Os policiais civis decidiram manter a paralisação dos serviços e não cumprir a decisão judicial do desembargador Cláudio Santos de retornar ao trabalho, sob risco de prisão.

A categoria ainda aprovou uma mobilização para esta quarta-feira (03), em frente à Delegacia Geral de Polícia Civil.

“Não temos o que comer, não temos equilíbrio psicológico para trabalhar, então amanhã todo mundo estará na Degepol esperando levar voz de prisão. Se o nosso salário estivesse em dia, nós não estaríamos nem aqui reunidos”, afirmou Nilton Arruda, presidente do Sinpol.