Até ele competir na etapa inicial do CBSurf Pro Tour 2018, o foco era totalmente o retorno ao WCT. Mas agora, o potiguar Jadson André confirma que ganhou uma motivação e um objetivo a mais na temporada, o inédito título brasileiro. Vindo de um ótimo resultado no US Open, etapa QS 10000, na Califórnia/EUA, ele desembarca diretamente na Praia de Maresias, para defender a liderança do ranking brasileiro na Prefeitura de São Sebastião apresenta Maresia Pro SP 2018, a 2ª etapa do circuito criado pela Confederação brasileira de surf.

A competição no litoral norte de SP será realizada de sexta-feira a domingo (10 a 12), reunindo 128 atletas de 11 estados, com premiação de R$ 80 mil. Jadson venceu a etapa de abertura, na Praia do Cupe, em Pernambuco, e não esconde a vontade de repetir a dose. “As expectativas são grandes e ainda mais de ter altas ondas. Estou super empolgado com a hipótese de brigar para ser campeão brasileiro profissional de 2018 e ainda mais com esse novo ciclo no surf no Brasil que se inicia. Quero estar nas cabeças, colher bons frutos e poder representar bem o meu estado, o surf e o Brasil, acima de tudo”, diz.

“O título brasileiro não estava nos meus planos, até eu me inscrever na primeira etapa. Uma vez que fui lá participar, passou a ser prioridade junto com a volta à elite e estou trabalhando duro para isso”, destaca, lembrando que esta é a primeira vez que participar do Brasileiro. “Fico feliz por ter essa oportunidade, principalmente pelo circuito ser o mais difícil do mundo. Nunca competi, por ser WCT, mas sem dúvida, já que este ano não estou na elite, tenho que fazer melhor proveito e será uma honra, caso eu conseguir me consagrar campeão”, complementa o surfista de 28 anos.

No último domingo, Jadson foi o terceiro no US Open, superado por Kanoa Igarashi, apenas em 0.16 ponto. Com o resultado segue muito bem posicionado no ranking QS, na quinta colocação, em busca de seu retorno à elite. “Sair do Tour foi bem triste! Quem entra, não quer sair, ainda mais eu que estava a um passo de alcançar uma meta pessoal de ficar uma década entre os 22 melhores do planeta. Mas continuo forte na batalha para voltar ainda esse ano. E também continuo sonhando com um título mundial”, anuncia.

O surfista da Praia de Ponta Negra demonstra felicidade com a boa temporada que vem fazendo e faz questão de ressaltar os apoios que lhe garantem a sequência de resultados. “Desde o começo do ano estou entre os dez primeiros. Como competidor quero sempre vencer e estar em primeiro. Continuo batalhando mais do que nunca para alcançar meu maior objetivo. O sentimento de ficar de fora, como falei, não é legal, ainda mais depois de ter surfado, talvez, o melhor ano da minha vida na elite e os resultados não terem aparecido. Saí de cabeça em pé e já focado na volta”, revela.

APOIO – Sobre seus patrocinadores atuais, ele destaca três empresas que o alavancaram nessa guinada para seu retorno.  Um deles com afinidade com sua trajetória. “Praticamente são todos da minha cidade e deram grande incentivo, o Açaí do Joca, o refrigerante Dore e a Mister Pizza Natal. O Açaí do Joca é do Joca Júnior, ex-atleta do WCT, que me abraçou como um filho quando pedi ajuda e palavras não demonstram o tamanho da gratidão que tenho por ele, devido à forma e atitude que ele tomou para me patrocinar”, agradece.

“O refrigerante Dore tem me ajudando bastante e o Marcel, dono da marca, desde o começo, quando eu estava sem patrocínio, me ajudou, acreditou. E a Mister Pizza Natal, que abraçou a ideia de me ajudar a voltar pra elite. Foram muito importantes e também tem a Buell Wetsuits. Esses estão me ajudando muito, bancando o circuito para mim”, conta Jadson, que também conta com apoios da Oticalli, Boardaid, Ponto Criativo e Bullys. “E surfo com as pranchas Ricardo Martins há mais de 15 anos. Esse é o Cara para mim”, ressalta.

Além dos patrocinadores atuais, ele conta sobre o documentário com a Unimed, que contará a sua história de vida. “Vamos mostrar bem a minha realidade, de onde vim, onde consegui chegar, obstáculos e conquistas”, explica o surfista, animado com um possível novo parceiro, a AleSat Combustíveis.

As baterias da etapa do CBSurf Pro Tour já estão disponíveis no site da Federação Paulista de Surf – www.fpsurf.com.br, que também transmitirá as disputas ao vivo pela internet.

A Prefeitura de São Sebastião apresenta Maresia Pro SP 2018 é um evento oficial da Confederação Brasileira de Surf, realizada pela Federação Paulista de Surf. Patrocínio da Maresia, com apoios da Silver Surf, X-Tra Foam, Pousada Tambayba, Niponet Banda Larga e FMA Notícias. Colaboração da Associação de Surf de São Sebastião e da Associação de Surf de Maresias.

 

Experiente Danilo Costa dividirá atenções como técnico

de Jadson e competidor no CBSurf Pro em Maresias

 

Na etapa de Maresias, Jadson terá um importante reforço para seguir bem na disputa por seu primeiro título brasileiro profissional, o também potiguar, ex-WCT e agora seu técnico, Danilo Costa. Vindo de vitória na etapa master do CBSurf Tour, na mesma praia do Cupe, o surfista de 40 anos assumiu a nova função esse ano e em Maresias dividirá as atenções como técnico e também competindo.

“Quando cheguei em Maresias para orientar o time potiguar no CBSurf Júnior vi que ainda tinha vaga e resolvi competir também”, conta, já confessando que apesar de sua veia de competidor, o importante será mesmo ajudar Jadson e, caso aconteça o encontro dos dois na mesma bateria, já sabe o que fazer. “Ainda tinha vaga, deu a vontade de competir. Se a gente cair junto, o objetivo maior é ele. Meu foco é o Brasileiro Master, ser bicampeão”, revela.

Danilo destaca a importância da parceria com o conterrâneo. “Já sei todas as manias dele, os costumes. Está me ouvindo bastante. Não sou parceiro de competição e sim um técnico. A gente tem afinidade muito grande e atuo como mais que um técnico. O atleta precisa de alguém de confiança, que passe palavras de força e acrescento a técnica”, comenta.

“Passei pelo Circuito Mundial, pelo Brasileiro muitos anos e tenho um pouco para passar para ele”, reforça Danilo, explicando que a vitória na etapa inicial garantiu um estímulo maior e o título brasileiro também é uma prioridade. “O foco principal é a volta ao WCT, mas vai confiante no Brasileiro, com muita vontade e o melhor é que está surfando feliz. No surf isso é o que importa. Por isso as coisas estão acontecendo para ele”, fala o atleta que disputou o WCT em 2003 e foi campeão master em 2015.