Política

Governo Federal faz acordo para conseguir aprovação de crédito extra

Do Estadão

O relator do crédito suplementar na Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputado Hildo Rocha (MDB-MA), anunciou que os partidos do colegiado fecharam um acordo para autorizar o crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões ainda nesta terça-feira, 11, no colegiado. Após a votação, o texto seguiria para o Congresso Nacional, que realiza sessão conjunta de deputados e senadores às 14 horas.

Para votar o crédito sem obstrução da oposição, o governo concordou em liberar R$ 1 bilhão para o programa Minha Casa, Minha Vida, descontingenciar R$ 1 bilhão de universidades, destinar R$ 500 milhões para a transposição do Rio São Francisco e R$ 330 milhões para bolsas do Ministério da Ciência e Tecnologia.

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou que o Planalto demonstrou “sensibilidade” para atender aos pleitos da oposição e de partidos do Centrão. De acordo com ela, os recursos prometidos deverão ser destinados por meio de remanejamentos de outras áreas e edição de portarias.

Ela afirmou esperar que o Congresso aprove ainda nesta terça o crédito suplementar, mas admitiu que a oposição poderá adotar tentativas de obstrução na sessão da tarde.

O governo precisa de maioria simples dos votos na comissão, ou seja, mais da metade dos parlamentares presentes na reunião. A CMO é formada por 31 deputados e 11 senadores.

No plenário do Congresso são necessários votos favoráveis da maioria absoluta nas duas Casas: 257 deputados e 41 senadores.

Rocha fez uma alteração no relatório, acrescentando R$ 80 milhões do valor para o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). No projeto original do governo, o programa ficaria com R$ 1,828 bilhão.

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) apresentou um voto em separado na comissão para autorizar um crédito extra de R$ 147 bilhões, e não o valor total que o governo pede.

O argumento é que o Planalto não precisa de toda a quantidade que está pedindo para cumprir a chamada regra de ouro do Orçamento – o mecanismo, previsto na Constituição, impede ao governo contratar dívidas para pagar despesas correntes, como salários e benefícios sociais. “Estou a favor desses recursos para pagar BPC, Bolsa Família e Plano Safra, o que não podemos é dar cheque em branco”, discursou o senador.

O acordo anunciado entre partidos da comissão é para aprovar o relatório de Hildo Rocha, com os R$ 248,9 bilhões. A oposição, no entanto, disse que vai apoiar a proposta de Angelo Coronel.

De acordo com o Tesouro Nacional, os R$ 248,9 bilhões solicitados se referem às despesas previstas no projeto de lei orçamentária de 2019 e não haveria como o Congresso aprovar um crédito suplementar menor do que esse.

De acordo com o governo, sem a aprovação do projeto, os pagamentos do Benefício de Prestação Continuada (BPC) param neste mês e do Bolsa Família, em setembro. A aprovação de um crédito suplementar é a única exceção para que dinheiro de empréstimos seja usado para bancar esses gastos sem que o presidente cometa crime de responsabilidade, passível de impeachment.

Política

Formas de tratamento deixam de ser obrigatórias no serviço público federal

Da Agência Brasil

A partir de 1º de maio deste ano, data em que se celebra o Dia do Trabalhador, agentes públicos federais da administração direta e indireta não precisarão mais seguir a forma de tratamento empregada por lei até então. Um decreto publicado hoje (12), no Diário Oficial da União, extingue, tanto na comunicação oral, quanto na escrita, tratamentos já em desuso. Entre eles, Vossa Excelência ou Excelentíssimo, Vossa Senhoria, Vossa Magnificência, doutor, ilustre ou ilustríssimo, digno ou digníssimo e respeitável.

“O único pronome de tratamento utilizado na comunicação com agentes públicos federais é “senhor”, independentemente do nível hierárquico, da natureza do cargo ou da função ou da ocasião”, define o segundo artigo do decreto.

O pronome é flexionado para o feminino e para o plural. A mesma regra aplica-se às cerimônias e vale tanto para servidores e empregados públicos quanto para militares das Forças Armadas ou das forças auxiliares.

A mudança também se estende a ocupantes de cargos em empresas públicas e sociedades de economia mista, entes da administração pública federal, ocupantes de cargos em comissão e de funções de confiança, autoridades como ministros de Estado e para o vice-presidente e presidente da República.

A nova regra não se aplica apenas quando a comunicação se dá com autoridades estrangeiras e organismos internacionais e com agentes públicos do Poder Judiciário, do Poder Legislativo, do Tribunal de Contas, da Defensoria Pública, do Ministério Público ou de outros entes federativos.

Política

Ministro recebe pleito de recursos para recuperação de barragens e apoio ao Projeto Seridó

O ministro de Desenvolvimento Regional Gustavo Canuto cumpriu agenda em Natal nesta quinta-feira (14), se reunindo no Centro Administrativo do Estado com a governadora Fátima Bezerra (PT), o vice Antenor Roberto (PCdoB), secretários e integrantes da bancada federal: senadores Zenaide (PROS) e Styvenson (Podemos), mais os deputados federais João Maia (PL), Rafael Motta (PSB) e Natália Bonavides (PT), além do estadual George Soares (PL).

Gustavo Canuto recebeu o pleito para recursos de obras de segurança hídrica do Estado: o Projeto do Sistema Adutor do Seridó, complexo de Oiticica e recuperação de barragens.

Fruto de um convênio entre o Governo do Estado e a Agência Nacional de Águas (ANA), o projeto executivo do Sistema Seridó está em fase conclusão com investimentos de R$ 5,5 milhões. O custo estimado para a execução da obra é de R$ 150 milhões. O projeto integra o Plano Nacional de Segurança Hídrica e visa garantir oferta de água, pelos próximos 50 anos, na região, uma das mais castigadas pela estiagem, através do uso das águas do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional – PISF. A ideia é interligar as adutoras já existentes com as que estão projetadas, criando um grande cinturão de águas e estruturando as cidades para que elas passem pelos períodos de seca sem grandes transtornos.

Também foram entregues outros dois pleitos. Um referente à liberação de recursos para continuidade da obra da Barragem de Oiticica e outro solicitando recursos na ordem de R$ 20 milhões para recuperação de seis barragens potiguares, com ênfase a de Passagem das Traíras. Gustavo Canuto disse que Oiticica é uma das prioridades do Ministério do Desenvolvimento para o RN.

Foto: Demis Roussos

Foto: Demis Roussos

Estado

Bolsonaro prorroga incentivos para a região Nordeste e Rio Grande do Norte será beneficiado

O presidente Jair Bolsonaro sancionou o projeto de Lei que prorroga por cinco anos a concessão de benefícios fiscais para as regiões das Superintendências de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), da Amazônia (Sudam) e do Centro-Oeste (Sudeco), exceto o Distrito Federal. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (4).

No Rio Grande do Norte, que está dentro da área da Sudene, os benefícios geraram um investimento em recursos que ultrapassaram a marca de R$ 4 bilhões entre 2013 e 2017. Os incentivos fiscais também foram responsáveis pela geração e manutenção de 39.112 empregos no estado.

O deputado federal, Felipe Maia, do DEM, do Rio Grande do Norte, que trabalhou pela aprovação da legislação na Câmara, afirma que “uma renúncia fiscal se justifica quando nós estamos apostando na criação ou manutenção de empregos e, consequentemente, de renda para regiões mais pobres do país”.

Para o superintendente da Sudene, Mário Gordilho, a extensão do benefício era essencial para o crescimento das economias dos estados do Nordeste. “Ele é muito mais incentivo do que despesa efetiva ou perda de receita.

Porque a receita que advém da melhoria de produtividade das empresas para outros impostos, que não o imposto de renda, é muito maior do que o que se está fazendo de concessão para a redução de imposto”, explica.

Gordilho explica ainda que “a condição para ser feito esse incentivo é que o recurso seja reaplicado na própria indústria”. Por isso, segundo ele, “o dinheiro fica na empresa para ser reinvestido na empresa”.

Para cada um real de incentivo de imposto de renda, segundo o Governo Federal, R$ 19,36 foram investidos no Nordeste. Somente entre 2013 e 2017, foram criados mais de 800 mil empregos, diretos e indiretos e mais de 1.600 novos empreendimentos foram implantados ou incentivados no Nordeste, de acordo com o Ministério da Integração Nacional.

Política

Governo Federal lança nova marca visual

Pelas redes sociais, o presidente da República, Jair Bolsonaro, divulgou nesta sexta-feira (4) a nova identidade visual de governo federal. Divulgar pelo Twitter garante uma gestão mais eficiente dos recursos públicos, acrescentou o presidente.

De acordo com a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom-PR), seriam gastos R$ 1,4 milhão caso a logomarca fosse anunciada em canais tradicionais de televisão. A marca traz os dizeres “Pátria Amada Brasil” como símbolo do novo governo federal.

Política

Governo Federal antecipa parte do 13º salário de aposentados do ano 2018

Foi assinado, na última segunda-feira (16), um decreto que antecipa o pagamento de metade do valor do décimo terceiro salário de aposentados para o mês de agosto. A quantia será depositada junto com a remuneração mensal deste mês de julho.

Segundo o documento, já publicado no Diário Oficial da União (DOU), o restante será depositado normalmente em novembro. De acordo com a Secretaria de Imprensa da Presidência da República, a antecipação da parcela pode resultar na injeção de aproximadamente R$ 21 bilhões na economia brasileira.

Economia

Governo Federal vai liberar R$ 1,3 bilhão para 209 obras no RN em 2018

O Governo Federal lançou, nesta quinta-feira (9), o Agora, é Avançar. O programa prevê a retomada e conclusão de obras de infraestrutura durante o ano de 2018.

As obras possuem alto impacto social, sendo que a retomada desses empreendimentos é um passo em linha com o processo de retomada de crescimento do País.

No Rio Grande do Norte serão 209 obras estruturantes totalizando R$ 1,3 bilhão.

“Embora tenhamos avançado no passado, vamos avançar ainda mais. Se tem início, tem fim e orçamento definido. Estamos fazendo com muita responsabilidade”, assegurou Temer.

Para o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Dyogo Oliveira, que também esteve na cerimônia de lançamento, essa é uma das grandes novidades do Avançar: a garantia de conclusão das obras inacabadas pela previsibilidade dos recursos.

“É um programa realista, condizente com a realidade que se adequa aos tempos de austeridade e ajuste que temos passado”, ponderou Oliveira.

CotidianoDiversos

Governo Federal restabelece ordem em Alcaçuz e nas ruas de Natal

Homens da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária, grupo criado em portaria assinada na última terça-feira (24) pelo ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, conseguiram restabelecer a ordem na Penitenciária Estadual de Alcaçuz.

Ao todo, 81 agentes penitenciários – vindos de quatro estados e Distrito Federal – deram suporte à intervenção planejada para continuar pelos próximos dias na maior Penitenciária do Rio Grande do Norte, que passa pela sua maior crise desde o último dia 14, quando os presos se enfrentaram em uma guerra de facções.

Nas ruas de Natal, o clima também já é de ordem, com a atuação de 1,8 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, desde o último dia 20. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, veio a Natal acompanhar o início da operação.

Detalhe: Os nossos policiais e agentes também têm feito a sua parte, mesmo diante da falta de estrutura oferecida pelo Estado.

img_6744.jpg

Economia

Governo Federal anuncia medidas para baixar os juros do cartão de crédito

O presidente da República, Michel Temer, anunciou, nesta quinta-feira (22), mudanças no sistema de pagamento do cartão de crédito para permitir redução dos juros cobrados já no primeiro trimestre de 2017. O anúncio foi feito durante café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto.

“Alguns dias atrás, eu, ministro Meirelles [da Fazenda] e ministro Dyogo [do Planejamento] anunciamos que haveria uma redução dos juros do cartão de crédito. E, de fato, os últimos estudos revelam que no primeiro trimestre deste ano haverá uma redução de mais da metade dos juros cobrados do cartão de crédito”, afirmou o presidente

Pela proposta do governo, as instituições financeiras poderão oferecer um prazo máximo de 30 dias no pagamento rotativo do cartão de crédito, transformando a operação automaticamente em crédito parcelado.

“Em segundo lugar”, afirmou ou presidente, “30 dias após – é isso que está sendo imaginado -, haverá um parcelamento daqueles que não pagaram e este parcelamento ainda receberá juros inferiores, menos da metade do que é para o chamado rotativo”, afirmou.

Governo anuncia medidas para baixar os juros do cartão de crédito Foto: Marcos Corrêa/PR

Governo anuncia medidas para baixar os juros do cartão de crédito
Foto: Marcos Corrêa/PR

Política

Ministro da Fazenda se reúne com governadores na terça (22) para discutir situação fiscal dos Estados

Preocupado com a situação econômica dos estados, o governo federal agendou duas reuniões com os governadores para tratar do tema. O primeiro encontro está previsto para a próxima terça-feira (22) no Ministério da Fazenda, e terá a presença do titular da pasta, Henrique Meirelles, e dos mandatários estaduais.

Depois, em uma data ainda em aberto, o presidente da República, Michel Temer, vai se reunir com os governadores. Os dois encontros foram acertados por Temer. As informações foram transmitidas nesta sexta-feira (18) pelo porta-voz da presidência, Alexandre Parola.

Cidades

Federação dos Municípios do RN emite nota de repúdio ao Governo Federal

Nota de repúdio da FEMURN:

“A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte – FEMURN – repudia veementemente o terceiro calote seguido que o Governo Federal dá aos municípios, em relação aos recursos da repatriação.

Primeiramente, os municípios foram excluídos do recebimento de multas e juros dos valores da repatriação – que ficaram apenas com a união; em seguida, o recurso veio 15% menor que o estimado inicialmente; agora, o valor da segunda parcela – a ser paga no próximo dia 20 de novembro – que seria de aproximadamente R$ 200 milhões para todos os municípios do país, caiu para R$ 2 milhões.

A redução que corresponde a apenas 1% no valor é grave e afeta diretamente as prefeituras, que já haviam feito cálculos e previsões de acordo com o montante que seria pago inicialmente. Os gestores precisam refazer às pressas as contas e, lamentavelmente, deixar de honrar compromissos que planejaram pagar com os recursos da União. A gritante redução afeta diretamente a economia financeira das prefeituras e dos municípios por um todo.

A FEMURN também considera lamentável que em um ano marcado por acumuladas perdas financeiras nos repasses, o recurso extra que poderia amenizar a gravidade das finanças municipais se torne praticamente inexistente e provoque o efeito reverso à economia: piore as dificuldades já enfrentadas em nossas cidades.

Lamentavelmente, o investimento nos municípios se torna cada vez mais deficitário, e a tendência é que as dificuldades para pagamento de salários de servidores e dívidas com fornecedores se agrave ainda mais, inviabilizando as cidades”.

 

PoderPolítica

Governo Federal fecha acordo para pagamento da dívida dos Estados

O presidente em exercício Michel Temer definiu que o pagamento das dívidas dos estados com a União terá carência até o final de 2016. A medida foi anunciada nesta segunda-feira (20) durante reunião com 22 governadores e cinco vice-governadores, no Palácio do Planalto.

A partir de janeiro de 2017, os estados vão pagar 5,5% sequencialmente durante 18 meses até alcançar 100% do valor devido. Pagamentos que não se deram em função de liminares na Justiça serão feitos em 24 meses.

“Essa reunião é para dizer que, depois de um logo inverno, parece que a luz se acendeu no horizonte”, disse o presidente.

De acordo com Temer, as negociações com os governadores incluem uma proposta de limitação dos gastos estaduais, tal como ocorre no projeto do Novo Regime Fiscal, enviado pelo governo ao Congresso Nacional na semana passada.

“A circunstância de nós estarmos pré-resolvendo as dificuldades que os estados brasileiros estão passando, os estados também se incorporam à tese da União da limitação dos gastos dos respectivos orçamentos, digamos assim, aumentáveis apenas em face da inflação do ano anterior”.

Fotos: Beto Barata

Diversos

STF homologa delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez

Do G1

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou o acordo de delação premiada de Otávio Mesquita de Azevedo, ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, e de Flávio Barra, ex-executivo da empresa.

Informações publicadas na edição desta quinta-feira (7) do jornal “Folha de S.Paulo” e confirmadas pela TV Globo apontam que, nessas delações, os executivos afirmaram que a empresa pagou propina em forma de doações legais para as campanhas da presidente Dilma Rousseff em 2010 e 2014.

De acordo com a reportagem, a propina vinha de obras superfaturadas da Petrobras e do setor elétrico, e o esquema de pagamentos ganhou maior escala a partir das obras da usina de Belo Monte. Entre as obras listadas com pagamento de propina estão estádios da Copa do Mundo: o Maracanã, no Rio, a Arena Amazônia, em Manaus, e o Mané Garrincha, em Brasília.

A “Folha” disse que a Andrade Gutierrez entregou uma planilha em que detalha as doações vinculadas à participação da empreiteira em contratos de obras públicas.

Política

Dilma reduz 8 ministérios e 10% do salários do ministros, corta 3 mil cargos e dá mais poder ao PMDB no governo

Do G1

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta sexta-feira (2) a reforma ministerial do governo, com eliminação de 8 das 39 pastas. No total, nove partidos detêm ministérios no governo.

O principal objetivo da reforma foi assegurar a governabilidade, com a formação de uma nova base de apoio partidário no Congresso, a fim de o governo obter maioria parlamentar, evitar as derrotas que vinha sofrendo e conseguir a aprovação das matérias de seu interesse na Câmara e no Senado.

Partidos
Mesmo com a redução do número de pastas, o PMDB aumentou a participação no ministério (de seis para sete). O partido com mais ministérios continua sendo o PT (nove). Ficaram com um ministério PTB, PR, PSD, PDT, PCdoB, PRB e PP. Oito ministros não são filiados a partidos.

Dilma fez o anúncio em um discurso ao lado do vice-presidente Michel Temer. A presidente justificou a partilha de cargos entre partidos, dizendo que é preciso garantir uma base aliada sólida e com maior “diálogo”. Ela destacou que o processo de escolha foi “feito às claras” e defendeu que o processo foi “legítimo”.

“Tivemos o objetivo de] consolidar a base política buscando uma maioria. Ao alterar alguns dos dirigentes dos ministérios, estamos tornando nossa coalizão mais equilibradas. Trata-se de uma ação legítima, de um governo de coalizão. E por isso tudo tem sido feito às claras. Trata-se de articulação política para trazer um ambiente de diálogo”, declarou.

Medidas anunciadas
Veja medidas anunciadas pela presidente com o objetivo de enxugar a máquina administrativa:

– Criação da Comissão Permanente da Reforma do Estado
– Extinção de oito ministérios
– Extinção de 3 mil cargos comissionados
– Eliminação de 30 secretarias ligadas a ministérios
– Redução de 10% nos salários dos ministros
– Corte de até 20% nos gastos de custeio
– Imposição de limite de gastos com telefone, passagens e diárias aos ministérios
– Revisão de contratos de serviços terceirizados
– Revisão de todos os contratos de aluguel do governo
– Revisão do uso do patrimônio público e dos imóveis da União
– Criação de uma central de transporte por ministério, com vista a reduzir a frota e otimizá-la

 

Política

Novos ministros de Dilma Rousseff: veja quem entra e quem sai

 Veja a lista de novos ministros
MINISTÉRIO MINISTRO ANTERIOR MINISTRO ATUAL
1 Advocacia Geral da União Luís Anácio Adams Luís Anácio Adams
2 Agricultura Kátia Abreu Kátia Abreu
3 Assuntos estratégicos Vitor Pinto Chaves (interino) Ministério extinto
4 Aviação Civil Eliseu Padilha Eliseu Padilha
5 Banco Central Alexandre Tombini Alexandre Tombini
6 Casa Civil Aloízio Mercadante Jaques Wagner
7 Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos Novo ministério, resultado da fusão entre Direitos Humanos, Igualdade Racial e Mulheres Nilma Lino Gomes
8 Ciência e Tecnologia Aldo Rebelo Celso Pansera
9 Cidades Gilberto Kassab Gilberto Kassab
10 Comunicação Social Edinho Silva Edinho Silva
11 Comunicações Ricardo Berzoini André Figueiredo
12 Controladoria-Geral da União Valdir Simão Valdir Simão
13 Cultura Juca Ferreira Juca Ferreira
14 Defesa Jaques Wagner Aldo Rebelo
15 Desenvolvimento Agrário Patrus Ananias Patrus Ananias
16 Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Armando Monteiro Armando Monteiro
17 Desenvolvimento Social Tereza Campello Tereza Campello
18 Direitos Humanos Ideli Salvatti Ministério fundido à Cidadania
19 Educação Renato Janine Aloizio Mercadante
20 Esportes George Hilton George Hilton
21 Fazenda Joaquim Levy Joaquim Levy
22 Igualdade Racial Nilma Gomes Ministério fundido à Cidadania
23 Integração Nacional Gilberto Occhi Gilberto Occhi 
24 Justiça José Cardozo José Cardozo
25 Meio Ambiente Izabella Teixeira Izabella Teixeira
26 Micro e Pequena Empresa Afif Domingos Ministério fundido ao do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
27 Minas e Energia Eduardo Braga Eduardo Braga
28 Pesca e Aquicultura Helder Braga Ministério fundido à Agricultura
29 Planejamento Nelson Barbosa Nelson Barbosa
30 Política para as Mulheres Eleonora Menicucci – Ministério fundido à Cidadania
31 Portos Edinho Araújo Helder Barbalho
32 Previdência Social Carlos Gabas Ministério fundido ao Trabalho e Emprego
33 Relações Exteriores Mauro Vieira Mauro Vieira
34 Relações Institucionais Vago Ministério fundido à Secretaria Geral da Presidência
35 Saúde Arthur Chioro Marcelo Castro
36 Secretaria Geral da Presidência Miguel Rossetto Ministério fundido à Secretaria de Relações Institucionais
37 Secretaria de Governo Novo ministério, resultado da fusão entre Relações Institucionais e Secretaria Geral da Presidência Ricardo Berzoini
38 Segurança Institucional José Elito Perdeu o status de ministério
39 Trabalho, Emprego e Previdência Manoel Dias Miguel Rossetto
40 Transportes Antonio Rodrigues Antonio Rodrigues
41 Turismo Henrique Eduardo Alves Henrique Eduardo Alves

Economia

Governo Federal anuncia pacote de corte de gastos e propõe volta da CPMF

Do G1

Após um final de semana de muitas reuniões entre a presidente Dilma Rousseff e vários de seus ministros, o governo federal anunciou nesta segunda-feira (14) um bloqueio adicional de gastos no orçamento de 2016 no valor de R$ 26 bilhões. Além disso, o governo também anunciou uma nova rodada de alta de tributos, com a proposta de retorno da CPMF.

A CPMF, segundo os cálculos divulgados pelo governo, vai ser responsável por metade do ajuste nas contas públicas anunciado nesta segunda-feira para o ano de 2016, que é de R$ 64,9 bilhões. “O objetivo é que a CPMF não dure mais do que quatro anos”, disse o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Também foi anunciado que haverá redução de ministérios e cargos de confiança, gerando uma redução de gastos de R$ 200 milhões. Esses cortes, no entanto, não foram detalhados.

Economia

CPMF: Governo Federal abandona a ideia de recriar o imposto

Da Folha de São Paulo

A presidente Dilma Rousseff desistiu neste sábado (29) de propor a criação de um imposto sobre transações financeiras nos moldes da antiga CPMF, três dias depois de o governo apresentar a ideia como essencial para cobrir um rombo de R$ 80 bilhões no orçamento do próximo ano.

Assessores presidenciais disseram à Folha que a proposta era considerada boa, mas o governo não soube negociá-la com antecedência para garantir sua aprovação pelo Congresso ainda neste ano.

Foi determinante para o recuo da presidente a reunião que ela teve na noite de sexta-feira (28) com governadores do Nordeste. No encontro, ela sentiu que o clima era muito adverso para recriar o imposto do cheque e poderia agravar a atual crise política.

Política

Para Governo, menor participação nos protestos é alívio para Dilma

Da IstoÉ online

Um levantanto do governo federal indica que, sem contar São Paulo e Rio de Janeiro, os protestos contra a presidente Dilma Rousseff reuniram cerca de 200 mil pessoas neste domingo (16). A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo a publicação, assessores próximos da presidente veem a participação – menor do que nos protestos de abril e março – como mais um “alívio” na crise política que atinge a cúpula do PT.

Na semana passada, Dilma conseguiu vitórias ao trazer para seu lado o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), ao ganhar mais tempo no TCU para explicar as “pedaladas” fiscais e ao conseguir, no STF, uma decisão que tira das mãos do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), o poder de julgar as contas do governo federal.

A presidente se encontra, às 17h, com ministros da articulação política para avaliar os impactos dos protestos deste domingo. Entre os ministros estarão José Eduardo Cardozo (Justiça) e Aloizio Mercadante (Casa Civil).