Caso os estados e municípios fiquem mesmo de fora da Reforma da Previdência (PEC 6/19), cuja apresentação está prevista para amanhã (13), o Rio Grande do Norte terá um grande abacaxi.

Aqui, a Previdência também é um problema.

Precisa de uma reforma urgente.

E – como deverá ocorrer – será um problema maior para os deputados estaduais.

Em Brasília, o clima é que os deputados federais e senadores não querem assumir sozinhos o ônus da Reforma.

Ou seja…ideal é dividir a responsabilidade com os governadores, prefeitos e deputados estaduais.

E assim, evitar o efeito ‘Rogério Marinho’, como diz a coluna do Estadão de hoje. Que perdeu a disputa em 2018, após ter sido o relator da Reforma Trabalhista.