João Maia, General Girão e Beto Rosado defendem investimento privado na exploração de Petróleo do RN

Na noite da última segunda-feira, 24, a Petrobrás anunciou a venda de 26 concessões de campos de produção terrestres e marítimos no Rio Grande do Norte.

Para três deputados federais do RN, a iniciativa em proporcionar investimentos privados será positivo ao Estado.

“O Rio Grande do Norte precisa de empresas que tenham como foco a produção no Estado, investindo, gerando emprego e royalties, além de tributos. Não podemos fazer questão pela Petrobras se ela não tem planos de investimentos no Rio Grande do Norte. Evidentemente que os novos compradores das concessões vão investir mais que a Petrobras e com isso o Estado vai lucrar.  Gosto da Petrobras, mas gosto muito mais do povo do Rio Grande do Norte”, declarou João Maia.

O General Girão também se posicionou: “As ações de redução da presença da Petrobrás no Rio Grande do Norte fazem parte de uma estratégia de fortalecimento da empresa e da atividade de extração e prospecção de petróleo. A presença do Estado brasileiro pode sim, e deve abrir espaço para a iniciativa privada”.

O deputado federal Beto Rosado, lembra que já em 2016, atento às movimentações do setor petrolífero, apresentou o Projeto de Lei 4663 que previa a venda dos campos maduros de petróleo que a Petrobras não tinha mais interesse de explorar aos produtores independentes. Há época, a estatal já anunciava o desinvestimento na exploração dos campos do Rio Grande do Norte, alegando falta de lucratividade. O setor, que já chegou a gerar 15 mil empregos diretos, estava apenas com a metade deles. “Nós apresentamos o Projeto baseado em experiência exitosas na Bahia, onde empresas privadas já exploravam campos de petróleo e gerava lucro para o Estado”, diz.