183950

O Instituto Datafolha, em parceria com o IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers, Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos) realizou ampla pesquisa nacional para descobrir dos brasileiros quais soluções tecnológicas são consideradas as mais importantes para suas cidades. Foram ouvidas mais de 2 mil pessoas, de 130 municípios de diferentes portes, em 4 regiões do país. Entre as 10 opções de tecnologias apresentadas, mais de um terço dos entrevistados (36%) considera a implantação de câmeras de monitoramento integradas às centrais de polícia, para garantir segurança pública, como melhor contribuição da tecnologia para o desenvolvimento urbano.

Semáforos inteligentes e acessibilidade/apoio a deficientes físicos nos meios de transporte públicos praticamente empataram em segundo lugar, com índices bem menores (15% e 14%, respectivamente). Em terceiro lugar, os entrevistados citaram internet sem fio em ruas e praças e o monitoramento de tráfego urbano em tempo real (ambos com 8%), seguidos de interação dos usuários com serviços de transporte público (7%), veículos elétricos (4%), identificação automática de veículos e instalação de sensores em postes de iluminação (ambos com 3%) e sistemas inteligentes para cobrança de passagens (2%).

Investimentos prioritários

No segundo quesito da pesquisa, sobre quais serviços deveriam receber mais investimentos em tecnologia, a saúde pública lidera as preferências da população, com 30% das indicações. Em seguida, aparecem segurança pública (23%) e educação (18%). Pesquisas anteriores do Instituto Datafolha também já haviam constatado a mesma hierarquia na preocupação da população com essas três áreas prioritárias – o que só reforça a necessidade da aplicação de tecnologia como solução fundamental.

Em seguida na pesquisa, estão água e saneamento básico (8%), serviços de telecomunicação e conectividade (7%), transporte coletivo e mobilidade urbana (5%), iluminação pública (5%), fornecimento de energia elétrica (3%) e coleta de lixo (2%).

Conclusão

Na avaliação do Datafolha, “o panorama geral do levantamento indica que os brasileiros desejam tecnologias aplicadas às cidades nas áreas mais problemáticas e/ou de maior visibilidade, como segurança, saúde, educação e trânsito/transporte. Os aportes em tais áreas, porém, não ocorrem nos níveis que o cidadão considere suficiente, o que não lhe permite indicar grande melhoria na vida da população a partir dos investimentos realizados em tecnologias em sua cidade”.

A única exceção é no caso de energia elétrica, no qual as opiniões se dividiram entre investimentos suficientes ou insuficientes. Apenas 9% considera que a tecnologia tem melhorado a vida da população, enquanto a maioria se divide entre aqueles que vêem um pouco de melhora (47%) ou nenhuma (38%).

A pesquisa quantitativa foi realizada com a abordagem pessoal dos entrevistados em pontos de fluxo populacionais, com aplicação de um questionário estruturado com cerca de 10 minutos de duração. O universo dos pesquisados incluiu população adulta brasileira, com 16 anos ou mais, de todas as classes sociais, em 130 municípios de pequeno, médio e grande porte em todas as regiões do Brasil.

Debate na Futurecom

Os resultados da pesquisa foram debatidos pelos membros do IEEE, os especialistas Cyro Boccuzzi e Raul Colcher, no dia 17 de outubro, durante a realização da Futurecom. O painel teve como objetivo explicar os principais usos da tecnologia em prol da melhoria da vida urbana, além de apontar novas tendências que estão sendo desenvolvidas atualmente, como as redes inteligentes de energia.

Sobre IEEE

O IEEE, Institute of Electrical and Electronic Engineers (Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos) é a maior organização técnico-profissional dedicada ao avanço da tecnologia para o benefício da humanidade. Através de suas publicações amplamente citadas, conferências, padrões de tecnologia, e atividades educacionais e profissionais, o IEEE é a voz confiável em uma vasta variedade de áreas, desde sistemas aeroespaciais, informática e telecomunicações até engenharia biomédica, energia elétrica e equipamentos eletrônicos. Conheça mais acessando o site http://www.ieee.org.