STJD interdita São Januário, e Vasco pode perder até 25 mandos de campo

10/07/2017 às 19:11 por Marcos Lopes

Além da CBF, o STJD também tomou uma decisão sobre São Januário, diante das cenas lamentáveis de sábado (8), no clássico entre Vasco e Flamengo. Se a entidade determinou jogos sem a presença de torcida, o Tribunal foi além e interditou o estádio.

Paulo César Salomão Filho, vice-presidente do STJD e que está no exercício da presidência, condicionou a liberação à vistoria da CBF com laudos obrigatórios para o pleno funcionamento do estádio e segurança dos torcedores.

Além de ser alvo da liminar, o Vasco foi denunciado pela procuradoria do STJD. O somatório das penas previstas nos dispositivos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva nos quais o clube foi enquadrado pode resultar em perda de até 25 mandos de campo (com ou sem portões fechados), com multa máxima de R$ 350 mil.

Uma punição de 25 jogos é vista como improvável no Tribunal, no entanto, a condenação é vista como favas contadas. A denúncia teve como base o artigo 213 do CBJD e seus três incisos (cujo caput é “Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir…”). A procuradoria entende que o Vasco não preveniu desordens em sua praça de desporto (inciso I) e lançamento de objetos no campo (inciso III). Mas como “só” houve tentativa de invasão ao campo e não a invasão completa (inciso II do artigo ), pede metade da pena. Só no 213 já se chega ao máximo de 25 jogos e R$ 250 mil de multa.

Mas a denúncia ainda traz mais um artigo, o 211: “Deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização.”. A pena prevista é multa de até R$ 100 mil. Ou seja, conclui-se o somatório com o resultado de R$ 350 mil de pena pecuniária máxima ao Gigante da Colina.

*LANCEPRESS

3 Comentários para “STJD interdita São Januário, e Vasco pode perder até 25 mandos de campo”

  1. Tom França disse:

    Acho um completo absurdo, que a punição siga por esse caminho. Já foi mais do que provado em outras situações, que essa forma de punição não resolve as coisas. Como fica o torcedor de bem, que vai ao estádio e leva a sua familia? Como a segurança permitiu que os fogos de artificios adentrassem incólumes ao estádio? Prendam os mal-feitores, punam aqueles que foram flagrados cometendo os atos delituosos, mas não privem o verdadeiro torcedor, o sócio-torcedor que paga as suas mensalidades em dia, de poder ir ao estádio assistir o seu time de coração, ao espetáculo de futebol. Até quando vão continuar com essas práticas injustas para com os clubes e a sua leal torcida? Sábado foi o Vasco! Quem será o próximo?

  2. pepe disse:

    Uma torcida que não ganha dinheiro de time,candidatos,IRA Jovem,uma outra dividida ,Força Jovem,apoiada pela situaçào e outra parte ,da força jovem apoiada pela oposicão,está forma do o barril de pólvoras,seja em São Januário,Maracanã,Volta Redonda,até fora dos estádios,é caso de polícia e esta ,a polîcia não revistou,mas não pren deu ninguém,bandidos,os mesmos bandidos. O time paga o pato,mas a polícia deveria ter prendido,foi omissa.

  3. Marcelo disse:

    Culpa da polícia? Tá de sacanagem? A policia não tem a função de fazer segurança em eventos com fins lucrativos .