Salão Imobiliário da Caio Fernandes prossegue em Dezembro e será visitado nesta quinta-feira pelo Secretário Nacional de Habitação que vai conversar com empresários do setor

Diante dos bons resultados obtidos pelas empresas participantes, o Salão Imobiliário da Caio Fernandes continuará acontecendo no mês de dezembro no Natal Shopping, onde ao longo do mês de novembro foi realizado cerca de R$ 10 milhões em VGV (Valor Geral de Vendas). O evento, que reúne um pool de construtoras e empreendimentos, será visitado pelo Secretário Nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos, nesta quinta-feira, dia 02, quando este irá conversar com os empresários do setor sobre projetos e iniciativas de interesse do mercado imobiliário.

De acordo com o empresário Caio Fernandes, idealizador do Salão Imobiliário, a vinda de secretário do governo federal acontece em parceria com a Secretaria de Habitação de Natal. “Acho que essa conversa com os representante do segmento imobiliário potiguar será de grande proveito, em um momento em que se desenha a retomada da economia do setor imobiliário, alavancada por iniciativas como o próprio Salão que acontece no Natal Shopping”, afirma.

O Salão Imobiliário da Caio Fernandes reúne construtoras tradicionais como a Moura Dubeaux, Constel, Ramalho Moreira, Ecomax, Empreendimento Laura Confort, Esquadros, Cima, RRA, IBR e Monte Neto.

A realização do Salão Imobiliário veio contribuir para “animar” o mercado, como destaca o empresário Francisco Ramos, diretor executivo da construtora Constel, que tem mais de 30 anos de atuação no setor. “Chiquinho”, como é mais conhecido, espera colher os bons frutos “plantados” no evento, inclusive para o planejamento da empresa para 2022.

“Um Salão Imobiliário proporciona um desses momentos que aproxima quem produz e quem compra, aperfeiçoando o diálogo, explica.

Caio Fernandes tem, por sua vez, a convicção de que o salão imobiliário vem beneficiando o consumidor final, já que muitos dos imóveis em exposição são comercializados com valores de metro quadrado praticados antes do advento da pandemia.