O Senado aprovou, nesta quarta-feira, a ampliação da renda mínima emergencial (PL 873/2020) para o enfrentamento da crise do coronavírus. Entre os avanços, a garantia de um teto de até R$ 1.200, para famílias monoparentais – onde um homem ou uma mulher sejam os únicos responsáveis pelo sustento da família.

Os senadores também ampliaram o universo de pessoas beneficiadas, com base no projeto, já aprovado pelo Congresso, estabelecendo o pagamento de um auxílio emergencial no valor de R$ 600, por três meses, a pessoas de baixa renda.

Ampliação do prazo

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) apresentou uma emenda ao projeto para garantir que o auxílio emergencial fosse pago durante toda a vigência do estado de calamidade pública reconhecido pelo Congresso em função da pandemia de coronavírus.

A emenda de Jean Paul, porém, não foi incorporada pelo relator do projeto apreciado na tarde desta quarta-feira, o senador Esperidião Amim (PP-SC).