Política

Movimento #PTaquinao acontecerá neste domingo (21) em Natal

No próximo domingo (21), várias cidades do País realizarão manifestações em favor do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Em Natal, o ato intitulado #PTaquinao coloca-se contrário às candidaturas do PT em nível nacional e estadual. O movimento está sendo organizado por diversos grupos de direita do Rio Grande do Norte, liderados pelo Força Democrática. A concentração começa às 15h no Midway Mall e será seguida de passeata pelas avenidas Nascimento de Castro e Romualdo Galvão, com percurso total de 1,6 quilômetros.

De acordo com a organização do evento, a idéia é que este seja o último movimento grande antes do segundo turno das Eleições marcado para o dia 28 de outubro. “A nossa expectativa é de reunir um grande público porque essa é a hora de mostrarmos que não vamos mais aceitar o retrocesso e a corrupção que marcam os mandatos petistas. PT não, nem no Brasil, nem no Rio Grande do Norte”, afirma Carlos Reny, um dos organizadores da manifestação.

Política

Liderança em ascensão de Caicó, Artur Maynard declara apoio a Carlos Eduardo

O candidato a governador Carlos Eduardo, recebeu nesta quinta-feira o apoio de Artur Maynard. Liderança emergente de Caicó, ele apoiou no primeiro turno, a candidatura de Rafael Motta (PSB), segundo deputado federal mais votado no município.

O apoio de Artur a Carlos Eduardo, foi articulado pelo prefeito de Natal, Álvaro Dias.

Artur, um dos prováveis e fortes candidatos a prefeito de Caicó em 2020, já participa com seu grupo político da carreata no Seridó, nessa sexta feira, ao lado de Álvaro Dias e Carlos Eduardo.

Artur e Álvaro Dias

Política

Prefeito de São Gonçalo decide apoiar Fátima no 2º turno

Ao lado da deputada federal e senadora eleita Zenaide Maia (PHS), da suplente de deputada estadual Terezinha Maia (PR) e do ex-prefeito Jaime Calado (PMB), o prefeito de São Gonçalo do Amarante Paulo Emídio (Paulinho) anunciou apoio à candidatura de Fátima Bezerra ao Governo, nesta quinta-feira (18).

O gestor reuniu vereadores e lideranças comunitárias para pedir reforço ao projeto da petista.

No primeiro turno, Paulinho apoiou a candidatura à reeleição do governador Robinson Faria (PSD).

Política

‘PT é prejudicado pela verdade, não por fake news’, diz Bolsonaro após denúncia

O Estado de São Paulo

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, rebateu com críticas ao PT a reportagem do jornal Folha de S. Paulo, que revelou que empresas favoráveis à sua candidatura bancaram a disseminação de mensagens contra o PT no WhatsApp.

“PT não está sendo prejudicado por ‘fake news’, mas pela VERDADE”, escreveu Bolsonaro. “Roubaram o dinheiro da população, foram presos, afrontaram a justiça, desrespeitaram as famílias e mergulharam o país na violência e no caos. Os brasileiros sentiram tudo isso na pele, não tem mais como enganá-los!”, escreveu.

Minutos depois, o candidato do PSL fez outra publicação, na qual questiona: “Quem é o ‘Avião’ na lista da Odebrecht?”. Trata-se, aparentemente, de uma referência à vice de Haddad, Manuela D’Ávila (PCdoB), que teria esse apelido na lista de pessoas que receberam doações do setor de propina da Odebrecht, segundo delatores da empresa.

Manuela já negou essa acusação e disse que todos os valores que recebeu na campanha de 2012 foram devidamente declarados.

Mais cedo, após vir à tona a revelação de que empresas bancaram a disseminação de mensagens contra o PT nas redes sociais, Haddad afirmou, em coletiva de imprensa, que vai acionar todos os mecanismos judiciais para que a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) e os empresários supostamente envolvidos sejam punidos.

O petista citou até a possibilidade de que a candidatura do adversário seja impugnada e o terceiro colocado no primeiro turno seja chamado para disputar a segunda etapa da disputa. “Em qualquer lugar do mundo isso seria um escândalo de proporções avassaladoras, poderia encerrar até com a impugnação da candidatura com a chamada do terceiro colocado para disputar o segundo turno”, disse Haddad.

Além dos contratos de R$ 12 milhões citado pela reportagem da Folha para serviços de disparos de mensagens no WhatsApp, Haddad disse que há indícios de outros “milhões de reais” em contratos ainda não identificados. O petista apontou que o próprio adversário, falando por viva-voz no celular, pediu a empresários que financiassem a disseminação de mensagens aos eleitores. Para Haddad, houve crimes de organização criminosa, caixa dois, calúnia, difamação e lavagem de dinheiro.

Política

Presidente do PSL nega caixa 2 na campanha de Bolsonaro

Da Agência Brasil

O presidente do PSL, Gustavo Bebiano, negou hoje (18) que a campanha do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, tenha feito uso de caixa 2. Ele se referiu às denúncias veiculadas na imprensa sobre a existência de um grupo de empresários apoiadores de Bolsonaro que financiaria o envio em massa de mensagens falsas via WhatsApp.

“Nem o PSL, nem a campanha e muito menos o candidato Jair Bolsonaro se prestam a esse tipo de papel. Toda e qualquer doação feita até hoje foram de recursos doados por meio da nossa plataforma, conforme a legislação” garantiu. “Vamos ver se conseguem provar. Caixa 2 e doações ilegais, isso está muito longe do PSL”, disse.

Pouco antes da entrevista coletiva de Bebiano, Bolsonaro respondeu de forma indireta às acusações na sua conta do Twitter. “O PT não está sendo prejudicado por fake news, mas pela verdade. Roubram o dinheiro da população, foram presos, afrontaram a Justiça, desrespeitaram as famílias e mergulharam o país na violência e no caos. Os brasileiros sentiram tudo isso na pele.”, postou o candidato.

Gastos

De acordo com Bebiano, foram gastos pela campanha de Jair Bolsonaro, no primeiro turno pouco, mais de R$ 600 mil. Ele estima que ao final do segundo turno, terá sido aplicado aproximadamente o dobro deste valor. “Uma campanha muito modesta, muito simples”, classificou.

Para o presidente do PSL, a denúncia é uma “piada”. Pela manhã, o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, afirmou que pediria providências à Polícia Federal e à Justiça Eleitoral para investigar o caso. “É risível os argumentos do senhor Haddad. É um sinal claro de desespero porque vai perder as eleições.”

O presidente do PSL afirmou que denunciação caluniosa é crime. Segundo ele, Haddad será processado e precisará responder pelas suas alegações. Bebiano também rebateu que a campanha de Bolsonaro tenha feito qualquer tipo de impulsionamento de mensagens nas redes sociais. “Já tentaram tirar ele do jogo via facada e não conseguiram.”

Debates

Bebiano também afirmou que Bolsonaro não irá participar de debates. Ele disse que a colostomia pode causar desconforto ao candidato e destacou que não há obrigação de comparecer. “Não vai se submeter a uma situação de alto estresse sem nenhum motivo, porque quem discute com poste é bêbado.”

À Agência Brasil, o médico Antônio Luiz Macêdo disse que o candidato tem condições de participar de debates desde que durem, no máximo, 30 minutos, e ele fique confortável, de preferência em uma poltrona.

Política

MPE vai apurar suspeita de doações ilegais à campanha de Bolsonaro

Da Agência Brasil

O Ministério Público Eleitoral (MPE) vai apurar a suspeita de que empresas privadas estejam fazendo doações ilegais para a campanha do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL). Pelo menos dois pedidos de investigação já foram protocolados hoje (18) na Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE). A expectativa é que outras representações sejam apresentadas diretamente ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com reportagem publicada hoje (18) pelo jornal Folha de S.Paulo, empresas que apoiam Jair Bolsonaro estariam pagando pelo serviço de disparo de mensagens pelo WhatsApp a fim de favorecer o candidato Jair Bolsonaro. Procurado para comentar a denúncia publicada pelo jornal, o vice-procurador eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros informou, por meio da assessoria do MPE, que não concederá entrevistas, pois o órgão não pode antecipar qualquer posicionamento sobre casos em análise. A atuação dos pedidos de investigação apresentados ao órgão será feita no âmbito das demais representações que forem encaminhadas ao TSE.

A reportagem diz ter apurado que alguns contratos podem chegar a R$ 12 milhões. A prática, conforme lembra o jornal, é ilegal, pois, se confirmada, trata-se de doação de campanha vedada por lei e, evidentemente, não declarada à Justiça Eleitoral.

Ainda segundo o jornal, as empresas de marketing digital se valem da utilização de números no exterior para enviar centenas de milhões de mensagens, burlando as restrições que o WhatsApp impõe a usuários brasileiros. As atividades envolvem o uso de cadastros vendidos de forma irregular. A legislação eleitoral só permite o uso de listas elaboradas voluntariamente pelas próprias campanhas. O financiamento empresarial de campanha também é proibido.

Bolsonaro defendeu-se da acusação por meio de sua conta no Twitter. “O PT não está sendo prejudicado por fake news, mas pela verdade. Roubaram o dinheiro da população, foram presos, afrontaram a justiça, desrespeitaram as famílias e mergulharam o país na violência e no caos. Os brasileiros sentiram tudo isso na pele, não tem mais como enganá-los!”, escreveu o candidato, alegando que o PT “desconhece e não aceita apoio voluntário”.

Representações

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), em representação na Procuradoria-Geral Eleitoral, classifica o resultado da apuração do jornal como uma “grave denúncia” envolvendo a “ocorrência de ao menos três atos ilícitos de gravidade avassaladora, uma vez que podem viciar a vontade do eleitor e, assim, fraudar o resultado da eleição”.

O PDT também anunciou que ingressará ainda esta semana com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral contra a candidatura de Bolsonaro. A decisão foi tomada no início da tarde de hoje, durante reunião do presidente nacional do partido, Carlos Lupi, com a assessoria jurídica e outros integrantes da sigla. O PDT, que declarou “apoio crítico” a Haddad no segundo turno, definiu a suspeita de que um dos candidatos esteja sendo favorecido pela suposta compra de pacotes de divulgação em massa de notícias falsas como crime de abuso do poder econômico.

Mais cedo, o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, defendeu que, diante da gravidade das suspeitas, o correto seria que a candidatura de Bolsonaro fosse impugnada e que o candidato Ciro Gomes (PDT), que terminou o primeiro turno em terceiro lugar, disputasse com ele o cargo. Ciro obteve 12,47% dos votos válidos, terminando atrás de Haddad.

Política

Gustavo Carvalho anuncia apoio a Carlos Eduardo com 8 prefeitos e 40 vereadores

Segundo mais votado nas eleições 2018 com 47.544 votos, o deputado estadual reeleito Gustavo Carvalho (PSDB) anunciou no final da tarde desta quinta-feira (18), seu apoio à candidatura do ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo(PDT) a governador.

Em reunião no bairro de Mirassol, em Natal, Gustavo Carvalho reuniu o seu grupo político para se integrar na campanha de Carlos Eduardo. São oito prefeitos: Maria Olímpia (Paraú), Carlinho de Veri (Parazinho), Rosano Taveira (Parnamirim), Francisco Felipe (Tiquinho), de Ruy Barbosa, Anteomar Pereira (Babá), de São Tomé, Jorginho Bezerra (Tangará), Larissa Rocha (Tenente Ananias) e Maurício Filho, o Mauricinho (Grossos).

O grupo conta ainda com 19 ex-prefeitos, seis vice-prefeitos e 40 vereadores. “Somos uma família que vira um exército nas ruas para ajudar na vitória do governador Carlos Eduardo”, declarou Gustavo Carvalho.

São lideranças de 66 municípios.

Gustavo Carvalho e seu grupo politico anuncia apoio a CE (1)

Política

Quatro novos prefeitos passam a apoiar Carlos Eduardo no 2º turno

Quatro prefeitos que votaram em outra candidatura no primeiro turno anunciaram nesta quinta-feira(18), apoio ao ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) para governador. São gestores de municípios do Oeste e do Vale do Açu que declararam o voto confiantes na experiência administrativa de Carlos Eduardo e contrários ao despreparo da
candidata do PT.

O grupo veio a Natal com o candidato a vice-governador Kadu Ciarlini (PP) e garantiu empenho total nos últimos dez dias de campanha, para colaborar na virada eleitoral que se configura de
acordo com a Pesquisa Ibope divulgada ontem(17), pela Inter TV Cabugi, com crescimento de 10 pontos percentuais de Carlos Eduardo(32% para 42%) e empate técnico no limite da margem de erro desde o resultado do primeiro turno, enquanto a senadora petista cresceu apenas dois pontos.

Definiram apoio a Carlos Eduardo e Kadu a prefeita de Areia Branca, Iraneide Rebouças (PSD), prefeito Bibiano Azevedo (PR), de Serra do Mel, prefeito Reno Marinho (PRB), de São Rafael e Valderedo Bertoldo (PR), prefeito de Ipanguaçu.

A todos eles, Carlos Eduardo garantiu parceria permanente e acesso total no Governo do Estado, “por ter sido prefeito e saber das dificuldades de se administrar um município”. O candidato do PDT
voltou a advertir sobre a necessidade de que seja eleito um governador alinhado com “o novo Brasil que se desenha nas urnas com o Presidente Bolsonaro”. Ele alertou: “Na crise em que se encontra, o Rio Grande do Norte não pode eleger uma candidata do PT, inimiga do futuro presidente. O Estado vai afundar de uma vez”.

Cruzeta

Também declararam apoio a Carlos Eduardo integrantes da oposição de
Cruzeta, na Região do Seridó. São eles os vereadores Cypriano Araújo, José Ethel (Téo), Maria de Lourdes e Domingos Araújo (Dudu).

Política

MP Eleitoral analisará caso de suposto grupo de whatsapp com ameaças de violência

O Ministério Público Eleitoral instaurou procedimento para analisar as denúncias quanto ao suposto grupo de whatsapp “Opressores RN 17”, no qual teriam sido feitas ameaças de morte, estupro e outros tipos de violência a eleitores contrários, por meio da possível organização de um grupo armado.

Após analisar os indícios de veracidade, ou não, do diálogo mantido na rede social, a Procuradoria Regional Eleitoral no Rio Grande do Norte deverá decidir sobre a remessa do caso ao promotor eleitoral competente, se for o caso de apuração de possível crime do artigo 301 do Código Eleitoral (Usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos).

Por outro lado, na hipótese de se tratar de propaganda falsa (grupo fake), com intuito de promover publicidade negativa de candidato, o procedimento será encaminhado para algum dos procuradores auxiliares eleitorais.

Política

Fátima recebe apoio dos prefeitos de Itajá e São José de Campestre

Os prefeitos Alaor Pessoa, de Itajá, e Neném Borges, de São José do Campestre, anunciaram nesta quarta-feira (17) o apoio à senadora Fátima Bezerra, candidata do PT ao Governo do Estado. Lideranças de mais oito municípios também se integraram ao projeto da Coligação ‘Do Lado Certo’.

Fátima com as lideranças de Campestre e o deputado Souza

Estão com Fátima os ex-prefeitos de Santa Cruz, Péricles, e de Areia Branca, Sandro Góes; os vereadores Genivan Varela, Paulo de Telécio, Chico de Marinete e Elson Marinho (Apodi); Preto, Edu, Bolinha e Sérgio (Campestre); Aclécio, Jailson, Helena, Júnior Bola e Neguinho (Porto do Mangue); Beiju, João Victor e o ex-vereador Josemar Bezerra( Santa Cruz); Lila Lemos (Antônio Martins); e o ex-vereador Alexandre (Grossos).

Fátima com as lideranças de Itajá e o deputado George Soares

Política

PR e PSDB continuam indefinidos sobre segundo turno no RN

Dois importantes partidos no Rio Grande do Norte continuam sem definição em relação ao segundo turno no Rio Grande do Norte, o PR, presidido pelo deputado federal eleito João Maia, e o PSDB, do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza.

Nos bastidores, membros dos dois partidos já estão apoiando a candidatura a governador do ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT), como é o caso do deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB) e de prefeitos no interior filiados ao PR, que também tem o deputado George Soares e o prefeito de Assu, Gustavo Soares apoiando Fátima Bezerra (PT) desde o primeiro turno.

A expectativa é que até o fim de semana os dois partidos se pronunciem oficialmente.

João Maia já iniciou uma consulta aos correligionários locais e deu uma pausa para cumprir agenda política em Brasília.

Política

Campanha de Fátima sai do campo propositivo para o ataque

A senadora Fátima Bezerra (PT), candidata a governadora, frisava desde o início da disputa pelo Governo do Estado, que iria fazer uma campanha unicamente propositiva.

Mas no segundo turno, o conceito mudou.

E o programa da candidata na televisão faz ataques até aos já falecidos Aluízio e Agnelo Alves, com o objetivo de atingir o adversário Carlos Eduardo (PDT).

Política

Deputado reeleito Albert Dickson e Carla Dickson anunciam apoio a Carlos Eduardo

O deputado estadual reeleito Albert Dickson e a vereadora e primeira suplente de Carla Dickson, ambos do PROS, estão com Carlos Eduardo para governador no segundo turno. O anúncio foi feito no início da noite desta terça-feira(16) ao candidato do PDT.

Albert Dickson foi reeleito para a Assembleia Legislativa com 31.698 votos. Carla Dickson obteve 60. 590 votos para deputada federal. “Vamos entrar firmes para ajudar na vitória do futuro governador Carlos Eduardo”, afirmou Albert.

Política

Eleitor que tiver problema no ato de votar deverá apresentar queixa de imediato a mesário

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Ministério da Segurança Pública (MSP) expediram nesta terça-feira (16) orientação conjunta com o objetivo de uniformizar o atendimento, o registro e o encaminhamento de queixas relativas a eventual mau funcionamento das urnas eletrônicas e padronizar o tratamento de ocorrências apresentadas às polícias, além de evitar a desinformação no dia da eleição. O documento foi assinado pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, e pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, em cerimônia realizada no Gabinete da Presidência da Corte Eleitoral.

A orientação deverá ser observada pelos juízes eleitorais, presidentes das mesas receptoras de votos, mesários e integrantes das Polícias Federal, Civil e Militar, diante de notícia apresentada no dia da votação por qualquer cidadão, especialmente no que se refere a eventuais problemas com a urna eletrônica no ato de votar ou logo após. De acordo com o documento, também deverão seguir a orientação conjunta quanto ao registro e tratamento de informações relativas à veracidade ou não de notícia veiculada em redes sociais e/ou aplicativos de smartphones e de vídeos sobre o sistema eleitoral e as urnas eletrônicas, principalmente os que incitem a prática de delitos, em especial o eleitoral.

A orientação conjunta estabelece que, no dia da votação, a queixa de qualquer cidadão sobre eventual defeito ou mau funcionamento da urna eletrônica deverá ser apresentada imediatamente ao mesário ou ao presidente da mesa da seção eleitoral. Este, por sua vez, deverá registrar em ata a manifestação feita pelo cidadão, descrevendo a urna e a situação apresentada, bem como comunicando o fato ao juiz eleitoral.

Aplicativo Pardal

O registro da queixa também deverá ser feito em meio digital, no aplicativo para smartphones e tablets Pardal, pelo mesário ou pelo presidente de mesa, em campo específico para tal. Ainda no âmbito da Justiça Eleitoral, o juiz analisará a ocorrência e decidirá acerca das providências a serem tomadas, devendo comunicar o Ministério Público Eleitoral no caso de suspeita de crime eleitoral.

Já os integrantes das Polícias Federal, Civil e Militar, quando procurados no local de votação ou proximidades, deverão orientar o cidadão a procurar o presidente da mesa da seção eleitoral ou o juiz eleitoral para levar a ocorrência a seu conhecimento. Caso o cidadão se dirija à delegacia para denunciar suposto crime eleitoral, a autoridade policial deverá informar os fatos imediatamente ao juiz eleitoral, se presentes os elementos suficientes.

No caso de prisão em flagrante decorrente da prática de delito eleitoral, a força policial responsável pela detenção do cidadão, deverá encaminhar o caso à Delegacia de Polícia Federal. Entretanto, não havendo no município unidade da PF, o cidadão deverá ser conduzido à delegacia de Polícia Civil ou à central de flagrantes.

Conforme explicou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a queixa que estiver registrada em ata e no aplicativo Pardal deverá ser apurada pelos órgãos competentes. Já aquelas não registradas devem ser objeto de avaliação. Para ele, a orientação conjunta torna evidente que qualquer problema verídico no ato de votar deve ser comunicado ao mesário ou ao presidente da mesa para que seja feito o devido registro.

“Isso visa dar agilidade, visa dar resposta e visa, sobretudo, permitir a todo e qualquer eleitor ou eleitora que tenha problema ou tenha uma denúncia, que ela seja registrada on-line e para que tenhamos respostas com a máxima brevidade”, disse o ministro. “A ideia é que se faça uma transmissão muito rápida, bastante simplificada da ocorrência, e que qualquer eleitor tenha a sua denúncia apurada”, explicou.

Política

Carlos Eduardo ganha apoio de prefeitos de Alexandria, Monte das Gameleiras e Lagoa Salgada

O candidato a governador pelo PDT, Carlos Eduardo, recebeu nesta terça-feira(16), o apoio de três prefeitos que chegam para a campanha do segundo turno.

De Alexandria, a 381 quilômetros de Natal, a prefeita Jeane Ferreira(PSD), disse que no segundo turno, o eleitor deve escolher “o melhor administrador”, o que Carlos Eduardo “provou ser em quatro mandatos de prefeito de Natal”.

A prefeita alertou: “O Rio Grande do Norte não pode ter no governo alguém contra o presidente. Vai ser terrível para nosso povo”, afirmou Jeane Ferreira, em alusão ao favoritismo do presidenciável Jair Bolsonaro e a sucessão estadual.

Do Agreste, o prefeito de Monte das Gameleiras, Jailton Félix(PSD) e todo o seu grupo político comunicaram a Carlos Eduardo que se engajam no segundo turno “com toda a força”.

O prefeito de Lagoa Salgada, Ozivan Queiróz (MDB), foi outro a se definir por Carlos Eduardo no segundo turno por entender que não há comparação entre os candidatos: “Carlos Eduardo é capacidade comprovada. É um administrador competente e necessário ao Rio Grande do Norte neste momento”.

Segundo Ozivan, estão na mesma linha de raciocínio o presidente da Câmara Municipal, vereador Novinho Queiróz e os vereadores Ana Catarina (MDB), Maria José(DEM), Janilson de Louro(PHS) e Davison Zanzo(PCdoB).

Política

Carlos Eduardo recebe apoio de prefeito, vice-prefeita, 13 vereadores e quer ampliar maioria em Parnamirim

O prefeito de Parnamirim (Grande Natal), Rosano Taveira e 13 vereadores declararam apoio à candidatura do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo (PDT) no segundo turno. O anúncio ocorreu no bairro Cohabinal na noite de segunda-feira (15) também com presença do deputado estadual eleito Coronel Azevedo (PSL), representando a aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Carlos Eduardo, que venceu em Parnamirim no primeiro turno por diferença de 7 mil votos e quer ampliar a maioria: “Parnamirim nos deu grande vitória no primeiro turno, agora certamente ampliará em muito a diferença em nosso favor com a chegada de tantos apoios valorosos”.

Além do prefeito Taveira, anunciaram voto para Carlos Eduardo a vice-prefeita Elienai Cartaxo, Presidente da Câmara Municipal, Irani Guedes e vereadores: Abidene Salustiano, Pastor Alex, Binho de Ambrósio, Léo Lima, Thiago Cartaxo, Diniz, Betinho da Mala, Vandilma, Rogério Santiago, Jeová, Doutor Yuri e Maurício Veículos.

Política

Eleições estaduais pesam na escolha dos partidos por neutralidade

Da Agência Brasil

Com a eleição para os governos estaduais indefinida em 14 unidades da Federação, as diferenças regionais foi um dos fatores que influenciou a maioria das siglas a decidir pela neutralidade quanto à disputa presidencial no segundo turno. Até o momento, pelo menos 13 legendas decidiram liberar os filiados para pedir votos tanto para o candidato Jair Bolsonaro (PSL) quanto para Fernando Haddad (PT). A falta de clareza sobre o cenário político do país após o segundo turno tem feito com que as legendas decidam pela posição “cômoda” de liberar seus filiados, na opinião de cientistas políticos ouvidos pela Agência Brasil.

Professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o cientista político Joviniano Neto avalia que a diversidade pesou para a indefinição das agremiações partidárias entre um ou outro polo. “O Brasil é uma Federação e estado é uma realidade diferente. Existem estados onde a diferença local é mais nítida, como MDB e PSDB, e em outros onde a diferença é menos nítida e há uma unidade nacional maior, como PSOL”, avalia Joviniano.

A onda bolsonarista, que tem favorecido candidatos a governador, tem ajudado a definir as alianças de acordo com o contexto em cada estado. Esse é o motivo apontado por ele para a neutralidade anunciada por partidos como o PSDB, em que o candidato a presidente derrotado Geraldo Alckmin concordou em liberar os filiados mesmo após pedidos de integrantes da sigla para um posicionamento mais incisivo contra o PT, como o de de João Doria, que concorre ao governo paulista.

“Onde houve decisão já no primeiro turno para os governos locais, a questão para os vencedores é como fazer com que os candidatos e cabos eleitorais continuem fazendo campanha apenas para a Presidência. Nos outros casos, a dúvida é: como sintonizar o apoio nacional com o eleitorado”, diz.

É o caso de Santa Catarina, onde os dois candidatos Comandante Moisés (PSL) e Gelson Merisio (PSD) apoiam Bolsonaro. Em Rondônia, por exemplo, Expedito Júnior (PSDB) vai concorrer ao governo estadual contra um candidato do PSL, Coronel Marcos Rocha, mas mesmo assim declarou voto no candidato do PSL.

Para a cientista política Maria do Socorro Braga, da Universidade Federal de São Carlos (UFScar), a neutralidade acaba facilitando o trânsito entre os candidatos à disputa local. “No caso do PSDB, como são seis candidatos, penso que o segundo turno terá muito peso, afinal de contas a bancada na Câmara do partido perdeu muitos deputados. Então, ele vai precisar garantir outros flancos de poder”, analisa.

Outro partido influenciado pelas eleições estaduais foi o PSB. A legenda se posicionou favorável à candidatura de Haddad, mas liberou as lideranças no Distrito Federal e em São Paulo – onde disputam o segundo turno- para se posicionarem neutras. Isso porque o apoio aos petistas poderia prejudicar Rodrigo Rollemberg e Márcio França, respectivamente.

O Novo adotou uma posição nacional de não apoiar nem um dos candidatos, porém os filiados têm se posicionado de forma diferente. A legenda, que lançou João Amoêdo à Presidência, preferiu ficar neutra, embora tenha postado uma mensagem dizendo que os “integrantes da sigla são ‘absolutamente contrários ao PT'”. Em Minas Gerais, o candidato Romeu Zema, declarou apoio ao candidato do PSL, na tentativa de se manter à frente na disputa contra Antonio Anastasia (PSDB).

Para Carlos Ranulfo, cientista político da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a postura do Novo não é completamente neutra, mas faz sentido com os temores do partido. Segundo ele, devido às incertezas econômicas de Bolsonaro, a legenda evita se comprometer com o polo contrário ao PT. “O Novo é um partido ultraliberal, o mais liberal no sentido da economia que o Brasil tem. E o Bolsonaro é muito ambíguo em relação a isso. Tanto a trajetória dele como a de várias pessoas que o PSL elegeu. Então o partido tem razões para não querer embarcar nessa canoa”, avalia.

Já o PDT, do presidenciável Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar, declarou apoio “crítico” ao PT e, segundo o presidente Carlos Lupi “não tem ninguém liberado” para deliberar de modo diferente.

Política

Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%

Do G1

O Ibope divulgou nesta segunda-feira (15) o resultado da primeira pesquisa do instituto sobre o segundo turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado na sábado (13) e domingo (14), e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 59%
Fernando Haddad (PT): 41%

Sobre a pesquisa
Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
Entrevistados: 2506 eleitores em 176 municípios
Quando a pesquisa foi feita: 13 e 14 de outubro
Registro no TSE: BR‐01112/2018
Nível de confiança: 95%
Contratantes da pesquisa: TV Globo e “O Estado de S.Paulo”
O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Política

Prefeitos de Santana do Seridó e Espírito Santo anunciam apoio a Carlos Eduardo

O candidato a governador pelo PDT, ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo, recebeu nesta segunda-feira (15/10) dois apoios importantes de prefeitos do Seridó e do Agreste. Hudson Pereira de Brito (PSD), de Santana do Seridó e Fernando Teixeira (PSDB) declararam voto no segundo turno para Carlos Eduardo por entender que somente a sua candidatura será capaz de livrar o Rio Grande do Norte “da incompetência e do desastre do PT”.

Quatro vezes prefeito de Santana do Seridó, Hudson Pereira traz com seu engajamento a vice-prefeita Tatiana Fátima (PSD), o presidente da Câmara Municipal, Juarez Bezerra (PSD) e outros vereadores: Sebastião Azevedo Berré (MDB), José Vicente (PSD), Luiz do Tuiuiú (PSD), Caio Cabral (PSD) e Ivan Dantas (PSD).

Do Agreste, o prefeito Fernando Teixeira (PSDB) está com Carlos Eduardo e veio com todo o seu grupo político: Vice-Prefeito Toinho de Venceslau (PSDB) e vereadores: Maria Fernanda, Naldo Picolé, Evânia Cristiane, Andson Carlos (PDT), Ednalva Paulino (MDB), Daíze Florêncio (PSD) e Maria da Pia (PSD).

Carlos Eduardo ao lado de Hudson Brito e Fernando Teixeira

Carlos Eduardo ao lado de Hudson Brito e Fernando Teixeira