A atitude dos jogadores do Figueirense, que não entraram em campo contra o Cuiabá, pela Série B do Campeonato Brasileiro abre um precedente importante no futebol nacional e vai fazer com que muitos dirigentes passem a pensar duas vezes na hora de montar elencos cujos compromissos não poderão ser quitados. Os atletas do clube catarinense, ainda que estejam defendendo seus próprios interesses, nesse momento, fazem de sua luta uma ação que pode dar liberdade a tantos outros atletas que vivem situação análoga. Salários atrasados, direitos de imagem desrespeitados, direitos sociais não recolhidos, condições insalubres de trabalho e alimentação inadequada são realidades no futebol brasileiro que precisam ser combatidas.

No Figueirense, os salários estão atrasados desde julho. Os direitos de imagem também não são quitados com o elenco desde maio. Não entrar em campo está no direito desses atletas que, ainda assim negociaram até o último minuto. Para jogar eles pediram que o presidente do Figueira, Cláudio Honigman se prontificasse a renunciar ao cargo caso os débitos não fossem pagos até o dia 28, conforme ele mesmo tinha se comprometido a pagar. Como esses cartolas são apegados ao poder e, em sua maioria, não costumam cumprir com o que prometem, o dirigente não aceitou a proposta e disse que seguirá negociando para o próximo jogo. Sem entrar em campo, o time catarinense perdeu por W.O, o que resulta em um placar de 3 a 0 favorável ao adversário e o clube poderá ser multado em até R$ 100 mil.

Comentários do Site

  1. Lúcifer
    Responder

    Interessante…
    Quando o elenco titular do ABC cruzou os braços e ameaçou a greve que resultaria num W.O. inédito no futebol potiguar durante a campanha da série B em 2017 era todo mundo caíndo de pau nos caras!!!
    Rapaz…como o mundo dá voltas!
    Tinha até torcedor querendo pegar jogador, imprensa criticando a postura “anti profissional” dos atletas e o escambau!
    O clube devia salários e direitos a comissão técnica, atletas, funcionários, fechou o restaurante por falta de comida entre outros transtornos, isso tendo quase dezoito milhões de receita bruta durante a temporada.
    Mas, como o alvinegro sempre foi a menina dos olhos da mídia potiguar era mais prático jogar a culpa da pífia administração do clube na conta dos grevistas, que encontraram no Dr. Felipe Augusto uma orientação e resguardo aos seus direitos. E era todo mundo caíndo de pau também no presidente da FENAFAP !!!
    Dá uma vontade de rir…
    Hoje, situação semelhente no Fiqueirense e os caras estão cobertos de razão!!!!
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Agora estão inventando essa história de irregularidade no Treze.
    Primeiro foi contra o atleta Calixto, consultaram o regulamento e viram que não tinha fundamento.
    Aí foram atrás de outra irregularidade e pegaram o técnico!
    No caso do treinador Celso teixeira o regulamento é mais claro ainda de que não existe a menor chance de punição ao galo da borborema, apenas ao TREINADOR!
    Vão pegar agora quem? Algum gandula? O roupeiro?
    Mas, preferem manter o torcedor iludido com falácias para conter a ira e maquiar a péssima administração que vem levando o clube ao fundo do poço ano após ano. Isso porque no início da temporada teve o fórum “ABC do futuro” com palestras, explanações e um monte de baboseiras que não deu foi em…nenhuma, e taí o resultado!
    Agora querem trazer o presidente do Bahia!!!
    Como se isso fosse mudar a cultura administrativa do alvinegro, que um dia teve um dos maiores patrimônios do nordeste e hoje se resume a um pequeno estádio, mesmo assim em vias de penhora e execução.
    CULTURA, não se muda com palestra, nem da noite pro dia.
    E que o torcedor alvinegro se prepare pois se as forças ocultas não entrarem em campo na próxima temporada o pior ainda está por vir e esse rebaixamento será fichinha diante dos próximos capítulos!

Deixe um comentário