Salários pagos pelo Consórcio Nordeste chegam a R$ 19 mil

Lançado em 29 de julho de 2019, o Consórcio Nordeste contou com a adesão dos Estados do Nordeste, tendo como presidente, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e como membros os governadores Paulo Câmara (PSB-PE), Flávio Dino (PCdoB-MA), Fátima Bezerra (PT-RN), Rui Costa (PT-BA), Wellington Dias (PT-PI), Renan Filho (MDB-AL), Belivaldo Chagas (PSD-SE) e Camilo Santana (PT-CE).

Consórcio Nordeste - Foto: Fernando Vivas - Governo da Bahia
Consórcio Nordeste – Foto: Fernando Vivas – Governo da Bahia

O objetivo principal do Consórcio Nordeste é fazer compras em conjunto para os nove Estados da região, como ocorreu com os respiradores, que terminou sem chegar e causando um prejuízo de R$ 48,7 milhões aos cofres públicos dos entes federados. Só ao Estado do Rio Grande do Norte foram R$ 4,9 milhões de prejuízos.

E a cada dia essa compra conjunta de respiradores rende novos capítulos, como vem publicando a Tribuna do Norte com a colaboração do jornalista Dinarte Assunção.

Mas o fato novo do caso é que o Consórcio Nordeste paga altos salários a seis empregados, segundo postagem feita pelo deputado estadual da Paraíba, Walber Virgolino, ex-secretário de Justiça do RN:

IMG_4121

Quem são esses empregados? Ninguém conseguiu essas informações, nem mesmo o deputado Virgolino, com quem o blog entrou em contato para buscar detalhes. 

Em publicação no Diário Oficial do RN, de 17 de julho de 2019, a governadora do RN, Fátima Bezerra (PT) ratificou o Protocolo de Intenções para a constituição do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), na forma do Anexo Único da Lei Nº 10.557. Veja aqui a publicação do Diário Oficial.

Na referida publicação, consta que o Corpo Funcional do Comitê seria formado por 01 Secretário Executivo e 09 Analistas Técnicos, mas sem mencionar os valores.

Consórcio Nordeste

Do Blog: Em nome da Transparência, o Consórcio Nordeste deveria ter um site, com todas as informações de interesse da sociedade, com o quadro de funcionários, salários pagos, contratos, compras e etc. Os órgãos fiscalizadores certamente vão cobrar isso, após esse caso da compra dos respiradores.