EconomiaTurismo

Nova temporada de Cruzeiros em Natal começa neste sábado (18)

O Cruzeiro Seabourn Quest, do grupo Carnival, que já esteve em Natal em outras temporadas, retornará à Capital do Rio Grande do Norte neste sábado (18), com previsão de atracação no Porto às 07h.

O navio de bandeira das Bahamas vem da Guiana Francesa com 428 passageiros. De Natal, a embarcação de luxo de 32.000 toneladas cúbicas de espaço, distribuídas por 198m de comprimento e 28m de largura, em 15 decks de acesso público, seguirá para Recife (PE).

Os passageiros estão distribuídos em 225 amplas suítes de luxo, das quais 202 têm varanda e sete têm acesso facilitado para cadeiras de rodas. O navio dispõe de seis bares e salões para serem aproveitados a bordo, assim como um centro de fitness, salão de shows, piscinas, saunas, e uma marina retrátil que permite os hóspedes nadarem, praticarem o snorkel, windsurf, caiaque, ou ski aquático, sem terem que se ausentar do navio.

A Previsão da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (CODERN) é receber mais um Cruzeiro no próximo dia 30 de novembro. E a previsão para a nova temporada que termina em março de 2018 é receber um total de 10 navios de passageiros.

Conheça o interior do Navio Seabourn Quest, que passará por Natal no sábado (18):

 

 

 

Economia

Zenaide, Hermano, George Soares e Kelps participam de audiência pública sobre Refinaria em Guamaré

A Câmara Municipal de Guamaré, por proposição do vereador Eudes Miranda, realizou uma audiência pública para debater a questão do rebaixamento à categoria da Refinaria Clara Camarão.

Representante da Petrobras reafirmou que os investimentos não serão reduzidos.

A deputada federal Zenaide Maia (PR), participou da audiência, assim como os deputados estaduais Hermano Morais (PMDB), Kelps (SDD) e George Soares (PR).

Economia

Governo Federal vai liberar R$ 1,3 bilhão para 209 obras no RN em 2018

O Governo Federal lançou, nesta quinta-feira (9), o Agora, é Avançar. O programa prevê a retomada e conclusão de obras de infraestrutura durante o ano de 2018.

As obras possuem alto impacto social, sendo que a retomada desses empreendimentos é um passo em linha com o processo de retomada de crescimento do País.

No Rio Grande do Norte serão 209 obras estruturantes totalizando R$ 1,3 bilhão.

“Embora tenhamos avançado no passado, vamos avançar ainda mais. Se tem início, tem fim e orçamento definido. Estamos fazendo com muita responsabilidade”, assegurou Temer.

Para o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Dyogo Oliveira, que também esteve na cerimônia de lançamento, essa é uma das grandes novidades do Avançar: a garantia de conclusão das obras inacabadas pela previsibilidade dos recursos.

“É um programa realista, condizente com a realidade que se adequa aos tempos de austeridade e ajuste que temos passado”, ponderou Oliveira.

Economia

Empresa chinesa apresenta projeto de instalação no RN

A fábrica chinesa Chint, de painéis fotovoltaicos, apresentou o projeto para a implantação da empresa no Rio Grande do Norte, que será no município de Extremoz.

O planejamento foi mostrado pelo diretor da Chint na América Latina, Jackie Xiang, no auditório da Governadoria, em Natal.

Na primeira fase, o investimento da multinacional no RN será de R$ 112 milhões e ofertará 1.300 empregos diretos e indiretos, segundo o Governo do Estado. A fábrica será instalada numa área de 25 hectares e vai gerar por ano cerca de 200 MW.

O secretário de Desenvolvimento econômico do RN, Flávio Azevedo, enfatizou que “o estado proporciona um ambiente apropriado para novos investimentos e com a vinda da Chint, o Rio Grande do Norte inicia um novo processo na produção de energias renováveis, já que o estado potiguar é o maior produtor de energia eólica do país e agora, terá uma empresa que produz os equipamentos necessários para esse setor”.

O governador Robinson Faria acompanhou a apresentação do projeto.

Apresentação do projeto da fábrica da Chint Eletrics - Foto: Rayane Mainara

Apresentação do projeto da fábrica da Chint Eletrics – Foto: Rayane Mainara

Economia

Em audiência pública, Petrobras reafirma que mudança na Refinaria Clara Camarão não vai gerar demissões nem reduzir investimentos

A única alteração que ocorrerá na Refinaria Potiguar Clara Camarão será a transferência do seu gerenciamento para a diretoria de exploração e produção, deixando a diretoria de refino e gás natural.

Os investimentos previstos não serão suspensos, todos os empregos serão preservados, as operações serão mantidas e continuarão a ser produzidos todos os derivados de petróleo de hoje.

A garantia foi reafirmada pelo gerente-geral da Petrobras na unidade operacional Rio Grande do Norte – Ceará, Tuerte Amaral Rolim, em audiência pública realizada na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Federal, presidida pela senadora Fátima Bezerra (PT) e que contou com as participações dos senadores José Agripino (DEM) e Garibaldi Filho (PMDB), além dos deputados federais Antônio Jácome (Podemos), Beto Rosado (PP), Felipe Maia (DEM), Rafael Motta (PSB) e Zenaide Maia (PR).

Antes do diretor da Petrobras se pronunciar, o presidente do Sindicato das Empresas do Setor Energético do Estado do Rio Grande do Norte e suplente da senadora Fátima Bezerra, Jean-Paul Prates, enumerou uma série de questionamentos sobre as alterações que a Petrobras está realizando na Refinaria Clara Camarão. “Não quero correr o risco de ser alarmista, nem de usar o tema politicamente, mas, sim, fazer um alerta para que o Estado não seja pego de surpresa e possa se antever a decisões ruins, como a venda de campos marginais e o fechamento de plantas terrestres”, declarou.

DSC_5249

DSC_5164

Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) realiza audiência sobre investimento e estrutura da Petrobras no RN. Em emprenunciamento, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Economia

Petrobras garante a bancada potiguar e Prefeito de Guamaré que Refinaria Clara Camarão não será rebaixada

A polêmica em torno do rebaixamento da refinaria Clara Camarão ganhou novos contornos após reunião entre senadores e deputados da bancada federal do Rio Grande do Norte com representantes da Petrobrás, nesta terça-feira (7), ocorrida em Brasília, no gabinete do senador José Agripino (DEM).

O representante da Petrobras garantiu a manutenção dos empregos. “Clara Camarão é significativa dentro da nossa organização e continuará a desempenhar o papel que já realiza. Não haverá demissões nem diminuição de investimentos”, garantiu Leandro.

Participaram da reunião, além de Agripino, o senador Garibaldi Filho (PMDB), os deputados federais Felipe Maia (DEM) e Walter Alves (PMDB) e o prefeito de Guamaré, Hélio (PMDB).

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Economia

Garibaldi e Walter Alves lutam contra rebaixamento da refinaria Clara Camarão

O senador Garibaldi Alves Filho e o deputado federal Walter Alves, ambos do PMDB-RN, participaram, na manhã de hoje (6), de uma reunião com o prefeito de Guamaré, Hélio Miranda, e vereadores da cidade. A pauta do encontro foi a luta dos parlamentares federais para barrar a decisão da Petrobras de rebaixar a refinaria Clara Camarão.

“Essa é uma decisão que afeta negativamente a economia do Rio Grande do Norte. Não podemos aceitar que a Petrobras efetue o rebaixamento da refinaria de forma unilateral, sem que haja qualquer diálogo. Vamos lutar para que o anúncio do rebaixamento seja revogado”, explicou Walter Alves.

Durante reunião, Walter informou que vai solicitar empenho de toda a bancada federal potiguar no intuito de agendar uma reunião com a presidência da Petrobras. “Nesse momento, é preciso união de esforços para evitar esse prejuízo para nosso estado”, disse o deputado.

walter comitiva de Guamaré

Economia

Rafael Motta solicita informações a Petrobras sobre Refinaria Clara Camarão

A notícia da devolução da Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC), em Guamaré, à Diretoria de Exploração & Produção da Petrobras e a possibilidade de redução na produção bem como de empregos fez com que o deputado federal Rafael Motta (PSB) solicitasse informações a Petrobras a respeito da situação da Refinaria no Rio Grande do Norte.

O Requerimento de Informação (RIC) 3273/2017 foi protocolado na quarta-feira (1º) na Secretaria-Geral da Mesa (SGM) da Câmara dos Deputados e visa obter da Petrobras esclarecimentos a respeito desta devolução da Refinaria e quais os planos da empresa para o Rio Grande do Norte.

Além disso, esta decisão da Petrobras acarreta na mudança de classificação da RPCC para “Ativo Industrial de Guamaré“ e um dos principais impactos é a sua exclusão do Plano Estratégico e das discussões da Diretoria de Refino e Gás Natural.

Economia

ALE investe em capacitação de profissionais para ampliar rede de postos de combustíveis

Oferecer capacitação profissional de qualidade aos revendedores e colaboradores sempre foi um dos diferencias da ALE, quarta maior distribuidora de combustíveis do país. Nesse sentido, a companhia mantém, desde 2003, a Academia Corporativa, que promove treinamentos para as equipes de profissionais dos postos de combustíveis e equipe da distribuidora. Um dos braços da área de educação corporativa da companhia é o Ônibus Escola, plataforma itinerante de cursos voltados para as revendas. A expectativa é de fechar este ano com cerca de 2,4 mil pessoas capacitadas, percorrendo aproximadamente 200 cidades em todo o país.

Somente de janeiro a setembro deste ano, 1.710 pessoas receberam treinamentos nas revendas da Rede ALE, sendo 118 cidades em 12 Estados atendidos. Foram formadas 196 turmas com 220 postos participantes, totalizando 13.680 horas de aprendizagem. Na plataforma móvel, são oferecidos os cursos “Show de atendimento” e “Campeões em venda de lubrificantes”, ambos com quatro horas/aula cada. Nos próximos meses, o Ônibus Escola vai percorrer os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Minas Gerais.

Modalidades de treinamento

Além do Ônibus Escola, a Academia Corporativa ALE mantém diversas modalidades de treinamento para os públicos externo e interno. Uma delas é a recente parceria firmada com a HSM Educação Executiva, que disponibiliza uma plataforma com conteúdo digital exclusivo para os colaboradores. Com essa solução, eles podem acessar, gratuitamente, vídeos, artigos epodcasts sobre diferentes áreas de conhecimento, entre elas empreendedorismo, sustentabilidade, negócios, estratégia, finanças, liderança, marketing, vendas, tecnologia e inovação. Outra modalidade é a plataforma de Ensino a Distância (EAD): o Portal da Academia Corporativa, que oferece diversos conteúdos relativos às revendas.

onibus escola

Economia

Refinaria Clara Camarão é diminuída e passa a ser apenas um ‘Ativo Industrial’

O nosso combalido Rio Grande do Norte acaba de sofrer mais uma perda: da Refinaria Clara Camarão, em Guamaré, que perde o ‘status’ e passa a ser apenas um Ativo Industrial.

Segundo Jean-Paul Prates, Presidente do Sindicato das Empresas do Setor Energético do Estado do Rio Grande do Norte (SEERN), foi oficializada internamente a devolução da Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC) para a Diretoria de Exploração & Produção que passará a se chamar “Ativo Industrial de Guamaré”.

“Esta decisão significa, em poucas palavras, que a Refinaria Potiguar Clara Camarão, do alto de suas sucessivas conquistas de aumento de capacidade, aprimoramentos técnicos, investimentos em expansão e gestão técnica e comercial especializada, deixará de ser considerada uma REFINARIA. Portanto, ficará totalmente excluída do Plano Estratégico e das discussões da Diretoria de Refino e Gás Natural (anteriormente denominada Refino e Abastecimento)”, afirma Jean-Paul.

Para Jean-Paul, a perda do status significa o fim da refinaria: “Isso é decretar a morte da nossa refinaria, assim como se decretou recentemente a suspensão das atividades de perfuração terrestre em todo o País e o fechamento da planta de biodiesel de Guamaré – sem que houvesse qualquer entendimento ou conversa com os líderes políticos e empresariais do nosso Estado, que, durante décadas, promoveu, com prioridade, incentivos fiscais, licenças e parcerias sócio-ambientais com a empresa para ajudar a viabilização de seus projetos”.

A Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC) recebeu recentemente da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a autorização para passar a processar 45 mil barris por dia de petróleo com possibilidade de expansão em curto prazo para 66 mil barris por dia de capacidade. Passou assim à frente da Refinaria de Manaus (REMAN) quanto a capacidade de processamento. Uma conquista importante para o RN e que deveria ser comemorada como consolidação de uma jornada que pode levar à revitalização do setor de petróleo no Estado, se devidamente trabalhada. A nova capacidade representa a possibilidade de refinar quase 80% da produção de petróleo atual de toda a Bacia Potiguar (que inclui campos no Rio Grande do Norte e no Ceará), podendo rapidamente se atingir a autossuficiência em refino no Estado.

“Sem a Refinaria de Guamaré, como refinaria, não há como se pensar no futuro do setor de petróleo no Rio Grande do Norte. Seremos relegados a um província decadente e insignificante, e gradualmente a atividade se reduzirá a números meramente simbólicos, tanto de produção quanto de empregos e resultados sociais e econômicos”, finaliza Jean-Paul, que foi Secretário de Estado de Energia do Governo Wilma de Faria.

Refinaria Clara Camarão

Economia

Riachuelo abre a loja de número 300 no RN

Na manhã deste sábado (28), a Riachuelo abriu sua loja de número 300. Foi no Partage Norte Shopping, na Zona Norte de Natal, região onde também funciona uma unidade da Guararapes, que pertence ao grupo de Flávio e Nevaldo Rocha.

A loja conta com 2.325m² de área construída e uma grande variedade de roupas e produtos femininos e masculinos, além de moda casa, perfumaria, relojoaria e celulares.

A história começou em 1947, quando Nevaldo Rocha abriu as portas do bazar ‘A Capital’, que se tornou em uma das maiores lojas de varejo de moda do Brasil, chamada pouco tempo depois de Riachuelo.

Flávio e Nevaldo

Economia

Cadeia produtiva do Seridó evita ampliar investimentos depois do processo contra a Guararapes

O Seridó já começou a sentir os efeitos do processo movido pelo Ministério Público do Trabalho contra a Guararapes. Com medo do desemprego, que poderá ocorrer em decorrência da saída da empresa da região, os trabalhadores reduziram seus gastos e os empreendedores desistiram de ampliar seus negócios.

Essa nova e imprevista realidade trouxe apreensão e pânico à cadeia produtiva de várias cidades que vivem ou orbitam em função das mais de 100 oficinas de costura, facções, como são mais conhecidas espalhadas pelo Seridó, que empregam milhares de pessoas.

“Ninguém quer fazer contas com essa incerteza”, diz a presidente da Associação dos Faccionistas, Eva Vilma. Proprietária da J.J. Confecções, ela está com um galpão praticamente pronto para entrar em operações, mas decidiu esperar o desfecho do processo contra a Guararapes.

Nesta quinta-feira, 05, as entidades representativas dos empresários (FIERN, Fecomercio, Faern e Sebrae) levaram jornalistas de Natal para visitar facções em São José do Seridó e Parelhas.

Nas duas cidades, o grupo visitou quatro facções. Três na cidade e uma na zona rural. Conversou com os prefeitos das duas cidades, representantes do comércio locais, empresários das facções, trabalhadores e a presidente da Associação dos Faccionistas.

Prefeitos e comerciantes defendem o Pró-Sertão

“Esse programa {Pró-Sertão} foi um incremento para a economia do município que não trabalhava com o ramo da indústria têxtil e dependia das 46 indústrias cerâmicas, hoje só temos 18. A preocupação do MPT deveria ser com tudo o que deu certo”, disse o prefeito de Parelhas, Alexandre Petronilo. Na cidade existem atualmente 13 facções. Ele contou que estava preocupado e defendeu o diálogo entre o MPT e a Guararapes para evitar o pior. “O Brasil precisa manter os empregos”.

São José do Seridó conta com 15 facções que garantem a sobrevivência da população movimentando mais de R$ 700 mil na economia local. A prefeita Maria Dalva afirma que a renda gerada pelo Pró-Sertão é de mais de 60% do Produto Interno Bruto do município e que o setor gera mais empregos do que a Prefeitura. “É 150% a mais do que temos na prefeitura local”, disse.

f5

Economia

Fenacam 2017 apresenta novidades do setor e destaca potencial do Nordeste

A Associação Brasileira de Criadores de Camarão – ABCC apresentou, nesta quinta-feira (05), no auditório do Sebrae, em Natal, a XIV Feira Nacional do Camarão – Fenacam 2017.

O evento, que volta ao Rio Grande do Norte foi apresentado pelo presidente da ABCC, Itamar Rocha. Ele detalhou a programação, destacou as boas perspectivas da economia e mostrou dados comparativos dos mercados nacional e internacional.

A Fenacam já conta com cerca de 100 expositores e integra ainda o XIV Simpósio Internacional de Carcinicultura, o XI Simpósio Internacional de Aquicultura, o XIV Festival Gastronômico de Frutos do Mar e a XIV Feira Internacional de Serviços e Produtos para Aquicultura.

Itamar Rocha destaca que a região Nordeste possui território com potencial de exploração para carcinicultura marinha superior a 1 milhão de hectares, mas utiliza apenas 2,5% por causa da falta de incentivos e da dificuldade, especialmente dos pequenos produtores, em obter licenças ambientais.

Sobre a Fenacam 2017

A Fenacam é o maior evento técnico-científico e empresarial da Aquicultura brasileira e latino-americana. A Feira nasceu no Rio Grande do Norte, onde foi realizada por dez anos, mas teve suas últimas edições realizadas em Fortaleza (CE). A 14ª edição acontecerá nos dias 15 a 18 de novembro, no Centro de Convenções, na Via Costeira.

Laçamento da Fenacam (5)

EconomiaEstado

Salineiros e classe política do RN pedem melhorias ao Presidente Temer para o setor e incluem pleitos ao Porto-Ilha de Areia Branca

Na manhã desta quarta-feira (27), salineiros e a classe política do Rio Grande do Norte foram recebidos em audiência pelo Presidente da República, Michel Temer, onde pleitearam o reconhecimento do sal como bem de interesse social, para que a comercialização do produto ganhe segurança jurídica em âmbito nacional.

Na oportunidade também foi solicitada pelos presentes a recuperação do Terminal Salineiro de Areia Branca, mais conhecido como Porto-Ilha, responsável por escoar a produção salineira do Estado. Uma emenda já foi alocada ao orçamento de 2017, por solicitação do senador José Agripino Maia. E uma reunião convocada pelo deputado federal Felipe Maia já ocorreu em Brasília, para iniciar a discussão de recursos ao orçamento de 2018.

A prefeita de Areia Branca, Iraneide, entregou um relatório técnico elaborado pela Companhia Docas do Rio Grande do Norte (CODERN), explicando as necessidades urgentes para o Porto-Ilha. E ainda pediu atenção ao equipamento: “O nosso terminal salineiro está passando por dificuldades, e é de extrema importância para a nossa cidade. É o maior porto fluvial da América Latina. Então, estamos aqui representando os areia-branquenses, defendendo o nosso sal, defendendo a geração de emprego, defendendo a economia e o desenvolvimento social do nosso estado, e em especial do nosso município”.

A reunião contou com a presença de representantes do setor salineiro, do governador Robinson Faria; do senador Garibaldi Filho; dos deputados federais Felipe Maia, Walter Alves, Rogério Marinho, Rafael Motta, Fábio Faria e Beto Rosado; deputados estaduais Larissa Rosado, Souza e Jacó Jácome; prefeitos Rosalba (Mossoró), Iraneide (Areia Branca) e Túlio Lemos (Macau), vereadores e Secretários de Estado.

audienciasalineiros2

WhatsApp Image 2017-09-27 at 13.15.15

Economia

Audiência Pública para debater setor têxtil no Seridó será realizada em nova data

A audiência pública prevista para o dia 02 de outubro, segunda-feira, para debater a empregabilidade do setor têxtil no Seridó, foi adiada e será realizada em nova data a ser divulgada em conformidade com o calendário do Centro de Estudos e Debates da Assembleia Legislativa. O adiamento é em virtude do feriado do dia 03 de outubro (Dia Estadual à Memória dos Mártires de Uruaçu e Cunhaú).

A medida atende aos apelos de entidades interessadas em participar do debate, como também de representantes de classes, entidades, advogados, estudantes e pessoas do povo que sugeriram a mudança de data do evento. Por propositura do deputado e presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) a Casa Legislativa vai realizar audiência pública sobre o tema em busca de um entendimento entre as partes.

Economia

Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Federal se une a outras entidades e manifesta apoio ao Ministério Público do Trabalho

O Presidente da DS/RN, o Auditor-Fiscal Henrique Jorge, divulgou hoje (26) entre os filiados do Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional), uma nota de apoio à atuação do Ministério Público do Trabalho (MPT), em meio às ofensas sofridas em virtude do sentenciamento da multa destinada à empresa Guararapes Confecções.

Além do Sindifisco Nacional – DS/RN, outras nove entidades assinaram a nota de apoio. Sendo elas: a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – Diretoria Regional do RN (ADPF), Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP), Associação dos Auditores do Tesouro Municipal de Natal (ASAN), Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (FEBRAFITE), Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (FENAFISCO), Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (FONACATE), Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho – DS/RN (SINAIT), Sindicato dos Fazendários Municipais do RN (SINFAM) e Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado do RN (SINPRFRN).

Confira abaixo a íntegra da nota:

“As entidades signatárias dessa nota vêm a público manifestar apoio ao Ministério Público do Trabalho e a seus membros, diante das ofensas sofridas em virtude do cumprimento de sua missão constitucional com a propositura de Ação Civil Pública contra a empresa GUARARAPES CONFECÇÕES.

O Ministério Público do Trabalho faz parte de um conjunto de instituições típicas de Estado que, no âmbito de suas competências, são essenciais à sua manutenção e sustentação e, por consequência, indispensáveis aos regimes democráticos.

Destaque-se que, no nosso ordenamento jurídico, cabe ao Poder Judiciário a função jurisdicional de solucionar os conflitos e, portanto, a tentativa de intimidação de Agentes Públicos investidos no exercício de suas atribuições constitucionais e legais constitui uma séria ameaça ao Estado Democrático de Direto.

ADPF – Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal – Diretoria Regional do RN

ANFIP – Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil

ASAN – Associação dos Auditores do Tesouro Municipal de Natal

FEBRAFITE – Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais

FENAFISCO – Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital

FONACATE – Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado

SINAIT – Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho – DS/RN

SINDIFISCO NACIONAL – Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil – DS/RN

SINFAM – RN – Sindicato dos Fazendários Municipais do RN

SINPRFRN – Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado do RN”

Economia

“Café de Negócios” na FIERN

Será realizado nesta quarta-feira, 27, das 8h às 11h, na Casa da Indústria, o 1º Encontro de Café de Negócios. O evento conta com o apoio da FIERN e da Câmara de Comércio Mercosul e América Latina (CCM-ULA).

O objetivo é apresentar novas oportunidades de negócios no Brasil e no mundo, e contará com a presença do Presidente da CCM-ULA, Alexandre Arnone e o vice-presidente de Relações Internacionais, Iyed Imad.

A CCM-ULA está presente nos cinco continentes, e apresentará diversos e atuais modelos de negócios e inovações nas mais diversas áreas empresariais.

O evento é aberto aos empresários e interessados, mas pede-se confirmação de participação pelo e-mail relacionamento@mercosul-ula.org.br ou pelo telefone (84) 99696-4005.

Economia

Em visita à CODERN, Prefeita destaca importância econômica do Terminal Salineiro de Areia Branca

O Diretor-Presidente da Companhia Docas do Rio Grande do Norte, Emerson Fernandes Daniel Júnior, recebeu na manhã desta segunda-feira (25), a visita de cortesia da prefeita Iraneide Xavier Cortez Rodrigues Rebouças, de Areia Branca, município onde está instalado o Terminal Salineiro (Porto-Ilha).

Emerson afirmou que é importante o diálogo permanente entre a CODERN e o poder público: “Nós estamos de portas abertas sempre para o diálogo. É assim que construímos o crescimento e fortalecimento da Companhia, cada um fazendo a sua parte. A CODERN agradece o gesto da prefeita de nos procurar para uma conversa sobre o Terminal Salineiro de Areia Branca”.

A prefeita enalteceu a importância econômica do Porto-Ilha para o município, o Estado e o País. “A indústria do sal no Rio Grande do Norte é responsável por 60 mil empregos diretos e indiretos. Isso tem um reflexo positivo enorme na nossa economia. E a classe política precisa estar atenta ao Porto-Ilha, por onde ocorre o escoamento de 95% do sal brasileiro, que é produzido em nosso Estado”.

Terminal Salineiro de Areia Branca

O Terminal Salineiro de Areia Branca, mais conhecido como Porto-Ilha, é localizado no Oceano Atlântico, a 14 km da costa de Areia Branca, e a 330km de Natal. Foi inaugurado em 02 de setembro de 1974.

Dr. Emerson e Prefeita de Areia Branca

Economia

Projeto quer autorizar renegociação de dívidas de empresas potiguares com fundos constitucionais

Um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional poderá beneficiar empresas potiguares que estão com dificuldades para sanar débitos contraídos através de financiamentos. De autoria do deputado Jorge Côrte Real (PTB-PE), o PL 5992/16 autoriza que dívidas de empresas junto aos fundos constitucionais de financiamento, FNO, FNE e FCO, assim como com os Fundos de Investimentos Regionais, FINAM e FINOR sejam renegociadas em até 12 anos, com desconto que pode chegar a 50% do saldo. A proposta abrange os débitos oriundos de contratos celebrados entre 28 de setembro de 1989 até a transformação da proposta em lei.

Esses fundos de financiamento atendem a uma previsão constitucional para subsidiar atividades instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Acontece que os encargos financeiros destes financiamentos passaram a ser prefixados somente em janeiro de 2001 e as incertezas dos planos econômicos dos anos 1990 resultaram na elevação dessas taxas. O que, de acordo com Jorge Côrte Real (PTB-PE), causou um crescimento das dívidas muito acima do faturamento e da capacidade de pagamento das empresas.

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN) lembra que benefícios similares já foram concedidos a diversos outros seguimentos econômicos do país e que, neste caso, a aprovação do projeto se faz necessária, inclusive, para manutenção de empregos. “Primeiro, o princípio da isonomia. Vários seguimentos econômicos no país tiveram o refinanciamento de suas dívidas. Então, nesse momento de grave recessão econômica que o país passa, é importante que haja uma possibilidade de um respiro, de um oxigênio em um processo de renegociação para que as empresas possam voltar a operar normalmente no mercado. Isso vai significar mais emprego, vai significar maiores oportunidades e, sobretudo, vai significar o saneamento de empresas importantes nos estados do Nordeste.”

Economia

“Boicote ao avanço”, por Flávio Rocha, em O Globo

Artigo de Flávio Rocha, em O Globo:

A reforma trabalhista, que entrará em vigor em novembro, corre o risco de ter seu impacto positivo no mercado diluído por ações que procuram sabotar o seu espírito, de valorizar o emprego e a livre-iniciativa dos trabalhadores.

Essa decisiva conquista, obtida pelo trabalho obstinado do deputado Rogério Marinho e de amplos setores da sociedade, pode, segundo o Banco Mundial, fazer o Brasil galgar mais de 30 postos no ranking de competitividade do Doing Business. A imprensa tem noticiado, embora sem o destaque devido, a ação de entidades de magistrados da Justiça do Trabalho que, a serviço de ideologia de esquerda retrógrada, tentam descumprir a nova lei trabalhista.

Reportagens já flagraram a circulação de cartilhas que subsidiam decisões para que a lei seja ignorada. Juízes são instruídos a boicotar a legislação nesses panfletos, que citam “princípios constitucionais de valorização do trabalho”, como se eles não estivessem contemplados na reforma. Ou são doutrinados a apelar a supostas normas internacionais que se sobreporiam à reforma.

É cristalino que essa elite burocrática encastelada no poder resiste a abrir mão de benefícios amealhados no passado. Sim, porque se há um interesse defendido nesse embate é o de promotores e juízes, e não dos trabalhadores.

Em vez de enfrentar de peito aberto o debate, argumentando perante o STF, preferem a vereda antidemocrática de boicotar na surdina uma reforma que foi aprovada pelos representantes do povo no Congresso.

A reforma trabalhista coloca o país na rota da modernidade na questão da relação entre capital e trabalho. Trata-se de uma dicotomia que não faz mais sentido no estágio em que se encontra o capitalismo, com garantia de direitos a todos. O discurso do “nós contra eles” definitivamente caducou. O conflito que se coloca agora é dos produtivos contra os parasitas.

Permito-me mencionar um caso em que sou parte interessada apenas como exemplo desse nocivo modus operandi. A empresa de confecções Guararapes, da qual sou acionista, tem sido vítima de perseguição de uma procuradora do Ministério Público do Trabalho. O último ato de sua cruzada foi mover uma ação contra a empresa, com sede no Rio Grande do Norte, exigindo o pagamento de multa milionária.

A promotora não prejudica a Guararapes, ao contrário do que imagina. A empresa simplesmente passou a fabricar em outros estados e países. Os prejudicados de verdade são os integrantes da extensa cadeia produtiva do Rio Grande do Norte, de tecelões a costureiras, de operadores de call center a motoristas de caminhão, de caixas a vendedores.

Não sou eu que digo. É a sociedade, do sindicato dos trabalhadores ao governador do estado, do micro empreendedor a políticos de um amplo espectro de partidos. No último sábado, centenas de pessoas reunidas no ginásio esportivo de Seridó tinham uma única mensagem à Justiça do Trabalho: “Deixe-nos trabalhar!”.

Assino embaixo: o Brasil e os trabalhadores não podem mais ficar à mercê de interesses que não resistem à luz do dia.

Flávio Rocha é presidente da Riachuelo