Em pronunciamento na sessão plenária desta quarta-feira (15), o deputado José Dias (PSD) voltou a criticar a negociação entre o Governo do Estado e o Banco do Brasil para a renovação da conta do Executivo com a instituição financeira. O parlamentar acredita que o contrato “traz prejuízo ao Estado”.

“A remuneração total desse contrato é de R$ 137.500 milhões. O contrato foi firmado para cinco anos em R$ 286 milhões, portanto, R$ 12.068 milhões abaixo do contrato firmado em 2012”, disse José Dias. O parlamentar afirma que do valor total da negociação, o Estado tem a receber apenas R$ 90,7 milhões. “Os outros R$ 46.8 milhões são para os custos do serviço”, observa.

José Dias discorda do argumento utilizado pelo Governo sobre o momento financeiro do país para justificar a renovação do contrato. “O secretário de Planejamento, Gustavo Nogueira, afirma que a possibilidade de portabilidade da conta reduz a atratividade do negócio. Mas nós sabemos que os bancos não consideram o número de contas, e sim o valor médio da conta”, justifica.

O deputado Gustavo Carvalho (PROS) defendeu o Governo do Estado e uma das justificativas apresentadas é em relação ao benefício para as contas públicas. Segundo ele, um banco paga por servidor uma taxa que, em outros estados, gira em torno de R$ 2.100. No Rio Grande do Norte, o Banco do Brasil taxou esse valor em R$ 2.750 por servidor.