Julho bate recorde de turistas brasileiros no Chile

29 de julho de 2016 por antonioroberto

SANTIAGO – Julho bateu recorde de brasileiros no Chile. Só a Tipgroup, que atende aos turistas da CVC, comemora 4.300 passageiros neste mês, fluxo 30% maior do que em julho do ano passado. Para agosto, a tendência também é de crescimento, segundo Johanna Hofman, gerente geral da Tipgroup. “Devemos receber em torno de 2.700 brasileiros, o que também será recorde para o período”, comenta.

O bom momento, segundo ela, se deve às promoções que a hotelaria chilena vem fazendo no Brasil, assim como a propaganda dos pacotes para o destino que a própria CVC faz no Brasil, além de novidades como o city-tour incluído para quem comprar transfer in e out em Santiago. Isto, obviamente, sem falar na queda do dólar no Brasil e o aumento da malha aérea para Santiago, que recentemente voltou a contar com os voos da Gol e não virou “monopólio” da Latam.

Mas se atualmente os brasileiros estão redescobrindo o Chile, o mesmo não se verifica no acumulado de janeiro a julho deste ano, quando o decréscimo da Tipgroup foi de três mil passageiros em relação ao mesmo período do ano passado (14 mil em 2015, contra 11 mil neste ano).

Até o final do ano, acredita a gerente da Tipgroup no Chile, a diferença deverá ser menor, devido à reação do mercado. “No ano passado atendemos a 23 mil brasileiros. Deveremos fechar 2016 com 21 mil passageiros da CVC”, prevê.

O maior fluxo de passageiros é de São Paulo, seguido do Rio de Janeiro. O Nordeste, segundo Johanna Hofman, também vem crescendo como polo emissor. Já em relação ao turista estrangeiro, ela acredita que depois da Argentina, devido à facilidade da fronteira, o Brasil continua como segundo emissor, seguido da Colômbia e do Peru.

Leandro Córdoba e Johanna Hofman, da Tipgroup, do Chile

Leandro Córdoba e Johanna Hofman, da Tipgroup, do Chile

Leandro Córdoba, chefe de Operações e Tráfego da Tipgroup, informa que os passeios mais procurados pelos brasileiros no Chile, atualmente, são – pela ordem – o roteiro pela Cordilheira dos Andes com estações de esqui (Valle Nevado, El Colorado e Farellones); o tour das vinícolas, com opções para os vales do Maipo, Casablanca e Colchágua; e Valparaíso com Vina del Mar.

Ele lembra ainda que há novidades em relação aos passeios, como tour de compras em outlets e safaris. Já o passeio à Isla Negra, onde está o museu de Pablo Neruda, não vem obtendo muita procura. “É uma pena, mas dá para perceber que Neruda não é muito conhecido no Brasil”, lamenta.

No Chile, depois de Santiago, ele aponta Puerto Varas (saída dos cruzeiros para os Lagos Andinos), San Pedro de Atacama e Patagônia como outros destinos procurados pelo turista brasileiro. “O maior crescimento é para o Deserto de Atacama, que vem sendo, aos poucos, descoberto pelo turista brasileiro”, observa.

A Tipgroup foi fundada em 1985, em Bariloche. Em poucos anos, passou a atender a CVC em toda a Argentina e depois incorporou o Chile em seu portfólio.

A sinuosa rota que cruza os Andes

28 de julho de 2016 por antonioroberto

Foto de Antonio Roberto Rocha

Azul e branco. Bem Andes

Azul e branco. Bem Andes

Santiago – A Cordilheira dos Andes pode ser observada bem de perto. De forma, digamos, mais íntima. Num roteiro sinuoso, com 61 curvas, que chega à estação de esqui de Valle Nevado, há pontos de observação e ângulos sensacionais, que unem o branco da neve ao céu extremamente azul que geralmente faz na região.

O roteiro leva a vários parques onde há brincadeiras na neve. Do snowboard ao esquibunda, que desta vez é praticado em outro tipo de duna. O primeiro centro de atrações é Farellones, no quilômetro 20 da íngreme subida. Por lá há um povoado que já conta com 400 habitantes. Trabalham em suas poucas pousadas e restaurantes.

Mais dois quilômetros acima está El Colorado, onde há várias residências e até mesmo edifícios. É quase um núcleo urbano em meio à neve. Muitos privilegiados chilenos se mudam para lá durante o inverno.

O principal ponto de interesse do roteiro, porém, ainda é Valle Nevado, que tem várias e boas pistas de esqui e atrai muitos turistas já iniciados no esporte. Outra estação, a La Parva, menos badalada, é interessante também. Para esquiar ou meramente contemplar. Detalhe importante: sempre com menos gente do que o Valle Nevado.

Não é recomendável alugar carro para desfrutar desta bela estrada que serpenteia os Andes. É perigoso. Sobretudo próxima ao topo, a rota fica deslizante, a partir do acúmulo de gelo. O ideal é contatar um carro particular ou uma agência de viagem para fazer o percurso. É caro, mas vale a pena.

O espetáculo da Cordilheira dos Andes, a 3.200 metros. Veja fotos

28 de julho de 2016 por antonioroberto

Fotos de Antonio Roberto Rocha

chile 50

chile 52

chile 51

chile 54

chile 55

chile 57

chile 65

chile 59

chile 60

chile 61

chile 63

Saiba quais são os oito vales vinícolas do Chile

27 de julho de 2016 por antonioroberto

SANTIAGO – O Chile tem oito vales vinícolas. Segundo se comenta por aqui, a maioria deles tem vinícolas “emergentes”. Ou seja: com menos de 30 anos e produção ainda limitada. As vinícolas “coloniais” são aquelas mais antigas e com ampla presença na pauta de exportação do produto.

Quando vierem para cá, esqueçam aqueles rótulos bem conhecidos de vinhos chilenos dos supermercados do Brasil, como Santa Helena, Concha Y Toro, Cassilero del Diablo, Indomita, Ventisquero e Tarapacá, entre tantos outros.

Você pode até visitar as vinícolas que o produzem, mas certamente não vai pedir ou beber e nem levar um vinho básico tão fácil de achar perto de sua casa. Combinado?

Foto de Antonio Roberto Rocha

Vale de Casablanca, bem perto do mar

Vale de Casablanca, bem perto do mar

Opte sempre por um vinho reserva ou um grand reserva. Não custam tanto assim aqui no Chile. Dá para comprar um reserva a partir de R$ 40 (oito mil pesos). O mesmo preço de um vinho chileno no máximo razoável aí no Brasil.

Conheça abaixo os oito vales vinícolas do Chile e suas cidades principais mais próximas (se for escolher dois deles para visitar, a dica é o Colchágua – o melhor deles – e o Casablanca – muito bom e próximo a Santiago).

Aconcágua (Zapalar)

Casablanca (Vina del Mar e Valparaíso)

Maipo (Santiago)

Rapel (Leida e San Antonio)

Colchágua (Santa Cruz)

Curico (Curico)

Maule (Constituicion e Talca)

Italta (Calquenes)

Bio Bio (Concepción)

Vinícolas chilenas se consolidam como programa turístico

27 de julho de 2016 por antonioroberto

SANTIAGO – Os vinhos do Chile já são referência mundial. A cada ano – pelo menos comenta-se por aqui – crescem a produção e a qualidade. O turismo vem a reboque, naturalmente. O número de visitantes (e os brasileiros lideram esse ranking) que programa as vinícolas chilenas em seus passeios já é quase o dobro dos primeiros sete meses do ano passado.

Não façam comparativos com roteiros por Bordeaux ou a Cothe-du-Rhone, ambos na França. Ou mesmo com o Napa Valley, na Califórnia. Sem tantas exigências. Mas o Chile está no caminho deste amplo prestígio mundial quando o tema é vinho, hein?

Foto de Antonio Roberto Rocha

Atração no Chile: barris de carvalho com luminosidade variada

Atração no Chile: barris de carvalho com luminosidade variada

Vir ao Chile, atualmente, requer pelo menos um roteiro por algum vale de vinícolas. Na verdade, se você gosta mesmo de vinho, escolha dois vales, em dois dias. Se tiver tempo para passar uma semana em Santiago, amplie as vinícolas. Vale a pena. Algumas delas têm restaurantes que podem completar o programa. Com harmonia e harmonização.

É o caso da vinícola Vina Mar, no Vale de Casablanca, relativamente perto da capital chilena (80 quilômetros). Oferece pratos variados e bem produzidos. Com design. Do peixe à carne. Do coelho ao pato. Os preços são em conta. E a vista do restaurante dá o tempero final.

Embora a região, que fica próxima ao mar (portanto, longe da Cordilheira dos Andes), seja território propício ao vinho branco, com ênfase nas uvas chardonay e sauvignon blanc, também há tintos por lá, com destaque para o pinot noir.

Das regiões vinícolas chilenas, a mais famosa é o Vale do Colchágua. Que tal visitar a Viu Manent, com rótulos bem conhecidos no Brasil? Ou a Montes, com premiados Montes Alpha em bom custo-benefício? Quem preferir uma vinícola com mais atrativos, a Santa Cruz é a dica. Imaginem que tem até teleférico e um museu do vinho por lá.

Veja fotos de vinícolas chilenas nos vales do Colchágua e Casablanca

26 de julho de 2016 por antonioroberto

Fotos de Antonio Roberto Rocha

Degustação na Vinícola Montes (Vale do Colchágua)

Degustação na Vinícola Montes (Vale do Colchágua)

Vinícola Santa Cruz, no Colchágua

Vinícola Santa Cruz, no Colchágua

Vinhedos se preparam para nova safra

Vinhedos se preparam para nova safra

O verde vinícola do Chile

O verde vinícola do Chile

Devidamente resguardados

Devidamente resguardados

Vinícola Vina Mar, no Vale de Casablanca

Vinícola Vina Mar, no Vale de Casablanca

É tempo de poda

É tempo de poda

A sede da vinícola Vina Mar

A sede da vinícola Vina Mar

A irrigação passa por aqui

A irrigação passa por aqui

Vinícola Santa Cruz, no Vale do Colchágua, tem até teleférico

Vinícola Santa Cruz, no Vale do Colchágua, tem até teleférico

Vale do Colchágua em dia nublado

Vale do Colchágua em dia nublado

Saiba como é a estrutura de Portillo, no Chile

25 de julho de 2016 por antonioroberto

Localizada a aproximadamente duas horas de Santiago, a estação de esqui de Portillo oferece boa estrutura de hospedagem, lazer e entretenimento a pouco mais de 450 hóspedes por semana. São 34 pistas para todos os níveis de esquiadores e snowboarders, 14 meios de elevação e uma ampla área fora de pista.

A gastronomia é um capítulo à parte. Os hóspedes são recebidos pelo maitre do restaurante, conhecido como Don Juan, e provam as receitas do chef Rafael Figueroa. Para encerrar o dia, podem assistir a apresentações de música ao vivo no bar do hotel ou dançar na discoteca.

image

O hotel Portillo (foto acima) possui 123 apartamentos – entre duplos, triplos e familiares -, alguns com vista para a Laguna del Inca e outros para um bonito vale.

O complexo abrange quatro restaurantes, bar, centro de fitness, sala de ioga e alongamento, ginásio com quadra poliesportiva, piscina, jacuzzi, salão de beleza, sala de massagem, sauna, sala de internet, cinema, salão de jogos, escola de esqui, clínica médica e serviço de aluguel e guarda de equipamentos.

A poucos metros dali, os visitantes também podem hospedar-se nos lodges Octagon e Inca. No primeiro, há 15 amplos apartamentos com quatro beliches cada e banheiro privativo. Já o segundo é a melhor opção para mochileiros e jovens. Seus 20 quartos são um pouco menores e podem ser compartilhados, enquanto os banheiros estão fora, nos corredores.

Para completar as opções de hospedagem, cinco chalés recebem famílias ou grupos de amigos e atendem de seis a oito pessoas em dois ou quatro dormitórios. Todos possuem ao menos uma suíte, um quarto com beliche, sala de estar e ao menos dois banheiros.

Website oficial do Chile é considerado o mais atraente da América Latina

24 de julho de 2016 por antonioroberto

O website oficial que mostra os destinos turísticos do Chile foi eleito entre os 25 melhores do mundo e o mais atraente da América Latina.

O reconhecimento foi concedido pelo Skift, a maior plataforma de inteligência da indústria turística, dedicada a oferecer recursos, pontos de vista e comercialização dos setores-chave da indústria de viagens.

A lista de 25 sites de turismo gerada pelo Skift prioriza as páginas com melhor experiência de usuário em termos gerais, como o design, a navegação sem problemas e os efeitos visuais que chamam a atenção.

Além disso, foi levado em conta se todos os itens estimulam o usuário a querer visitar o destino, e se ele realmente utiliza o site para buscar de maneira integral uma experiência de viagem.

O site dá dicas de como chegar aos lagos em torno dos Andes

O site dá dicas de como chegar aos lagos em torno dos Andes

O www.chile.travel foi destacado como o melhor site de turismo da América Latina por empregar uma arquitetura de navegação sem problemas para explorar as diferentes zonas do país, e por entregar uma grande variedade de conteúdo em distintos níveis de subcategorías.

O site pode ser acessado em cinco idiomas e conta com várias novidades, como uma seção destinada a explorar e compartilhar as experiências vividas por diferentes turistas no Chile. Também tem uma opção para planejar viagens, onde os usuários podem organizar os lugares que desejam visitar durante sua estadia no país.

Vale do Casablanca reúne boas vinícolas chilenas

23 de julho de 2016 por antonioroberto

image

Visitar vinícolas é um passeio quase obrigatório durante uma
viagem ao Chile, devido à quantidade e variedade de vinícolas no País e, também, à qualidade dos seus vinhos, reconhecidos mundialmente.

A Rota do Vinho do Vale de Casablanca passa por quatro vinícolas, pelo Mercado do Vinho e também pela simpática cidade de Curacavi, onde os turistas podem provar uma das bebidas mais tradicionais do Chile, a chicha, um tipo de vinho rústico, à base de uvas fermentadas.

O passeio começa às 8h e termina às 17h30. Custa R$ 185, por pessoa, com direito a degustação de bebidas em todos os locais e tábua de queijos e castanhas na vinícola Indomita (não inclui almoço).

image

A Rota do Vinho do Vale de Casablanca está localizada a 50 minutos de Santiago, no caminho das cidades litorâneas de Viña de Mar e Valparaíso.

É uma das áreas que produzem vinhos mais recentes no País (são menos de 30 anos com esta atividade), mas que já se destaca mundialmente, sobretudo entre os vinhos brancos com as uvas Chardonnay e Sauvignon, além de tintos como o Pinot Noir.

A região é protegida pelas encostas nevadas da Cordilheira dos Andes, que garantem um visual incrível. Como os vinhedos ficam próximos ao litoral e estão rodeados pela cordilheira, a variação térmica durante o dia é muito grande, o que permite a maturação lenta da uva e a alta qualidade do produto final.

image

Entre as vinícolas visitadas está a Veramonte, considerada por especialistas uma das melhores do País, detentora de marcas de grande prestígio, como os vinhos Primus e Ritual. É uma vinícola ampla e moderna.

A Emiliana, primeira especializada em vinhos orgânicos no país, que já recebeu a visita de celebridades como o príncipe Charles, da Inglaterra, é outra dica de visita.

Seu processo de fabricação é muito respeitado e uma de suas marcas de destaque é o vinho tinto Coyam, totalmente produzido com uvas biodinâmicas.

Veja o que está na coluna de Turismo desta sexta na TRIBUNA DO NORTE

22 de julho de 2016 por antonioroberto

Coluna de Turismo desta sexta-feira (22) na Tribuna do Norte mostra que Jan von Bahr está à frente da implantação do Prodigy Beach Resort Natal (ex-Pestana). Veja também o bate-papo com César Sales, diretor da Maracajaú Diver e um dos precursores dos passeios de barco às piscinas naturais de Maracajaú.

Ainda na coluna, o almoço que o Rio Grande do Norte oferecerá a operadores e agentes de viagem do interior paulista no próximo dia 6, durante a Feira da Avirrp, em Ribeirão Preto. E mais: revista Natal pra Você mostrará a nova categorização dos cinco polos turísticos do RN.

Veja também que Recife reunirá agentes de viagem em jantar na Sal e Brasa na próxima quinta-feira (29). No dia seguinte (sexta, 30) será a vez da Condor, empresa aérea alemã que voa do Nordeste para Frankfurt, reunir os profissionais de Turismo de Natal durante almoço na Fogo & Chama.

Leia a coluna através do link http://www.tribunadonorte.com.br/coluna/2030