Caso o eleito na eleição suplementar de Ceará-Mirim fosse o prefeito interino Ronaldo Venâncio (PV), a cidade viveria dias de incertezas.

Mesmo derrotado, o TSE nem considera os votos que o candidato recebeu.

No aplicativo, consta como segundo lugar Dr. Marcílio e não foram sequer computados os votos de Ronaldo.