Opinião de Erick Pereira ao Correio Braziliense: