O técnico Ranielle Ribeiro não comanda mais o ABC. Apesar da saída do Alvinegro, o profissional deixou uma bela contribuição para o futebol do clube. Foi sob seu comando que o time abecedista deu oportunidade a jovens talentos que depois renderam uma boa grana em negócios, como Matheus, Fessin, Tonhão e outros. Além disso, com o ex-comandante, o clube conseguiu faturar alto com vagas na Copa do Nordeste e as passagens de fase na Copa do Brasil.

Claro, que alguns resultados deixaram a desejar e, estava evidente que ele ainda não tinha conseguido fazer o atual time jogar como os torcedores queriam, por isso a direção optou pela mudança, até para aproveitar o fato de o time ter uma semana de treinos e um jogo em casa, no próximo domingo, contra o Botafogo/PB.

Segundo a comunicação abecedista: O profissional deixa o comando do Clube do Povo depois de quase dois anos à frente da equipe. Ranielle assumiu o ABC ainda na reta final da Série B 2017, levou o Mais Querido ao título estadual 2018 de forma direta, sem a necessidade de final, ao terceiro lugar na Copa do Nordeste 2018, e agora sai com a equipe no G-4 da Série C 2019 e com calendário garantido para a temporada 2020. Desde a vitória diante do Náutico/PE, em Caruaru (PE), pela 31ª rodada da Série B 2017, até o compromisso deste domingo (12), contra o Confiança/SE, pela 3ª rodada da Série C 2019, foram 85 jogos, com 44 vitórias, 14 empates e 27 derrotas.

Comentários do Site

  1. Pitágoras
    Responder

    Ranielle Ribeiro é o menos culpado por essa situação que o ABC está passando.
    Porém, é cultural que, o treinador paga o pato quando a incompetência se manifesta na administração de um clube, principalmente em se tratando do ABC que á muito tempo namora com o fundo do poço.
    Ele assumiu o comando técnico do clube em meio a um turbilhão de fatos negativos e conseguiu dar um rumo ao futebol alvinegro num momento extremamente delicado com a demissão de Itamar Schülle.
    Competente e por demais preparado para assumir a titularidade da comissão técnica, Ranielle conseguiu tirar “leite de pedra” amadurecido pelos anos de experiência acompanhando nomes consagrados no cenário futebolístico nacional.
    Deu vez e visibilidade aos jovens valores feitos em casa e se não houve o retorno financeiro esperado isso se deve única e exclusivamente ao amadorismo, falta de caráter e incompetência administrativa dos seus comandantes, mas ele fez a sua parte.
    Parte desse “ranso” com Ranielle se deve ao fato dele ser cria do América, onde foi tri campeão de futsal entre 2000 e 2004, quando foi recrutado por Ferdinando Teixeira para trabalhar no Botafogo-PB.
    Ranielle sai, mas deixa um legado de contribuição positiva no alvinegro, que vive mais uma vez um momento delicado dentro e fora de campo. Não foi “demitido”, ele literalmente pulou uma fogueira.

  2. altamir
    Responder

    Acho que Ranielle perdeu-se na formação do time. Foi a primeira vez que eu vi um time jogar com 03 atacantes, sem ninguém na articulação das jogadas. Ainda acredito que se ganha jogo com um meio de campo que saiba acionar bem seus atacantes.
    03 atacantes e 03 volantes é difícil jogar.

  3. Daniel
    Responder

    Agradecer sim, mas não continuar. Precisamos de um técnico experiente, Ranielle vinha errando na escalação, nas substituições, no tático não tinha nada e sempre levando gol no 1. pau e ao final dos jogos. Já foi muita espera da torcida, o ABC ficou num prejuízo grande com a insistência no profissional, desejo tudo de melhor pra ele, mas não volte mais para o ABC tão cedo velho.

Deixe um comentário