Arquivos de junho, 2014

Especialista avalia postura de Thiago Silva

30/06/2014 às 21:21 por Marcos Lopes

Líderes precisam ter consciência de que suas emoções influenciam profundamente o estado de espírito da equipe, segundo o especialista Yuri Trafane, sócio da Ynner Treinamentos. E essa é uma verdade que vale tanto para os campos quanto para a vida profissional em geral.

Na sofrida vitória do Brasil contra o Chile pelas oitavas de final da Copa do Mundo, um dos personagens do “drama” surpreendeu os espectadores da partida.

Na hora da decisão por pênaltis, o capitão da seleção Thiago Silva desabou. Visivelmente inseguro, pediu para não bater nenhum pênalti. Sentou cabisbaixo sobre a bola e começou a rezar. 

Apesar da tensão, veio um final feliz para o Brasil. Mas de que forma o desalento do jovem líder poderia ter prejudicado os ânimos – e o desempenho – dos outros jogadores?

“O que minimizou o impacto negativo do desespero de Thiago, felizmente, foi a segurança mantida por Felipão, a referência central daquela equipe”, comenta o especialista.

Para ele, se o técnico tivesse perdido o controle, as chances de o Brasil levantar a cabeça e vencer o jogo seriam tragicamente reduzidas.

“Ainda que pudesse demonstrar o que estava sentindo, o capitão exagerou na dose”, diz Yuri.
Em meio à instabilidade geral, uma figura surgiu para acalentar os ânimos da seleção na hora H.

O volante Paulinho, que ficou no banco de reservas na partida contra o Chile, acalmou e motivou os companheiros – um gesto valioso sobretudo no momento em que o capitão dava sinais de insegurança.

“O caso de Paulinho é interessante porque ele não vem passando por um bom momento técnico, mas revelou ter inteligência emocional e força moral quando chegou a hora”, diz Yuri.

Na opinião do especialista, a situação mostra que existe uma desconexão entre capacidade técnica e preparo para liderar. “Em empresas, também é comum ver profissionais que podem não estar contribuindo tanto para os resultados, mas são fundamentais para empoderar os demais”, afirma.

Quando falta força moral por parte da chefia oficial, é comum que apareçam líderes espontâneos, como foi o caso de Paulinho, para reequilibrar as energias do grupo.

Na lógica do mundo empresarial, em que a racionalidade é um valor incontestável, demonstrações exageradas de emoção não costumam ser bem-vindas.

“Salvo por motivos pessoais, é uma catástrofe que um chefe chore diante de sua equipe”, afirma Yuri.

O especialista explica que, até meados da década de 1990, era comum a mistificação do líder como uma espécie de super herói inabalável e estóico.

“Hoje, vivemos uma fase em que a humanização da chefia passa a ser vista com bons olhos”, explica o especialista. Sofrer, admitir falhas e agir com humildade são atitudes esperadas de um chefe de “carne e osso”.

O problema está na sua postura diante de uma crise – ou na iminência de um possível fracasso, como teria sido a derrota para o Chile.

“Na hora H, mesmo o chefe mais sensível precisa garantir que os outros podem segurar na sua mão e seguir em frente sem medo”, pondera Yuri.

Exame.com

No sufoco, Alemanha vence Argélia

30/06/2014 às 19:40 por Marcos Lopes

A Alemanha  sofreu , no estádio Beira-Rio, mas venceu a Argélia por 2 a 1 e agora enfrenta a França nas quartas de final da Copa do Mundo. Os gols saíram apenas na prorrogação, após um empate em 0 a 0 no tempo normal.

Destaque para Ramis Mbolhi,  goleiro argelino que parou todas as conclusões pelo alto dos alemães,e mais um detalhe, na prorrogação faltou pernas para a seleção da Argélia reagir.

O resultado coloca a Alemanha no Maracanã. O time enfrenta a França, na sexta-feira, pelas quartas de final da Copa do Mundo.

Chora, chora, chora e nada de futebol

30/06/2014 às 18:07 por Marcos Lopes

Carlos Alberto, capitão do Tri em 70, falando  no SporTV, sobre a pressão em cima da seleção brasileira: ” Pressão é normal… Nunca tinha visto isto: toca o hino, chora; leva falta, chora; toma gol, chora; ganha, chora”.

A instabilidade emocional da seleção é gritante, a falta de maturidade dos jogadores impressiona. O eterno “capita” está coberto de razão, e eu arremato: é muito choro e pouquíssimo futebol.

Érico goleiro do Baraúnas deve assinar com o América

30/06/2014 às 17:23 por Marcos Lopes

O goleiro Érico terá de cumprir suspensão de dois jogos ainda por conta de sua expulsão no jogo contra o CRB, ano passado, pela Série C. Ciente disso, o Baraúnas encontrou uma forma interessante para reduzir esse impacto.

Érico assinará contrato com o América e será inscrito na Série B, pagando a punição nessa competição. Em seguida, será repassado ao Baraúnas para atuar na Série D. No Leão, devido o prazo, não jogará a estréia, dia 20, contra o Central, mas estará livre para entrar em campo no jogo seguinte, contra o Jacuipense, dia 27.

Fábio Oliveira/ Portal F9

França vence e espera próximo adversário

30/06/2014 às 17:14 por Marcos Lopes

A França venceu a Nigéria por 2 a 0 na tarde desta segunda-feira no estádio Mané Garrincha com gols de Pogba aos 33 e Griezmann aos 46 minutos do segundo tempo, os Les Bleus garantiram a passagem para as quartas de final da Copa do Mundo.

Com a vitória, a França agora aguarda o vencedor de Alemanha e Argélia.

Octávio está fora do ABC

30/06/2014 às 11:16 por Marcos Lopes

O meia Octávio foi devolvido ao Botafogo. O jogador que chegou como uma promessa para qualificar o setor de meio do ABC foi pouco aproveitado pelo técnico Zé Teodoro, e sequer se reapresentou com o restante do elenco.

Segundo o vice de futebol do ABC, Bira Marques ” o agente dele nos procurou e pediu o retorno dele para o Botafogo que parece ter uma negociação para o jogador. Como nós não tínhamos nenhum custo com o atleta e o compromisso de liberá-lo em caso de negociação assim foi feito. Se esta negociação não der certo, ele volta”.

Oliveira Canindé analisa os reforços e diz que Arthur Maia “tomou infiltração”

30/06/2014 às 10:49 por Marcos Lopes

Oliveira Canindé e as contratações do América: ” O Morais é um  jogador que já esteve até na seleção brasileira, então eu espero que ele venha centrado naquilo que nós precisamos dele e que ele possa acrescentar em cima do grupo que nós temos. O André é um jogador que eu acredito que seja de movimentação por estar fora do país por saber jogar nessas funções que nós vamos exigir já que é um sistema parecido com o que jogam lá fora e espero que ele possa acrescentar também. Já o Digão espero que seja uma característica diferente da do  Marcelinho e do Wálber e  que possa acrescentar do meio para trás já que temos mais alas do que laterais”.

Lesão de Arthur Maia: ” Voltou a sentir é complicado e tomou infiltração, como eu joguei e tomei infiltração e sinto até hoje,  eu sabia que ele ia voltar a sentir. Infelizmente ele tomou infiltração, não foi aqui , foi no Vitória onde ele foi tentar se cuidar e fizeram infiltração e espero que ele se recupere o mais rápido possível”.

No ABC, Rogerinho e Gilmar no DM

30/06/2014 às 09:54 por Marcos Lopes

Nem começou a intertemporada e o  meia Rogerinho, com uma lesão no tornozelo, e o atacante Gilmar, que se queixou de dores no púbis, seguem entregues ao Departamento Médico e permaneceram no CT Alberi Ferreira de Matos em tratamento intensivo.

Os dois estão em observação e passarão hoje por uma reavaliação médica.

Edson Rocha volta para o DM

30/06/2014 às 09:43 por Marcos Lopes

Depois do meia Arthur Maia que voltou para o Departamento Médico sentindo a mesma lesão, agora foi o zagueiro Edson Rocha que sentiu novamente a lesão na coxa e voltou para o DM.

O América retoma o Brasileiro no próximo dia 15, jogando na Arena das Dunas contra o Bragantino.

Corrida contra o tempo

30/06/2014 às 08:00 por Marcos Lopes

É decisivo que Felipão mexa no time que sexta-feira enfrenta a Colômbia, além apenas da substituição do mais regular e competente jogador da equipe, Luis Gustavo que levou o amarelo.

Felipão adora centroavante, atacante enfiado,  mas diante da inoperância de Fred e Jô, não seria o caso de Neymar fazer o falso 9, como Messi no Barcelona, e a Seleção jogar com atacantes de movimentação?

E penso que a seleção precisa de um armador, jogamos até aqui sem ninguém na função. Paulinho em boa fase faria bem a função, mas está mal. Oscar parece perdido em campo, participando pouco dos jogos. Ele não arma e nem serve os atacantes, e falta  um jogador que pense o jogo, que cadencie, que faça a bola girar, que trabalhe a transição.

E mais, o Brasil tem problemas sérios, que começa pelas laterais. A má fase de Daniel Alves é terrível. A falta de força defensiva e ofensiva de Marcelo preocupa.  Escapam os dois zagueiros, o goleiro e Neymar. O Brasil pode ser campeão, mas a seleção é de uma pobreza franciscana em nível técnico. Só na base do torcedor berrando o hino nacional nos estádios a gente não chega lá.

Felipão corre contra o tempo para arrumar a seleção para a decisão de sexta-feira em Fortaleza contra a Colômbia.