Política

Dilma diz a governadores do Nordeste que CPMF é a única saída para equilibrar contas

A presidenta Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira (19), em reunião com governadores do Nordeste, inclusive Ezequiel Ferreira de Souza, que está exercício do cargo de governador do Rio Grande do Norte, que a CPMF, o famoso imposto do cheque é a única aposta do Governo Federal para reequilibrar as contas públicas no ano que vem.

Dilma decidiu intensificar a articulação pela recriação da CPMF, com alíquota de 0,38%, sendo 0,20% para a união; 0,9% para os Estados e 0,9% para os municípios.

A presidenta pediu aos governadores ajuda na articulação junto ao Congresso Nacional para aprovar a medida.

No caso do Rio Grande do Norte, o pleito da presidenta não surte muito efeito, já que o deputado federal Fábio Faria (PSD), filho do governador, já externou que é contrário a medida. Ou seja, não vai atender o pedido da Chefe do Executivo brasileiro.

Se o filho do governador é contra, os demais membros da bancada federal têm motivos de sobra para também ser.

Foto: Divulgação

z

 

 

Política

Presidentes da Câmara e Senado recebem manifesto pela recriação da CPMF assinado por Robinson e mais 24 Governadores

Os Presidentes da Câmara e Senado, respectivamente, Eduardo Cunha e Renan Calheiros, estão em mãos com um manifesto assinado por 25 Governadores de Estados brasileiros, entre eles, Robinson Faria (PSD-RN), propondo a recriação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras), o famoso imposto do cheque, com uma alíquota de 0,38%, onde 0,20% ficaria com a União, 0,9% com os Estados e 0,9% com os Municípios.

Apenas os Governadores Geraldo Alckmin (São Paulo) e Raimundo Colombo (Santa Catarina)

O que é a CPMF?
A Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) foi um imposto que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde.

Quem pagará esse imposto?
Todas as pessoas ou empresas que transferirem qualquer valor por meio dos bancos e instituições financeiras. Isso vale tanto para quem saca o dinheiro do caixa eletrônico quanto para quem paga uma conta de telefone via boleto bancário ou a fatura do cartão de crédito. A CPMF chegou a ser chamada de “imposto do cheque”, porque também incide sobre essa forma de pagamento – que era muito mais usada naquela época.

Política

Robinson perde ponto com Dilma pela decisão de Fábio Faria votar contra a recriação da CPMF

A presidenta Dilma Rousseff se reuniu na semana passada com governadores para pedir apoio a volta da CPMF, o famoso imposto do cheque.

Naquele momento, segundo a imprensa nacional, todos os governadores, inclusive Robinson Faria, concordaram com a presidenta no que se refere a volta do imposto, já que os Estados também serão beneficiados. Dos 0,38% da alíquota, 0,18% ficarão com os Estados.

Bom…

Fato é que Robinson não convenceu o filho, deputado federal Fábio Faria, a votar de acordo como pediu a Presidenta da República.

Nesta segunda-feira (21), Fábio externou sua posição contrária a volta da CPMF: “A criação de impostos como a CPMF não é a saída para a crise, e da forma como a proposta foi encaminhada para o Congresso, não há clima para aprová-la. Praticamente toda a bancada do nosso partido é contrária ao texto que foi apresentado. Eu sou totalmente contra esse projeto que hoje tramita na Câmara. O governo precisa encontrar outra saída para a crise que o país enfrenta. Não é a população quem vai pagar por isso”.

Robinson perde ponto com Dilma.

E o fato só contribui para piorar a relação que já está péssima entre o PSD e PT.

Foto: Roberto Stuckert/Arquivo

z

Fábio, Dilma e Robinson em tempos passados

Economia

Agripino, Felipe Maia, Rogério Marinho e Rafael Motta já se manifestaram contra a recriação da CPMF

Da bancada federal do Rio Grande do Norte, apenas o senador José Agripino Maia (DEM) e os deputados federais Felipe Maia (DEM), Rafael Motta (PROS) e Rogério Marinho (PSDB), já se manifestaram contrários a recriação da CPMF, o famoso imposto do cheque.

A senadora Fátima Bezerra (PT) deverá votar favorável, por ser da base do Governo, já que a proposta é defendida pela Presidenta Dilma Rousseff.

O deputado federal Fábio Faria (PSD), também vai votar de acordo com o Governo, atendendo a um apelo do pai-governador Robinson Faria (PSD), apoiador da volta da CPMF, inclusive, com alíquota de 0,38%, para o Estado ficar com 0,18% e o restante com a União.

Os demais parlamentares ainda não se pronunciaram.

 

Economia

CPMF: Governo Federal abandona a ideia de recriar o imposto

Da Folha de São Paulo

A presidente Dilma Rousseff desistiu neste sábado (29) de propor a criação de um imposto sobre transações financeiras nos moldes da antiga CPMF, três dias depois de o governo apresentar a ideia como essencial para cobrir um rombo de R$ 80 bilhões no orçamento do próximo ano.

Assessores presidenciais disseram à Folha que a proposta era considerada boa, mas o governo não soube negociá-la com antecedência para garantir sua aprovação pelo Congresso ainda neste ano.

Foi determinante para o recuo da presidente a reunião que ela teve na noite de sexta-feira (28) com governadores do Nordeste. No encontro, ela sentiu que o clima era muito adverso para recriar o imposto do cheque e poderia agravar a atual crise política.

Política

CPMF: Governador Robinson Faria defende a recriação do imposto sobre transações financeiras

O Governador Robinson Faria (PSD) se posicionou favorável a recriação do imposto sobre transações financeiras, chamado de CPMF, que foi extinto em 2007.

A posição de Robinson foi externada nesta sexta-feira (29), quando o Governador participava de um evento ao lado da Presidenta Dilma Rousseff (PT).

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, Robinson defende a proposta apresentada pelo deputado federal Júlio Cesar (PSD-PI), que divide a arrecadação entre União, Estados e municípios e isenta parte das movimentações financeiras. “A criação de uma contribuição social, que nesse contexto recomponha ao Estado algum protagonismo como possuía anterior à crise externa, é benéfica para o reerguimento da atividade econômica”, afirmou o governador potiguar.

Já declararam apoio à proposta Camilo Santana (PT-CE), Rui Costa (PT-BA), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Robinson Faria (PSD-RN) e Flávio Dino (PC do B-MA) –este último, com ressalvas.