Entre os dias 1º e 7 de setembro, o espírito olímpico será renovado em terras brasileiras com o Revezamento da Tocha dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. E mais uma vez o Bradesco estará presente como patrocinador desta jornada, assim como fez durante o Revezamento da Tocha Olímpica dos Jogos Rio 2016. Neste período, a chama percorrerá as cidades de Brasília, Belém, Joinville, Natal, São Paulo e Rio de Janeiro, e será conduzida por cerca de 700 amantes do esporte e com histórias de vida que permeiam os valores paralímpicos de coragem, determinação, inspiração e igualdade.

E foi com base nestes valores que o Bradesco selecionou alguns de seus condutores, a partir da campanha pública. O Banco também fez alguns convites. Entre eles, para atletas que se destacaram durante os Jogos Rio 2016, como os judocas Rafaela Silva e Rafael Silva, o Baby, medalhas de ouro e bronze, respectivamente. Charles Chibana será outro atleta olímpico a conduzir a chama.

Para o primeiro dia do Revezamento, nesta quinta-feira, em Brasília, o Banco indicou Antonio Padilha Lanari Bo. Ex-triatleta membro da Seleção Brasileira de Duathlon e vencedor de sua categoria no Ironman Brasil 2000, ele é doutor em engenharia biomédica e professor de engenharia elétrica da Universidade de Brasília, onde realiza pesquisa e desenvolvimento de tecnologia para a pessoa com deficiência motora, como próteses robóticas e sistemas para auxílio ao exercício físico usando estimulação elétrica neuromuscular. Atualmente, coordena o Projeto EMA (Empowering Mobility & Autonomy), que concebeu um triciclo assistido por estimulação elétrica.

Selecionado por campanha pública, Haroldo da Costa também conduz a Tocha em Brasília no primeiro dia da festa. Apaixonado por esportes, descobriu uma insuficiência renal e, devido à hemodiálise, precisou se afastar das atividades esportivas. Em 1997, Haroldo recebeu um transplante de rim da doadora e irmã Salete Costa. Após o transplante, decidiu utilizar o esporte para promover a doação de órgãos. Como o país vivia a era Guga, começou a praticar tênis com o objetivo de participar dos World Transplant Games, olimpíada para atletas transplantados. O sonho foi realizado em 2011, em Gotemburgo, quando conquistou ao lado de Edson Arakaki a medalha de bronze nas duplas.

Já Dayenne Oliveira recebeu há quatro anos a notícia de que tinha uma doença degenerativa e que não poderia mais fazer as atividades físicas que sempre fez. O diagnóstico foi uma DMTC (doença mista do tecido conjuntivo), que consiste em várias doenças auto imunes juntas. Hoje ela corre, faz ciclismo, faz trilhas noturnas e de aventura. É um exemplo para a família, para os amigos e também para os médicos e residentes da Reumatologia de um Hospital de Taguatinga.

Esportistas convidados

Rafael Silva, o Baby, medalhista de bronze na categoria peso-pesado nas olímpiadas do Rio 2016 e Londres 2012, terá a missão de conduzir a chama na cidade de São Paulo, no dia 4 de setembro.

Outra convidada foi a coordenadora da seleção brasileira de ginástica artística, Georgete Vidor. Uma das referências da modalidade no Brasil, ela ficou paraplégica após um acidente com o ônibus em que viajava com ginastas do Flamengo, em 1997. Ela irá conduzir a tocha no dia 6, no Rio de Janeiro.

Já Rafaela Silva, que conquistou a primeira medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016, carregará o símbolo paralímpico do dia 7, no Rio de Janeiro.

Sobre o Bradesco Esportes

O Bradesco é patrocinador oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, do Time Brasil e do Revezamento da tocha olímpica. O banco apoia os Jogos Olímpicos desde que a cidade maravilhosa se candidatou como sede da competição. O Bradesco também patrocina seis confederações nacionais: judô, basquete, esportes aquáticos, rugby, vela e remo.

Deixe um comentário