Homofobia

Neste domingo, 17 de maio, é o Dia Internacional contra a Homofobia. Aqui mesmo nessa coluna escrevi sobre essa questão no país dito do futebol. É justo nesse esporte, onde o preconceito contra os homossexuais se manifesta com mais força e sob vários aspectos. Nessa semana um caso envolvendo uma das torcidas organizadas de Natal veio a público. Vídeo com declarações doentias e outras situações escancaram uma realidade que muitos costumam varrer para debaixo do tapete. No Brasil e no mundo, jogadores homossexuais se escondem, temem as reações de companheiros de equipe e de torcidas cada vez mais violentas. Um absurdo que ganha voz em cânticos medíocres entoados nas arquibancadas. A Seleção Brasileira, marca maior do nosso futebol, inclusive, foi multada pela Conmebol, por causa desse tipo de atitude durante jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia.

Homofobia 1

Deve-se lembrar que, dentro ou fora de um campo de futebol, ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF), passou a considerar a homofobia crime. Aqueles que consideram “brincadeira” menções ao número utilizado na camisa de determinado atleta precisa ficar atento para não parar atrás das grades. No Brasil, inclusive, o número 24 era constantemente retirado das escalações das equipes. Alguns clubes modificaram essa atitude, mas outros ainda mantém esse tipo de preconceito velado.

Homofobia 2

Ano passado, aos 19 minutos do segundo tempo, o árbitro Anderson Daronco interrompeu o duelo entre Vasco e São Paulo, quando parte da torcida vascaína cantava “time de viado” nas arquibancadas de São Januário para provocar os rivais. Foi a primeira vez que a arbitragem paralisou um jogo por causa de cânticos homofóbicos. O árbitro atendeu a uma instrução do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD). Este ano, dificilmente teremos esse tipo de atitude em campo, uma vez que os jogos, muito provavelmente, não terão a presença das torcidas. No entanto, atitudes em redes sociais, ou nas ruas, devem ser punidos com veemência. Respeito em primeiro lugar.

 

Comentários do Site

  1. Alessandro Pereira Silva
    Responder

    Não será crime enquanto a Lei Penal assim não o disser, mas se quer achar que tem punicão penal é so Usar Lesão Corporal qualificada ou Homicidio qualificado por motivo futil ou torpe quando for a situação prática. Quem se sentir violentado peça indenização por danos morais. É a medida de Justiça para o momento. As Federações não devem punir os clubes, mas os torcedores identificados com tais atos hostis. Quem tem talento para o esporte profissional não deve o abandonar se sentir incomodado por isso. O que não pode é usar falto de talento ou outra conduta imprópria como MULETA no caso de o atleta ser tecnicamente ruim e dizer que é EXCLUSIVAMENTE por causa do preconceito que ele não rende bem em qualquer atividade que exerça.#STFNÃOLEGISLAPRACRIARCRIME

Deixe um comentário