*Experiências anteriores mostram que América precisa ir bem na ida para sorrir na volta*

Chegou o momento mais esperado da torcida do América de Natal na temporada. O mata-mata do acesso, com dois capítulos a serem escritos para retornar à Série C. Nessas duas páginas restantes, o América, em seu “livro” na Série D, já sabe por A+B que fazer um bom jogo de ida é essencial para chegar inteiro na volta.

Essa reflexão não tem o objetivo de jogar energias ruins ao Alvirrubro. Pelo contrário, a ideia é alertar que a ida é tão importante quanto a volta. Talvez até mais!

Nesta Série D, o América quase se complicou pelos maus resultados nos primeiros jogos do mata-mata. Perdeu para o Coruripe (1×0) e empatou heroicamente com o Gálvez (1×1) num jogo que o goleiro Alvirrubro, Vitor Paiva, fez uma grande lambança e quase colocou tudo a perder. Passou, ok, vira-se a página e está tudo certo.

Ir bem na ida não é garantia de que irá conseguir resolver na volta. Mas tira um peso tão grande…

Ajudou em 2017, quando os rubros empataram lá em Goiás com a Aparecidense (0x0) e venceram o Ceilândia-DF (1×0). Resolveu aqui com um 1×0 e um 2×1, respectivamente. Porém, a receita deu errado justamente no mata-mata do acesso, na trágica derrota por 3 a 0 para a Juazeirense.

Em 2018 foi o mesmo problema. Perdeu na ida pra Imperatriz e não conseguiu reverter na volta. Em 2019, os rubros até conseguiram eliminar o América-PE após resultado adverso na ida, mas não conseguiram passar pela Jacuipense-BA na fase seguinte.

A história americana preconiza ainda o cuidado em enfrentar equipes desconhecidas. Até esse ano, por exemplo, quantos Alvirrubros conheciam o Floresta?

Sobre o jogo, será uma partida de 180 minutos e o torcedor já sabe e pode imaginar que será um duelo muito difícil. Mesmo nos dois jogos já feitos até aqui entre as equipes, foram duas partida e muito equilibradas. O Alvirrubro se deu melhor, mas a equipe cearense já mostrou que é qualificada e cascuda.

No mais, vejo o América com totais condições de conseguir o acesso: tem um bom treinador, elenco qualificado e unido em torno da causa e tem feito uma bela campanha até aqui. Dois jogos e esse time crava o nome na história do América.

O Alvirrubro deve jogar com inteligência, marcar bem, estar focado o jogo inteiro e não perder as chances que aparecerem. É aproveitar o bom momento de Rodrigo Andrade e Wallace Pernambucano pra marcar e conseguir um bom resultado. É usufruir de uma defesa consistente com Marcelo e Edimar e Filipe Guedes pra não tomar gols e construir um bom placar no jogo de ida.

Meu América ideal pra hoje: Vitor Paiva, Everton Silva, Marcelo, Edimar, Carlos Renato; Guedes, Romarinho, Rodrigo Andrade e Rondinelly; Elias e Wallace. Tartá foi muito bem no jogo passado, ao passo que Rondinelly não foi tão bem assim. Porém, acho que o camisa 10 tem feito uma bela Série D até aqui e isso não pode ser deixado de lado.

Após um ano conturbado, não só pela pandemia, mas por questões outras que envolveram até renúncia presidencial, o Alvirrubro pode terminar “2020” de um belo jeito. E que jeito! Se para 2021 a palavra mais usada por brasileiros e brasileiras foi “esperança”, o dicionário americano só fala em acesso. É o fim do inferno que todos querem: sair da Série D.

Comentários do Site

  1. José Morais
    Responder

    O time das cordas ou a seleção de japecanga conforme queiram , mais uma vez nadou , nadou , nadou e morreu na praia . Só está na série D , pq não tem a série Z . Kkkkkkk

  2. Abadon, o Sicário !
    Responder

    O América não amadureceu.
    Continua sendo ele mesmo, o seu pior adversário com suas rixas internas, fogo amigo e a turma do quanto pior melhor. E pelo que se observou sábado contra o modesto mas aguerrido time do Floresta, o elenco rubro não está e nem foi “blindado” contra os “maus espíritos” que rondam o futebol alvirrubro: Apatia total e um único chute ao gol adversário em 90 minutos.
    Só sendo muito idiota prá não perceber que teve algo errado. Aliás, muito errado!
    Kobaya escalou errado e mexeu errado. Mas esse ‘fenômeno’ já vem sendo visto desde Waguinho Dias, passando por Roberto Fernandes até chegar nele.
    O treinador tem realmente autonomia no clube?
    Dá prá reverter a situação? Claro. Dentro de campo o time rubro é superior e tem mais recursos. Resta saber se os adversários “fora de campo” serão afugentados. Se isso não acontecer, não tem bronca de dirigente, foguetório de torcida ou bicho gordo que resolva a parada!
    A quem interessa o América permanecer no limbo?
    Já não basta ter que enfrentar os muitos INIMIGOS NATURAIS que o clube já possui, todos os anos?

    Será que avisaram ao Sílvio Criciúma que no time de pium existem os mesmos problemas de atrasos salariais que atormentaram o seu ex-clube Central-PE?
    Será que ele pediu pra ganhar menos que a proposta salarial de Chico Diá?
    Será que ele está sabendo da premissa do “bom e barato”?
    Quem têve seu mateus que balance o berço…
    E apague a luz quando sair!

  3. José Morais
    Responder

    Conforme escrevi aqui semana passada ( Não publicaram ) a seleção de japecanga nadou , nadou , nadou e morreu no seco como sempre . Só resta a CBF criar a série Z para os times do RN.

Deixe um comentário