Política

Ato que defendeu Dilma e Lula reuniu milhares de pessoas em Natal

Um grupo de manifestantes protestaram em Natal, nesta sexta-feira (18), para defender o Governo da Presidenta Dilma Rousseff (PT). 

O grupo se concentrou em frente ao shopping Midway Mall, na Zona Sul de Natal, e seguiu até a praça da Árvore de natal. 

A organização afirma que 30 mil pessoas participam do ato. Já a Polícia Militar estima em 17 mil. 

Políticos como a senadora Fátima Bezerra (PT) e o deputado estadual Fernando Mineiro (PT) acompanharam o protesto. 

Fotos: Márlio Forte 
   

Política

Justiça derruba liminar e Lula se torna Ministro da Casa Civil

Do G1

O vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, desembargador Reis Fride, no exercício da presidência, derrubou nesta sexta-feira (18) uma liminar da 6ª Vara da Justiça Federal no Rio de Janeiro que suspendia a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na chefia da Casa Civil. A decisão foi proferida em pedido apresentado pela Advocacia Geral da União (AGU).

Segundo a assessoria da AGU, com a derrubada da segunda liminar, a situação de Lula no governo fica regularizada e ele pode exercer a chefia da Casa Civil efetivamente.

Política

Lula: “Espero Justiça”

Carta aberta de Lula:

Creio nas instituições democráticas, na relação independente e harmônica entre os Poderes da República, conforme estabelecido na Constituição Federal.
Dos membros do Poder Judiciário espero, como todos os brasileiros, isenção e firmeza para distribuir a Justiça e garantir o cumprimento da lei e o respeito inarredável ao estado de direito.

Creio também nos critérios da impessoalidade, imparcialidade e equilíbrio que norteiam os magistrados incumbidos desta nobre missão.
Por acreditar nas instituições e nas pessoas que as encarnam, recorri ao Supremo Tribunal Federal sempre que necessário, especialmente nestas últimas semanas, para garantir direitos e prerrogativas que não me alcançam exclusivamente, mas a cada cidadão e a toda a sociedade.

Nos oito anos em que exerci a presidência da República, por decisão soberana do povo – fonte primeira e insubstituível do exercício do poder nas democracias – tive oportunidade de demonstrar apreço e respeito pelo Judiciário.

Não o fiz apenas por palavras, mas mantendo uma relação cotidiana de respeito, diálogo e cooperação; na prática, que é o critério mais justo da verdade.

Em meu governo, quando o Supremo Tribunal Federal considerou-se afrontado pela suspeita de que seu então presidente teria sido vítima de escuta telefônica, não me perdi em considerações sobre a origem ou a veracidade das evidências apresentadas.

Naquela ocasião, apresentei de pleno a resposta que me pareceu adequadapara​ preservar a dignidade da Suprema Corte, e para que as suspeitas fossem livremente investigadase se chegasse, assim, à verdade dos fatos​.

Agi daquela forma nãoapenas ​porque teriam sido expostas a intimidade e as opiniões dos interlocutores.
Agi por respeito à instituição do Judiciário e porque me pareceu também a atitude adequada diante das res​ponsabilidades que me haviam sido confiadas pelo povo brasileiro.
Nas últimas semanas, como todos sabem, é a minha intimidade, de minha esposa e meus filhos, dos meus companheiros de trabalho que tem sido violentada por meio de vazamentos ilegais de informações que deveriam estar sob a guarda da Justiça.

Sob o manto de processos conhecidos primeiro pela imprensa e só depois pelos diretamente e legalmente interessados, foram praticado atos injustificáveis de violência contra minha pessoa e de minha família.
Nesta situação extrema, em que me foram subtraídos direitos fundamentais por agentes do estado, externei minha inconformidade em conversas pessoais, que jamais teriam ultrapassado os limites da confidencialidade, se não fossem expostas publicamente por uma decisão judicial que ofende a lei e o direito.

Não espero que ministros e ministras da Suprema Corte compartilhem minhas posições pessoais e políticas.
Mas não me conformo que, neste episódio, palavras extraídas ilegalmente de conversas pessoais, protegidas pelo Artigo 5o. da Constituição, tornem-se objeto de juízos derrogatórios ​sobre meu caráter.
Não me conformo que se palavras ditas em particular sejam tratadas como ofensa pública, antes de se proceder a um exame imparcial, isento e corajoso do levantamento ilegal do sigilo das informações.

Não me conformo que o juízo personalíssimo de valor​es se sobreponha ao direito.

Não tive acesso agrandes ​estudos formais, como sabem os brasileiros. Não sou doutor, letrado, jurisconsulto. Mas sei, como todo ser humano, distinguir o certo do errado; o justo do injusto.
Os tristes e vergonhosos episódios das últimas semanas não me farão descrer da instituição do Poder Judiciário. Nem me farão perder a esperança no discernimento, no equilíbrio e no senso de proporção de ministros e ministras da Suprema Corte.

Justiça, simplesmente justiça, é o que espero, para mim e para todos, na vigência plena do estado de direito democrático.

  

PoderPolítica

Justiça suspende posse de Lula como Ministro da Casa Civil

Do UOL:

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto concedeu liminar há pouco em despacho que suspende a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil. A decisão acolhe denúncia em ação popular protocolada na vara federal do DF, contra o governo federal, por crime de responsabilidade.

No despacho, o juiz Catta Preta informa que a criação do cargo de ministro chefe de Gabinete Civil é uma irregularidade por parte da presidente Dilma Rousseff.

Ele diz que “caso já tenha ocorrido a posse, suspendo seus efeitos até o julgamento final desta ação”.

z

PoderPolítica

Dilma dá posse a Lula

Do G1:

A presidente Dilma Rousseff exibiu nesta quinta-feira (17), em discurso durante a cerimônia no Palácio do Planalto em que Luiz Inácio Lula da Silva assumiu como novo ministro da Casa Civil, o termo de posse que, segundo ela, havia enviado na véspera para o ex-presidente assinar.

A posse de Lula nesta quinta ocorreu um dia depois de o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, ter retirado o sigilo sobre ligações do ex-presidente Lula interceptadas com autorização judicial. Em um desses telefonemas, Lula recebeu uma ligação da presidente Dilma na qual ela dizia que enviava a ele o termo de posse para que só usasse “em caso de necessidade”.

Durante o discurso na cerimônia, em que convidados gritaram palavras de ordem contra a Rede Globo (leia nota ao final desta reportagem), Dilma exibiu o documento, sem a assinatura dela, e afirmou que era para ser usado caso Lula não pudesse comparecer nesta ao evento de posse devido a uma enfermidade da mulher, Marisa. Segundo Dilma, mesmo assim, Lula compareceu “justamente para manifestar aqui a sua determinação de participar do governo”.

De acordo com a presidente, isso demonstra que, ao enviar o documento, não tinha por objetivo antecipar a Lula o foro privilegiado e com isso impedir que ele fosse alvo de alguma ação da Lava Jato.

Ela ressaltou que o diálogo com Lula, interceptado na gravação, tinha teor “absolutamente republicano” e que tempos verbais foram alterados na divulgação.

“Eu estou guardando essa assinatura desse termo de posse como uma prova. Ocultaram que o que fomos buscar no aeroporto era esta assinatura, que está assinado pelo presidente Lula, mas não tem a minha assinatura e, portanto, isso não é posse”, disse.

A presidente também classificou de ‘grampo ilegal’ a interceptação telefônica e criticou ainda o que chamou de “vazamentos seletivos”, em referência à divulgação das conversas telefônicas do ex-presidente Lula.

“Não há Justiça quando delações são tornadas públicas de forma seletiva para execração de alguns investigados e quando depoimentos são transformados em fatos espetaculares. Não há Justiça quando leis são desrespeitadas e a Constituição aviltada. Não há Justiça para os cidadãos quando as garantias constitucionais da própria presidente da República são violadas.”

Ela disse que o governo vai avaliar as circunstâncias que levaram às gravações telefônicas.

“Agora estaremos avaliando com precisão as condições desse grampo que envolve a Presidência da República. Queremos saber quem o autorizou, por que o autorizou e por que foi divulgado quando não continha nada, nada eu repito, que possa levantar qualquer suspeita sobre seu caráter republicano”, completou.

A presidente disse que a Justiça e o combate à corrupção são mais fortes e dignos “quando respeita os princípios institucionais”.

“Vivemos momento ímpar, momento em que o combate à corrupção tem sido realizado sem imposição de qualquer obstáculo por parte do governo federla, mas momento que temos de reafirmar a centralidade dos direitos individuais, da normalidade institucional e da soberania da Constituição. Somente haverá Justiça com respeito rigoroso a princípios orientadores de sua execução – em especial a presunção de inocência e o amplo direito de defesa de qualquer cidadão. A justiça, o combate à corrupção sempre é mais forte e digno quando respeita os princípios constitucionais”, disse a presidente.

Segundo ela, “se se ferem prerrogativas da presidente da República, o que farão com prerrogativas do cidadão?”, questionou.

“A gritaria dos golpistas não vai me tirar do rumo e não vai colocar o nosso povo de joelhos”, afirmou a presidente, que foi aplaudida pela plateia.

Impeachment
Dilma afirmou que desde que tomou posse enfrenta a oposição de pessoas que tentam “paralisar” o país e tirar dela o mandato.

“O presidente Lula, os ministros Eugênio Aragão e todos os ministros do governo, toda a nossa base social, nós teremos mais força de superar as armadilhas que jogam em nosso caminho aqueles que desde a minha eleição não fizeram outra coisa que tentar paralisar o meu governo, me impedir de governar ou me tirar o mandato de forma golpista”, disse.

A presidente disse ainda que quem defende o impeachment não terá “força política” para afastá-la do governo. “A gritaria dos golpistas não vai me tirar do rumo”.

Posse
Lula tomou posse pouco antes do discurso da presidente. Ela o chamou de o “maior líder político do país”. Segundo Dilma, a crise trouxe a “magnifica oportunidade” de ter o ex-presidente no governo.

“Queridos amigos e amigas, todo mundo sabe que as dificuldades costumam criar grandes oportunidades. As circunstâncias atuais me dão a magnifica chance de trazer para o governo o maior líder político desse país”, afirmou a presidente.

Lula desceu a rampa ao lado de Dilma e foi recebido com gritos de “Lula, guerreiro do povo brasileiro” e “não vai ter golpe”. Quando a presidente subiu à tribuna para falar, uma pessoa da plateia começou a gritar “vergonha, vergonha!”, o que gerou tumulto na plateia. Ela foi identificada como o deputado Major Olímpio (SD-SP), que acabou deixando o local após protestos de aliados de Lula e de Dilma.

Dilma iniciou o discurso saudando o que chamou de “os brasileiros e brasileiras de coragem” presentes à posse. A posse de Lula ocorre um dia depois de o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância, retirar o sigilo sobre ligações do ex-presidente interceptadas com autorização judicial.

Em um desses telefonemas, Lula recebeu uma ligação da presidente Dilma na qual ela disse que enviará a ele o termo de posse para que ele só usasse “em caso de necessidade”. A divulgação de grampos telefônicos provocou protestos em 19 estados e no DF na noite desta quarta-feira (16).

Na manhã desta quinta, o PSB protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã desta quinta-feira (17) uma ação contra a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Casa Civil. O documento do PSB é uma Ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com pedido de liminar (decisão provisória), que pede o cancelamento do termo de posse de Lula.

Além do ex-presidente, tomaram posse o subprocurador da República Eugênio Aragão, como ministro da Justiça, e Mauro Lopes (PMDB), como ministro da Aviação Civil. O vice-presidente da República, Michel Temer, não compareceu à cerimônia em protesto pela nomeação de Mauro Lopes, a qual chamou de “afronta”. No último sábado, em convenção nacional, o PMDB havia decidido que não aceitaria mais cargos no Executivo, até decidir, em 30 dias, se romperá ou não com o governo federal.

“Deputado Mauro Lopes, meu conterrâneo, assume a secretaria de aviação civil. Esse é um ministério estratégico para o Brasil que depende da malha aeroportuária. Tenho certeza que vamos fazer a concessão de quatro aeroportos, Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza à iniciativa privada”, disse Dilma na cerimônia de posse, acrescentando que os aeroportos devem bem atender o público que vier ao Brasil assistir às Olimpíadas deste ano.

No discurso, Dilma também disse que novo ministro da Justiça enfrentará “agenda carregada” e agirá com “imparcialidade”. “Eugênio Aragão reforçará com seu perfil características fundamentais de atuação. Imparcialidade, firmeza e serenidade. O novo ministro encontrará uma agenda carregada de grandes desafios”, disse.

Ao discursar, Dilma afirmou que, além de ser “grande líder político”, Lula é um “grande amigo, companheiro de lutas e conquistas”. A presidente deu a ele boas-vindas ao governo.

“Conto com sua experiência, com a identidade que ele tem com este país, com o povo deste país. É com isto que conto”, declarou.

Nota da TV Globo
A TV Globo divulgou a seguinte nota:

A TV Globo entende o estado de espírito dos militantes e políticos presentes à posse que gritaram palavras de ordem contra a TV Globo, principalmente depois da revelação oficial dos grampos autorizados pela Justiça.

Mas repetimos uma vez mais: a imprensa não produz grampos, não conduz investigações da Justiça e da polícia. A imprensa cumpre o seu dever de informar sobre tudo, sem restrições, como assegura a Constituição. E continuará assim.

Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo

z

Poder

Moro divulga grampo de Lula e Dilma; Planalto fala em Constituição violada

Do G1

A divulgação de grampos telefônicos de conversas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com aliados, entre eles um diálogo com a presidente Dilma Rousseff, provocou reação imediata nos meios políticos e nas ruas na noite desta quarta-feira (16).

A oposição acusa Dilma de ter nomeado Lula para o ministério para evitar que ele fosse preso. Dilma diz que o juiz Sergio Moro violou a Constituição ao divulgar as conversas. E protestos que começaram tímidos contra a nomeação de Lula ganharam força e se espalharam por 17 estados e Distrito Federal, com registro de panelaço em diversas cidades.

Como foi
O juiz Sérgio Moro retirou nesta quarta-feira (16) o sigilo de interceptações telefônicas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As conversas gravadas pela Polícia Federal incluem diálogo desta quarta com a presidente Dilma Rousseff, que o nomeou como ministro chefe da Casa Civil

A divulgação por volta das 18h30 causou reação imediata no Congresso, com deputados e senadores cobrando a renúncia da presidente, e nas ruas, espalhando protestos pelo país. Por volta das 22h, ao menos 17 estados e o DF registraram atos contra a nomeação do ex-presidente.

Ocorreram manifestações em cidades de AC, AL, AM, BA, CE, DF, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PE, PR, RJ, RS, SC e SP. Veja todas os municípios que registraram manifestações e siga os protestos em tempo real.

Conversa de Lula com Dilma
– Dilma: Alô
– Lula: Alô
– Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.
– Lula: Fala, querida. Ahn
– Dilma: Seguinte, eu tô mandando o ‘Bessias’ junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!
– Lula: Uhum. Tá bom, tá bom.
– Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.
– Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.
– Dilma: Tá?!
– Lula: Tá bom.
– Dilma: Tchau.
– Lula: Tchau, querida.

Nota do Palácio do Planalto

Tendo em vista a divulgação pública de diálogo mantido entre a Presidenta Dilma Rousseff e o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cumpre esclarecer que:

1 – O ex-Presidente Lula foi nomeado no dia de hoje Ministro-Chefe da Casa Civil, em ato já publicado no Diário Oficial e publicamente anunciado em entrevista coletiva;

2 – A cerimônia de posse do novo Ministro está marcada para amanhã às 10 horas, no Palácio do Planalto, em ato conjunto quando tomarão posse os novos Ministros Eugênio Aragão, Ministro da Justiça; Mauro Lopes, Secretaria de Aviação Civil; e Jaques Wagner, Ministro-Chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República;

3 – Uma vez que o novo ministro, Luiz Inácio Lula da Silva, não sabia ainda se compareceria à cerimônia de posse coletiva, a Presidenta da República encaminhou para sua assinatura o devido termo de posse. Este só seria utilizado caso confirmada a ausência do ministro.

4 – Assim, em que pese o teor republicano da conversa, repudia com veemência sua divulgação que afronta direitos e garantias da Presidência da República.

5 – Todas as medidas judiciais e administrativas cabíveis serão adotadas para a reparação da flagrante violação da lei e da Constituição da República, cometida pelo juiz autor do vazamento.  

Secretaria de Imprensa

Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

Política

Agripino se pronuncia sobre nomeação de Lula

O presidente do Democratas, senador José Agripino (RN), comentou no início da tarde desta quarta-feira (16) o anúncio de que o ex-presidente Lula será ministro da Casa Civil.

  “O ex-presidente Lula ministro significa a renúncia de Dilma da presidência. Porque Lula é a maior liderança do PT e vai tomar conta do governo. Na prática, é a renúncia de Dilma”.

Para Agripino, com a vinda do ex-presidente para o Palácio do Planalto, perde-se por completo a nitidez de quem, de fato, estará à frente do país.

 “Lula e Dilma não se entendem há muito tempo. Tanto na política, quanto na gestão. Resta saber se Lula na Casa Civil significa a renúncia de Dilma ou se é mais confusão à vista”, completou.

 O líder da oposição no Senado também fez questão de ressaltar que as notícias vão ampliar o sentimento de rejeição do governo petista por parte da sociedade. “As manifestações de rua recentes que foram contra Dilma e Lula serão potencializadas com carga dobrada de rejeição. O brasileiro acordou para os desmandos do PT”.

Agripino ainda falou sobre a inoperância do governo no combate a crise. “Esse governo não consegue conter a recessão, desemprego, inflação e não tem suporte político partidário para aprovar nada. Além disso, tem o impeachment batendo às portas da chefe do Executivo federal. A nomeação de Lula para ministro-presidente é pura falta de alternativa e inexistência de comando de Dilma”, conclui.

Foto: Mariana Di Pietro

_DSC7717

Política

Lula será Ministro da Casa Civil do Governo Dilma

Do Blog do Camarotti:

A presidente Dilma Rousseff decidiu agora há pouco, depois de muitas horas de reunião, que o ex-presidente Lula vai ocupar a Casa Civil do governo, no lugar de Jaques Wagner, que vai para a chefia de gabinete, dizem fontes.

Está em discussão uma reforma mais ampla do primeiro escalão do governo. Dilma deve mexer em outras peças do ministério.

A presença de Lula no governo deve mexer na área da economia. Lula pressiona por uma guinada nos rumos das políticas econômica e monetária, com o uso das reservas internacionais para abatimento de dívidas e uma pressão pela redução da taxa de juros, criando um populismo fiscal.

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, tem demonstrado incômodo com as notícias de que Lula gostaria de trazer para o governo o ex-presidente do BC Henrique Meirelles.

O governo se esforça para convencer que a ida de Lula para o Palácio do Planalto é para tentar salvar o mandato da presidente Dilma. Já a oposição afirma que o oferecimento de um ministério para Lula é para blindá-lo no campo da Justiça. A consequência prática é que Lula se livra da mira do juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, já que passaria a ter como foro o Supremo Tribunal Federal.

Atualização às 11h45: após o fim da reunião que definiu a ida de Lula para a Casa Civil, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), postou a informação em sua conta pessoal no Twitter. O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (PT-BA), em entrevista com jornalistas na Casa, também confirmou a entrada de Lula no governo.

PoderPolítica

Dilma faz novo convite para Lula ser Ministro

Do Blog do Camarotti:

Diante da pressão de ministros do Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff telefonou nesta segunda-feira (14) e reforçou, segundo relatos, o convite para que ele aceite virar ministro em seu governo.

Depois da decisão da juíza Maria Priscilla Oliveira de remeter para Curitiba o processo relativo ao triplex no Guarujá, no qual Lula é investigado, cresceu a pressão para que Dilma nomeie Lula para o primeiro escalão de seu governo.

Se isso ocorrer, o processo sobe para o Supremo Tribunal Federal (STF), pois ele ganharia prerrogativa de foro. Este é um dos motivos que tem levado Lula a resistir ao convite uma vez que, ao assumir uma pasta, a atitude poderia soar com um atestado de culpa no caso investigado.

Os dois acertaram de se falar pessoalmente em Brasília, ainda nesta semana, para tratar do assunto. Interlocutores mais próximos de Dilma avaliam que essa é a única solução para tentar barrar um processo de impeachment no Congresso Nacional já que Lula teria capacidade de fazer a articulação política necessária para reconquistar aliados que se afastaram do governo, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e os senadores peemedebistas.

Mas esses mesmos interlocutores alertaram a ela na reunião de coordenação política que, com a confirmação de Lula no governo, ela deveria dar uma guinada imediata na política econômica com a liberação de recursos para o PAC e o Minha Casa Minha Vida, com o uso da reservas brasileiras para o pagamento de dívidas e com o alongamento da dívida dos estados com a União.

O nome de Lula está sendo visto como um fator de esperança entre os petistas e como a única forma de o governo retomar pelo menos parte da governabilidade.

 

Política

Justiça de SP encaminha denúncia contra Lula para Sérgio Moro julgar

Do G1

A Justiça de São Paulo encaminhou a denúncia do Ministério Público do estado contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Justiça Federal de Curitiba, mais precisamente para as mãos do juiz Sérgio Moro, informou a assessoria do Tribunal de Justiça (TJ) nesta segunda-feira (14).

A denúncia contra Lula e mais 15 pessoas pede a prisão preventiva do ex-presidente, que será analisada agora pelo juiz da Lava Jato na primeira instância.

Política

Lula diz que será candidato em 2018

Do G1

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que será candidato à Presidência da República em 2018 e que espera que alguém lhe peça desculpas após as investigações. A transcrição da fala de Lula foi disponibilizada no sistema da Justiça Federal nesta segunda-feira (14).

O ex-presidente foi alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção e desvio de dinheiro na Petrobras. O depoimentos dado na sexta-feira (4) durou mais de três horas.

Leia na íntegra o depoimento do ex-presidente.

z

Política

Lula continua à espera da solidariedade de Robinson

Dias se passam…e o ex-presidente Lula continua esperando a solidariedade do governador Robinson Faria, que recebeu seu apoio público e decisivo na eleição de 2014. 

Até então, Robinson é o único governador aliado do Governo Federal que não emitiu uma única linha em solidariedade ao ex-presidente da República, que teve pedido de prisão feito na última semana pelo Ministério Público de São Paulo. 

Robinson era conhecido no meio político como um homem de compromisso, grato e solidário. 

O PT não tem encontrado o substantivo compromisso e os adjetivos grato e solidário no Governador do Rio Grande do Norte, em torno desse episódio com Lula. 

  

Política

Em nota, Fátima Bezerra afirma que único crime cometido por Lula “foi ter melhorado a vida do povo brasileiro”

Em nota, a senadora Fátima Bezerra (PT) se pronunciou sobre o pedido de prisão feito por promotores de São Paulo contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

“Não tenho como não manifestar minha completa indignação diante da ação política e midiática de setores do Ministério Público de São Paulo no dia de ontem (10/03).

Enquanto líderes da oposição são citados em diversas delações premiadas no âmbito da Operação Lava Jato e não são sequer intimados a prestar esclarecimentos à Justiça, três promotores do MP-SP pedem a prisão preventiva da principal liderança do povo brasileiro, através de uma peça sem nenhuma fundamentação jurídica, que deveria envergonhar toda a sociedade.

Não por acaso o assunto tomou conta das redes sociais, gerando manifestações de perplexidade não apenas no Brasil, mas também em nível internacional.

O assunto é muito sério e merece toda atenção da sociedade brasileira. A ação descabida de setores do Ministério Público de São Paulo serviu para deixar claro que não se trata de fazer justiça e combater a corrupção, mas sim de fazer política: interromper o governo da presidenta Dilma, criminalizar o PT e desmoralizar o ex-presidente Lula.

Toda nossa solidariedade ao ex-presidente Lula e aos seus familiares e amigos, pois o seu único crime foi ter melhorado a vida do povo brasileiro.

O momento é de vigília permanente em defesa da democracia, de não cair em provocações e de organizar as nossas mobilizações, convocadas pela Frente Brasil Popular para os dias 18 e 31 de março”.

img_0392.jpg

Política

Lula recusa assumir a Casa Civil 

Por Lauro Jardim (O Globo)

Lula foi convidado hoje por Dilma Rousseff para assumir a Casa Civil, um convite surpreendente.

Mas a presidente acaba de receber a resposta do ex-presidente: Lula não topou, desarticulando a operação que que incluiria também a transferência de Jaques Wagner para o Ministério da Justiça.

Política

Instituto Lula reafirma que ex-presidente não é proprietário do triplex

Nota da Assessoria de imprensa do Instituto Lula

“O promotor paulista que antecipou sua decisão de denunciar Luiz Inácio Lula da Silva antes mesmo de ouvir o ex-presidente dá mais uma prova de sua parcialidade ao pedir a prisão preventiva de Lula. Cássio Conserino, que não é o promotor natural deste caso, possui documentos que provam que o ex-presidente Lula não é proprietário nem de triplex no Guarujá nem de sítio em Atibaia, e tampouco cometeu qualquer ilegalidade. Mesmo assim, solicita medida cautelar contra o ex-presidente em mais uma triste tentativa de usar seu cargo para fins políticos”. 

Política

Ministério Público de SP pede a prisão do ex-presidente Lula

Da Folha de São Paulo

Os promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo pediram a prisão preventiva do ex-presidente Lula junto com a denúncia que apresentaram nesta quarta (9) sobre o tríplex em Guarujá (litoral de São Paulo), que teria sido preparado para a família do petista.

Os promotores alegam que a prisão de Lula é necessária para garantir “a ordem pública, a instrução do processo e a aplicação da lei penal”. Eles apontam que, em liberdade, Lula pode destruir provas e agir para evitar determinações da Justiça. O pedido corre sob segredo de Justiça em São Paulo.

O ex-presidente é acusado de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, crimes que podem render de 3 a 10 anos de prisão e de 1 a 3 anos, respectivamente. Sua mulher, Marisa Letícia, e um dos filhos do casal, Fábio Luís Lula da Silva, também são acusados de lavagem de dinheiro.

Política

MP de São Paulo denuncia Lula

*Com informações do G1: 

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) denunciou à Justiça, nesta quarta-feira (9), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por crimes de estelionato, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro na aquisição de um triplex em Guarujá, no litoral paulista. A denúncia foi apresentada pelo promotor Cassio Conserino no Fórum da Barra Funda, na capital paulista.

Instituto Lula negou as acusações. “Não há nenhuma novidade na denúncia do Ministério Público de São Paulo, que já havia sido anunciada na revista ‘Veja’, em 22 de janeiro de 2016, pelo promotor Cássio Conserino, que não é o promotor natural do caso e pré-julgou antes de ouvir o ex-presidente, mostrando que é parcial”, diz em nota.

PoderPolítica

Lula nega a Renan ter sido convidado por Dilma para ocupar Ministério

Do G1

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que, em café da manhã com senadores da base aliada nesta quarta-feira (9), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que tenha sido convidado para comandar um ministério no governo da presidente Dilma Rousseff. O café da manhã ocorreu na residência oficial de Renan em Brasília.

Nos últimos dias, aliados de Lula e integrantes do primeiro escalão voltaram a defender que o ex-presidente assuma uma cadeira na Esplanada dos Ministérios para ganhar novamente o foro privilegiado, que faria com que as investigações sobre o suposto envolvimenbto dele na Lava Jato fossem transferidas de Curitiba para Brasília. O assunto chegou a ser discutido no jantar oferecido nesta terça (8) por Dilma a Lula no Palácio da Alvorada.

Segundo a colunista do G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo, aliados de Lula relatam que ele ainda resiste à proposta de se tornar ministro, pois passaria a mensagem de que estaria tentando buscar prerrogativa de foro para escapar da jurisdição do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Política

Fátima Bezerra defende Lula e Dilma

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) criticou fortemente os ataques golpistas de que estão sendo vítimas o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff e das arbitrariedades que estão sendo cometidas pela grande mídia e de parte do Judiciário.

“Nós continuaremos firmemente empenhados, nesta tribuna, nas ruas, nas escolas, onde for, na defesa do mandato da Presidenta Dilma, na defesa da soberania popular, assim como na defesa da biografia e da história do Presidente Lula e de todo o legado que ele deixou para o povo brasileiro. Eles não conseguirão nem o impeachment da presidenta Dilma nem o impeachment preventivo do Presidente Lula, com toda essa operação em curso”, afirmou.

Foto: Geraldo Magela