Agnelo pelo sobrinho-ministro Henrique Alves: 

  

O Rio Grande do Norte perdeu um homem público exemplar. Eu perdi um amigo. A tristeza toma conta. Agnelo Alves deve servir de inspiração para todos nós. A dignidade com que lutou contra o câncer por quatro anos, a simplicidade com que viveu a vida e a seriedade com que trabalhou nas Prefeituras de Parnamirim e Natal, no Senado Federal e, mais recentemente, na Assembleia Legislativa não serão esquecidas.

Aprendi com o meu pai a admirar Agnelo. A firmeza e hombridade com que os dois souberam passar pela cassação dos direitos políticos na ditadura foi uma lição inestimável. Na Tribuna do Norte deu lições de profissionalismo em tempos extremamente difíceis. Deixo aos amigos e familiares os meus sentimentos. Me somo aos potiguares no luto e na tristeza por ter perdido uma pessoa tão querida. Fica o aprendizado e a gratidão pela oportunidade de ter convivido com Agnelo Alves. Descanse em paz.

Agnelo pelo sobrinho-senador Garibaldi Filho: 
  

Agnelo Alves. 

Sempre foi um exemplo de como se deve exercer a vida pública. No jornalismo, as suas duas grandes marcas foram sempre a combatividade e a coragem. Como administrador, mostrou-se um gestor austero e dinâmico, por isso, suas grandes realizações na Prefeitura de Parnamirim e, antes, em Natal.

Como senador, tivemos o coroamento da sua experiência e agora devo dizer, também, que devo a ele muito das vitorias que obtive nessa minha trajetória, desde quando convocado por ele aos 18 anos para ser o seu chefe de Gabinete Civil na Prefeitura de Natal.

Desde então, continuou a ser sempre o meu conselheiro e amigo, não apenas nas horas da vitória, mas também nas horas mais difíceis.

Eis porque a minha grande saudade.