Política

Em Mossoró, Kadu continua campanha nas ruas para Carlos Eduardo e Tião inaugura comitê com Robinson

A quarta-feira (22) foi de mobilizações políticas intensas em Mossoró.

Candidato a vice de Carlos Eduardo (PDT), Kadu Ciarlini (PP) continua a campanha nas ruas, ao lado do deputado federal Beto Rosado (PP) e da deputada estadual Larissa Rosado (PSDB).

Já Tião Couto (PR), candidato a vice do governador Robinson Faria (PSD), inaugurou o comitê com a presença também do deputado federal Fábio Faria (PSD), do candidato a deputado estadual Jorge do Rosário (PR) e da ex-prefeita Fafá Rosado.

Política

Diferente de 2014, Robinson passa a elogiar a FIERN

O governador Robinson Faria (PSD), candidato à reeleição, também esteve na FIERN nesta terça-feira (21), participando Fórum FIERN Caminhos do RN.

Disse que pretende incorporar o MAIS RN ao seu programa de governo. “O MAIS RN pensa o Rio Grande do Norte de amanhã”, frisou o governador.

“É preciso retomar o momento de crescimento do Rio Grande do Norte, de retomarmos o Pacto político e social de todos os entes em prol do desenvolvimento do Estado. Esta é, desde a primeira edição do MAIS RN, a primeira medida a ser implementada, o que não aconteceu e tivemos uma trajetória de perdas. A FIERN se coloca a disposição do próximo Governo para apoiar”, frisou Amaro Sales, presidente da FIERN.

Diferente de 2014, quando criticava a FIERN, Robinson fez elogios a Federação: “Estou na casa que pensa o Rio Grande do Norte, que pensa o emprego, que abriga grandes economistas, quero cada vez mais a FIERN próxima para trabalharmos juntos”.

Sobre a crise financeira do seu Governo, atribuiu a ‘sabotagem’ em Brasília, numa tentativa de terceirizar a culpa pelo fracasso de sua gestão.

Quanto a segurança, se limitou a dizer que a solução para a crise também passa pela mudança na legislação brasileira.

Um tema que não abordou nem foi questionado: o tão falado HUB da Latam.

Política

Robinson deu início a campanha por Parnamirim

O governador Robinson Faria (PSD) iniciou sua campanha por Parnamirim na noite desta sexta-feira (17).

Foi ao município ao lado do filho, o deputado federal Fábio Faria (PSD).

Em Parnamirim, o governador é apoiado pelo prefeito Taveira (PRB).

Política

Robinson vai a Baía Formosa e Canguaretama receber o apoio de vereadores

O governador Robinson Faria (PSD) esteve neste sábado (11) nos municípios de Baía Formosa e Canguaretama.

Em Baía Formosa recebeu os apoios dos vereadores Airton Tanoeiro, Magno César, Alex do Sagi e Toninho.

Já em Canguaretama, também teve apoios recebidos dos vereadores Irmã Lila, Daniel da Saúde, Elves, Paulo Ricardo, Lécio Dias, Sandro Canoa e Adriana.

Política

Fafá Rosado anuncia apoio a chapa de Robinson e Tião

A ex-prefeita de Mossoró, Fafá Rosado (PSB), anunciou apoio a chapa do governador Robinson Faria (PSD) que terá como vice Tião Couto (PR) na disputa pelo Governo do RN.

Marido da ex-prefeita, o ex-deputado Leonardo Nogueira também se integra a campanha de Robinson e Tião.

Aliás, o casal já apoiou a candidatura de Tião à Prefeitura de Mossoró.

Com a chegada de Fafá, Robinson – certamente – vai deixar de lado o discurso contra a Família Rosado.

Política

Estadão destaca crise do Governo Robinson e falta da conclusão do pagamento do 13º de 2017

Paulo Beraldo, Ana Neira e Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

Mesmo sem conseguir equacionar a crise que marca as finanças nos Estados, com queda de arrecadação e aumento de despesas com itens como a folha de pagamento de servidores públicos, a maioria dos governadores vai disputar a reeleição neste ano, de acordo com levantamento feito pelo Estado. Nos 26 Estados e no Distrito Federal, 16 governadores vão tentar um novo mandato nas eleições 2018 – o maior número desde o pleito de 2006, quando 17 apostaram na reeleição.

Em um período de três anos, as contas dos Estados saíram de um resultado positivo de R$ 16 bilhões para um déficit de R$ 60 bilhões no fim de 2017. Além de gastos em alta, os governadores que saírem com vitória das urnas em outubro terão de herdar também os efeitos de uma das piores recessões da história recente do País, que custou aos Estados R$ 278 bilhões entre 2015 e 2017.

Diante de números tão negativos, que poderiam afetar a preferência dos eleitores, a explicação dada por analistas é de que existe uma desvinculação dos Executivos estaduais do cotidiano da população, acostumada a culpar mais as gestões municipais e federal pelos problemas na prestação de serviços e na administração do caixa público. “Os governos estaduais são essencialmente prestadores de serviço e administradores de parte da infraestrutura do Estado”, disse o cientista político Fernando Schüler, do Insper.

“Isso faz com que o índice de reeleição dos governos seja favorável”, afirmou Schüler. Segundo ele, o fato de os Estados não serem responsáveis por formular políticas econômicas, questões como o desemprego acabam não sendo vinculadas aos governadores. “Mesmo com um presidente mal avaliado, o governador pode oferecer retórica positiva que o afaste da crise.”

A deterioração das contas atinge a maioria das administrações, mas é mais nítida em Estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte – onde desde 2015 falta dinheiro para pagar em dia os salários de quase 100 mil trabalhadores com vínculos com o Executivo local e o décimo terceiro de 2017 ainda não foi depositado para quem ganha acima de R$ 4 mil. Como alternativa, o governador Robinson Faria tem recorrido ao Fundo Financeiro do Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais. Desde que assumiu o cargo, em 2015, ele já sacou R$ 1 bilhão desse fundo.

Filiado ao PSD, Faria é um dos atuais governadores que vai se lançar à reeleição, desta vez embalado por uma coligação de 12 partidos, entre eles, o PSDB, PRB, PTB e PR. Procurado, o governador não falou sobre a situação do Estado até a conclusão desta edição. Mas, durante a convenção que confirmou seu nome ao governo potiguar, disse que o enfrentamento da crise o impediu de entregar as obras prometidas.

O fato de os governadores não serem identificados com as crises, na avaliação de Schüler, ajuda partidos nacionalmente afetados pela recessão, como é o caso do PT. “Apesar de todas as questões do PT, seus governadores vão bem nas pesquisas, mesmo que nacionalmente o partido tenha recuado”, afirmou ele. É o caso do governador da Bahia, Rui Costa (PT), que tentará mais quatro anos. “Não posso comentar a decisão dos outros 15 governadores, mas tenho a convicção de que tomei a decisão acertada. Atendi à vontade de um grande grupo político e da maioria dos baianos, que tem avaliado positivamente minha gestão”, afirmou ele.

Crônico. Exceção nesse panorama, segundo Schüler, é o Rio Grande do Sul, que desde 1998 nunca reelegeu um governador. “Lá o déficit fiscal é um problema crônico. Trata-se de um Estado que presta mal os serviços, onde é difícil governar e fazer reformas. Sartori tentou fazer algumas, mas não teve sucesso.” Falando em continuidade e de “não fugir da raia”, o governador gaúcho José Ivo Sartori (MDB) também oficializou a sua candidatura à reeleição.

“Fui chamado a concorrer à reeleição para dar continuidade aos projetos de modernização de gestão e controle da máquina pública”, disse ele ao Estado. No primeiro semestre de 2018, mesmo com a ênfase ao ajuste fiscal, o rombo mais do que dobrou em relação a igual período de 2017. A previsão é que o novo governador tome posse com um buraco avaliado em R$ 4 bilhões.

Receita total retrocede a patamares de 2012
Com a crise econômica, a receita total dos Estados retrocedeu a níveis semelhantes aos de 2012. Em valores atualizados, há seis anos eles somavam R$ 636,6 bilhões (montante que considera a arrecadação de impostos estaduais e as transferências feitas pelo governo federal). Em 2017, a mesma cifra ficou em R$ 631 bilhões.

“A queda foi espetacular. Não é que parou de crescer. Houve uma redução de receita muito radical, isso a despeito dos esforços dos Estados para aumentá-la”, disse o economista Claudio Hamilton Matos dos Santos, diretor de políticas macroeconômicas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Entre 2014 e 2016, a receita total retrocedeu 6,2%, para depois, em 2017, apresentar uma tímida melhora. Se essa recuperação se mantiver no patamar registrado no ano passado, de 1,6%, os Estados só vão ter uma receita próxima à de 2014 em 2020, apontam cálculos do diretor do Ipea. “A boa notícia é que parou de cair. Mas a tendência de recuperação é muito fraca.”

Sem dinheiro em caixa e com uma folha de pagamentos crescente por causa do maior número de aposentados, os Estados pararam de contratar e tiveram de cortar investimentos, em uma tentativa de fazer as contas fecharem. “Na prática, o que aconteceu é que, se o governo ia comprar um carro para a Polícia, acabou não comprando. Teve Estado que quase zerou os investimentos e agora está, lentamente, voltando”, disse ele.

No Rio de Janeiro, por exemplo, além de ter ocorrido atrasos nos pagamentos de salários e aposentadorias, a redução dos investimentos foi de 62% em 2016, segundo o último boletim sobre situação fiscal dos Estados feito pelo Tesouro Nacional.

A economista Vilma Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, disse que nos últimos oito anos, enquanto os investimentos totais dos Estados recuaram 3,1%, o gasto com pessoal avançou 4%. Ela lembra que houve um desencontro entre receitas, que apresentam um comportamento cíclico, e despesas, que são constantes. / COLABORARAM LUCIANA DYNIEWICZ e RICARDO ARAÚJO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Política

Tião evita colocar Robinson em suas redes sociais

Quem procura informações sobre a recente candidatura de Tião Couto (PR) a vice-governador ao lado de Robinson Faria (PSD) não vai encontrar nas redes sociais do empresário.

Não há nenhuma citação.

Estranho.

O silêncio absoluto impera.

Nas redes só ecoa muitas críticas à decisão de Tião.

Política

Robinson oficializa candidatura à reeleição tendo Tião de vice e Geraldo Melo disputando o Senado

O PSD oficializa neste momento a candidatura à reeleição do governador Robinson Faria (PSD) em convenção que acontece no Hotel Holiday Inn.

O vice será o empresário Tião Couto (PR) e o ex-governador Geraldo Melo (PSDB) será o candidato ao Senado.

O deputado federal Fábio Faria (PSD), filho do governador, também vai para a disputa pela reeleição.

Política

Protesto e confronto na convenção do governador

Um grupo de servidores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) protestam nas proximidades do Hotel Holiday In, onde ocorre a convenção do governador Robinson Faria (PSD), contra o atraso de salários e cobrando o pagamento do 13º salário de 2017.

Em certo momento houve um confronto com homens de preto exigindo que os manifestantes deixassem o local.

Política

Tião aceita ser vice de Robinson, dias depois de criticar o governador

O empresário mossoroense Tião Couto (PR) será o vice do governador Robinson Faria (PSD) na disputa pelo Governo do RN.

Tião chegando com Robinson para a convenção

Dias atrás, Tião anunciou a retirada de sua candidatura a deputado federal por discordar da aliança do PR com Robinson.

Mas terminou sendo o vice.

Nas redes sociais de Tião eram rotineiras também as críticas ao governador.

Política

Robinson revive a mesma dificuldade de Fátima em 2008 e Iberê em 2010

Não é a primeira vez que um candidato a majoritária encontra dificuldades para formar uma chapa no RN.

Na história recente tivemos dois casos:

– Fátima Bezerra quando disputou a Prefeitura de Natal em 2008. O vice de última hora foi o professor Luís Eduardo Carneiro.

– Iberê quando foi disputar a reeleição de governador em 2010. O vice de última hora foi Vagner Araújo.

Política

Vice de Robinson poderá ser Tião Couto

O governador Robinson Faria (PSD) convidou o empresário mossoroense, Tião Couto (PR) para ser seu vice.

Tião está a caminho de Natal para discutir o assunto.

O convite ocorreu após o PTC não liberar Benes Leocádio da disputa pela Câmara dos Deputados.

Política

Servidores Públicos confirmam realização de protesto em novo local da convenção de Robinson

A Associação dos Docentes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (ADUERN) confirma a realização de protesto na convenção que vai oficializar a candidatura à reeleição do governador Robinson Faria (PSD), independentemente do local, já que passou por alterações.

Inicialmente a convenção ocorreria no campus da UERN da Zona Norte de Natal, mas foi modificado segundo o PSD pelo fato de que “o Complexo Cultural da UERN passa por obras e ainda está em processo de emissão de licença do AVCD (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) que comprova que uma edificação está atendendo a todos os requisitos de prevenção e combate a incêndios. Sem isso, a universidade pode funcionar normalmente, mas não é liberada a realização de eventos que reúnam milhares de pessoas – como é o caso da convenção”.

No entendimento dos servidores, a mudança de local ocorreu em virtude do protesto anunciado. “O governador mudou o local da convenção. Nós vamos manter a nossa manifestação. Quem recua e recuou sempre que viu qualquer manifestação foi o governador, nós, servidores públicos do estado, não vamos recuar. Precisamos expressar o nosso repúdio à candidatura de Robinson à reeleição. O RN não aguenta mais quatro anos dessa turma no poder”, afirma Rivânia Moura, presidenta da ADUERN.

De acordo com a presidenta, a convocação da ADUERN para o ato no domingo se dirige a todos os trabalhadores e categorias do RN. Ela explicou que outros sindicatos deverão se integrar à manifestação, denunciando o descaso do Governo com os servidores e o desrespeito que representa a homologação da candidatura de Robinson.

“Domingo em Natal nossa praia será outra. Infelizmente estamos convivendo com atrasos salariais há quase três anos. Não recebemos nosso 13º salário de 2017. Neste Governo apanhamos, nos jogaram bombas e spray de pimenta e nossa dignidade foi colocada à prova. Não vai ser agora que aceitaremos calados os desmandos de Robinson”, concluiu Rivânia.

ADUERN

Política

Convenção do Governador Robinson Faria terá protesto de servidores da UERN

A convenção do PSD, que ocorrerá neste domingo (05), na UERN da Zona Norte de Natal, para oficializar a candidatura à reeleição do governador Robinson Faria (PSD), já tem um protesto marcado e anunciado.

Será dos próprios servidores da UERN.

O ato político é contra o atraso salarial, a falta de pagamento do 13º salário de 2017 e ainda contra a falta de cumprimento do aumento da categoria.

Política

Prefeito de Barcelona anuncia apoio a Robinson

Nesta terça, o presidente estadual do PSD, governador Robinson Faria, se reuniucom o presidente estadual do PSDB, deputado Ezequiel Ferreira de Souza, para receber o apoio do prefeito de Barcelona, Neto Mafra (PSDB), os vereadores da legenda naquele município – Cristina de Natelmo e Léo de Abdias – e o secretário municipal de Agricultura de Barcelona, Natelmo Maurício.