Diversos

Autorizado novo ensaio clínico de vacina para Covid-19

A Anvisa aprovou nesta sexta-feira (16/04), um novo ensaio clínico de vacina contra Covid-19. A vacina candidata (SCB-2019) é uma proteína recombinante de fusão de trímero da espícula (S) do SARS-CoV-2 co-administrada com um adjuvante CpG 1018/Alum, em duas doses com intervalo de 22 dias entre as doses.
O desenvolvimento clínico está sendo patrocinado pela empresa Sichuan Clover Biopharmaceuticals, Inc, sediada na China.

O ensaio clínico aprovado é de fase 2/3 (CLO-SCB-2019-003), duplo-cego, randomizado, controlado por placebo, para avaliar a eficácia, imunogenicidade e segurança da vacina recombinante da subunidade da proteína S trimérica do SARS-CoV-2 (SCB-2019) com o adjuvante CpG 1018/Alum para prevenção da COVID-19 mediada pelo SARS-CoV-2 em participantes a partir de 18 anos de idade ou mais.

Planeja-se incluir até 22 mil voluntários distribuídos entre países da América Latina, além da África do Sul, Bélgica, China, Espanha, Polônia e Reino Unido.

No Brasil, planeja-se incluir 12.100 voluntários, distribuídos entre Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Natal

Por falta de vacinas, segunda dose de Coronavac é suspensa em Natal

A Secretaria de Saúde de Natal suspendeu na manhã desta segunda-feira (19) a vacinação da segunda dose da Coronavac/Butantã. As últimas doses disponíveis para esta etapa da campanha se esgotaram já no início do atendimento.

Na sexta-feira (16), a SMS-Natal recebeu 10.560 doses da vacina Coronavac para ser utilizada como D2 e aplicou mais de 9.000 delas durante o fim de semana. Deste modo, iniciou esta segunda-feira com 920 doses do imunizante, e todas já foram utilizadas.

Assim que o governo federal encaminhar mais doses da coronavac para a capital, a SMS-Natal retomará a vacinação para esse público.

A vacinação de primeira dose para idosos a partir de 63 anos ou segunda dose está disponível e segue sendo feita normalmente, com imunizante da Oxford/Fiocruz.

Natal

Saúde de Natal prioriza segunda dose de Coronavac para quem está entre 21º e 28º dias

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal prioriza nesta segunda-feira (19) a vacinação da segunda dose da Coronavac das pessoas que estão entre o vigésimo primeiro ao vigésimo oitavo dias após a primeira dose.

Na sexta-feira (16), a Secretaria de Saúde de Natal, SMS-Natal, recebeu 10.560 doses da vacina Coronavac para ser utilizada na segunda dose. Para hoje estão disponíveis 920 doses desse imunizante, após a vacinação, durante o fim de semana, de mais de 9 mil pessoas nos drives thru.

Assim que mais doses da Coronavac chegarem à capital, a SMS-Natal retomará a vacinação para esse público.

A vacinação de primeira dose para idosos a partir de 63 anos ou segunda dose com imunizante da Oxford estão disponíveis.

Natal

Centros Covid Cemure e Nélio Dias funcionam neste fim de semana

A Prefeitura de Natal mantém abertos neste fim de semana (17 e 18) dois Centros de Atendimento para Enfrentamento da Covid-19 que funcionam no Cemure e no Ginásio Nélio Dias. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vai atender à população das 08h às 16h.

O atendimento nesses locais é para pessoas com sintomas leves de quadro que sugira a infecção pelo novo coronavírus como febre, tosse, dor de cabeça ou perda de olfato e paladar. Nos Centros é feita a triagem com a enfermagem, consulta médica e, caso o médico prescreva medicamentos, pode haver dispensação dos remédios, além da testagem swab.

Desde o início de março a SMS/Natal vem adotando a estratégia de ampliar os dias de atendimento à população, funcionando aos finais de semana, e tem registrado uma média de 150 usuários por dia aos fins de semana em cada unidade.

Confira os locais de atendimento neste fim de semana:

Zona Oeste – Centro de Referência em Educação Aluízio Alves (Cemure)
Av. Coronel Estevam, 3897 – Nossa Sra. de Nazaré.

Zona Norte – Ginásio Nélio Dias
Av. Guararapes, s/n – Lagoa Azul.

Geral

Gestantes, puérperas e lactantes: Saúde orienta vacinação contra a Covid-19 para mulheres de grupos prioritários

Gestantes, puérperas e lactantes podem se vacinar contra a Covid-19 no Brasil, desde que pertençam a um dos grupos prioritários, especialmente se tiverem alguma comorbidade. Essa é a orientação do Ministério da Saúde, que tem como base estudos nacionais e internacionais que avaliaram os riscos e os benefícios de imunizar mulheres nessas condições.

No caso de gestantes sem doenças pré-existentes, mas que façam parte do público-alvo da campanha, a recomendação é que seja realizada uma avaliação cautelosa junto ao seu médico, principalmente se a mulher exercer alguma atividade que a deixe mais exposta à doença. A gestante também deve ser informada sobre os dados de eficácia e segurança conhecidos dos imunizantes. Quem se enquadrar nesses critérios, deve ser vacinado contra a covid-19 conforme a ordem de imunização dos grupos prioritários, estabelecida pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

Mas atenção: o Ministério da Saúde orienta que as gestantes, lactantes e puérperas procurem os serviços de saúde somente quando chegar a fase de vacinação do grupo prioritário no qual elas estão inseridas.

As gestantes, puérperas e lactantes, pertencentes aos grupos prioritários, que não concordarem em serem vacinadas, devem ser apoiadas em sua decisão e orientadas a manter medidas de proteção como higiene das mãos, uso de máscaras e distanciamento social. Além disso, lactantes que forem vacinadas contra a covid-19 não precisam interromper o aleitamento materno por conta do imunizante, uma vez que não há evidências de riscos para a saúde do bebê, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). A doação de leite materno também é permitida.

Política

Projeto de Lei quer normatizar criação e composição do comitê científico estadual durante a pandemia

Após propor que as reuniões do Comitê Científico Estadual sejam obrigatoriamente transmitidas por TV ou Internet, a deputada estadual Cristiane Dantas (Solidariedade) agora quer regulamentar a criação e composição do grupo que aponta diretrizes e embasa os decretos governamentais durante a pandemia da Covid-19, no Rio Grande do Norte.

Nesta quinta-feira (15), a deputada ingressou com o Projeto de Lei, na Assembleia Legislativa, que indica que o comitê científico estadual deve ser um colegiado autônomo e temporário, de caráter consultivo, deliberativo e fiscalizador, vinculado à Secretaria Estadual de Saúde.

Além de indicar atribuições específicas, o projeto de lei também sugere a composição do colegiado com 14 membros, com representação dos poderes federal, estadual e municipais, além da sociedade civil.

Ainda segundo o PL, a distribuição se dará da seguinte forma: 2 representantes do Governo do Estado, sendo um profissional de saúde atuante no enfrentamento à pandemia; 2 representantes da Femurn; 2 representantes da UFRN, sendo um do LAIS; 1 representante da Secretaria Municipal de Saúde de Natal; 1 representante do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde; 1 representante do Conselho Regional de Medicina; 1 representante do Sindicato dos Médicos; 1 representante dos hospitais Públicos; 1 representante dos hospitais privados; 1 representante da Sociedade Brasileira de Infectologia; 1 representante da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa.

Estado

MP recomenda que Rio de Janeiro adiante vacinação de pessoas com Síndrome de Down

O Ministério Público do Rio de Janeiro recomendou que a cidade adiante a vacinação contra Covid-19 para pessoas portadoras de Síndrome de Down. A recomendação foi expedida no dia 01 de abril em conjunto com a Defensoria Pública do Estado, a Comissão de Defesa da Pessoa com Deficiência da OAB/RJ e a Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

No RN, o Ministério Público moveu uma ação civil pública em conjunto com a Defensoria Pública, em que foi determinado pela Justiça que o Governo do Estado e o Município de Natal devem se abster de incluir ou modificar a ordem dos grupos prioritários de vacinação contra Covid-19 sem prévia autorização do Ministério da Saúde (MS). Isso logo após o Município de Natal vacinar pessoas com Síndrome de Down e Autismo.

Vá entender.

Diversos

Repórter morre de Covid-19 em UTI de Pau dos Ferros

Faleceu na manhã desta quinta-feira (15), na UTI do Hospital de Pau dos Ferros, apresentador e repórter do programa Ronda Policial, na TCM e da Rádio 95 FM, Francileno Góis.

Natural de Caraúbas, Francileno Góis estava desde o dia 08.

Apaixonado pela comunicação, Francileno fazia parte do grupo de colaboradores da TCM desde maio de 2009, quando passou a atuar como repórter do Ronda Policial. Além de repórter, atualmente apresentava o programa Ronda Policial 1ª edição. Humildade, paixão pela comunicação, profissionalismo e carisma são marcas deixadas por Francileno Góis.

“Perdemos um profissional dedicado e um ser humano iluminado. Sentiremos falta do seu bom humor e seu comprometimento com a verdade e a comunicação e também do seu carinho com todos. À família, amigos e colegas de trabalho, a nossa solidariedade e os nossos sentimentos. Que Deus conforte os corações de todos. Em virtude da perda, a programação jornalística do Canal TCM 10HD foi suspensa, tendo um momento especial de homenagens ao comunicador com retransmissão do Meio-Dia Mossoró da Rádio 95 FM. A programação será retomada às 18h, com o Jornal TCM”, disse o Grupo TCM em nota.

Economia

Consumo em supermercados e açougues aumenta 22% em Natal durante a pandemia

A pandemia de Covid-19 chegou trazendo mudanças aos hábitos de consumo dos brasileiros.

Dados da Sodexo Benefícios e Incentivos mostram que, entre março e junho de 2020, início da pandemia, os consumidores de Natal (RN) passaram a ir menos vezes aos supermercados, atacadistas e açougues, porém aumentaram em 22,03% o valor médio gasto no uso do cartão alimentação nesses estabelecimentos.

Com a chegada do período de flexibilização, entre julho e dezembro de 2020, verificou-se ainda uma alta de 1,59% nesse gasto.

Apesar de haver o registro de queda de 4,14% no ticket médio, em março deste ano, período da segunda onda da doença a qual impôs restrições mais rígidas, o valor dispendido ainda se mantém elevado quando comparado ao padrão de consumo antes da pandemia.

De olho em toda essa movimentação, o estudo da Sodexo mostra ainda que, em termos comparativos entre o momento atual e o anterior à pandemia, os consumidores reduziram em 21,17% a frequência de ida às compras.

Geral

Ministério da Saúde envia ao RN mais 89.400 doses da vacina contra Covid-19

O Ministério da Saúde envia amanhã (15) ao Rio Grande do Norte um novo lote com mais 89.400 doses da vacina contra Covid-19.

Ao todo, serão 36.400 imunizantes da CoronaVac e 53 mil de Oxford/AstraZeneca.

Deste lote, são 54.752 vacinas para primeira dose e 26.470 para segunda dose, entre doses de CoronaVac e AstraZeneca.

O Rio Grande do Norte já recebeu 604.040 doses de CoronaVac e 150.650 da Oxford/Asrazeneca desde o início da vacinação.

Geral

AstraZeneca/Oxford: Saúde reitera que a vacina é segura e reforça a importância da imunização

O Ministério da Saúde monitora constantemente a segurança e a efetividade de todas as vacinas incorporadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Com as vacinas covid-19, não é diferente.

Até o momento, não foi identificada uma relação de causalidade entre o imunizante da AstraZeneca/Oxford com eventos raros de trombose (formação de coágulos sanguíneos) associados à plaquetopenia, em pessoas que receberam as doses do imunizante.

Dessa maneira, a pasta reitera a importância da vacinação, considerando que os benefícios da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Oxford superam, em muito, os potenciais riscos. No Brasil, as doses do laboratório são produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – o País também já recebeu vacinas do mesmo imunizante produzidas em fábricas na Índia e na Coreia do Sul.

Geral

Vacina da Johnson é suspensa nos Estados Unidos após casos de trombose

Do Poder 360

O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) e a FDA (Food and Drug Administration, autoridade sanitária dos EUA) decidiram suspender a aplicação da vacina da Janssen (braço farmacêutico da Johnson & Johnson) nos Estados Unidos. O motivo é uma reação adversa rara em que a pessoa desenvolve coágulos de sangue. As agências afirmaram nesta 3ª feira (13.abr.2021) que foram registrados 6 casos no país.

Em comunicado conjunto, o CDC e a FDA informaram que todos os casos ocorreram em mulheres com idades de 18 a 48 anos. Os sintomas começaram a aparecer de 6 a 13 dias depois da vacinação. As agências afirmam ainda que aparentemente essa é uma reação “extremamente rara“. Mas pediram que as pessoas que tenham tomado a vacina e não estão se sentindo bem procurem um médico.

O CDC vai realizar uma investigação e revisão dos casos e segurança da vacina na 4ª feira (14.abr). A FDA também vai revisar os dados relacionados à vacina da Janssen. “A segurança de vacinas contra a covid-19 é uma das principais prioridades do governo federal, e levamos muito a sério todas as notificações de problemas de saúde após a vacinação“, afirmaram as agências.

A vacina da Janssen é administrada em dose única. Ela foi autorizada para uso emergencial nos Estados Unidos no fim de fevereiro, tanto pelo CDC quanto pela FDA.

O imunizante foi testado em mais de 44.000 voluntários nos EUA, na África do Sul e em países da América Latina. Tem eficácia média de 66% contra o coronavírus. Nos EUA, é considerado 86% eficaz contra formas graves da covid-19.

Geral

Leite materno produzido por mães vacinadas tem anticorpos contra a Covid-19, diz estudo

Do G1

Dois anticorpos específicos contra o novo coronavírus (IgA e o IgG) foram identificados no leite materno produzido por mulheres que receberam a vacina, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira (12) na revista científica americana “The Journal of the American Medical Association (JAMA)”.

Os pesquisadores avaliam que o leite materno pode ser uma fonte de anticorpos contra a Covid-19 para os recém-nascidos, embora essa conclusão dependa de novos estudos específicos.

“Os anticorpos encontrados no leite materno dessas mulheres mostraram fortes efeitos neutralizantes, sugerindo um potencial efeito protetor contra infecção em bebês”, afirmam os cientistas no artigo sobre a pesquisa.

Para chegar aos resultados que confirmaram a presença dos anticorpos no leite, os pesquisadores acompanharam um grupo de 84 mulheres em Israel entre 23 de dezembro de 2020 e 15 de janeiro deste ano.

Todas as participantes receberam as duas doses do imunizantes fabricado pela Pfizer-Biontech respeitando o intervalo de 21 dias entre as doses.

As amostras de leite materno foram colhidas antes e depois da administração da vacina. Após a aplicação do imunizante, os pesquisadores coletaram o leite materno semanalmente durante um período de seis semanas a partir do 14º dia após a primeira dose da vacina. Ao todo, foram colhidas 504 amostras de leite materno.

Dentre as amostras colhidas na primeira semana, 61,8% apresentaram anticorpos IgA contra a Covid. Após a segunda dose da vacina, esse percentual sobe para 86,1%.

Já no caso do anticorpo IgG, os níveis das células de defesa contra a doença permaneceram baixos durante as três primeiras semanas e foram aumentando a partir da quarta semana, após a segunda dose do imunizante. Entre as semanas 5 e 6, 97% das amostras de leite materno testadas apresentaram o anticorpo.
Esse aumento acontece porque a segunda dose da vacina é responsável por estimular o corpo a produzir um número maior de anticorpos, enquanto que a primeira dose ensina o corpo a reagir à doença.

A pesquisa investigou dois anticorpos: O IgA e o IgM. Os anticorpos são proteínas do sistema imune e são uma das frentes de defesa do corpo contra doenças.

Existem diferenças entre os anticorpos: o IgA, no geral, protege contra infecções de membranas mucosas presentes na boca, vias aéreas e aparelho digestivo. Já o IgG é o principal anticorpo presente no sangue e age dentro dos tecidos para combater infecções.

Eficácia nos bebês
Os pesquisadores, liderados por Sivan Haia Perl, do Shami Medical Center, apontam que o estudo tem limitações e não permite concluir que bebês estão protegidos contra a Covid por terem recebido anticorpos no leite materno. Eles aponta que não realizaram “nenhum ensaio funcional” para testar a possibilidade, embora estudos anteriores já tenham mostrado capacidade de neutralização dos mesmos anticorpos.

Natal

Vacinação para a segunda dose da Coronavac é suspensa em Natal por falta de doses

NOTA À POPULAÇÃO

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal informa que todo quantitativo enviado para a segunda dose da vacina Coronavac já foi utilizado, com isso, a vacinação para a segunda dose da Coronavac fica suspensa em Natal.

Quando o estoque for restabelecido, a SMS Natal informará a população.

A vacinação contra COVID-19 continua para aplicação da primeira dose para os idosos de 63 anos+ e para a segunda dose com imunizante da Oxford.

Geral

Covid-19: vacinados devem observar intervalo entre imunizantes

Com a vacinação de pessoas contra a covid-19 avançando, é importante ficar atento ao intervalo entre essa aplicação e a de outros imunizantes. Médicos recomendam um prazo entre essas duas vacinas para não prejudicar os efeitos delas.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, o intervalo sugerido pelos profissionais é de 14 dias. A orientação médica vale para qualquer vacina do calendário ou para influenza no caso dos grupos que serão imunizados contra a covid-19.

Essa preocupação não inclui, por exemplo, crianças que ainda não tiveram testes comprovando a eficácia das atuais vacinas contra a covid-19.

Hemerson Luz explica que o intervalo de duas semanas é recomendado para que a vacina consiga gerar resultados, com a produção de anticorpos correspondentes aos efeitos de cada imunizante.

O período de 14 dias deve ser observado independentemente de qual vacina foi tomada primeiro. Então, se alguém receber imunizante contra a covid-19, deve aguardar pelo menos duas semanas antes de tomar qualquer outra vacina e vice-versa.

O infectologista comenta que os calendários foram pensados para evitar que uma pessoa tenha tomado a vacina contra a Iifluenza e, logo depois, chegue a sua vez na lista de grupos prioritários da campanha contra a covid-19.

“O planejamento vai ser feito da seguinte forma: a vacinação contra a influenza vai começar por crianças e gestantes, que não estão incluídas na vacina da covid-19. Isso vai dar tempo de resposta para começar a campanha, enquanto os mais idosos estão sendo vacinados contra a covid-19”, afirma Hemerson Luz.

Se houver, no entanto coincidência dos períodos de vacinação fica mantida a orientação de esperar os 14 dias para não prejudicar nenhuma das duas.

Natal

Drive do Palácio dos Esporte não abre nesta segunda (12)

A Secretaria de Saúde de Natal informa que nesta segunda-feira (12) o drive-thru do Palácio dos Esportes estará desativado para manutenção.

No dia seguinte, terça-feira (13) esse posto de aplicação funcionará exclusivamente voltado para a vacina contra a Influenza, cujo público prioritário são crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes e mães com até 45 dias de pós parto e trabalhadores da saúde.

Para influenza os profissionais e trabalhadores de saúde devem apresentar escala de trabalho, contra cheque ou carteira de trabalho, comprovante de residência de Natal e documento com foto.

Os demais públicos devem apresentar a seguinte a documentação: cartão de vacinação, comprovante de residência com foto e comprovante de residência de Natal.

Natal

Natal inicia vacinação para os idosos de 63 anos neste sábado (10)

Chegou a vez dos idosos de 63 anos se vacinarem contra Covid-19. O início da vacinação para essa faixa etária começa neste sábado nos sete drives montados pela Prefeitura do Natal (Palácio dos Esportes, Arena das Dunas, UNP, Ginásio Nélio Dias, OAB, Shopping Via Direta e SESI), os cinco últimos contam também com pontos de pedestres.

No sábado os drives de vacinação contra COVID-19 funcionarão das 8h às 16h, e no domingo, com exceção do SESI, os demais pontos continuam operando no mesmo horário. Durante a semana a população se preferir pode procurar também uma das 35 Unidades Básicas de Saúde que estão realizando a vacinação.

Documentação: Cartão de vacinação, documento com foto e comprovante de residência de Natal.