O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte, Amaro Sales de Araújo, lamentou, em nota divulgada na tarde desta terça-feira (23), o adiamento do início da retomada gradual das atividades econômicas.

O governo do Rio Grande do Norte prorrogou por mais sete dias o decreto de isolamento social, adiando a retomada econômica no estado, que estava prevista para ser iniciada nesta quarta-feira (24).

Amaro Sales defende que, “gradualmente, já agora, era possível ter autorizado o funcionamento de algumas [atividades], em particular, as que geram pouco fluxo de pessoas”.

Em nota, a Fecomércio também fez críticas pela decisão de adiamento da retomada das atividades econômicas.

“Somos vítimas, como toda a sociedade potiguar, de uma postura que, por anos a fio, manteve nossa estrutura de saúde pública à beira de um colapso. E este colapso chegou com uma força descomunal – embora previsível – agora.

Um cenário que além de colocar em risco a vida de todos os norteriograndenses, tem imposto ao setor produtivo do estado a maior e mais profunda crise de sua história, com consequências nefastas e praticamente imprevisíveis a curto, médio e longo prazos”, diz trecho da nota.