema que permite tirar o modelo de vagas sem precisar entrar nele, comandando pela chave, como um controle remoto. A qualquer sinal de colisão, o veículo freia automaticamente. Há também uma suspensão eletrônica, ajustada conforme o modo de condução selecionado.

O quadro de instrumentos é representado por uma tela de 10,25 polegadas, mesmo tamanho da central multimídia, que pode ser conectada aos sistemas  Android Auto e Apple CarPlay.

Colaboradores da VW em SBC (SP) aprovam estabilidade por 5 anos e plano de demissão voluntária

por fernandosiqueira

 

Mês passado, montadora afirmou que poderia demitir 35% de sua força de trabalho das 4 unidades industriais brasileiras. Unidades do interior de São Paulo e do Paraná ainda votarão acordo

 

 

Trabalhadores da Volkswagen aprovam acordo para manter empregos por 5 anos — Foto: Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

      Trabalhadores da Volkswagen aprovam acordo para manter empregos por 5 anos. FOTO: divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (SP)

Os colaboradores da Volkswagen do Brasil em São Bernardo do Campo (SP) (FOTO acima), no momento em que “aprovaram”, por unanimidade, ontem, dia 15 de setembro do ano em curso, a proposta feita pela montadora junto aos Sindicatos dos Metalúrgicos das cidades onde a empresa possui fábrica, a fim de alterar diversos pontos do acordo coletivo de trabalho.

A solução encontrada pelas partes garante emprego dos funcionários por 5 anos. A proposta original da Volkswagen, apresentada em meados do mês passado, tinha como “escopo” demitir 35% dos seus colaboradores no Brasil.

Além da estabilidade dos postos de trabalho, o plano contém diversos outros pontos, como a abertura de um PDV (Plano de Demissão Voluntária) com pagamento de até 20 salários a quem aderir.

Os colaboradores da unidade Anchieta em São Bernardo do Campo (SP), a maior e mais antiga da montadora no Brasil, foram os primeiros a aprovar o acordo. Hoje, dia 16 de setembro, devem ser publicados os resultados das Assembleias nas unidades fabris de Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR).

A votação na fábrica de motores de São Carlos (SP) está prevista para acontecer amanhã, dia 17 de setembro. Os sindicatos que representam os trabalhadores das três cidades afirmaram à imprensa, que estão confiantes na aprovação do acordo.

Abaixo, estão os principais pontos da proposta da Volkswagen do Brasil, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos

  • garantia de emprego por 5 anos aos trabalhadores;
  • abertura de um PDV com pagamento de até 20 salários a quem aderir;
  • fixação no valor da participação nos lucros da montadora em R$ 12.800,00 em 2020;
  • correção no valor da participação nos lucros da VW, de acordo com o INPC até 2024;
  • possibilidade de utilização do “layoff” até o limite de 10 meses;
  • teto salarial reduzido em 17,05% para os horistas admitidos a partir de 2021;
  • prorrogação, por 5 anos, das demais cláusulas trabalhistas do acordo coletivo que não foram tratadas na negociação deste ano.

Além das cláusulas do acordo coletivo, a Volkswagen do Brasil e os Sindicatos dos Metalúrgicos ainda acertaram algumas propostas relacionadas a possíveis novos produtos nas unidades fabris de São Bernardo e Taubaté (SP).

Uma das sugestões é garantir que um CARRO produzido em São Bernardo do Campo (SP) também possa ser montado no interior, mesmo sem estar utilizando a capacidade máxima em São Bernardo do Campo (SP). A contrapartida é que o volume de produção na primeira unidade fabril deverá ser maior que na segunda.

O outro ponto é a exclusividade na unidade de São Bernardo do Campo (SP) na produção da pick-up SAVEIRO e de uma possível sucessora da mesma.

Linha de produção da Saveiro na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, SP — Foto: Celso Tavares/G1

Linha de produção da pick-up SAVEIRO na unidade fabril da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP). FOTO: divulgação

Crise provocada pelo “coronavírus”

Em julho do corrente ano, Pablo Di Si, presidente da Volkswagen na América do Sul, afirmou que a montadora que dirige teria “fôlego para alguns meses” antes de pensar em demissões no Brasil.

Naquele momento, o executivo havia declarado que a empresa iria conversar com os Sindicatos para realizar a adequação da força de trabalho.

“Se não tivermos uma melhora (nas vendas), teremos que adequar as fábricas, sim, mas essa será uma conversa que primeiro teremos com os Sindicatos, no momento certo, ainda não tomamos uma decisão. E acho que vamos esperar mais um pouco para isso”, afirmou Di Si na época.

Hyundai festeja 400 mil participantes em programa de relacionamento durante Semana do Cliente

15 15Etc/GMT+3 setembro 15Etc/GMT+3 2020 por fernandosiqueira

 

Montadora preparou uma série de benefícios para os clientes cadastrados no “Hyundai Sempre” e ações em seus canais digitais que vão reconhecer a importância daqueles que fazem história junto com a marca

 

hyundai-sempre

 

Na “Semana do Cliente”, que vai de 14 a 19 de setembro, a Hyundai comemora a marca de 400.000 participantes no programa de relacionamento Hyundai Sempre, hoje o maior do setor automotivo nacional. E para festejar, anuncia a conclusão de novas negociações que integrarão o rol de 34 empresas parceiras dos mais diversos segmentos, como entretenimento, móveis e decoração, e alimentação.

 

Para o período, a Hyundai elaborou um calendário de ações e benefícios com foco nos clientes cadastrados no programa. Em cada um dos dias haverá uma promoção diferente, o que inclui descontos de até 30% na Fast Shop, TVs e caixas de som da LG no Extra com preços especiais, além de descontos de 10% na Gran Cru e Cacau Show e 5% na Tok&Stok.

 

De segunda a sexta-feira, ações especiais nos canais digitais da Hyundai vão reconhecer a importância daqueles que fazem história junto com a marca: seus clientes. Haverá participação especial da cantora sertaneja Ana Karla, que já rodou mais de 500 mil quilômetros com veículos HB20; dos clubes de fãs do HB20 e do Creta de todo o Brasil; e até mesmo do vira-lata Tucson Prime, adotado pela concessionária HMB Prime, de Serra (ES) e que virou celebridade nas redes sociais, entre outros.

 

“No formato atual do programa, com a rede de parceiros e diversas funcionalidades, a importância dessa conquista para a Hyundai é a de ser a marca que mais está preocupada em oferecer as melhores experiências para os seus clientes, dentro e fora do carro. O slogan ‘Hyundai Sempre. Parceiros para toda a vida’ define muito bem o objetivo do programa, que é formalizar parcerias com diversas empresas, de vários segmentos, para oferecer serviços, descontos e benefícios relevantes à rotina dos clientes. E com a expansão do número de membros, cada vez mais empresas buscam parceria com a Hyundai. Assim, seguiremos ampliando o programa”, explica o vice-presidente comercial da Hyundai Motor Brasil, Angel Martinez.

 

O programa

 

Um verdadeiro clube de vantagens preparado especialmente para os proprietários de Creta e HB20. Assim a Hyundai define seu programa de relacionamento. Por meio de um cadastro nowww.meuhyundai.com.br, o cliente da marca passa a ter inúmeras facilidades e descontos na rede de estabelecimentos parceiros. Não é necessário acumular pontos ou efetuar pagamentos adicionais.

 

Além dos descontos e benefícios dos parceiros, o Hyundai Sempre também oferece acesso ao manual virtual e aos planos de revisão do veículo, incluindo a atualização da quilometragem e realização do agendamento de serviços e revisões programadas. Na plataforma também é possível saber as novidades sobre a Hyundai Motor Brasil em primeira mão e participar das promoções como a Ticket Drive, que dá vale-streaming para quem realizar test drive nas concessionárias HMB, além de números da sorte para concorrer a dois HB20 Sport e um Creta Prestige zero-quilômetro.

 

Para acessar a lista completa de empresas parcerias do Hyundai Sempre, acessewww.meuhyundai.com.br.

 

Sobre a Hyundai Motor Brasil

A Hyundai Motor Brasil está presente no Brasil desde 2012, quando inaugurou sua fábrica em Piracicaba (SP). Com 2,8 mil colaboradores, é responsável pela fabricação e comercialização da família de veículos compactos HB20, desenvolvida especialmente para o consumidor brasileiro, e do SUV compacto global Creta, este também em versão exclusiva. Em 2019, ampliou a capacidade produtiva de 180 mil para 210 mil carros ao ano e renovou completamente a linha HB20, trazendo para o segmento dos compactos itens de segurança até então inéditos, como o sistema de alerta e frenagem autônomo e o alerta de mudança de faixa. Para saber mais sobre a Hyundai e seus produtos no Brasil, acesse www.hyundai.com.br. Acompanhe também o dia a dia da marca nas redes sociais – Facebook (www.facebook.com/hyundaibr) e Instagram (www.instagram.com/hyundaibr  – e no YouTube (www.youtube.com/hyundaibr).

 

Sobre a Hyundai Motor Company

Fundada em 1967, a Hyundai Motor Company oferece uma ampla gama de veículos e serviços de mobilidade disponíveis em mais de 200 países. Empregando aproximadamente 120 mil colaboradores em todo o mundo, a Hyundai vendeu mais de 4,4 milhões de veículos em 2019. A empresa segue aprimorando sua linha de produtos com veículos que estão ajudando a construir um futuro mais sustentável, oferecendo soluções inovadoras para os desafios da mobilidade atual.  Por meio desse processo, a Hyundai procura implementar sua visão de “Progresso para a Humanidade” com soluções de mobilidade inteligentes que conectam as pessoas e propiciam um tempo de mais qualidade para seus consumidores. Mais informações sobre a Hyundai Motor Company e seus produtos podem ser encontradas em http://worldwide.hyundai.com  ou http://globalpr.hyundai.com

Esportivo Porsche “718 Cayman” com câmbio PDK e motor 6-cilindros desembarcou no Brasil

por fernandosiqueira

 

Retorno da motorização 6 cilindros aos 718 Cayman e Boxster no Brasil é marcado pela adoção do câmbio automatizado “PDK”

 

 

pdk
Porsche 718 CAYMAN E 718 BOXSTER GTS. FOTO: Porsche

A Porsche iniciou a comercialização no Brasil dos automóveis esportivos 718 Cayman e 718 Boxster (nova versão com motor 6 cilindros e câmbio PDK). Com 4 litros e 400 cavalos de potência, a nova opção se junta à de 4 cilindros 2.0 turbo de 300 cavalos de potência. A versão GTS de Cayman e Boxster com o novo motor tem preços sugeridos de R$ 485.000,00 e R$ 505.000,00, respectivamente.

A versão GTS tem acabamento escurecido em rodas, logotipo, interior e nas máscaras dos faróis e lanternas. Além do motor de 6 cilindros, a linha 2021 do 718 passa a ter câmbio automatizado de 7 velocidades e dupla embreagem.

Até então,  os 718 Cayman e 718 Boxster com motor 4.0 vinham somente com câmbio manual. Para o motor 4.0, a sétima marcha do câmbio PDK tem uma relação mais curta que das versões com 4 cilindros 2.0 turbo.

Câmbio PDK deixa 718 mais veloz

Com o cãmbio PDK, os 718 Cayman e 718 Boxster podem acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4 segundos e chegar a 200 km/h em 13,7 segundos. Os números são 0,5 s e 0,4 s menores que os das versões com câmbio manual.

Os dois modelos vêm equipados com o pacote Sport Chrono. Isso inclui 4 opções de modos de condução: Normal, Sport, Sport Plus e Individual. No Sport Plus há, ainda, a função de controle de largada. No Individual o motorista escolhe os ajustes conforme suas preferências.

Como em outros automóveis Porsche, o 718 com motor 4.0 conta com a função “Sport Response”. Independentemente do modo de condução escolhido, o carro entrega o máximo de desempenho por 20 segundos. Segundo informações da Porsche, essa opção é inspirada nos carros de corrida. Em pista, sua função primordial é auxiliar em ultrapassagens.

Outra novidade para toda linha 2021 do 718 Cayman e 718 Boxster é o revestimento interno Race-Tex. O material sintético, utilizado nas capas de bancos de carros de competição, substitui a alcântara. Trata-se de uma espécie de microfibra de alta qualidade, parcialmente feita de fibras de poliéster, que podem ser recicladas.

718 Cayman GT4 e Boxster Spyder GT4

Além da chegada do motor 6 cilindros na versão GTS, a Porsche oferece a versão GT4 com o câmbio PDK. A diferença dessa versão, inspirada no Cayman de corrida. A potência chega a 420 cavalos, ante 400 cavalos da variante “normal”. Detalhes como preço e data de lançamento no Brasil  ainda não foram divulgados.

 

 

pdk

PORSCHE conversível. Linda. Sem comentários! FOTO: divulgação

 

Na versão GT4, o câmbio automatizado traz a função “PDK Sport”, acionada por alavanca no painel. Outras mudanças nas versões GT4 são melhorias no diferencial. O nível de bloqueio (mecânico) pode chegar a 30% (Boxster GT4) e 37% no Cayman GT4. Com câmbio manual, as versões GT4 tinham 22% e 27% de intervenção de bloqueio.

 


 


Ministério Público quer “recall” de 1.300.000 Onix montados desde 2012

por fernandosiqueira

 

Em “Ação” conjunta impetrada contra a General Motors do Brasil, o Denatran e a União exigem o “recall” de todas as unidades do hatch compacto comercializadas desde o fim de 2012 em nosso País

 

onix-2021-1

 

Onix pode abrir a porta traseira em uma colisão. FOTO: divulgação

Modelo líder de comercialização do mercado nacional desde 2015, o ONIX é alvo de um pedido de “recall” que pode envolver todas as unidades produzidas desde o final do ano 2012. O Ministério Público Federal e o Ministério Público de Minas Gerais (MP/MG), além do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito)  e a UNIÃO, entraram com ação civil pública contra a General Motors do Brasil. Se o “recall” for deflagrado, o mesmo envolverá aproximadamente 1.300.000 unidades do hatch.

A ação é baseada no teste de colisão feito em maio de 2017 pelo Latin NCAP. O órgão independente afere a segurança dos carros na América Latina. Na ocasião, o ONIX “zerou” o crash-test. O hatch não obteve nenhuma estrela das 5 possíveis. Para reduzir os efeitos negativos da notícia, a a GM do Brasil reforçou o chassi do modelo.

Em janeiro de 2018, o Latin NCAP submeteu novamente o ONIX (e o sedã Prisma) a crash-test. Com chassi reforçado, os dois carros foram aprovados com 3 estrelas para a proteção de adultos e crianças. O Ford Ka produzido em Camaçari (BA) também teve resultado ruim em um crash-test feito em 2017. Um ano depois o modelo foi reforçado e conquistou, também, 3 estrelas em relação ao nível de segurança.

Porta traseira pode se abrir em colisão

A queda de braço entre MPF, MP/MG e GM está apenas no começo. Segundo informações da montadora todas as normas de segurança veicular exigidas no Brasil foram cumpridas. Essas regras são determinadas pelo CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) e pelo DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito). Mas as imagens do teste de colisão lateral do Latin NCAP jogam contra a General Motors do Brasil.

O principal elemento que comprovaria a baixa segurança do automóvel ONIX é a imagem das portas traseiras se abrindo após impacto na lateral do Onix. A nova Norma Brasileira de Ensaios de Impacto Lateral (ABNT NBR 16204-1) foi publicada em 2013. O problema é que só passou a valer em 1º de janeiro de 2018, quando a estrutura do carro havia sido reforçada. Ou seja: na prática, a GM está dentro da lei.

“A deficiência desse modelo é tão gritante, que, quando da realização do teste, sua porta traseira se abriu, comprovando o alto risco para seus ocupantes, especialmente crianças. Além disso, apuramos que o modelo comercializado no Brasil não cumpre a regulação de proteção contra impacto lateral básica das Nações Unidas (UN95), sendo que o modelo equivalente da GM vendido na Europa e nos Estados Unidos tem resultados muito melhores de segurança do que o disponibilizado em nosso País. Os testes demonstraram que o ONIX brasileiro não seria aprovado pela regulação da ONU, nem pela Norma Federal de Segurança Veicular dos Estados Unidos. Ou seja, ele sequer poderia ser vendido naqueles países”, afirma Cléber Eustáquio Neves, PROCURADOR DA REPÚBLICA.

Promotoria AFIRMA que GM sabia do problema

No documento divulgado pelo MPF, consta que a GM vendeu mais de 1.300.000 unidades do ONIX, do seu lançamento, no fim de 2012, até outubro de 2018. No período, teria lucrado, aproximadamente, R$ 8,3 bilhões anualmente. Em 2019, a performance se repetiu, com o ONIX ocupando, pelo QUINTO ano consecutivo, o posto de automóvel mais vendido no Brasil. Foram comercializadas 241.214 unidades, mais que o dobro do segundo colocado.

Para Fernando Martins, promotor de Justiça, a GM sabia da periculosidade que esses automóveis proporcionam aos seus proprietários. Por isso, inclusive, ela fez as alterações, para que fosse minimamente resistente a impactos laterais. Martins se refere justamente aos reforços estruturais que o ONIX recebeu após ser reprovado.

Um argumento favorável à montadora é que o ONIX foi aprovado pelo Latin NCAP no crash-test de dezembro de 2014. Na ocasião, o hatch conseguiu três estrelas para adultos e duas na proteção de crianças. Os protocolos não incluíam o impacto lateral nem a batida contra o poste, que são exigidos atualmente. O órgão costuma endurecer as provas a cada 4 anos.

 

Ferrari fala sobre “cibersegurança” na Fórmula 1

por fernandosiqueira

ferrari-nova pintura-carro F1

Carro de Fórmula 1 da Ferrari com nova pintura (brilhante) vermelho vinho. FOTO: divulgação

Não é apenas no desempenho dos carros que as escuderias da Fórmula 1, principal categoria de automobilismo do mundo, precisam dedicar os seus esforços. Alvos constantes de criminosos virtuais, cada vez mais sofisticados e organizados, as equipes precisam de cuidado especial para proteger a infinidade de dados, análises e tecnologia que são essenciais para os resultados nas pistas de competição.

Para comentar os desafios de cibersegurança na Fórumla 1, o líder de TI, segurança e compliance da Ferrari, Alessandro Sala,conversou com o diretor-executivo da Kaspersky na América Latina, Cláudio Martinelli, e o diretor da equipe de pesquisa e análise da Kaspersky na América Latina, Dmitry Bestuzhev, em uma live que comemora os 10 anos de parceria entre a escuderia italiana e a empresa internacional de cibersegurança. O evento foi realizado e transmitido hoje, dia 15 de setembro, às 11 horas, e este BLOG participou.