Entre os séculos XV e XVIII, o mundo testemunhou uma série de atos punitivos de cunho religioso que ficaram conhecidos “caça às bruxas”. Neste movimento, de forma errada, pessoas foram sacrificadas, por pensarem de modo diferente. A expressão passou a ser usada no futebol associando a busca, sem critérios, principalmente, por culpados em caso de derrotas, ou crises. Pois bem, eis que, esse procedimento medieval virou moderno no ABC, após a derrota para o Santa Cruz.

Existem erros na concepção do elenco abecedista. As mudanças que deveriam ocorrer, teriam que ter envolvido esse elenco há muito tempo e não estavam restritas a troca de treinador, como, rodada a rodada fica comprovado. Mas, o clube precisa ser inteligente nesse momento, sob o risco de afundar cada dia mais. Promover caça às bruxas é um erro fatal. E, “apedrejar” moralmente um de seus ídolos, como o goleiro Edson, por uma falha, é um engano maior ainda. Acusações, ou suposições, lançadas nos últimos dias são absurdos que nunca vêm acompanhados de provas.

Em um país no qual os preceitos constitucionais que dizem: “todos são inocentes até que se prove o contrário”, foi trocado pelo: “todos são culpados até que se provem inocentes”, não me estranha o que se tentou fazer com a imagem do goleiro Alvinegro. Sim, ele se emocionou porque vive um momento de instabilidade com a perda da mãe, que somou-se ao ocorrido no Arruda. No entanto, a falha não tem nada a ver com isso. E, muito menos, com outras insinuações que não valem à pena sequer serem citadas.

Comentários do Site

  1. Tom França
    Responder

    Concordo no geral, com a sua linha de raciocínio. Porém, se ele não vive um bom momento psicológico, é preciso que se dê oportunidade a outro que esteja mais preparado no momento, porque a cada rodada o campeonato vai afunilando e o sonho do acesso vai naturalmente ficando mais distante.

Deixe um comentário