Política

Audiência pública em Caicó vai debater depressão e suicídio

“A valorização da vida e os desafios de como enfrentar a depressão e o suicídio”, será este o tema da audiência pública que o deputado estadual Vivaldo Costa (PSD) estará promovendo no Seridó.

O encontro reunirá diversas entidades que defendem a vida e será promovido na sexta-feira, 28 de junho, no Plenário da Câmara Municipal de Caicó, a partir das 17 horas.

“A Organização Mundial de Saúde (OMS), no ano de 2018, relatou que o suicídio é a segunda principal causa de morte em pessoas de 15 a 29 anos de idade. No mundo todo, estima-se que, em um dia, aproximadamente 2.191 pessoas se suicidem. Isso significa 800.000 suicídios por ano. Na região do Seridó, muitas vidas já se foram. O assunto precisa de ser amplamente discutido e encaminhamentos entregues ao governo”, afirma o deputado.

Diversos

Ministério quer prevenir suicídios e automutilações por meio de parceria com casas legislativas

Durante seminário realizado na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) na segunda-feira (06), a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, celebrou a aprovação da Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio.

“Firmamos parceria para promover eventos como esse em todas as casas legislativas do Brasil. Nossa luta é para salvar vidas”, disse

Na oportunidade, a titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) enfatizou a importância da notificação compulsória dos casos de autolesão, conforme prevê a Política sancionada pelo presidente da República no último dia 26.

A ministra Damares Alves e o presidente da Unale, deputado Kennedy Nunes, assinaram Acordo de Cooperação Técnica no último dia 11/04. O objetivo consiste na colaboração de membros do “Grupo de Trabalho de Valorização da Vida e Prevenção da Violência Autoprovocada por Crianças, Adolescentes e Jovens” do ministério no âmbito dos seminários que a Unale realizará nos estados.

O enfrentamento ao problema é discutido no âmbito da Secretaria Nacional da Família, do MMFDH. O Ministério instituiu o GT com a finalidade de somar esforços e trazer as famílias das vítimas para o centro da discussão.

Geral

Debate discute prevenção do suicídio e cobra rede de proteção na Ponte Newton Navarro

O Setembro Amarelo foi tema de discussão na tarde desta terça-feira (18), na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, por proposição da deputada Márcia Maia (PSDB). Reunindo deputados, autoridades no assunto e pessoas que tiveram familiares como vítimas do suicídio, a Audiência Pública apontou para ações emergenciais que devem ser tomadas para reduzir o número de suicídios no estado. Entre os principais pontos está a implantação de uma rede de segurança na Ponte Newton Navarro.

Atualmente, o número aproximado de mortes referentes a suicídios no Brasil supera os 11 mil por ano, sendo a terceira maior causa de mortes por fatores externos identificados, com 6,8% dos casos, atrás somente dos homicídios (36,4%) e das mortes relacionados ao trânsito (29,3%). Apesar de haver um aumento no número de casos e redução ampliação das notificações, o caso ainda é tratado como tabu. A falta de informações concretas, na opinião dos participantes do debate, dificulta a realização de ações para prevenir novos casos de suicídio.

No entendimento da professora Anna Karina Silva, do departamento de Psicologia da UFRN, é preciso que o tema seja mais discutido e deixe de haver uma barreira ao se falar sobre suicídio.

Médico psiquiatra do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), Emerson Arcoverde acredita que é preciso mudanças na formação dos profissionais da área de Saúde, para que os cuidados com a saúde mental também sejam prioridade no atendimento, identificando casos de pessoas que têm ou estão com tendências suicidas.

Foto: Ney Douglas

Foto: Ney Douglas

Diversos

Associação Norte-Riograndense de Psiquiatria lança campanha de prevenção ao suicídio

A Associação Norte-rio-grandense de Psiquiatria lançou nesta segunda-feira (03) a campanha “Setembro Amarelo”, de prevenção ao suicídio. A data é mundial e no Brasil é celebrada desde 2014, inicialmente pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Os números do problema impressionam e causam preocupação em autoridades da saúde do mundo inteiro. Somente no Brasil, estima-se que doze mil pessoas cometam suicídio a cada ano.

Por isso, a cada ano as cidades se vestem de amarelo, para chamar atenção para o problema. Aqui no estado uma vasta programação foi preparada, contando com inúmeros psiquiatras que atuam nas nossas cidades. A ideia é esclarecer as pessoas, mostrando que mais de 95% dos casos de suicídio são causados por problemas mentais, como depressão, transtorno bipolar e uso de entorpecentes. “É importante que se diga que todos esses casos poderiam ser evitados, caso as doenças fossem detectadas e tratadas a tempo”, disse o dr. Gustavo Xavier, presidente da ANP/RN.

E para detectar as doenças é necessário que a população fique atenta aos sinais. Sim, quem tem ideias suicidas apresenta sinais como isolamento, mudança de comportamento, agressividade. Pensar o contrário é apenas mais um dos tabus a serem quebrados, como ver a depressão como frescura ou “falta de Deus”. “A pessoa acometida por uma dessas doenças precisa da ajuda de um profissional. Procurar a ajuda de um médico, mesmo no sistema básico de saúde é a primeira providência”, lembro dr. Emerson Arcoverde, vice-presidente da ANP/RN.

A programação do “setembro amarelo” no RN foi anunciada em uma entrevista coletiva, na sede da associação. Ao longo do mês os psiquiatras farão palestras temáticas em diversas instituições como colégios, universidades, igrejas e unidades de saúde. No dia 12, a ANP/RN oferecerá um curso gratuito a profissionais da imprensa sobre a prevenção do suicídio e ainda sobre como abordá-lo corretamente em matérias ou reportagens. Prédios públicos serão iluminados em amarelo e panfletagens serão feitas em pontos diferentes da capital. A programação se encerra com uma caminhada no Parque das Dunas, marcada para o dia 29, às 8h da manhã.

“Esta é uma campanha para celebrarmos a vida. Queremos o envolvimento de todas as pessoas, de todas as idades e classes sociais. Temos que combater este terrível problema”, concluiu Dr. Gustavo Xavier.

Hospital-Regional-de-Paraíso-TO-adere-à-campanha-Setembro-Amarelo-de-prevenção-ao-suicídio

Diversos

Problemática de suicídios entre adolescentes é discutida em audiência pública

A prevenção é a melhor forma de evitar o suicídio entre jovens, na opinião dos participantes de uma audiência pública realizada nesta segunda-feira (30) pela Frente Parlamentar Municipal em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente que abordou a temática “Depressão na Adolescência: da Automutilação ao Suicídio”. O debate foi mediado pela vereadora Júlia Arruda (PDT) e contou com a presença de profissionais da área da saúde, gestores públicos do Estado e do Município, líderes religiosos, integrantes de movimentos sociais organizados e sociedade civil.

“O suicídio ainda é tido como um tabu na nossa sociedade. As pessoas não estão acostumadas a lidar com as perdas, julgam indivíduos que tentam suicídio como fracassados. Mas as coisas não são tão simples assim. O tema é complexo e exige reflexão. Precisamos deixar de ter medo de falar sobre o assunto, e compartilharmos informações. Dessa forma, teremos mais conhecimento para ajudar”, avaliou Ana Karina. “Nós precisamos de mais profissionais atuando no campo da saúde mental. Necessitamos de psicólogos atendendo nos postos de saúde e nas escolas”, defendeu.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de pessoas que vivem com depressão cresceu 18% entre 2005 e 2015. A estimativa é de que, atualmente, mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofram com a doença no mundo. No pior dos casos, a depressão pode levar ao suicídio, segunda principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. 90% dos casos podem ser prevenidos, desde que existam condições mínimas de ajuda, quer seja voluntária ou profissional.

Foto: Marcelo Barroso

Foto: Marcelo Barroso