Jogo duro

Globo e América devem fazer hoje, às 20h, um jogo duro. O resultado é decisivo para o time de Ceará-Mirim na competição. Jogando em casa, no Barrettão, a equipe comandada por Higor César precisa vencer para seguir sonhando com uma das vagas na decisão do segundo turno.

Por outro lado, um empate, até pela vantagem em pontos e pelos desfalques que tem, seria um resultado satisfatório para o América.

Moacir Júnior, que já provou que sabe armar bem a defesa, terá um novo desafio hoje. Os desfalques de Adriano Alves, Éwerton e Adriano Pardal são importantes, principalmente quando o elenco é curto.

Jogar em Ceará-Mirim é sempre um desafio. O campo é diferente, o gramado e, falam que até o vento, tem um movimento que pode surpreender os que não conhecem bem o lugar. Segundo as “lendas”, o próprio Globo, sempre que pode escolher campo ou bola, no início das partidas, opta por atacar de costas para o vento, facilitando os chutes para o gol dos adversários.

Independente de ventos ou vendavais, o jogo será o destaque dessa rodada de hoje que ainda tem Palmeira x Força e Luz, ASSU x Santa Cruz.

Vida de técnico

O técnico Júlio Terceiro reassume hoje o ASSU. Ele, que iniciou o ano comandando o “Camaleão do Vale”, saiu e agora retorna em pouco tempo. Grande profissional, sério e comprometido, Terceiro precisa ter suas decisões respeitadas pelo clube. Outro que também encara a dureza da vida de treinador esse ano é Fernando Tonet. Conhecido por grandes trabalhos, está com “zero” pontos nesse segundo turno. Hoje, contra o ASSU de Júlio Terceiro, lá no Edgarzão, está correndo sérios riscos. Se perder, o rebaixamento passa a ser uma realidade cada vez mais palpável.

Mercosul

Não discordo da tentativa do ABC em buscar reforços nos clubes Sul-americanos. É um mercado bom e sempre surgem atletas de qualidade. Basta assistir aos jogos da Copa Libertadores da América, ou da Copa Sul-Americana, que tem clubes mais modestos e próximos da nossa realidade potiguar. No entanto, sabe-se que é um risco esse tipo de contratação. Assim como falamos dos jogadores brasileiros que saem para a Europa, é preciso um período de adaptação, coisa que o nosso futebol, carente de recursos, não pode se dar ao luxo de esperar.

Outro detalhe que deve se levar em conta é a pesquisa sobre o atleta. A contratação precisa ser cirúrgica e atestada pelo treinador sob todos os aspectos. Esse pode não ser o caso do Pepe Alvarez, que não agradou e está deixando o Alvinegro. Posso ter interpretado errado, mas em várias entrevistas, o técnico Ranielle Ribeiro deixou a entender que, apesar de ter aprovado o uruguaio, o jogador não foi “escolhido” por ele. Em uma dessas, numa coletiva, quando perguntado sobre o desempenho dos estrangeiros Pepe Alvarez e Boris Sagredo, Ranielle deixou escapar que conhecia muito mais o chileno e que teve bem mais informações sobre ele e, por isso, ainda acreditava que este, em detrimento do outro, se adaptaria ao futebol do ABC. Agora, os dirigentes falam em trazer, para o lugar deixado por Pepe, um atacante (provavelmente o Luan) e um ala.

Me diz com quem andas…

O velho ditado “Me diz com quem andas e direi quem tu és ..” acabou sendo aplicado ao brasileiro Arthur, atualmente no Barcelona. O jogador, ontem, pediu desculpas aos torcedores e ao clube por ter ido ao aniversário de Neymar, em Paris. Ir a festa não tem problema, o que ocorre é que o “bate coxas” aconteceu no dia que antecedia uma partida do Barça. Sem descanso, o jogador acabou se contundido no jogo e passou três semanas afastado. “Acho que me equivoquei. A vida tem destas coisas, às vezes você se equivoca e em outras acerta. Eu queria ir (à festa), mas sou grande para assumir minhas responsabilidades. Sabia o que estava fazendo e peço desculpa a quem se sentiu atingido”, declarou o atleta.

Eurico Miranda

Faleceu ontem o dirigente Eurico Miranda. Famoso por suas controvérsias e pelo amor que tinha ao seu Vasco da Gama, Eurico, filho de portugueses, era daquelas pessoas impossíveis de ficarmos impassíveis ante suas atitudes. Ou você ama as atitudes ou você odeia a forma como ele pensava o futebol. Para mim, ele faz parte de um tempo que não deve mais voltar na gestão dos nossos clubes e federações. O profissionalismo é o caminho para o crescimento e para afastar vícios que destroem a credibilidade do jogo. No entanto, até por isso e pelos títulos conquistados com o clube cruzmaltino, deve ser relembrado e também deixa seu legado.

Deixe um comentário