Mundo

Trump suspende viagens da Europa aos EUA para conter novo coronavírus

O presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira (11) que o país vai suspender as viagens de países da Europa aos Estados Unidos por um período de 30 dias, a partir desta sexta-feira. As medidas foram tomadas para tentar conter o novo coronavírus, no mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou pandemia de Covid-19.

Após o discurso de Trump, o Departamento de Segurança Nacional publicou nota que explica que a medida vale para estrangeiros que estiveram nos 26 países da Zona Schengen nos 14 dias anteriores à tentativa de retorno aos EUA. Assim, o Reino Unido, que tem 460 casos, não entra na medida.

*Informações do G1

Mundo

Bolsonaro e Trump se encontram neste sábado (07)

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, terá um encontro neste sábado (07) com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O objetivo é aprofundar a cooperação entre Brasil e EUA nas áreas comercial, econômica e de defesa.

Mundo

Trump elogia Bolsonaro

Segundo ‘O Globo’, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump elogiou o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em coletiva à imprensa.

Minimizou a confirmação de um caso de coronavírus no Brasil.

E sobre Bolsonaro, disse: “Nós lidamos muito bem com o Brasil, o presidente (Jair Bolsonaro) é um grande amigo. Na verdade, ele concorreu com o mote ‘Make Brazil Great Again’ (Tornar o Brasil grande de novo, em português, uma alusão ao slogan do republicano na campanha de 2016 em relação aos EUA), nós temos uma ótima relação. Nós estamos trabalhando com o Brasil”.

Política

Bolsonaro e Trump discutem parcerias entre Brasil e Estados Unidos

Da Agência Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o Brasil será designado principal aliado dos Estados Unidos fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Ainda deixou aberta a possibilidade de o Brasil integrar a Otan, que é uma organização militar formada por países da Europa e da América do Norte, com origem na oposição ao socialismo liderado, na época, pela União Soviética, hoje extinta.

“Como disse ao presidente [Jair] Bolsonaro, vou designar o Brasil como principal aliado que não é da Otan, e até possivelmente um aliado da Otan. Falei com muitas pessoas a respeito disso. Nossas nações trabalham juntas para proteger os nossos povos do terrorismo, do crime transnacional, das drogas, do tráfico de armas e de pessoas, que está agora na vanguarda do crime”, disse.

Trump e Bolsonaro se reuniram na Casa Branca. Para Trump, a reunião entre ele e o presidente brasileiro foi “excelente”.

Barreiras

Trump também afirmou que as empresas de seu país “estão prontas para entrar” no mercado brasileiro, aguardando mudança nas “regras do jogo”. Trump disse que “reciprocidade” é sua palavra favorita e afirmou que Brasil e Estados Unidos estão dispostos a reduzir as barreiras comerciais entre si.

“O presidente Bolsonaro e eu estamos comprometidos em reduzir as barreiras comerciais, facilitar o investimento e a inovação em uma série de indústrias –  energia, agricultura, tecnologia. O presidente tem uma visão de liberar o setor privado, abrir a economia”, disse Trump, depois do encontro com o presidente Jair Bolsonaro.

“E esse é o caminho para que o Brasil tenha um crescimento econômico forte. Nossas empresas estão prontas para entrar quando essas regras do jogo forem iguais”, completou.

Trump acrescentou que uma eventual entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) fará com que o país “aumente seu status”. O presidente norte-americano já havia confirmado seu apoio à entrada do Brasil na organização.

Alcântara

Ele também elogiou o Centro Espacial de Alcântara, de onde os Estados Unidos poderão lançar foguetes após ratificação do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, assinado ontem entre os dois países. A ratificação do acordo depende do congresso brasileiro.

“É um local extraordinário, não vamos entrar nos detalhes, mas devido à localização, muito dinheiro poderá ser poupado. Os voos serão muito mais curtos. A proximidade do Brasil com o Equador faz com que o lugar seja ideal”, argumentou.

Venezuela

Trump elogiou a postura do Brasil frente a crise na Venezuela. O presidente norte-americano lembrou que o Brasil foi um dos primeiros países a reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela e agradeceu o apoio brasileiro no envio de ajuda humanitária ao país vizinho.

Em seguida, Trump falou aos militares venezuelanos, pedindo para que eles deixem de apoiar o presidente Nicolás Maduro, a quem chamou de “uma marionete de Cuba”.

Foto: Instagram de Bolsonaro Foto: Instagram de Bolsonaro

Política

Bolsonaro terá encontro com Trump

Da Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro disse que o encontro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, neste mês, “será uma grande oportunidade de retomar os fortes laços” entre os dois países.

Em sua conta pessoal no Twitter, confirmou que, no próximo dia 19, embarca para os Estados Unidos, onde terá entre outros compromissos o encontro com Trump. “[Será] Uma grande oportunidade de retomar os fortes laços entre nossas nações na busca de um ocidente com liberdade e prosperidade. Temos muito a somar!”.

Segundo a Casa Branca, entre os temas que poderão ser discutidos no encontro destacam-se a cooperação na área da defesa, políticas comerciais, combate ao crime transnacional e a crise na Venezuela.

Bolsonaro e Trump vão conversar sobre os esforços para fornecer ajuda humanitária à Venezuela. Brasil, Estados Unidos e Colômbia lideraram o movimento de doações para os venezuelanos a partir da cidade colombiana de Cúcuta e da brasileira Boa Vista, capital de Roraima.

Os Estados Unidos, o Brasil e mais de 50 nações reconheceram Juan Guaidó, autodeclarado presidente da Venezuela, como legítimo. Guaidó é presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. O impasse no país vizinho permanece, pois o presidente Nicolás Maduro diz que vai se manter no poder com apoio da China, Rússia e Turquia, do México e Uruguai.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram viagens aos Estados Unidos para preparar a visita do presidente da República.

* Com informações da Xinhua, agência oficial de notícias da China

Política

Trump afirma que vai trabalhar com Bolsonaro na área de comércio

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse hoje (29) que teve uma conversa “muito boa” com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Em sua conta no Twitter, Trump afirmou que os dois concordaram que Brasil e Estados Unidos “vão trabalhar juntos em comércio, Forças Armadas e em tudo mais”.

O presidente americano observou que Bolsonaro venceu a disputa eleitoral por uma diferença “substancial”. Bolsonaro recebeu 55,13% dos votos válidos e Fernando Haddad (PT), 44,87%. “Foi uma excelente ligação. Dei a ele meus parabéns”, escreveu Trump.

Ontem, o presidente eleito fez uma transmissão ao vivo pelo Facebook em que afirmou ter recebido uma ligação do presidente dos Estados Unidos. Bolsonaro disse ter interesse em se aproximar do país norte-americano.

“O presidente dos Estados Unidos acabou de nos ligar. Nos desejou boa sorte. E obviamente foi um contato bastante amigável. Nós queremos sim nos aproximar de vários países do mundo sem o viés ideológico”, disse.

Da Agência Brasil

Mundo

Pesquisa mostra aumento das chances de reeleição de Trump nos EUA

Da Veja

Americanos estão mais propensos a reeleger Donald Trump em 2020, segundo pesquisa feita pela rede CNN em parceria com a SSRS. Segundo o levantamento, 46% dos americanos acreditam que Trump deverá se reeleger, enquanto 47% acreditam no contrário. A última pesquisa sobre o tema, feita em março, mostrava que 54% das pessoas ouvidas acreditavam que ele perderia.

Entre os republicanos, 74% acreditam que o representante do partido na disputa presidencial de 2020 deve ser Trump, enquanto 21% preferiria outro escolhido. No campo democrata, o candidato que leva o maior apoio, hoje, é Joe Biden, vice-presidente de Barack Obama, com 33%. Bernie Sanders, senador por Vermont, tem 13% da preferência. O ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, recém-convertido democrata, tem 4% da preferência.

Política

Agripino comenta vitória de Trump nos EUA

Membro da Comissão de Relações Exteriores (CRE), o senador José Agripino (RN) disse que a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos fará com que os países olhem sua atuação com “reservas e cuidados”.“O Trump é um empresário que se elegeu presidente da República com discurso que convenceu a maioria do eleitorado. Agora, isso dá a ele o passaporte da boa gestão? Acredito que não e temos que olhar o cenário com reservas e cuidados”, ressaltou o presidente nacional do Democratas.

Contrariando pesquisas e previsões, Donald Trump alcançou 276 delegados, ultrapassando o limite de 270 necessários para ser o vencedor do Colégio Eleitoral, e derrotou Hillary Clinton. Os dois protagonizaram embates duros durante a campanha. Diferente das frases polêmicas que costuma dizer, Trump adotou, no discurso da vitória, um tom mais conciliatório.

Foto: Mariana Di Pietro

Agripino_Imprensa (5)

Mundo

Trump é eleito presidente dos EUA e declara “serei presidente de todos”

Do G1 Mundo

Mesmo com Hillary Clinton apontada como favorita em praticamente todas as pesquisas de intenção de voto e nas projeções feitas por institutos e pela imprensa, Donald Trump foi eleito o 45º presidente dos Estados Unidos. Em seu discurso de vitória, prometeu reunir a nação e reconstruir a infraestrutura do país, dobrando o crescimento econômico.

“Serei presidente para todos os americanos”, disse. “Trabalhando juntos, vamos começar a tarefa urgente de reunir nossa nação. É isso que quero fazer agora por nosso país.”

Trump conquistou vitórias surpreendentes sobre Hillary em estados-chave para a definição, abrindo o caminho para a Casa Branca e abalando os mercados globais que contavam com uma vitória da democrata.

Uncategorized

Hillary chega à votação nos EUA com dianteira sobre Trump 

Da Folha de São Paulo:

Um dos dois, a democrata Hillary Rodham Clinton, 69, ou o republicano Donald John Trump, 70, será escolhido nesta terça-feira (8) como o 45º presidente dos Estados Unidos da América, após 17 meses, mais de US$ 2 bilhões arrecadados e um sem-fim de insultos numa campanha que ameaça como poucas a coesão projetada 240 anos atrás no nome da nação.

Ela chega com um favoritismo frágil. Na média de pesquisas, está três pontos à frente dele, margem mais estreita do que os sete pontos que os separavam há 20 dias, mas acima dos dois pontos de distância no começo do mês.