A retirada de um grande peso nas costas. Foi isso que aconteceu com os clubes potiguares após a divulgação do calendário do futebol para 2020, elaborado pela Confederação Brasileira de Futebol. A decisão de estender a Série D até o mês de novembro beneficia muito aos clubes realmente profissionais, que estavam jogando apenas metade do ano e se igualando a instituições sazonais, ou seja, estava havendo um nivelamento por baixo.

Com o novo calendário, as equipes que formam elenco profissionais, que são capazes de pagar a folha por mais que três meses, terão mais chances de deixar a Série D do Campeonato Brasileiro. A decisão da CBF, inclusive, valoriza a quarta divisão e ainda mais a Terceirona, uma vez que, em tese, clubes mais estruturados avançarão, fazendo com que o certame seguinte seja ainda melhor tecnicamente. 

A decisão da CBF também obriga aos dirigentes, por exemplo de ABC e América a repensarem o planejamento para 2020, se é que isso já havia começado a ser feito. O primeiro semestre tem competições rentáveis e, na minha visão, os clubes teriam que começar o ano já com equipes fortes para avançar longe na Copa do Brasil e Copa do Nordeste. A premiação de ambas garante o pagamento de uma folha mais “gorda”, ainda que os clubes reclamem de que os estaduais não são rentáveis. 

Elencos fortes desde o início trarão mais recursos para os cofres e, com a mudança no calendário, os nossos clubes já terão grupos bem formados, entrosados e encaixados para garantirem uma Série D com mais chances de acesso. Ou seja, se alguém surgir com aquele velho discurso de reforçar o grupo ao longo da temporada, desconfie. Agora a temporada precisa de atenção desde janeiro e o calendário permite um investimento mais ousado o ano inteiro.

Comentários do Site

  1. Inquisidor
    Responder

    Não existe nenhum ganho alcançado no tocante á fórmula da competição que continuará sendo injusta com a manutenção dos mata-mata.
    Ocorrerá apenas um aumento de datas, o que não deixa de indicar uma sobrevida de calendário aos clubes. Porém, poderá ser motivo de alegria ou uma via crucis dependendo da situação de cada um.
    Falando no ABC, é necessário que aconteça urgentemente uma devassa na gestão do clube antes que, o restinho do patrimônio que ainda existe desça pelo ralo.
    Não adianta ficar com seminários de ABC do futuro ou palestras motivacionais dessa natureza se o clube continua na mesma derrocada ano após ano, pois se não bastasse o monte de dívidas que foi parcelada recentemente, está vindo por aí outro montante ainda maior dessa vez envolvendo jogadores e funcionários, que se não for bem gerido não vai deixar pedra sobre pedra, levando o ABC a desaparecer do mapa e fazer parte da história do nosso futebol.
    A bomba vai estourar.
    Depois não digam que foi por falta de aviso !

Deixe um comentário