Styvenson: “Não tenho esse desejo pessoal. Só serei candidato a governador se tiver o mesmo clamor de 2018 quando ganhei a eleição de senador”

O senador Styvenson Valentim (Podemos) teve uma agenda intensa em Brasília essa semana, onde presidiu os trabalhos da Comissão Temporária da Covid-19. Retornou nesta quinta-feira (30) ao Estado. Coincidentemente, estávamos na mesma fila do avião.

Questionado se será candidato a governador, o senador me respondeu: “Não tenho esse desejo pessoal. Só serei candidato a governador se tiver o mesmo clamor de 2018 quando ganhei a eleição de senador”.

E foi mais além: “Acho muito difícil se repetir o que aconteceu comigo em 2018”.

Styvenson conversou sobre o dia a dia no Senado: “Recuso almoços e jantares para tratar assuntos de bastidores. Comigo é tudo às claras. E meus próprios colegas já sabem e respeitam a minha linha de atuação parlamentar, até porque dizem lá que sou uma pessoa de temperamento difícil”.

Por fim, defendeu a Operação Lava Jato e me recomendou o livro Why Not de Raquel Landim, que vinha lendo durante a viagem. Foi publicado em 17 de maio de 2019 e conta como os irmãos Joesley e Wesley, da JBS, transformaram um açougue em Goiás, na maior empresa de carnes do mundo, com passagem pelo mundo da política.