Política

Meirelles vai virar youtuber e não descarta chance de ser ministro

Do Estadão

BRASÍLIA – Henrique Meirelles (MDB) disse que ficará “independente” no 2.º turno da campanha entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Candidato derrotado à Presidência, ele abriu um sorriso, no entanto, quando soube que seu slogan “Chama o Meirelles” já foi transformado em “Chama o Bolsonaro”.

“Podem me imitar à vontade”, afirmou o ex-ministro da Fazenda. Apesar de ter obtido apenas 1,2% dos votos, Meirelles disse que não se arrepende de nada. Seu plano, agora, é montar um canal digital para divulgar propostas para o País. Ele será uma espécie de “youtuber”.

Quem o sr. vai apoiar no segundo turno da eleição presidencial?

A minha posição é de independência e de avaliação sobre o que os candidatos, de fato, pretendem fazer. 

Com qual programa econômico o sr. se identifica mais?

Depende de saber qual é. O programa do Haddad é o que está no plano de governo do PT ou o que foi o Lula no primeiro mandato? Se for o Lula 1, foi um bom governo do ponto de vista econômico. Se for o que foi a Dilma, é péssimo, um desastre. Do lado do Bolsonaro, se for o que está dito pelos economistas liberais, é um bom plano. Agora, se for produto mais direto do que o candidato tem dito, algumas vezes com conteúdo estatizante, aí é mais questionável. 

Isso quer dizer que, dependendo do programa, o sr. pode ir para um lado ou outro?

Como estamos em pleno curso da campanha do segundo turno, considero mais provável que isso só fique claro depois das eleições. 

O publicitário Elsinho Mouco, que colaborou com sua campanha, lançou o slogan “Chama o Bolsonaro”. Como o sr. viu isso?

Ótimo. Podem me imitar à vontade. Fico honrado. 

Seria ministro novamente?

Decisão não é como peru que morre na véspera. Dependendo de quem for eleito, se esse alguém me convidar para alguma coisa, vou analisar qual é o programa e a proposta. 

Haddad disse que, se eleito, não terá um banqueiro no governo.

É o embate político dele com Bolsonaro, por causa do Paulo Guedes (guru econômico do candidato do PSL). 

O sr. parece ter gostado da política. Disputaria outra eleição?

No momento, não tenho esses planos. A minha primeira medida concreta será a criação de um canal digital no qual vamos veicular conteúdos, com uma série de especialistas de diversas áreas para falar com todo esse público. Nas pesquisas que fiz, saí com boa imagem da eleição. Isso, de fato, me dá uma possibilidade muito grande de influenciar o debate. 

E o que faltou para o voto?

Vivemos um momento muito peculiar em que houve uma polarização muito grande. Houve um movimento de grande preocupação com segurança e aumento do sentimento de indignação. Houve um tsunami em direção aos extremos. Na minha campanha, eu disse com clareza: “Posso perder o seu voto, mas espero ganhar o seu respeito”. Isso eu consegui. Agora, talvez a verdade não tenha ganho voto. 

Foi a Operação Lava Jato que influenciou esse quadro?

Várias coisas influenciaram. Em primeiro lugar, a renda per capita, durante essa crise, caiu 9%. É brutal isso. Ao mesmo tempo, tivemos inflação alta, o que gerou um sentimento de revolta. Depois, tivemos todos esses episódios de denúncias. A eleição foi muito impulsionada pela indignação. Eu fiz até uma peça de propaganda, mostrando um motorista de ônibus dirigindo com venda nos olhos. Dizia o seguinte: “Não vote cego pela indignação, use a indignação para votar certo”. 

Mas por que o sr. foi abandonado pelo MDB na campanha?

Não me senti abandonado. Tive apoio muito grande das principais lideranças regionais. 

Os candidatos têm como cumprir o que estão prometendo, como a capitalização da Previdência e o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda?

Não há dúvida de que o regime de capitalização cria um problema. O maior problema de fazer isso é o grande déficit dos já aposentados. Se todos os que vão contribuir para o futuro deixam de pagar o custo dos aposentados que não têm a capitalização, esse recurso vai sair de onde? A Lei da Responsabilidade Fiscal obriga a definir fonte de recursos. 

Qual a primeira medida que o futuro presidente deve tomar na área econômica?

Promover o equilíbrio fiscal. É insustentável a presente situação. Precisamos ter um programa de eliminação do déficit primário num espaço de tempo realista, de três anos. E o equilíbrio fiscal passa pela reforma da Previdência. Não adianta tentar fazer mágica. São duas reformas fundamentais, a da Previdência e a tributária. Depois, há toda aquela série de medidas para aumentar a produtividade da economia. Segurança, educação e saúde vêm como consequência. 

O sr. se arrepende de ter gasto tanto dinheiro (R$ 53,2 milhões) na campanha?

Não me arrependo de nada.

Política

Meirelles teve agenda extensa em Natal

O presidenciável Henrique Meirelles (MDB) cumpriu uma extensa agenda política em Natal nesta segunda-feira (24).

Ao de sua esposa, a psiquiatra Eva Meirelles e do prefeito de Natal, Álvaro Dias (MDB), Henrique Meirelles concedeu entrevistas, conversou com empresários na CDL Natal, caminhou pelo comércio do Alecrim, onde conversou com populares e ainda visitou a Liga Norte-Riograndense contra o Câncer.

Alecrim

Meirelles em caminhada pelo Bairro Alecrim

Na Liga, o candidato foi recebido pelos médicos Ricardo Curioso, Ivo Barreto e Arthur, conhecendo as instalações do local e conversando com funcionários, além de mostrar suas propostas para a Saúde Pública.

“Saio daqui impressionado com a Liga contra o Câncer e quero parabenizar o trabalho desenvolvido por essa equipe competente e acima de tudo humana”, disse Meirelles.

Meirelles visitando a Liga Contra o Câncer

Meirelles visitando a Liga Contra o Câncer

Política

Receita de Meirelles para o RN

Durante a coletiva à imprensa que concedeu em Natal, o presidenciável Henrique Meirelles (MDB), especialista em economia, deu sua receita para colocar o RN novamente no caminho do desenvolvimento.

“O turismo é um dos caminhos para o RN. Na presidência vamos desenvolver políticas regionais e aqui uma das nossas apostas será o turismo. Ampliando a infraestrutura portuária para se receber vários navios de cruzeiros, fortalecendo o Aeroporto Aluízio Alves e melhorando as condições das rodovias no RN”, disse o candidato.

Meirelles ainda disse que a conclusão da Barragem de Oiticica, no Seridó, será uma prioridade, bem como a chegada da transposição do Rio São Francisco para o Estado. “Isso vai desenvolver o Semiárido com as potencialidades já existentes ali”.

Crise fiscal

A respeito da grave crise econômica que passa o RN, inclusive, com atraso salarial dos servidores, Meirelles disse que vai elaborar um Projeto de Lei, enviar ao Congresso e estabelecer critérios de ajuda aos Estados como o RN.

“Como Ministro da Fazenda autorizei a liberação de recursos por meio de Medida Provisória para a regularização do pagamento dos servidores do RN. Que não foi possível devido a impedimento por parte do Tribunal de Contas da União. Com a Lei, regularizaremos para que possamos fazer o fortalecimento dos Estados e Municípios”, finalizou.

Política

Em Natal, Meirelles afirma que “violência se combate com inteligência”

O presidenciável Henrique Meirelles (MDB) cumpre agenda em Natal nesta segunda-feira (24).

Em coletiva à imprensa, após ser questionado sobre a onda de violência no Brasil e no principalmente no Rio Grande do Norte, o candidato foi enfático: “Violência se combate com inteligência”.

A inteligência que se referiu o candidato é a capacitação dos servidores da Segurança e investigação e planejamento com eficiência.

A agenda de Meirelles é acompanhada pelo prefeito Álvaro Dias (MDB).

Política

Henrique Meirelles cumpre agenda em Natal na próxima segunda (24)

O candidato à Presidência Henrique Meirelles (MDB) estará em Natal na próxima segunda-feira (24), cumprindo agenda da sua campanha. Além de entrevistas à imprensa potiguar, incluindo uma entrevista coletiva às 9 horas, na sede da CDL Natal, Meirelles participará de encontros com lideranças empresarias do Estado, de uma caminhada no bairro do Alecrim e fará uma visita à Liga Norte-Rio-Grandense contra o Câncer. Confira abaixo a programação do candidato do MDB em Natal.

Agenda Henrique Meirelles em Natal

8 horas — Entrevista à 96 FM

9 horas — Entrevista coletiva na sede da CDL Natal (rua Ceará-Mirim, 322, ao lado do Nordestão da Prudente).

9h30 — Encontro com empresários e comerciantes (também na sede da CDL Natal)

10h30 — Caminhada no bairro do Alecrim

13h30 —Entrevista à TV Ponta Negra

14h30 — Visita à Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer

16 horas — Embarque para Salvador

44103130894_ffd4337767_z

Política

PHS é o primeiro partido a anunciar apoio a Meirelles (MDB)

Do Estadão

O candidato à Presidência nas eleições 2018 Henrique Meirelles (MDB) terá ao menos um partido em sua coligação: o PHS. A executiva nacional da sigla decidiu apoiá-lo em reunião na tarde desta quinta-feira, 2.

O anúncio do PHS foi feito depois de a convenção nacional do MDB confirmar o nome de Meirelles para o Planalto. A legenda vai oficializar o apoio em um evento na sede do PHS às 18h desta quinta.

Segundo o presidente do PHS em São Paulo, Laércio Benko, a vaga de vice não entrou na conversa. O partido tem 8 deputados na Câmara. O ex-ministro da Fazenda foi confirmado na convenção, mas o nome de vice não foi anunciado. A sigla cogita a senadora Marta Suplicy para a vaga.

“A grande questão é que temos todos os atuais candidatos com uma grande rejeição e demonstrando uma dificuldade no discurso de agregar o Brasil. Acredito que Meirelles, por ter participado de outros governos e por ser elogiado por todos os principais atores políticos, representa o potencial de agregar”, disse Benko.

Política

Com 85% dos votos, MDB aprova candidatura de Meirelles à Presidência

Depois de 24 anos, o MDB voltará a ter candidato à Presidência da República. O partido aprovou, com 85% dos votos entre os 419 filiados com direito a opinar, a candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles ao Planalto. O resultado foi anunciado pelo presidente nacional do partido, o senador Romero Jucá (RR).

A decisão foi tomada na convenção nacional da legenda, realizada nesta quinta-feira (2) em Brasília com a presença do presidente Michel Temer. Opositores da postulação do ex-ministro, senadores, como Renan Calheiros (AL) e Roberto Requião (PR), defendiam que o partido votasse pela neutralidade. O MDB segue sem alianças para a disputa e deve escolher um vice do próprio partido – o nome mais forte neste momento é o da ex-prefeita de São Paulo e senadora Marta Suplicy.

Informações da Veja

Política

Meirelles defende reforma tributária como prioridade e afirma que tirou o Brasil da recessão

Reforma tributária será prioridade de Governo, caso o pré-candidato do MDB à Presidência da República, Henrique Meirelles, seja eleito. A afirmação foi dada durante coletiva de imprensa concedida antes do Fórum FIERN Caminhos do Brasil, na manhã desta quinta-feira (12), na Casa da Indústria. O ex-ministro defendeu privatizações, políticas específicas para o Nordeste e garantiu que a reforma da previdência será retomada tão logo a intervenção militar no RJ se encerre. Meirelles é o 5º presidenciável a participar do Fórum, que já recebeu Aldo Rebelo (Solidariedade), Jair Bolsonaro (PSL), Álvaro Dias (Podemos), e João Amoedo (Partido Novo).

“Precisamos simplificar a vida do brasileiro. A reforma tributária deve ser a primeira reforma fundamental a ser feita, que daremos andamento nos seis primeiros meses de mandato”, afirma. Ele antecipa que a proposta da reforma tributária e outros 15 projetos prioritários, como o cadastro positivo, a duplicata eletrônica para baixar os custos das MPEs, já foram apresentados ao Congresso. Bem como, a simplificação da cobrança de impostos e a adoção do Imposto de Valor Adicionado (IVA), para dar maior transparência ao sistema tributário brasileiro.

Ex-ministro da Fazenda do Governo Temer e ex-presidente do Banco Central do Governo Lula, Meirelles ressalta que o país superou a maior recessão – saindo de uma queda do PIB de -3,5% em 2016. Cresceu 1% em 2017, um incremento de 4,5% e atribui o crescimento abaixo do esperado para 2018 à indefinição do cenário político, com “propostas irresponsáveis” de alguns candidatos que travam a confiança na retomada do investimento e também do consumo.

“A economia brasileira estava em colapso, tivemos uma queda acentuada do PIB, mas tiramos o país da maior recessão da história. A expectativa era de que 2018 fosse ainda melhor que 2017 quando o país cresceu 2%. As razões de ser menor são as propostas radicais e irresponsáveis de alguns candidatos em voltar atrás em tudo aquilo que tirou o país da crise”, afirma o pré-candidato. Ele projeta para 2019, com o cenário político definido, que o país volte a crescer na taxa de 3,5 ao ano.

Meirelles defendeu a privatização. À exemplo do que foi proposto para Eletrobras – para garantir que sejam bem administradas no futuro -, o ex-ministro Henrique Meirelles disse, durante o Fórum FIERN Caminhos do Desenvolvimento, que pretende ampliar a participação do capital privado em bancos públicos e de economia mista, como a Caixa Econômica, Banco do Brasil, entre outros.

Foto: Assessoria/FIERN Foto: Assessoria/FIERN

Política

Em Natal, Henrique Meirelles também se reuniu com partidários do MDB

O senador Garibaldi Filho (MDB) acompanhou, nesta quinta-feira (12), em Natal, o debate do Fórum Caminhos do Brasil, uma iniciativa da Federação da Indústria do Rio Grande do Norte (Fiern), que apresentou como palestrante o ex-ministro da Fazendo e pré-candidato à Presidência da República, Henrique Meirelles, pelo MDB.

Para Garibaldi, o fórum é uma ferramenta que aproxima os futuros candidatos com a sociedade norte-rio-grandense, ressaltando que nem sempre o político pode estar presente durante a campanha.

“Ouvimos hoje a palavra de um homem preparado e do nosso partido MDB. Este contato é a democracia sendo colocada em prática, quando podemos ouvir e questionar se necessário sobre os projetos. Meirelles demonstrou ser um conhecedor de nosso estado e nossas necessidades, apontando a economia e a segurança pública como prioridades”, disse Garibaldi.

Meirelles falou sobre o trabalho que executou enquanto presidente do Banco Central, no Governo Lula, e como ministro da Fazenda, no Governo Temer. Ele ressaltou que o País ainda luta para sair da crise, mas está no caminho certo diante da gravidade do quadro econômico.

Após o fórum, Henrique Meirelles participou de um encontro com partidários do MDB. Estiveram presentes nos eventos, o presidente do sistema Fiern, Amaro Sales; o prefeito de Natal, Álvaro Dias; o presidente da Fundação Ulisses Guimarães, Gleire Belchior; o vereador Felipe Alves; além de prefeitos e lideranças do MDB-RN.

Meirelles acompanhado por Garibaldi em coletiva na FIERN (Foto: Assessoria/FIERN). Meirelles acompanhado por Garibaldi em coletiva na FIERN (Foto: Assessoria/FIERN).

Prefeito Álvaro Dias saudando o presidenciável

Política

Meirelles apresenta suas propostas em Natal na quinta (12)

O presidenciável Henrique Meirelles, pré-candidato à Presidência da República pelo MDB, estará em Natal na quinta-feira (12).

Vai participar Fórum Caminhos do Brasil, promovido pela FIERN, com os pré-candidatos a Presidente.

Natural de Anápolis (GO), Meirelles é formado em engenharia. Iniciou sua carreira em 1974 no BankBoston onde trabalhou por 28 anos. Começou no departamento de Leasing e, após 4 anos, assumiu a Vice Presidência do banco. Em 1984 cursou o Advanced Management Program (AMP) pela Harvard Business School, um curso que prepara executivos que assumirão a presidência de grandes corporações. Em junho do mesmo ano, com o seu retorno ao Brasil, foi nomeado presidente do BankBoston no país, cargo que ocupou por 12 anos. Em 1996 foi escolhido presidente mundial da instituição a partir da sede nos Estados Unidos. Foi o único brasileiro a comandar um grande banco global nos EUA. Ocupou o cargo até 1999.

Em 2002 foi eleito pelo PSDB o deputado federal mais votado do estado de Goiás.

No ano seguinte, renunciou ao mandato para assumir a presidência do Banco Central (2003 a 2010).

De maio de 2015 a abril de 2018 foi ministro da Fazenda.

Política

Henrique Meirelles quer ter vice do PSDB de Alckmin

O presidenciável esteve, neste sábado (7), em Chapecó, Santa Catarina. Em entrevista ao repórter Marcelo Lula, da rádio Super Condá, Meirelles afirmou que a união entre MDB e PSDB pode acontecer no segundo turno das eleições, mas que melhor seria, inclusive para os tucanos, é que os dois partidos passassem a caminhar juntos a partir de agora.

“Em uma hipótese, que eu acho que seria, inclusive, melhor para o próprio PSDB. Eles poderiam apontar o candidato a vice-presidente da nossa candidatura. Porque o MDB sim, já escolheu, desde o início, ter um candidato a presidente. Fez uma prévia, já a alguns meses, definindo, por vasta maioria, que o partido quer ter uma candidatura própria”, afirmou.

Henrique Meirelles lembrou que as eleições estão influenciando negativamente na economia do país porque as propostas “extremas” dos candidatos adversários estão causando incertezas no mercado financeiro.

“A economia esse ano deu uma reversida porque: preocupação com as eleições de outubro e com as propostas dos candidatos dos extremos, que se ganharem vão levar de volta o Brasil a recessão. Portanto, é muito importante essa candidatura e, não há dúvida, que o partido está, a cada dia, mais mobilizado no Brasil inteiro”, lembrou.

Henrique Meirelles ressaltou que as pesquisas eleitorais qualitativas mostram que o eleitor quer um presidente sério e com competência comprovada.

O ex-ministro, responsável por tirar o país de duas crises econômicas, acredita que quando o eleitor conhecer melhor suas capacidades durante a propaganda eleitoral no rádio e na TV irá vencer as eleições.

Política

Meirelles inicia pré-campanha à Presidência por Natal

Pré-candidato à Presidência pelo MDB, o ex-ministro Henrique Meirelles iniciou por Natal, neste sábado (26), sua pré-campanha.

Meirelles participou do evento em comemoração ao centenário da Assembleia de Deus no RN, que também teve a presença dos senadores Garibaldi Filho (MDB) e José Agripino (DEM), do prefeito Álvaro Dias (MDB), do governadorável Carlos Eduardo (PDT), do deputado federal Antonio Jácome (Podemos) e dos estaduais Jacó (Podemos) e Albert Dickson (PROS).

Em entrevista à imprensa, Meirelles demonstrou confiança que alcançará a vitória nas eleições. Sobre a polêmica da alta dos combustíveis, disse que “as reformas são fundamentais para a redução das despesas públicas, dos impostos, desonerando a carga tributária e reduzindo entre outras coisas o preço dos combustíveis”.

Política

Meirelles em Natal neste sábado (26)

Pré-candidato à Presidência do MDB, o ex-ministro Henrique Meirelles estará em Natal neste sábado (26).

Às 18h30 participa de evento da Assembleia de Deus na Arena das Dunas que vai reunir 40 mil pessoas.

Política

MDB lança programa de governo e Temer confirma pré-candidatura de Meirelles

Do Estadão

O presidente Michel Temer anunciou nesta terça-feira, 22, em evento do MDB em Brasília que não disputará a reeleição e apoiará a candidatura de seu ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

“Digo, sem medo de errar, o Meirelles é o melhor dentre os melhores. Por isso, Meirelles tem todas as condições de estar não só a frente do partido, mas a frente da nossa campanha eleitoral”, declarou Temer em discurso lido. “Ficarei orgulhosíssimo se um dia Meirelles for proclamado, pelo voto popular, presidente da República Federativa do Brasil”, acrescentou.

O presidente sugeriu aos que não concordarem com a candidatura do ex-ministro que peçam desfiliação da legenda. “Dizer ‘Ah, eu não apoio o Meirelles, então saia do partido. O povo brasileiro está atento.”, declarou, sem mencionar nomes como o do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que é contra a candidatura de Meirelles e não compareceu ao evento de hoje.

Temer ressaltou o perfil de Meirelles e lembrou que o escolheu para comandar a economia brasileira pela “sensibilidade, liderança e talento” do ex-ministro. De acordo com o presidente, o programa “Encontro com o Futuro”, lançado hoje pela Fundação Ulysses Guimarães, aponta as diretrizes para a continuidade do MDB no governo.

Em seu discurso, Temer fez uma defesa de seu governo. “Sou realista. Sei o que fiz e o que não fiz. Sei o que falei e o que falam por mim”, declarou. “Estamos com a verdade, e ela nos fortalece. Essa verdade não é apenas uma palavra, é uma ação. São gestos concretos já descritos aqui pelo Meirelles, (Romero) Jucá e Moreira (Franco)”, acrescentou.

Sem mencionar as denúncias das quais foi alvo, Temer afirmou que a “dor da acusação injusta não vai me paralisar” e que o governo não vai paralisar nesses meses que faltam para acabar. “Se produzirmos um terço do que produzimos nesses dois anos, Meirelles, você vai pegar o País com uma tranquilidade absoluta.”, disse. “Temos que aprovar o que for possível e urgente”.

Temer afirmou que, quando a população se tocar do quanto o País cresceu, “certa e seguramente” votarão no MDB. “Meirelles, queira Deus que você seja o único candidato de centro a continuar no Brasil o que começamos”, declarou. Para ele, o MDB não tem o direito de ignorar o que seu governo fez; tem o “dever de levar adiante”. “Foi, por isso, Meirelles, que chamamos você para ser presidente do Brasil”.

Temer e Meirelles chegaram juntos à Fundação Ulysses Guimarães, onde o evento do MDB ocorreu. Logo na entrada do local, havia um grande banner com os dizeres: “Nossa União nos fortalece”.

Temer decidiu apoiar publicamente Meirelles nos últimos dias e Temer disse a dirigentes do MDB que tornaria público o endosso na cerimônia de lançamento do documento “Encontro com o Futuro”, para deixar clara a desistência de concorrer a novo mandato e fazer um aceno público na direção de Meirelles.

Mais cedo, no lançamento do documento, o ministro Moreira Franco (Minas e Energia) culpou o ambiente político-parlamentar pela não conclusão de algumas propostas do “Ponte para o Futuro”, carro-chefe do MDB na gestão Temer.

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Política

Meirelles vai se filiar ao MDB

Estadão

Pelo Twitter, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou na noite desta terça-feira, 27, que decidiu se filiar ao MDB. Como previsto, ele disse que só vai decidir se deixará o cargo para disputar a eleição na próxima semana. Nos bastidores, contudo, Meirelles já indicou o nome do secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, como seu substituto.

“É nosso desafio aprofundar as mudanças que tiraram o Brasil da pior crise de nossa história. Na próxima semana tomarei a decisão se irei ou não me candidatar nas eleições de outubro. Enquanto isso, sigo focado no Ministério da Fazenda. Continuarei comprometido a trabalhar pelo Brasil”, escreveu na rede de microblog.

Mais cedo, o MDB se antecipou e, também pelo Twitter, anunciou que o ato de filiação de Meirelles ocorrerá na próxima terça-feira, 3, na sede do partido, em Brasília. Segundo a nota, o presidente da República, Michel Temer, e o presidente da legenda, senador Romero Jucá (MDB-RR), assinarão o documento de filiação de Meirelles. O anúncio pegou Meirelles de supresa.

Mesmo sem garantia de que será cabeça de chapa nas eleições para o Palácio do Planalto, o ministro da Fazenda decidiu se arriscar e vai deixar o cargo, se filiar ao MDB e tentar se candidatar nas eleições de outubro. A costura do acordo para a sua ida para partido foi confirmada ontem pelo presidente Michel Temer ao Estadão/Broadcast. “Já era a intenção dele. Acertamos nesses últimos dias”, afirmou o presidente.

A ideia é que o ministro fique como “plano B”, caso Temer não consiga viabilizar sua candidatura e desista de entrar no páreo. Se o presidente não recuar, o MDB quer que Meirelles seja candidato a vice-presidente na chapa do emedebista.

A declaração de Temer precipitou a movimentação em torno da sucessão no Ministério da Fazenda. Embora Eduardo Guardia, indicado por Meirelles, enfrente resistências dentro do MDB, a expectativa é que o presidente Michel Temer aceite a sugestão. O presidente foi alertado de que há risco elevado de outros integrantes do chamado “dream team” deixarem a equipe econômica, caso o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, seja indicado para o cargo.

Na manhã desta terça-feira, 27, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que o governo tentará manter a atual equipe da pasta. “Teremos que manter o rumo e, na medida do possível, preservar as pessoas que fazem com que esse rumo seja mantido”, disse.

Economia

Meirelles: “O Brasil saiu da pior recessão de sua história”

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa agora do Seminário Motores do Desenvolvimento.

“O Brasil saiu da pior recessão de sua história”, afirmou o Ministro.

Segundo o Ministro, o crescimento está se espalhando em todos os setores da economia.

E disse ainda que o desemprego está dando vez ao emprego no Brasil.

Economia

Henrique Meirelles e Flávio Rocha participam de seminário em Natal nesta segunda (05)

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estará em Natal nesta segunda-feira (05), para participar do Seminário Motores do Desenvolvimento do RN, promovido pela Tribuna do Norte em parceria com a FIERN, UFRN, Fecomercio, Assembleia Legislativa, SEBRAE, dentre outras importantes instituições do Rio Grande do Norte.

Quem também será palestrante no evento que ocorrerá no Hotel Holiday In é o empresário Flávio Rocha.

São 11 anos do projeto Motores do Desenvolvimento.

Estado

Ministro Henrique Meirelles confirma participação no Seminário Motores do Desenvolvimento do RN

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estará em Natal no próximo dia 05 de março, para participar do Seminário Motores do Desenvolvimento do RN, promovido pela Tribuna do Norte em parceria com a FIERN, UFRN, Fecomercio, Assembleia Legislativa, SEBRAE, dentre outras importantes instituições do Rio Grande do Norte.

O evento ocorrerá às 08h30, no Hotel Hiliday In, e terá o empresário Flávio Rocha também como um dos palestrantes.

Os senadores Garibaldi Filho e José Agripino acompanharam à audiência para o convite ao Ministro, ao lado de Ricardo Alves, diretor administrativo da Tribuna do Norte; Ângela Paiva, Reitora da UFRN; Marcelo Queiroz, Presidente da Fecomércio; Augusto Viveiros, diretor da Assembleia Legislativa; Pedro Terceiro, representante da FIERN e Zeca Melo, superintendente do SEBRAE no RN.

Motores

Política

Meirelles admite: “Sou presidenciável”

Em entrevista à Veja, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, 72 anos, admitiu que é um pré-candidato à Presidência da República em 2018.

Revista Veja: O senhor tem consciência de que é um presidenciável?

Sim, sou presidenciável. As pessoas falam comigo, me procuram, mas ninguém me cobra uma definição. No mundo político, por exemplo, dizem o seguinte: o senhor tem o meu apoio, estou torcendo para isso. Tenho por característica pessoal ser bem pé no chão. Dificilmente vou fazer alguma coisa baseado no entusiasmo. Tenho consciência de que o importante agora é fazer meu trabalho aqui no Ministério da Fazenda. Fazer um trabalho sério e entregar resultados. O futuro é outra coisa. Vamos aguardar.

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda (Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo)

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda (Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo)