Preocupado com a qualidade dos gastos públicos, o vice-líder da minoria, deputado Felipe Maia, ocupou a tribuna da Câmara, nesta quinta-feira (17). De acordo com o parlamentar, o brasileiro pagou R$ 1,2 trilhão em impostos em 2010. Contudo, os serviços básicos de saúde, educação e segurança, por exemplo, não atendem à população brasileira.

“A carga tributária do Brasil chega a ser maior que de alguns países ricos. No entanto, o retorno à sociedade, por meio dos serviços públicos, como escolas, hospitais e estradas, é de baixa qualidade”, lamentou.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), a carga tributária no Brasil, em 2010, ficou em 35,13% do Produto Interno Bruto (PIB). Felipe Maia afirmou que, de acordo com os cálculos do IBPT, cada brasileiro pagou, em média, R$ 6.722,38 em tributos no ano passado, mil reais a mais que o valor pago pelo contribuinte em 2009.

“Entendo que os governos precisem arrecadar para investir. O que questiono é sobre os gastos que o governo faz com estes recursos. Pois as despesas com cartões corporativos, por exemplo, chegaram a R$ 80 milhões no ano passado e os cargos comissionados não param de crescer. Enquanto isso, as estradas, os portos e os aeroportos continuam sem estrutura para escoar a produção e os policiais militares continuam sem reajuste. O Brasil precisa de qualidade na hora de gastar”, ressaltou Felipe Maia.