Ouço sempre por aí uma certa opinião que me lembra a história do “Complexo de Vira-latas”, expressão criada pelo expressão criada pelo dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodrigues, a qual originalmente se referia ao trauma sofrido pelos brasileiros em 1950, quando a Seleção Brasileira foi derrotada pela Seleção Uruguaia de Futebol na final da Copa do Mundo em pleno Maracanã. Ele queria dizer que o brasileiro sentindo-se inferiorizado em relação às outras nações não conseguia vencer. A história, a qual me refiro, no começo da nota é a de que o lugar dos nossos clubes é a Série B. Na minha opinião, o lugar para querer estar é a Série A.

Na opinião desses complexados, o clube do Estado iria para a Primeira Divisão passar vergonha. Perder, ser humilhado e rebaixado. Mas ora vejam só. Isso não existe. Chegar à elite do futebol nacional, se bem aproveitado, pode fazer com que qualquer clube mude de patamar. O problema não é perder e cair para a Série B, o problema é ser mal administrado e cair com dívidas. Para o leitor ter uma ideia, a projeção de arrecadação de recursos do CSA, para este ano, com a Série A, beira os R$ 45 milhões. Será que isso não é bom?

Com uma receita dessas, com a exposição da marca em nível nacional, com a alto-estima do seu torcedor nas nuvens, em princípio, só mesmo uma gestão temerária, ou corrupta para fazer com que o clube não tenha ganhos imediatos e futuros. É claro que a disputa técnica e financeira com os gigantes da Série A será desigual, mas, de vez em quando você deixará o campo de jogo como herói. Vejam o CSA e a festa que fizeram por ter empatado com o Palmeiras em 1 a 1, mesmo tendo caído na estreia para o Ceará, por 4 a 0. Vamos deixar o complexo de lado e mirar alto.

Comentários do Site

  1. Felipe
    Responder

    Itamar, você é o cara. Foi perfeito na sua colocação. Esse é meu pensamento desde sempre. Nunca me conformei com o vexame da série A. Fomos vendidos descaradamente. E fico imaginando quando ouço esse complexo de viralata. Já estão a dizer que somos times de série C. Veja só

Deixe um comentário