“Empobrecimento”, a verdade dita por Eduardo Rocha

Concordo em gênero, número e grau, com a avaliação do diretor da Liga do Nordeste, Eduardo Rocha. A eliminação de ABC e América da Copa do Nordeste representa um forte “empobrecimento” do futebol potiguar. Ficar atrás de clubes de Sergipe e Alagoas, com todo respeito aos Estados vizinhos, que tradicionalmente posicionam suas agremiações em colocações inferiores às nossas, tem que ser avaliado com muito cuidado por todos que constroem o nosso futebol. Acho que, nesse caso, empobrecimento rima com planejamento equivocado. Acreditar que, no início do ano o investimento tem que ser menor por causa dos déficits dos Campeonatos Estaduais é relegar a segundo plano duas competições extremamente rentáveis financeiramente: a própria Copa do Nordeste e a Copa do Brasil. Em ambos os casos, ir longe representa um impulso na autoestima e outro ainda maior nas finanças. Se o Estadual não rende, por outro lado, esses outros torneios deixam um bom lucro para os cofres dos clubes. Mas, para isso, é preciso avançar de fases e, consequentemente, a equipe precisa estar bem formada, treinada e com elenco, no mínimo, mediamente qualificado já no início da temporada. Para isso, o planejamento precisa incluir reforços de peso com contratos de um ano e claro, uma categoria de base forte, capaz de abastecer o elenco não apenas quantitativamente mas, principalmente qualitativamente. A volta da Copa São Paulo de Futebol Júnior precisa ser encarada com mais profissionalismo e os jogadores têm que estar à disposição do clube, ao menos por uma temporada, para que sejam valorizados, usufruídos e só depois negociados, com um valor agregado ainda maior. Quando esses jovens vão embora sem terem passado sequer pelo elenco principal deixam pouco. Pouco dinheiro e nenhuma conquista para as agremiações. É hora de repensar esse plano de começar o ano com um time meia boca e ir se reforçando ao longo da temporada. Em princípio, pode parecer um aumento de despesa, mas, os resultados a serem colhidos podem compensar os cofres, as salas de troféus e o um balanço em azul na conta de sócios-torcedores.

A eliminação do ABC pelo São Paulo, empatou na noite desta quarta-feira (15) por 1 a 1, no Frasqueirão, pela Copa do Brasil e a derrota do América para o Potiguar de Mossoró, no Nogueirão, por 3 a 1, atestam que algo mais precisa ser feito.

One thought on ““Empobrecimento”, a verdade dita por Eduardo Rocha

  • 16 de março de 2017 em 10:20 pm
    Permalink

    Dr. Eduardo Rocha tem toda razão, o nosso futebol empobreceu em tudo. Os dirigentes que estão à frente dos principais times de nosso futebol – ABC e América – perderam o bonde da história, pensam pequeno, não sabem planejar, e o que se vê é a falência e a morte precóce dessas equipes das principais competições disputadas – o campeonato local e a Copa do Nordeste. E, com um agravante; foram ultrapassados pelos Estados de Sergipe, Alagoas, Paraíba, Piauí, e Maranhão, restando mesmo a lanterna na Região Nordeste. Viva o torcedor bahiano, pernambucano e cearense que não querem notícias de clubes do Sudeste nas emissoras locais, é o barrismo que voltou por um motivo que é a valorização dos clubes desses 3 Estados. Façamos alguma coisa pelos nosso futebol. Salvemos o América e lutemos com o ABC na segundona.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.