Um vez conversando com um ex-dirigente de futebol ele me disse: O futebol não é lugar para principiantes. O ex-cartola se referia, na época, a fatos como evitar prejuízos com arbitragens, perder jogadores das bases para empresários inescrupulosos e a concorrência natural entre os clubes.

Esse papo rolou faz tempo, mas continua atualizado. A disputa ABC x América deste ano relembrou parte disso: A concorrência.

Na atual temporada, o Alvinegro já tomou dois chapéus enormes do Alvirrubro. O primeiro veio com o atacante Dione. Destaque abecedista hoje veste vermelho. Agora o volante Rato que, segundo apurou o bom repórter Mallyk Nagib, mudou o caminho na estrada entre Mossoró e Natal.

Os valores envolvidos apontam um disparate entre ofertas que demonstram a diferença atual de poder de fogo dos dois clubes. O ABC mandou, ou mandaria, R$ 8 mil para liberar o atleta. O America teria pago R$ 50 mil de luvas.

Certo é que, após as negociações conturbadas sobre a estrutura do clássico na Arena das Dunas e agora com mais esse chapéu, o América x ABC tem tudo para ser ainda mais quente.

Comentários do Site

  1. FRANCIMAR VASCONCELOS TORRES
    Responder

    Mais uma vez a PILANTRAGEM dos vermes vermelhos aparece, patifes!!!
    Aqui se faz, aqui se paga…esperemos!!!

  2. Abadon
    Responder

    Na realidade, não se tratou propriamente de um “chapéu” mas o atleta simplesmente escolheu o melhor prá ele e principalmente sua família.
    O abc foi vítima de um dos maiores problemas que o afligem atualmente: A falta de credibilidade, fruto das suas últimas – e caloteiras – administrações.
    Chapéu, existia antigamente quando a ética ainda imperava nos bastidores de um futebol potiguar forte e empolgante.
    Uma época em Alberi – maior craque da história alvinegra – saiu pela porta dos fundos do Abc indo pro Sergipe-SE e o América foi lá buscar o “negão”. A diretoria alvinegra não se sentindo a vontade com a insatisfação da própria torcida deu o “troco” tirando do rival a peso de ouro, sua maior revelação da época: Reinaldo Francisco, que veio bem jovem de Parnamirim pro América pelas mãos do saudoso prof. Basílio e seu amigo Alcides “batatinha”. Pura argúcia do também saudoso José Prudêncio Sobrinho.
    Portanto, nesse episódio não houve chapéu. O abc foi vítima da sua própria incompetencia.

  3. Pereira
    Responder

    Interessante esse mi mi mi alvipreto cobrando ética !!!
    Mas óia !! Logo quem cobrando “ética” ????
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Camarada, desde que o futebol potiguar se entende de gente que o clube que mais faltou com a ética tem as cores preto e branca !
    Quem foi que a alguns anos atrás colocou o time reserva prá enfrentar o Bragantino no sebosão, sabendo que uma vitória do time paulista contribuiria para o rebaixamento do América?
    Quem foi que a alguns anos atrás acertou tudo para o aluguel do sebosão ao América, inclusive na presença da governadora e depois quebrou a palavra (que já não tem…)?
    E naquele clássico na época do apagão, quando o América estava com um homem a mais em campo, dando um sufoco miserável no abc e “alguém” jogou água no gerador forçando o término antecipado da partida? Coisa de moleque, mesmo…
    Isso entre milhares de outros exemplos, como deixar de repassar a parte da renda destinada ao América num clássico no sebosão, etc, etc, etc…
    Aí, vem com chororô cobrar ética ???
    Faz-me rir, colega !
    REALMENTE, AQUI SE FAZ, AQUI SE PAGA E A LEI DO RETORNO É A ÚNICA CERTEZA NESSE MUNDO.
    SE PREPARA QUE VEM MUITO MAIS POR AÍ !!!

Deixe um comentário