O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) revela nesta segunda-feira, 9, os finalistas do “Atleta da Galera”, categoria escolhida por meio do voto popular no Prêmio Paralímpicos 2019. Cinco atletas concorrem a honraria, cujo vencedor será anunciado na cerimônia. A 9ª edição do Prêmio Paralímpicos acontecerá no dia 17 de dezembro no Hotel Unique, em São Paulo. A cerimônia terá início às 20h (horário de Brasília) e terá transmissão ao vivo pelo canal SporTV. 

A votação já está aberta ao público. Concorrem ao prêmio “Atleta da Galera”: a judoca Alana Maldonado, a nadadora Carol Santiago, o jogador de bocha José Chagas e os velocistas Petrúcio Ferreira e Verônica Hipólito. VOTE AQUI.
Em 2019, os finalistas foram escolhidos de uma forma diferente. Na primeira fase de definição, que ocorreu em novembro, cinco grupos indicaram o atleta que gostaria que concorresse, foram eles: o Conselho de Atletas do CPB, os jornalistas que cobriram os Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019, o corpo de colaboradores do CPB, as Loterias Caixa (patrocinadora de 11 modalidades) e a Braskem (patrocinadora do paratletismo). Para ser indicado o atleta precisava estar ativo na temporada 2019 e ter participado de competição internacional sob convocação do CPB.
“Esta é uma das premiações mais acirradas desde a criação do Atleta da Galera. Além de grandes atletas, são pessoas incríveis, que tenho certeza que vão movimentar as redes sociais para tentar ganhar esta honraria. Qualquer um que levar será um grande representante do Movimento Paralimpico Brasileiro nesta temporada”, comentou Mizael Conrado, presidente do CPB.
Esta é a terceira vez em que o CPB realiza a premiação desta categoria. Em 2017, o ganhador foi o paulista André Rocha do atletismo e, no último ano, foi o fluminense Igor Barcelos da bocha.
O Prêmio Paralímpicos encerra o calendário do CPB e premia os destaques esportivos da temporada. Esta edição contará com a premiação dos melhores atletas da temporada em cada modalidade paralímpica, melhores do ano por gênero, Atleta Revelação, além dos melhores técnicos de modalidades individuais e coletivas e clubes.
Também serão entregues o Prêmio Aldo Miccolis (um dos pioneiros do esporte adaptado no Brasil), que homenageia pessoas que dedicaram sua vida ao esporte paralímpico, o Prêmio Personalidade Paralímpica, para quem contribuiu para o Movimento na temporada.
Confira abaixo o perfil dos finalistas:
Alana Maldonado
Modalidade: Judô
Classe: B3
A paulista descobriu a doença de Stargardt aos 14 anos. Já praticava judô desde os quatro, mas, somente em 2014, quando entrou para a faculdade, começou no judô paralímpico. Em 2019, Alana foi ouro no German Open de Judô; prata no Grand Prix de Judô IBSA – Baku 2019; ouro no Grand Prix de Judô IBSA – Tashkent 2019; prata nos Jogos Parapan-Americanos de Lima e ouro no Grand Prix de Judô Paralímpico.
Carol Santiago
Modalidade: Natação
Classe: S12
Carol nasceu com Síndrome de Morning Glory, alteração congênita na retina que reduz seu campo de visão. Praticou natação convencional até o fim de 2018, quando migrou para o esporte paralímpico. Neste ano, a pernambucana conquistou dois ouros e duas pratas no Mundial de Londres; quatro ouros nos Jogos Parapan-Americanos de Lima; dois recordes mundiais e três recordes das Américas.
José Carlos Chagas
Modalidade: Bocha
Classe: BC1
Paralisado cerebral e com severo comprometimento motor, o paulista iniciou na bocha aos 26 anos. Em 2019, conquistou a prata por equipe no BISFed World Open de Montreal; prata no individual e por equipe nos Jogos Parapan-Americanos Lima; ouro por equipes e prata no individual no BISFed Boccia Americas Regional Championships de São Paulo. Alcançou a quinta posição no ranking mundial no fim de outubro.
Petrúcio Ferreira
Modalidade: Atletismo
Classe: T47
Petrúcio sofreu um acidente com uma máquina de moer capim aos dois anos e perdeu parte do braço esquerdo, abaixo do cotovelo. O paraibano gostava de jogar futsal e sempre foi muito rápido, e a velocidade chamou a atenção de um treinador. Neste ano, conquistou ouro nos 100m e nos 400m e prata no revezamento 4x100m nos Jogos Parapan-Americanos de Lima e ouro nos 100m e nos 400m no Mundial de Atletismo em Dubai, onde bateu o recorde mundial nos 100m e se tornou o paralímpico mais rápido do mundo.
Verônica Hipólito
Modalidade: Atletismo
Classe: T37
Verônica sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) no início de 2013 que prejudicou parcialmente seus movimentos do lado direito. Atleta do atletismo olímpico, migrou para o Movimento Paralímpico logo depois do incidente. No ano passado passou por cirurgia para retirada de um tumor cerebral e só retornou às pistas nesta temporada, quando conquistou três pratas nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, nos 100m, nos 200m e no revezamento 4x100m.

Deixe um comentário