Olhares atentos

É fato. A pandemia do novo coronavírus tem movimentado os cofres públicos de todos os estados, já que além de utilizarem um percentual maior de seus recursos em saúde, ainda recebem constantemente recursos extras do Governo Federal para suprir os gastos.

Mas será que todo esse movimento de recursos públicos tem sido investidos por Estados e Municípios – de fato – para a garantia de uma melhor saúde pública?

O cenário tem chamado a atenção de quadrilhas, inclusive com participação de políticos, que desviam milhões de Reais para viver uma vida de luxo e ostentação, enquanto muitos morrem por falta de atendimento médico.

As OS, entidades privadas, que recebem verbas públicas, para prestar esse tipo de serviço, como por exemplo, o de gerenciar hospitais e UPAS, têm em seus estatutos brechas que facilitam esse tipo de ação, com casos amplamente divulgados de contratos e emissão de notas suspeitas, contratos obscuros, entre outros.

No Rio Grande do Norte, algumas OS tem realizado alguns contratos.

É necessário, fazer um alerta ao Ministério Público do Rio Grande do Norte para que ele fiscalize de perto a ação das OS na saúde pública.