Economia

PIB cresce 1,1% em 2018 e fecha ano em R$ 6,8 trilhões

O PIB em 2018 teve crescimento de 1,1% em relação ao ano anterior. O crescimento do PIB resultou da expansão de 1,1% do Valor Adicionado a preços básicos e da alta de 1,4% no volume dos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios. O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação refletiu o desempenho das três atividades que o compõem: Agropecuária (0,1%), Indústria (0,6%) e Serviços (1,3%).

Em decorrência deste crescimento, o PIB per capita alcançou R$ 32.747, (em valores correntes) em 2018, um ligeiro avanço (em termos reais) de 0,3% em relação a 2017.

Após o crescimento recorde de 2017, a Agropecuária teve variação positiva de 0,1% em 2018, decorrente, principalmente, do desempenho da agricultura, com destaque para o café (29,4%), algodão (28,4%), trigo (25,1%) e soja (2,5%). Por outro lado, houve quedas em lavouras como a do milho (-18,3%), laranja (-10,7%), arroz (-5,8%) e cana (-2,0%).

Na Indústria, o destaque positivo foi o desempenho da atividade Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, que cresceu 2,3% em relação a 2017. Já o destaque negativo foi a Construção, que sofreu contração de -2,5%.

As Indústrias de Transformação, por sua vez, avançaram 1,3% no ano. O resultado foi influenciado, principalmente, pelas altas em: veículos automotores, papel e celulose, farmacêutica, metalurgia e máquinas e equipamentos.

As Indústrias Extrativas tiveram expansão de 1,0% em relação a 2017, devido à alta da extração de minérios ferrosos.

Todas as atividades que compõem os Serviços apresentaram variação positiva. Atividades imobiliárias avançou 3,1%, seguida por Comércio (2,3%), Transporte, armazenagem e correio (2,2%), Outras atividades de serviços (1,0%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,4%), Informação e comunicação (0,3%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,2%).

Entre os componentes da demanda interna, houve avanço do Consumo das Famílias (1,9%) e da FBCF (4,1%), resultado positivo após uma sequência de 4 anos negativos. O Consumo do Governo se manteve estável (0,0%).

No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços cresceram 4,1%, enquanto as Importações de Bens e Serviços avançaram 8,5%.

Fonte: IBGE

Economia

Superávit primário do Governo Central supera a expectativa em janeiro

Da Agência Brasil

Mesmo sem o reforço do Refis (programa de renegociação de dívidas com a União), o Governo Central, composto pelo Tesouro Nacional, pela Previdência Social e pelo Banco Central, iniciou o ano com superávit primário acima das expectativas. Segundo números divulgados hoje (27) pelo Tesouro, a economia de recursos chegou a R$ 30,238 bilhões em janeiro.

Esse foi o segundo melhor resultado para o mês, só perdendo para janeiro do ano passado (R$ 30,842 bilhões). De acordo com o Prisma Fiscal, pesquisa do Ministério da Fazenda com instituições financeiras, o mercado esperava um superávit de R$ 28,4 bilhões para janeiro.

O superávit primário é a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública. Tradicionalmente, o mês de janeiro registra superávit por causa do pagamento de Imposto de Renda e de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido das empresas, que subiu 7,71% acima da inflação em janeiro na comparação com o mesmo mês do ano passado, influenciado pelo maior lucro das empresas.

Segundo o Tesouro, outro fator que favoreceu o resultado em janeiro foi a melhoria da arrecadação de royalties da exploração de recursos naturais (principalmente petróleo), cujas receitas aumentaram de R$ 7,9 bilhões em janeiro do ano passado para R$ 10,2 bilhões em janeiro deste ano, alta de 28,1% acima da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O superávit primário só não foi maior porque, em janeiro do ano passado, o Governo Central contou com R$ 8,2 bilhões de reforço de caixa do pagamento da parcela única ou da primeira parcela do Programa Especial de Renegociação Tributária (Pert), também chamado de Refis. Neste ano, as receitas extraordinárias não se repetiram, o que torna o resultado primário mais relacionado à recuperação da economia do que a medidas tomadas pelo governo.

Apesar do superávit primário em janeiro, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) estipula meta de déficit primário de R$ 139 bilhões para o Governo Central em 2019. O Tesouro informou que espera, para fevereiro, déficit primário decorrente da repartição com os estados e os municípios das receitas arrecadadas em janeiro.

Despesas

O superávit piorou levemente em relação ao ano passado porque as receitas caíram em ritmo maior que as despesas. Sem a arrecadação do Refis, as receitas líquidas em janeiro caíram 3%, descontada a inflação oficial pelo IPCA, em relação ao mesmo mês do ano passado. As despesas, em contrapartida, recuaram 2,3% na mesma comparação, também considerando a inflação acumulada.

A Previdência Social, que tradicionalmente registra déficits recordes, teve resultado negativo de R$ 13,8 bilhões em janeiro. O valor indica leve melhora em relação ao déficit de R$ 14,7 bilhões registrado no mesmo mês de 2018. O rombo da Previdência foi compensado pelo superávit de R$ 44,03 bilhões do Tesouro Nacional e do Banco Central.

Em relação às despesas, os gastos de custeio (manutenção da máquina pública) caíram 7,7% descontada a inflação. As despesas com a Previdência Social subiram 2,5% acima da inflação, e os gastos com o funcionalismo federal recuaram 1,9%, também descontando o IPCA.

Os investimentos federais (obras públicas e compra de equipamentos) somaram R$ 1,310 bilhão em janeiro, queda de 15,2% em relação ao mesmo mês do ano passado em valores corrigidos pela inflação. Segundo o Tesouro Nacional, essa retração é esperada em início de governo, quando os novos ministros ainda estão tomando conhecimento da máquina pública.

Economia

Deputado Ubaldo Fernandes defende união pelo Porto de Natal para manter cadeia produtiva

Preocupado com a possível suspensão das exportações pelo Porto de Natal para a Europa, após a recente apreensão de drogas misturadas às cargas de frutas, o deputado Ubaldo Fernandes (PTC) fez um apelo para que o problema seja resolvido. Esse foi o tema do seu pronunciamento durante a sessão plenária desta quarta-feira (27).

“Esse problema tem gerado uma apreensão muito grande aos que trabalham no Porto de Natal, principalmente de forma sazonal, pois muitos ali trabalham apenas nove meses. Essas pessoas estão sem nenhuma perspectiva de trabalho e receiam ficar desempregados, espero que seja apenas de forma provisória”, alertou o parlamentar.

O deputado disse que a maioria dos trabalhadores é oriunda das Rocas, Ribeira e Cidade Alta e a medida de suspensão prejudica cerca de 500 famílias, após a decisão da empresa francesa CMA-CGM ter suspendido oficialmente as suas atividades no Porto até que a situação seja regularizada.

Os deputados Gustavo Carvalho (PSDB) e Souza (PHS) endossaram a preocupação. “Precisamos no prazo mais imediato possível convidar a bancada federal do nosso Estado para se fazer presente aqui na Assembleia”, afirmou Carvalho. O deputado Souza ressaltou a importância do Porto de Natal para a economia potiguar.

A nova gestão da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (CODERN), conjuntamente à Secretaria Nacional de Portos, ampliará, de imediato, o canal de comunicação com a CMA-CGM para buscar a manutenção das operações da empresa no Porto de Natal.

Conforme foi demonstrado em sua última correspondência, enviada ao Porto de Natal, a empresa reafirmou sua disposição em continuar as operações, atendendo aos clientes locais, exportadores de frutas, com programação de navio para dia 06 de abril.

A CODERN já estuda medidas para a superação dos óbices existentes, visando a corrigir as deficiências observadas, com o retorno das atividades à normalidade o mais breve possível. Uma das principais metas será melhorar a segurança, com vista a recuperar a certificação do Código Internacional para Proteção de Navios e Instalações Portuárias (ISPS CODE).

Economia

Confiança da Indústria atinge maior nível desde agosto

Da Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 0,8 ponto de janeiro para fevereiro deste ano e chegou a 99 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Esse é o maior nível do indicador desde agosto do ano passado.

Segundo a FGV, essa segunda alta do ano da confiança do empresário da indústria mostra que o índice se aproxima dos 100 pontos e indica que o setor começa a se afastar do fraco desempenho do segundo semestre de 2018.

A confiança subiu em 12 dos 19 segmentos industriais pesquisados. O Índice da Situação Atual, que mede a confiança do empresário no momento presente, avançou 1,8 ponto, para 98,8 pontos. A avaliação sobre o nível atual dos estoques subiu 4,7 pontos.

Já o Índice de Expectativas (IE) recuou 0,3 ponto, para 99,2 pontos. A expectativa dos empresários em relação à evolução da situação dos negócios nos seis meses seguintes recuou 2,4 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada subiu 0,4 ponto percentual em fevereiro, para 74,7%, a primeira alta desde setembro de 2018.

EconomiaEstado

Nova gestão da CODERN informa providências que vai tomar no Porto de Natal

Nota à Imprensa
Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN
Natal (RN), 22 de fevereiro de 2019

A nova gestão da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (CODERN) informa que, conjuntamente à Secretaria Nacional de Portos, ampliará, de imediato, o canal de comunicação com a CMA-CGM para buscar a manutenção das operações da empresa no Porto de Natal.

Conforme foi demonstrado em sua última correspondência, enviada ao Porto de Natal esta semana, a empresa reafirmou sua disposição em continuar as operações, atendendo aos clientes locais, exportadores de frutas, com programação de navio para dia 06 de abril.

A Companhia já estuda medidas para a superação dos óbices existentes, visando a corrigir as deficiências observadas, com o retorno das atividades à normalidade o mais breve possível. A intenção é demonstrar aos clientes que podem contar com o empenho da nova gestão.

Uma das principais metas será melhorar a segurança, com vista a recuperar a certificação do Código Internacional para Proteção de Navios e Instalações Portuárias (ISPS CODE).

Outra ação será o estreitamento do relacionamento institucional com a Receita Federal, Polícia Federal, Anvisa, Ministério da Agricultura e Capitania dos Portos, visando uma maior interação e aperfeiçoamento das atividades no Porto.

A CODERN reafirma seu compromisso inalienável com o desenvolvimento do Rio Grande do Norte e priorizará, dentre suas metas de curto e médio prazo, a otimização de seus processos, a racionalização de sua gestão e, principalmente, a modernização de sua infraestrutura.

Assessoria de Comunicação
Companhia Docas do Rio Grande do Norte – CODERN

EconomiaPolítica

João Maia, Girão, Beto Rosado e ministra da Agricultura visitam empresa Potiporã em Pendências

Neste sábado (16), o deputado federal João Maia acompanhou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em visita a empresa Potiporã, considerada a maior produtora de camarões do país e localizada em Pendências/RN.

Atualmente a Potiporã emprega mais de 1.000 funcionários e tem um projeto de ampliação para gerar mais 300 empregos em 2019, mas está dependendo da liberação do Ministério da Agricultura. Durante a visita, a ministra ressaltou que a Potiporã é um exemplo de um Brasil que produz, gera emprego, renda, dignidade, paga impostos, e a burocracia muitas vezes atrapalha. Tereza Cristina se comprometeu em mudar essa realidade.

Também estavam presentes os deputados federais General Girão e Beto Rosado, os prefeitos de Pendências e Messias Targino, Flaudivan Cabral e Shirley Targino, o secretário de Agricultura, Guilherme Saldanha, o presidente do Banco do Nordeste, o presidente da Embrapa e presidentes das associações de criadores de camarão do RN e estados do Nordeste.

Economia

Horário de verão termina neste domingo em 10 estados e no DF

Motivo de alegria para uns e de tristeza para outros, o horário de verão termina à zero hora deste domingo (17). Com isso, os relógios terão que ser atrasados em uma hora (voltarão para 23h) nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

O horário de verão de 2018 começou no dia de 4 novembro para moradores de 10 estados e do Distrito Federal. Até 2017, o horário de verão tinha início no terceiro domingo de outubro, mas atendendo um pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o então presidente Michel Temer alterou o início do horário para que não coincidisse com o primeiro e o segundo turno da eleição.

Viagens

Com o fim do horário de verão, é comum a confusão nos primeiros dias, por isso, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) emitiu um comunicado alertando passageiros para que fiquem atentos aos horários nos bilhetes aéreos. Vale o que está escrito no bilhete, pois eles são emitidos conforme a hora local vigente na data da viagem.

Segundo a entidade, a informação da partida se refere ao horário na cidade de origem e a da chegada ao horário da cidade de destino. Dessa forma, os bilhetes emitidos sempre consideram, além das diferenças de fuso, as diferenças resultantes do início ou fim do horário de verão. Em caso de dúvida, os passageiros devem buscar informações no site da companhia aérea ou por meio dos canais de atendimento telefônico.

Celulares

As operadoras de telefonia alteram automaticamente os relógios dos aparelhos celulares. Mas o usuário deve ficar atento se a alteração foi de fato realizada.

Horário de verão em 2019

Este ano, a adoção do horário de verão ainda é uma incógnita, e cabe ao presidente Jair Bolsonaro decidir.

No ano passado, estudos da Secretaria de Energia Elétrica (SEE), do Ministério de Minas e Energia (MME) em parceria com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), apontaram que em termos de economia de energia, a medida não tem sido eficiente, já que os resultados alcançados foram próximos à “neutralidade”. O horário de verão foi criado no país com o intuito de economizar energia, a partir do aproveitamento de luz solar no período mais quente do ano.

“A aplicação da hora de verão, nos dias de hoje, não agrega benefícios para os consumidores de energia elétrica, nem tampouco em relação à demanda máxima do sistema elétrico brasileiro, muito em função da mudança evolutiva dos hábitos de consumo e também da atual configuração sistêmica do setor elétrico brasileiro”, destaca o documento enviado à Casa Civil.

Segundo a assessoria do MME, não há previsão de balanço sobre os resultados obtidos com o horário de verão de 2018. “Serão realizadas novas análises anuais técnicas dos resultados do ciclo 2018/2019 e, quando concluídas, serão encaminhadas à Presidência da República, a quem cabe a decisão de manter ou não o horário brasileiro de verão”, informou a assessoria do MME.

No Distrito Federal, região onde o consumo, per capita, de energia residencial é o maior do país, desta vez, o horário de verão registrou, segundo a Companhia Energética de Brasília (CEB), redução de 2,7% da demanda diária por energia no horário de pico, ou 30MW.

De acordo com o diretor de distribuição da CEB, Dalmo Rebello, é como se a energia de uma cidade como o Guará, localizada a 12 quilômetros do centro da capital federal, com cerca de 126 mil habitantes, fosse desligada nesse período no horário de pico. O especialista acrescenta que o horário de verão é importante para que o sistema, que nessa época, tem a demanda aumentada pelas altas temperaturas, não tenha uma sobrecarga.

Agência Brasil

Economia

Samanaú na maior feira mundial de orgânicos

O empresário Dadá Costa embarca para a Alemanha.

Em Nuremberg, vai apresentar sua Cachaça Samanaú durante a Biofach, maior Feira de Produtos Orgânicos do Mundo.

Dadá chega lá com uma novidade: Caipirinha feita com Samanaú nos sabores de limão, capim-limão, tamarindo, tangerina, seriguela, hortelã, menta, assaí, guaraná e café.

Um vídeo foi lançado para ser apresentado na feira que acontece até o sábado (16).

 

Economia

Inflação em Natal teve alta de 0,41% em janeiro

O conjunto de produtos que formam o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,41% na cidade do Natal no mês de janeiro, segundo dados coletados pela Coordenadoria de Estudos Socioeconômicos do Idema/RN – Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte.

O índice, que está na faixa média dos meses de janeiro, foi puxado pelo grupo Alimentação e Bebidas, o de maior peso no orçamento doméstico. Neste item, os preços tiveram alta de 0,91%, puxados pelos cereais, leguminosas e oleaginosas, que subiram, em média, 10,46% no mês; pelos legumes, raízes e tubérculos (3,40%); açúcar (1,68%); frutas (1,37%) e carnes (0,82%).

O grupo Educação apresentou variação positiva de 3,29%, em função, principalmente, da elevação de preços de cursos (4,52%) e papelaria (3,24%).

No dos transportes, que tem o segundo maior peso na formação do índice (12,75%), houve deflação no período. Os preços caíram (-1,04%), acompanhando a cotação do petróleo e a redução de preços da gasolina nos postos de combustíveis.

De acordo com pesquisa da ANP, o preço médio da gasolina vendida ao consumidor no final de janeiro, em Natal, era de R$ 4,08, com viés de baixa.

“O grupo Alimentação teve variação expressiva no item Cereais, Leguminosas e Oleaginosas em razão do período de escassez de chuvas em nosso estado. Já os itens do grupo Educação, que mantêm certa estabilidade durante o ano, sofreram significativo aumento, em virtude da volta às aulas”, disse o subcoordenador de Estudos Socioeconômicos do Idema, Azaías Bezerra.

CESTA BÁSICA

O Idema registrou variação positiva de 1,9% nos preços dos alimentos que compõem a cesta básica. Dos treze produtos pesquisados, oito tiveram aumento. Destaque para o feijão, que subiu 12,7%. Com isso, o custo da cesta para alimentação de um adulto foi de R$ 337,95.

Para uma família de quatro pessoas, esse valor alcançou R$ 1.351,80. Se fossem adicionados os gastos com vestuário, despesas pessoais, transportes etc., o dispêndio total seria de R$ 4.168,44.

Infográfico

EconomiaEstado

Tesouro Nacional não tem como repassar ajuda financeira na atual situação do RN

A governadora Fátima Bezerra e o vice-governador Antenor Roberto, acompanhados da equipe econômica do Governo, deram início, na tarde desta segunda-feira (28), à missão técnica com o Tesouro Nacional. O encontro teve como objetivo discutir as práticas e os relatórios contábeis do Estado.

No primeiro dia da missão, que deve ser concluída em três dias, a equipe financeira fez uma apresentação das contas do Estado.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, negou que a União pretenda flexibilizar as exigências do Regime de Recuperação Fiscal para que mais Estados possam ter acesso ao programa de socorro e lembrou que a maioria do problema dos governadores hoje não é pagamento de dívida e sim folha de pessoal, como é o caso do Rio Grande do Norte.

“Ainda tem uma série de coisas nos Estados que dependem muito da legislação local”, frisou o secretário, lembrando a inconstitucionalidade da federação emprestar dinheiro para os Estados pagarem pessoal.

Em relação ao decreto de calamidade financeira, o secretário do Tesouro Nacional deixou bem claro que se trata de uma questão “local e não muda a relação do Estado com o governo federal”.

A governadora explicou que as práticas contábeis que vinham sendo adotadas necessitavam de algumas correções. “Essa missão veio para fechar as contas, os relatórios e os balanços finais de 2018 para que assim possamos retratar a real situação financeira do Estado”, enfatizou.

De acordo com o secretário de Planejamento, Aldemir Freire (Seplan), a partir desse balanço é que será possível desenhar um programa que atenda ao Rio Grande do Norte, já que nenhum programa existente hoje na União, disponível para os estados, atende ao RN. “Pretendemos que seja desenhado um programa onde RN possa se enquadrar nos critérios de elegibilidade. O programa de recuperação fiscal que o Tesouro apresenta hoje aos estados exige que a dívida seja maior que a receita corrente líquida e estamos longe de alcançar isso”, disse.

Reunião Tesouro Nacional_Demis Roussos (1)

Economia

Tesouro Nacional faz recomendações ao Governo Fátima de corte de pessoal e privatizações

A Secretaria do Tesouro Nacional, em documento assinado pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, encaminhou um ‘Guia de Relacionamento’ ao Governo do RN, onde fez uma série de recomendações para contratar operações de crédito com garantia da União.

Entre as recomendações, estão privatizações, corte de gastos com pessoal, aumento da alíquota de impostos, utilizar receitas oriundas de concessões, desvincular receitas, reduzir incentivos fiscais e pagar precatórios.

Economia

SEBRAE-RN empossa novos dirigentes

O Sebrae no Rio Grande do Norte empossou na manhã desta quarta-feira (16) os novos dirigentes que vão levar adiante o trabalho da instituição até 2022, em solenidade prestigiada por empresários, políticos e representantes do setor produtivo. MarceloFernandes de Queiroz assume a presidência do Conselho Deliberativo Estadual (CDE), no lugar de José Vieira, pelos próximos quatro anos. A diretoria executiva formada pelos diretores José Ferreira de Melo Neto (superintendente), João Hélio Cavalcanti (diretor técnico), ambos reconduzidos para os respectivos cargos, e o diretor de Operações, Marcelo Saldanha Toscano.

Eles assumem já com o desafio de atender 34.620 negócios de pequeno porte, realizar 62 mil atendimentos a potenciais empresários e empreendedores e levar soluções de inovação a 4 mil empresas potiguares ao longo deste ano. Além dos dirigentes, a também foram empossados durante a solenidade os membros do conselho fiscal da instituição.

O diretor superintendente José Ferreira de Melo Neto, o Zeca Melo, falou em nome da diretoria executiva durante a cerimônia de posse. Ele destacou as ações já realizadas nos últimos anos e ressaltou o espírito com o qual os novos dirigentes assumem a instituição. “Presente, passado e futuro, unidos por um ideal comum: a crença na livre-iniciativa, no apoio obstinado, ostensivo e obsessivo àqueles que esperam empreender no nosso estado. Pessoas e tempos comprometidos com a esperança de um futuro melhor. Para concretização desse ideal realizado, o Sebrae teve e tem algumas vantagens, a maior delas é, sem dúvida, a credibilidade que desfruta junto ao seu público”.

Autoridades prestigiaram a posse: governadora Fátima Bezerra, senadores José Agripino e Jean-Paul, deputada Márcia Maia, prefeito em exercício, Paulinho Freire e vereadora Nina Souza.

Foto: Moraes Neto

Economia

Governadora, senador e deputados visitam a maior produtora de camarão do Brasil

A governadora Fátima Bezerra (PT), juntamente com o senador Jean-Paul Prates (PT), a senadora diplomada Zenaide Maia (PHS), o deputado federal João Maia (PR) e o estadual George Soares (PR), visitaram nesta terça-feira (15) as três unidades de produção da empresa Potiporã, maior produtora e beneficiadora de camarão do Brasil, instalada em três municípios do Rio Grande do Norte.

A Potiporã emprega 1050 trabalhadores e produz 500 toneladas de camarão por mês. A empresa atua na produção de pós-larva, em São Miguel do Gostoso; na criação e engorda de camarão no delta do Rio Assu, em Macau, e no beneficiamento na unidade industrial no município de Pendências.

“Temos tecnologia e capacidade para isso. Estamos tratando junto ao Governo do Estado os processos para nossa ampliação que também envolvem a concessão de licenças ambientais”, afirmou o proprietário da Potiporã, Cristiano Maia.

A governadora Fátima Bezerra assegurou que a administração estadual vai ampliar o apoio aos produtores.

Foto: Elisa Elsie

Economia

Empresa que controla dois Shoppings no RN adquire o Shopping Poços de Caldas em Minas Gerais

A Partage Shopping, responsável pelo Partage Shopping Mossoró e pelo Partage Norte Shopping Natal, acaba de anunciar a compra do Shopping Poços de Caldas. Com esta nova aquisição, a empresa assume a operação e a administração integral do equipamento. Este passa a ser o oitavo Shopping controlado pela Partage, conhecida nacionalmente pela forte presença no interior e por estar sempre atenta a novas oportunidades de investimentos, atuando também no desenvolvimento de shoppings com forte potencial.

Para o diretor de Gestão e Marketing da holding, Julio Macedo, este empreendimento aumentará ainda mais a presença da marca no Estado de Minas Gerais, onde já possui o Partage Shopping Betim. “Mapeamos diversas praças e optamos por investir em Poços de Caldas para ampliarmos ainda mais nossa atuação em Minas e pelo fato da cidade ser considerada um excelente campo de investimento. Pretendemos usar o know how adquirido nos nossos empreendimentos para promover o crescimento do Shopping e, consequentemente, aquecer a economia local, gerando mais empregos e oportunizando novas opções de compras, lazer e serviços para a população”, conta o executivo.

Sobre a Partage Shopping:

A Partage Shopping está presente em 4 das 5 regiões do Brasil e atualmente possui sete shoppings em operação. A empresa foi criada em 1997, com sede na cidade de São Paulo. A Partage também administra o Shopping Pátio Marabá (Pará).

O primeiro empreendimento do grupo foi o Partage Shopping São Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro. Também estão em operação atualmente o Partage Shopping Mossoró (Rio Grande do Norte); o Partage Norte Shopping Natal (Rio Grande do Norte); o Partage Shopping Campina Grande (Paraíba); o Partage Shopping Betim (Minas Gerais), o Partage Shopping Parauapebas (Pará) e o Partage Shopping Rio Grande (Rio Grande do Sul).

Economia

Gigante petroleira da França visita o RN

A gigante petroleira francesa Total, que em dezembro anunciou a criação de uma joint-venture entre a Total Eren e a Petrobras, até julho de 2019, para desenvolver conjuntamente projetos solares e eólicos no Brasil, estará no RN nos próximos dias, trazida pelo senador Jean-Paul Prates (PT), que vai levar a comitiva para uma audiência com a governadora Fátima Bezerra (PT).

A empresa que passa por um processo de transição energética tem como chefe no Brasil, Pierre Emmanuel Moussafir.

Quem sabe…poderemos ter boas notícias de investimentos no RN.

A empresa possui um total de cerca de 1 gigawatt em empreendimentos de geração renovável em construção e operação ao redor do mundo, dos quais 140 megawatts são projetos solares já concluídos ou com obras e projetos em andamento no Brasil.

Economia

Nova drogaria Globo é inaugurada na Av. Roberto Freire com serviços exclusivos

A Drogarias Globo, que desde 2010 pertence ao Grupo piauiense Jorge Batista, aposta mais uma vez no seu estado de origem e passa a contar com mais de 500 empregos diretos em 30 farmácias espalhadas pelo Rio Grande do Norte neste início de 2019.

A nova loja conceito funciona na Av. Engenheiro Roberto Freire com mix diversificado com mais de 10 mil produtos, espaço baby, espaço beleza, sala VIP, assistência farmacêutica, espaço Johnson & Johnson, atendimento 24 horas, Drive Thru e Globo saúde (com serviços como aferição de pressão arterial, verificação de glicemia, aplicação de injetáveis).  

Economia

Ministro Paulo Guedes: momento é de otimizar o crescimento e de tornar o Estado eficiente

Durante cerimônia de transferência de cargo, o novo ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu que o momento é de otimizar o crescimento do País e de tornar o Estado eficiente e fraterno. O evento aconteceu nesta quarta-feira (2) e ele aproveitou o momento para explicar parte da agenda que será aplicada pelo governo a partir de agora

Segundo o ministro, o Brasil foi corrompido pelo excesso de gastos e parou de crescer por isso. “Nós estamos reorganizando o governo com base nesse diagnóstico”, afirmou. Para ele, “a hora é de otimizar o crescimento, tornando o Estado eficiente e fraterno”.

Guedes destacou ainda que o governo vai simplificar impostos, privatizar, liberar a economia, descentralizar recursos e apoiar a área social. “O cidadão vai nos apoiar e vamos fazer o que tem de ser feito”, disse.

Gastos públicos

O ministro explicou que ao examinar os gastos públicos, ficou claro que o maior é o da Previdência, e ressaltou que a “máquina do governo virou uma engrenagem de transferências perversas de renda”.

De acordo com o novo chefe da pasta, o teto que limita os gastos públicos é uma ferramenta importante, mas precisa da sustentação de outras reformas para não cair, como a da previdência. “A parede de sustentação são as reformas”, disse.

“As expectativas do País são favoráveis, as reformas permitirão um ciclo virtuoso de emprego, renda e arrecadação. Com elas, poderemos contar com um futuro brilhante pela frente”, complementou. “Se o País for bem-sucedido nesse desafio [na reforma da previdência], o Brasil terá dez anos de crescimento sustentado pela frente”, assegurou Guedes.

Ministro afirmou que o governo vai simplificar impostos, privatizar e liberar a economia - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Ministro afirmou que o governo vai simplificar impostos, privatizar e liberar a economia – Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Economia

Atraso no salário dos servidores estaduais afeta o comércio

Bem diferente dos anos anteriores, o comércio sofre diretamente pelo atraso no salário dos servidores estaduais, já que alguns não receberam ainda o 13º salário de 2017 nem o salário de novembro de 2018.

E todos estão sem perspectivas quanto ao salário de dezembro e 13º salário de 2018.

Os Shopping’s estão sem filas para entrar e as lojas vazias.

É a crise se agravando aqui.

Economia

País tem saldo positivo de 58.664 empregos formais em novembro

O emprego formal no Brasil manteve a tendência de crescimento em novembro de 2018, registrando saldo de +58.664 postos de trabalho, equivalente à variação de +0,15% em relação ao mês anterior.

Esse resultado decorreu de 1.189.414 admissões e de 1.130.750 desligamentos.

Foi o melhor saldo do mês de novembro desde 2010.

No acumulado do ano houve crescimento de 858.415 empregos, uma variação de +2,27%.

O acréscimo, nos últimos 12 meses, é de 517.733 postos de trabalho, correspondente à variação de +1,36%.

As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira (20) pelo Ministério do Trabalho.

Economia

Emenda para o Porto-Ilha

A governadora eleita pelo Rio Grande do Norte, senadora Fátima Bezerra, articulou com o relator setorial da área de Transporte do Projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2019, senador Wilder Morais, um aporte de R$ 15 milhões para a emenda de bancada do Rio Grande do Norte, destinada para manutenção do Porto-Ilha de Areia Branca. A proposta foi aprovada pela Comissão Mista de Orçamento.

Fátima destacou que esses recursos serão importantes para a geração de empregos e para o desenvolvimento da economia do estado e do Brasil. “O terminal salineiro produz praticamente 70% do sal produzido no país e mais de 60 mil empregos diretos e indiretos”, ressaltou.

Para Airton Torres, vice-presidente do Sindicato da Indústria de Sal do RN, a liberações desses R$ 15 milhões no próximo ano será importantes para recuperação dos pontos emergenciais que ameaçam a operação do Terminal Salineiro. “É um importante passo, que, aliado a outros que precisam vir, vai garantir a sobrevivência do setor salineiro do estado e o sustento das 75 mil famílias que dependem da atividade”, disse

Transporte
Em reunião com a senadora Fátima Bezerra e seu suplente, Jean-Paul Prates, que assumirá o mandato a partir de janeiro, o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, garantiu, na quarta-feira, que tem buscado soluções para o Porto-Ilha. “Estamos buscando soluções para resolver os problemas de manutenção do terminal salineiro”, enfatizou o ministro, que agradeceu o empenho da governadora eleita em buscar recursos para o Porto-Ilha.